Rede Família

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rede Familia)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde junho de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rede Família
Rede Família de Comunicação Ltda.
Tipo Rede de televisão comercial
País  Brasil
Fundação 1997[nota 1]
por Edir Macedo
Pertence a Grupo Record[1]
Presidente
  • Ronaldo Perseguini
  • Eduardo Lopes (2016 - atual)
Cidade de origem São Paulo Limeira, SP
Sede Bandeira Limeira SaoPaulo Brasil.svg Limeira, SP
Rua Dr. José Carvalho Ferreira, 663 - Jardim Planalto
Estúdios Bandeira Limeira SaoPaulo Brasil.svg Limeira, SP
Rua Dr. José Carvalho Ferreira, 663 - Jardim Planalto
                         = 20px Campinas, Sp 
Rua Jorge Hennings, 155 - Jardim Chapadão
Slogan Conectada a você
Formato de vídeo
Canais irmãos
Afiliações
Cobertura 26% do território nacional
Emissoras afiliadas ver lista completa
Cobertura internacional Toda a América do Sul
Nome(s) anteriore(s) TV Família (1998-1999)
Página oficial www.redefamilia.com.br
Disponibilidade aberta e gratuita
Analógico
Digital
Disponibilidade por satélite
StarOne C2
  • Banda L: 1000 MHz
  • Polarização: Vertical 4150 (Analógico)
StarOne C3
  • Banda L: 3665 MHz
  • Polarização: Horizontal 5000 (Digital HD)
SKY Brasil
Canal 171 (Em breve)
Disponibilidade por cabo
NET
Canal 12 (Capivari, Elias Fausto, Limeira, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Monte Mor, Salto, Porto Feliz, Rafard e Tietê)
Canal 13 (Sertãozinho)
Canal 14 (Itapetininga)
Supermidia
Canal 18
Life TV
Canal 56

Rede Família é uma rede de televisão brasileira com sede na cidade de Limeira, no Estado de São Paulo. É uma das empresas do Grupo Record. A rede surgiu em 1997, apenas nos estados da Bahia e Rio Grande do Sul, através de duas emissoras de TV independentes que tinham repetidoras na maior parte desses estados, que foram compradas pelo grupo. Em São Paulo, a rede entrou no ar em 1º de agosto de 1998.

Quando surgiu, a rede ficava 18 horas no ar, gerados a partir da sede, situada na cidade de Limeira, tinha programação baseada em jornalismo, séries, desenhos animados, programas independentes e religiosos da Igreja Universal do Reino de Deus. A emissora tinha seus estúdios espalhados em três locais: São Paulo, Campinas e Limeira (onde concentrava a geradora da rede). De 1997 até 1999, antes de se tornar rede, era sintonizada apenas em três estados: Bahia, Rio Grande do Sul e São Paulo. Depois que passou ser transmitida através via satélite em 1999, passou ser sintonizada na Brasil Sat C2, onde fica canais analógicos da antena parabólica, mas perdeu cobertura na Bahia e o Rio Grande do Sul.

Em 2003, tornou-se afiliada à Rede Mulher, mas depois deixou a rede e começou expandir as repetidoras em Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e capitais dos Estados, inclusive ganhou afiliadas na Região Norte. Depois da rápida expansão, a rede parou de expandir, tendo perdido diversas afiliadas e repetidoras. Posteriormente a rede deixou ser sintonizado na Brasil Sat C2 e foi para Brasil Sat C3 que tem canais digitais. Tinha sinal nas repetidoras VHF e UHF, incluindo as operadoras de TVs por assinatura por satélite (DirecTV e SKY) e a cabo (Vivax e NET).

A rede permaneceu no ar até as 23 horas e 59 minutos do dia 30 de junho de 2011, quando a meia noite do dia 1º de julho, passou a se chamar IURD TV, web emissora de televisão dedicado aos fiéis da Igreja Universal,[2] que naquele momento passa a ser a emissora de televisão aberta. No dia 6 de novembro de 2012, a emissora voltou no ar. Em 1º de fevereiro, 2014 a Rede Família, retornou com transmissões para todo o Brasil no satélite StarOne C2 (antigo Brasil Sat 2) em formato analógico no lugar da Record News analógico.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

De 1992 a 1998, a crise da Rede Manchete fez com que as emissoras afiliadas em São Paulo e de outros estados mudarem para as redes Record, CNT, Bandeirantes e o SBT. Também fez outras virarem redes, como a Rede Mulher e a Rede Boas Novas, algumas foram vendidas ou até mudaram de nome, como a TV FR, a TV Thathi e a TV Cabrália.

