Redebaldo I dos Frísios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Redebaldo I dos Frísios
Nascimento Desconhecido
Morte Desconhecido
Filho(s) Teodesinda
Ocupação aristocrata
Título duque

Radebaldo I, Ratebaldo ou Redebaldo é um rei que governou os frísios cerca de 679 até sua morte em 719.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O seu antecessor, Aldgisl, tinha acolhido a partir de 678 o missionário cristão Vilfrido de Iorque que tinha começado a evangelizar os sua Estados[1]. Radebaldo por sua vez se mantém fiel ao paganismo e tenta ganhar a sua independência dos Reinos francos, graças às guerras civis que os afectam. Mas em 689, ele é batido pelo prefeito do palácio da Austrásia Pepino de Herstal na batalha de Dorestad[2][3] e deve ceder-lhe a Frísia Ocidental, da foz do rio Escalda ao Vlie. Utreque cai sob influência franca em 690 e tornou-se a sede de uma diocese chefiada por Villibrordo, que continua a evangelização dos Frísios.

Radebaldo foge para o norte após esta derrota, talvez até Heligolândia. Ele pega em armas em 692 e derrotado mais uma vez, submetesse. Ele enviou uma embaixada a Pepino e se tornou tributário do Francos. Pepino ainda tem de intervir em Dorestad 697 contra os Frísios que foram derrotados[4]. Segundo a lenda, Radebaldo teria concordado em converter-se e o missionário Vulfram é o enviado para o baptizar. Mas o rei dos Frísios recusou o sacramento no último momento. A sua filha Teodesinda se casa em 711 com ofilho mais velho de Pepino, Grimoaldo II[4].

Após a morte de Grimoaldo e Pepino em 714, Radebaldo ataca novamente os Francos. Ele caça Villibrordo e os seus monges e avança para Colónia, onde derrotou as tropas de Carlos Martel em 716. Radebaldo morreu em 719. O seu sucessor Bubo, continua a luta, mas Carlos Martel consegue submeter os frísios por expedições em 725, 734 e 736.

Referências

  1. Lebecq, Stéphane (1983). Presses universitaires Septentrion, ed. Marchands et navigateurs frisons du haut Moyen Âge: Corpus des sources écrites. [S.l.: s.n.] p. «56» . ISBN 978-2-85939-198-0 
  2. Warnkönig, Leopold August; Gérard, Pierre Florent (1862). Éditeur J. Rozez, ed. Histoire des Carolingiens. Bruxelles: [s.n.] 
  3. «172» }}
  4. a b Stéphane Lebecq, Predefinição:Op. cit., p. 328 Predefinição:Lire en ligne.