Reflexo flehmen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um tigre exibindo a reação flehmen.

O reflexo (reação, resposta ou efeito) flehmen[nota 1] (do alemão flehmen, que significa erguer o lábio superior) é o nome que se dá, em zoologia, à reação presente nos mamíferos ungulados, felinos e outros, a fim de facilitar a percepção de feromônios e outros cheiros pelo órgão vomeronasal.

A flehmen envolve posturas características: o animal fica ereto, estende o pescoço e ergue a cabeça, abre bem as narinas, com pequena abertura da boca com enrolamento do lábio superior, muitas vezes expondo a gengiva superior. O termo foi usado primeiramente por Schneider, em 1930.[2]

O reflexo pode estar ou não presente antes do ato copulatório do animal, como forma de perceber o macho a disponibilidade da fêmea para a reprodução.[3]

A reação ocorre nos machos quando excitados pelo cheiro da secreção vaginal ou urina da fêmea, sendo ainda objeto de discussão se tal reflexo, bem como o movimento de extensão da cabeça que o acompanha, ajudam ou não os odores a chegarem até o órgão vomeronasal (experimentos com o bloqueio de seus dois ductos alteraram mas não impediram a ocorrência do reflexo em touros expostos aos feromônios de vacas no cio).[4]

Em algumas espécies, contudo, a reação foi observada durante encontros entre animais do mesmo sexo - entre fêmeas ou entre machos; também há relatos de flehmen em algumas espécies entre uma fêmea e um recém-nascido ou ao líquido amniótico. Neste caso o reflexo faz parte do reconhecimento individual materno e, nos casos anteriores, como reconhecimento do status social, bem como para revelar o nível de hormônios do outro indivíduo.[2]

Nos seres humanos não está descartada a hipótese de que o sorriso na fase da conquista possa ser uma reação flehmen, tal como a "careta" que esta produz nos outros animais; o mesmo poderia ocorrer com o próprio beijo.[5]

Notas

  1. Embora comumente chamado de reação, efeito, resposta ou mesmo careta "de Flehmen" - com uso de maiúscula - o termo não é nome próprio ou mesmo substantivo (que no idioma original grafa-se em maiúscula) que justifiquem tal uso. Diversas fontes em português seguem este erro, embora outras sirvam-se corretamente do minúsculo como, por exemplo, esta a seguir.[1]

Referências

  1. José Robson Bezerra Sereno et. allii (novembro/1996). «ESTUDO DO COMPORTAMENTO SEXUAL DE EQÜINOS DA RAÇA PANTANEIRA NO PERÍODO PERIPUBERAL» (PDF). Comunicado técnico N 16, ISSN 0102-8316. Consultado em janeiro de 2012  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  2. a b Daniel S. Mills. The Encyclopedia of Applied Animal Behaviour and Welfare. [S.l.]: CABI, 2010. p. 265. ISBN 0851997244 Página visitada em março de 2012.
  3. Cleber Barbosa de Oliveira et allii. (janeiro./Feb. 2007). «Avaliação do comportamento sexual em touros Nelore». Revista Brasileira de Zootecnia vol. 36 no.1 Viçosa. Consultado em janeiro de 2012  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  4. K. M. DYCE,C. J. G. WENSING,W. O. SACK. Tratado de Anatomia Veterinária. 3ª ed. [S.l.]: Elsevier Editora Ltda, Rio de Janeiro, 2004. p. 338. ISBN 9788535213928 Página visitada em março de 2012.
  5. Lucy Vincent. Por que nos apaixonamos. [S.l.]: Ediouro, 2005. p. 44. ISBN 8500017511
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.