Em 1995, Edir Macedo comprou a TV Cabrália, emissora de TV que tinha cobertura no sul e leste da Bahia, que passou ser a primeira afiliada à Record na Bahia. Em 1997, quando a TV Itapoan foi comprada por Macedo para ser afiliada da Record na Bahia, a TV Cabrália passou ser independente e passou a produzir programação da futura Rede Família.

Nos primeiros meses de 1998, Macedo entrou em negociações com o ex-deputado federal e pastor Fausto Rocha, onde comprou as emissoras de TVs FR, que estavam em crise. As emissoras estavam localizadas em Campinas e Limeira com outras repetidoras. Em julho, entrou em negociações com os proprietários da TV Thathi de Ribeirão Preto (na época, afiliada à Rede Manchete). A emissora tinha concessões e repetidoras que atingiram o norte, nordeste e oeste de São Paulo, onde atingiam grandes cidades como Sorocaba e o Ribeirão Preto, inclusive cidades menores. Porém, terminou na compra com todas emissoras do mesmo nome no interior, menos na de Ribeirão Preto (Canal 33).

Com isso, as TVs compradas no interior de São Paulo deixaram a Rede Manchete e passaram a exibir a programação da Rede Família, que passou a transmitir em parte do Estado de São Paulo.

Primeira fase (1998-2011)[editar | editar código-fonte]

Inauguração da emissora[editar | editar código-fonte]

Em 1º de agosto de 1998, as geradoras e repetidoras de TVs compradas no interior de São Paulo foram extintas e deixaram de serem afiliadas à Rede Manchete (que ficou sem sinal no noroeste, norte e nordeste do estado) passando então a gerar programação independente e mudaram de nome para Rede Família.

A nova rede implantou efetivamente programação "comprometida com os valores éticos da pessoa e da família", com mais de 18 horas de programação, oferecendo ao "telespectador informação, entretenimento e lazer", sendo restante da programação os programas religiosos da Igreja Universal do Reino de Deus. A antiga TV FR de Limeira passou ser a cabeça de rede da emissora.

TV Família[editar | editar código-fonte]

Em outubro, por conta da nova crise da Rede Manchete, surgiram informações de que a nova emissora iria ser futura compradora da rede,[3] mas não foi confirmado.

Em 13 de abril de 1999, quando Edir Macedo comprou a Rede Mulher, surgiu informação que a rede se tornaria geradora da Rede Família,[4] mas a direção da Rede Mulher negou a informação já no dia seguinte.[5]

Em maio, foi anunciado que apesar da Rede Record ser única das seis maiores redes de televisões brasileiras apresentarem crescimento de faturamento, a cúpula da emissora, pretende reorganizar as atividades das decifrarias da Rede Família e Rede Mulher no interior de SP, ao concentrar as produções na cidade de São Paulo, que na prática vai resultar em demissões nas duas emissoras.[6]

Rede Família[editar | editar código-fonte]

Para ter sinal em todo o Brasil, a direção da TV família negociou com a Embratel, a transmissão em via satélite em canal analógico nas antenas parabólicas, no satélite Brasil Sat 2. A Embratel concedeu camcorder (ou freqüência) para que a emissora opere como rede. Em 6 de julho de 1999, a Rede Família estreou em transmissão via satélite em canal analógico nas parabólicas no Brasil Sat 2, transformando-se em Rede Família. Curiosamente a recém-inaugurada rede entrou no ar na frequência 1000mhz, polarização vertical, a mesma em que era transmitida o sinal da CNT até o dia 25 de fevereiro do mesmo ano.[7]

Na semana seguinte, a Rede Família lança nova grade de programação com diminuição da programação religiosa,[8] depois que a rede passou a ser exibida para todo o país, os custos para manter a rede e a necessidade de maior audiência aumentaram. Para melhorar os índices, a direção decidiu seguir a mesma fórmula que transformou a Rede Record numa grande emissora.[9]

