Referendo sobre a independência da Bósnia e Herzegovina em 1992

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Um referendo de independência foi realizado na Bósnia e Herzegovina entre 29 de fevereiro e 1 de março de 1992, na sequência das primeiras eleições livres de 1990 e da ascensão de tensões étnicas que conduziriam à dissolução da Iugoslávia. A independência era fortemente favorecida pelos eleitores bosníacos e croatas bósnios enquanto que os sérvios bósnios boicotaram o referendo ou foram impedidos de participar pelas autoridades sérvias da Bósnia. A afluência total de votantes foi de 63,4% (menos de dois terços, lançando dúvidas sobre sua validade), dos quais 99,7% votaram a favor da independência da Bósnia e Herzegovina. Em 3 de março, presidente da Presidência da Bósnia e Herzegovina Alija Izetbegović declarou a independência da República da Bósnia e Herzegovina e o parlamento ratificou a ação. Em 6 de abril, os Estados Unidos e a Comunidade Econômica Europeia reconheceram a Bósnia e Herzegovina como um Estado independente e, em 22 de maio seria admitido nas Nações Unidas.

Resultados[editar | editar código-fonte]

Escolha Votos %
Favorável 2.061.932 99.7
Contrário 6.037 0.3
Inválidos / votos brancos 5,227
Total 2.073.568 100
Eleitores registrados / afluência 3.253.847 63.7
Fonte: Nohlen & Stöver[1]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra da Bósnia
Prédios de apartamentos fortemente danificados no distrito de Grbavica, Sarajevo.

Imediatamente após o reconhecimento, as forças sérvias bósnias e sérvias, dirigidas e financiadas por Belgrado, iniciaram uma "agressão abrangente" na Bósnia e Herzegovina. [2] O Exército Popular Iugoslavo e voluntários sérvios atacaram a cidade predominantemente croata de Ravno em setembro de 1991, policiais sérvios bósnios dispararam sobre as áreas povoadas por bosníacos de Šipovo durante o qual 3.000 bosníacos fugiram, e unidades paramilitares sérvias atacaram Foča, Visegrad, Bratunac, Bijeljina, e outras cidades do leste da Bósnia e Herzegovina. [3] No mês de reconhecimento, o cerco de Sarajevo começou, altura em que o Exército da Republika Srpska (VRS), controlava 70% da Bósnia e Herzegovina.[4]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Nohlen, D & Stöver, P (2010) Elections in Europe: A data handbook ISBN 978-3-8329-5609-7
  2. Nettelfield 2010, p. 67.
  3. Caplan 2005, p. 121.
  4. Hoare 2010, p. 126.

Referências[editar | editar código-fonte]

Livros
Reports
Novos artigos