Rede 30 de Setembro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
30 de Setembro
Razão social Jose Mendes da Silva Posto de Gasolina
Empresário Individual
Indústria Postos de gasolina
Fundação 1999
Fundador(es) José Mendes da Silva
Sede Mossoró,  Brasil
Locais Rio Grande do Norte e Ceará
Presidente José Mendes da Silva
Empregados 69 (2017)
Produtos Combustíveis, Etanol, Diesel

A Rede 30 de Setembro é uma rede de postos de combustíveis que atua nos estados de Rio Grande do Norte[1] e Ceará.

Segundo conta José Mendes da Silva, proprietário da rede, o nome da empresa remete ao conjunto 30 de setembro, no bairro Rincão, em Mossoró, no Rio Grande do Norte, onde a rede foi fundada, no ano de 1999.

A empresa atua nas cidades de Natal, Parnamirim, Mossoró e Fortaleza sob a marca 30 de Setembro.

Unidades[editar | editar código-fonte]

Natal - Lagoa Nova - (avenida Prudente de Morais)

Natal - Felipe Camarão - (avenida Industrial João Francisco da Mota)

Parnamirim - Nova Parnamirim - (avenida Maria Lacerda Montenegro)

Mossoró - Pintos - (rodovia BR-110)

Mossoró - Santo Antonio (avenida Jeremias da Rocha)

Mossoró -Abolição[2] - (rodovia BR-405)

Fortaleza - Fátima - (avenida Lauro Maia)

Esquema de compra e venda irregular de combustíveis[editar | editar código-fonte]

No dia 13 de novembro de 2012, o gerente do grupo 30 de setembro, Alexandre Bruno Mendes Correia, o advogado do grupo, João Maria Sátiro de Barros, foram detidos em cumprimento a mandados de prisão expedidos pela justiça, eles foram suspeitos de participar das negociações para compra e venda irregular de combustíveis.[3]

Alexandre Bruno participava das negociações para a compra do álcool combustível diretamente às usinas, enquanto João Maria é suspeito de participar da operacionalização do esquema.

Referências

  1. «Posto de combustíveis na Prudente de Morais é assaltado nessa madrugada». Tribuna do Norte 
  2. «Posto 30 de Setembro». Apontador. Consultado em 21 de fevereiro de 2017. 
  3. «Esquema fraudou R$ 7 milhões». Tribuna do Norte