Em 19 de julho, estreou o programa policial Alerta Total, um programa semelhante ao Cidade Alerta exibido pela Rede Record, com o diferencial das reportagens com assistencialismo social.[9]

No final de julho, surgiu informação de que Edir Macedo entrou em negociações para comprar o Canal Brasileiro da Informação (CBI), emissora de TV em UHF localizada na cidade de São Paulo. O objetivo é levar o sinal da Rede Família para a cidade e região metropolitana de São Paulo, que só existe no interior do estado de São Paulo.[8] No entanto, as negociações não foram adiante.

Em 2 de agosto, quando na Record se inicia a exibição da reprise da novela Estrela de Fogo às 14 horas, na Rede Família se passa a reprisar também o capítulo da novela que passou pela Record.[10]

Afiliação com a Rede Mulher[editar | editar código-fonte]

Em 3 de fevereiro de 2003, a Rede Família tornou-se afiliada da Rede Mulher de Televisão e deixou de ter programação própria desde a época da inauguração das atividades em São Paulo em 1998. A afiliação e desistência como rede aconteceram depois de mais de quatro anos sem conquistar afiliadas ou retransmissoras em São Paulo e outros estados. Pelo acordo entre as partes, a programação da Rede Mulher passa a ser transmitida em VHF para as cidades de Campinas, Limeira, Piracicaba e Ribeirão Preto, entre outras cidades do interior paulista, transmitidas pela Rede Família. A emissora também irá oferecer ao mercado publicitário e novas opções de mídia regional.[11] Em 2005, a Rede Família exibia Rede Família Esporte (18h30), Debate Bola (19h15), Pokemon (17h30), Caçadora de Relíquias (21h20) e o Jornal da Rede Família (segunda a sexta às 18h e sábados às 17h30). O restante da programação era espaços da IURD e independentes e a rede não exibia programação própria aos domingos. Neste ano, a parceria é desfeita e as redes passam a gerar programações independentes uma da outra.

Volta da rede[editar | editar código-fonte]

Antes, durante e após afiliação com a Rede Mulher, uma série de novos produtos são incorporados cada vez mais na grade de programação, confirmando assim o grande salto qualitativo e quantitativo continuadamente praticado pela Rede Família desde a fundação. As imagens transmitidas pela rede se modernizaram com a compra de modernos equipamentos de sons e imagens, substituindo os antigos desde a época do surgimento da rede (alguns que eram de emissoras de TVs FR e da TV Thathi). Elas são geradas pelo Sistema Betacam SP dentro dos mais rigorosos e modernos padrões técnicos, estando qualificada acima da média em quesitos como qualidade de imagem e sinal de alto rendimento.

Extinção[editar | editar código-fonte]

Em 30 de junho de 2011, a rede foi ao ar pela última vez.[2] Na madrugada do dia 1º de julho, a Rede Família foi substituída pela IURD TV, web emissora de televisão dedicado aos fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus,[2] que naquele momento passaria a ser uma emissora de televisão aberta. Todos os programas próprios (Versátil e Atual, Papo de Mulher, Rede Família Esporte, Comando Geral, Alerta Total, Atordoados e as séries e desenhos) foram retirados do ar.

O canal 8 passou a operar somente repetidora, através da geradora de Limeira.[2]

No dia 20 de julho, as produções independentes mantidas pela rede recém-extinta foram retiradas do ar já com nova rede. No lugar de todos os programas da extinta Rede Família, a IURD TV passou a transmitir somente programas religiosos da Igreja Universal.

Segunda fase (2012-presente)[editar | editar código-fonte]

Logotipo utilizado até 2013

A Rede Família voltou a transmitir em 2012 sua programação para todo o Brasil através da satélite StarOne C2, substituindo o sinal da Record Minas, transmitindo em formato digital. Em 2 de julho de 2012, o bispo Edir Macedo, fez um pronunciamento no qual apresentou novidades com relação à emissoras do grupo. A principal novidade é que a Rede Record irá deixar de exibir programas religiosos da Igreja Universal do Reino de Deus, da qual Edir Macedo é o principal líder, e os programas passarão a ser exibidos na Rede Família.

A emissora retornou transmitindo a programação da IURD TV e com o seu telejornal, o Jornal da Rede Família, com matérias produzidas pela Rede Record e Record News. Poucos dias após o retorno da emissora, foi anunciada a nova programação com séries, filmes e animações. Pouco a pouco, a Rede Família vai introduzindo novos programas na grade. A IURD TV segue com sua programação 24h via internet.

A Rede Família cobre atualmente municípios nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Sergipe, Maranhão e Piauí. Também está presente na grade da NET nas cidades de Araras, Limeira e Rio Claro.

No dia 24 de junho, a Rede Família estreou sua nova programação. Entre as novidades está a exibição da novela “Essas Mulheres” (2005), na faixa das 17h30. A Record “cedeu” os direitos à RF – há em vigência cláusulas contratuais que permite a exibição de produtos da Record em canais do Grupo. Entre as estreias estão também as séries “Xena – A Princesa Guerreira”, “Hércules”, “Heroes”, “Covert Affairs”, “The Event” e “Law & Order: Los Angeles”. Constam ainda no pacote programas da própria Record e da Record News, como “Câmera Record”, “Repórter Record”,“Entrevista Record” e o "Programa Romario Rocha" destinado a estética, beleza e saúde.

Em 1º de fevereiro de 2014, a emissora passou a transmitir em rede nacional, pelo satélite StarOne C2, no lugar da Record News analógico. A Record News foi para o sinal digital que antes era da Rede Família.

Em 28 de abril de 2017, a emissora exibe a última edição do Alerta Total, jornalístico que dava boa audiência a emissora e que era apresentado por Kléber Leite. No mesmo dia o Rede Família Esporte, que tinha apresentação de Guina Paiva, também deixa a grade da emissora, o que também causou o fim do departamento esportivo da emissora.

No dia 1º de agosto de 2017, a Rede Família colocou no no ar a sua nova programação com a criação de novos programas, novos cenários e nova identidade visual.

Programas[editar | editar código-fonte]

Próprios[editar | editar código-fonte]

Comunitária
Noticiários
Variedades
  • RF e Você
  • Versátil & Atual

Independentes[editar | editar código-fonte]

Programação IURD
Infomercial
  • Espaço Empresarial
  • Gospel Line
  • Nova Geração
  • Passarela Sertaneja
  • Polimport
  • Programa do Rivail
  • Programa Romário Rocha
  • TV Educativa

Emissoras[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Em 1997, ela foi inaugurada só nos estados da Bahia e Rio Grande do Sul. No dia 1º de agosto de 1998, foi inaugurada em São Paulo e em 6 de julho de 1999 em todo o Brasil.

Referências

  1. «Igreja controla maior parte de TVs do país». Folha Online. Consultado em 25 de novembro de 2010 
  2. a b c d «Rede Família de Televisão fecha as portas em Campinas». RAC. 30 de junho de 2011. Consultado em 28 de julho de 2011 
  3. «O fim abrupto de "Brida"». TV Crítica (no GeoCities). 19 de outubro de 1998. É esperado que antes do final do ano a emissora não esteja mais nas mãos dos atuais proprietários. DCI-Editora Jornalística, Rede Record (TV Família) e Grupo Abril encabeçam a lista dos pretendentes. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 25 de julho de 2003.
  4. «Rede Record comprou a Rede Mulher». TV Crítica (no GeoCities). 14 de abril de 1999. Consta numa notícia divulgada no final do dia de ontem que a Rede Mulher [foi] comprada pela Rede Record. A Rede Mulher é uma emissora instalada no estado de São Paulo, operando em UHF e tendo o sinal distribuído para o resto do país através de satélite. Sua programação é específica para o público feminino. Estas são características consideradas adequadas para que a Rede Mulher torne-se a "cabeça" da Rede Família. Criada pela Igreja Universal, a Rede Família já opera em diversas localidades e seu principal objetivo é abrigar a programação evangélica da Igreja Universal, permitindo que a Rede Record concentre-se na programação comercial. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 10 de outubro de 2000.
  5. «Mistério na compra da Rede Mulher pela Record». TV Crítica (no GeoCities). 15 de abril de 1999. A Rede Mulher não será "cabeça" da Rede Família. Esta informação foi dada ontem pela diretoria da Rede Mulher que forneceu alguns detalhes sobre a venda da emissora para a Rede Record. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 10 de outubro de 2000.
  6. «Demissões na Rede Record». TV Crítica (no GeoCities). 15 de abril de 1999. O setor televisivo brasileiro atravessa uma grave crise financeira. As previsões indicam que o setor deverá sofrer uma retração de 5% neste ano. A Rede Record deverá ser a única emissora a apresentar crescimento no faturamento em 1999. Com base nos resultados obtidos no primeiro trimestre, estima-se que a Record deva apresentar um aumento de 30% no seu faturamento. Apesar disto, a Record pretende diminuir o seu quadro de funcionários, podendo iniciar, nas próximas semanas, uma série de demissões. Além disso, a cúpula da Igreja Universal, que controla a Rede Record, também pretende reorganizar as atividades da Rede Família e da Rede Mulher, concentrando as produções em São Paulo. Esta medida deverá resultar em mais demissões nas duas emissoras. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 2 de maio de 2002.
  7. «Overdose evangélica». TV Crítica (no GeoCities). 7 de julho de 1999. Ontem, a Rede Família passou a utilizar um canal analógico do Brasilsat, na mesma freqüência em que era transmitida o sinal da CNT/Gazeta. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 16 de novembro de 2002.
  8. a b «CBI na mira da IURD». TV Crítica (no GeoCities). 28 de julho de 1999. Apesar das dificuldades financeiras, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) está tentando adquirir o Canal Brasileiro da Informação (CBI), uma emissora em UHF localizada na cidade de São Paulo. O objetivo é levar o sinal da Rede Família para a cidade de São Paulo. Atualmente, a Rede Família possuí e sintonizada, no estado de São Paulo, apenas no interior. Nas últimas semanas a emissora lançou uma nova grade, diminuindo a programação religiosa. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 26 de julho de 2003.
  9. a b «"Mundo Cão" evangélico». TV Crítica (no GeoCities). 7 de julho de 1999. A Igreja Universal criou a Rede Família com o objetivo de concentrar sua programação, antes veiculada através da Rede Record, num canal religioso. Mas agora a Rede Família passou a ser exibida para todo o país. Seus custos aumentaram e a necessidade de uma maior audiência também. Para melhorar os índices, a direção da Rede Família decidiu seguir a mesma fórmula que transformou a Rede Record numa grande emissora. O resultado foi a criação do programa "Alerta Total", cuja estréia ocorreu ontem. Como se pode deduzir pelo título, "Alerta Total" é uma cópia do "Cidade Alerta", programa policial da Record. A única diferença desta nova versão foi a presença de alguns quadros de assistencialismo. No programa de estréia, foi apresentado uma matéria onde pacatos fieis de uma igreja evangélica reclamavam da ameaçadora presença de um estuprador na região. Com esta tática, a Rede Família afasta-se do modelo de TV segmentada, destinada para os fiéis evangélicos, mostrando uma programação cada vez mais parecida com as oferecidas pelas demais emissoras. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 25 de julho de 2003.
  10. «Vale a Pena Ver de Novo 2». TV Crítica (no GeoCities). 5 de agosto de 1999. Apesar do bom desempenho de Cátia Fonseca à frente do "Note & Anote", a Record decidiu exibir a reprise da novela "Estrela de Fogo" às 14h00. A medida deverá reduzir o tempo de duração do "Note & Anote" e evitar um confronto direto entre Cátia Fonseca e Ana Maria Braga, que, ao que tudo indica, deverá exibir seu programa no mesmo horário. Atualmente a novela está sendo reprisada na Rede Família. [ligação inativa]  Ver Web Archive em 12 de novembro de 2002.
  11. Marcelo Affini (3 de fevereiro de 2003, 14h54). «Rede Família torna-se afiliada da Rede Mulher». MM Online [ligação inativa]  Verifique data em: |data= (ajuda) Ver Web Archive em 18 de abril de 2003.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]