Saltar para o conteúdo

Região Metropolitana de Belo Horizonte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Região Metropolitana de Belo Horizonte
Localização
Localização
Localização da Região Metropolitana de Belo Horizonte
Unidade federativa  Minas Gerais
Lei LC 14/1973, LCE 88/2006 e LCE 89/2006.
Data da criação 1973
Número de municípios
  34 municípios no núcleo
  16 no colar metropolitano
Cidade-sede Belo Horizonte
Características geográficas
Área 14 978,6 km²
População 5 733 783 hab.
Densidade 382,8 hab./km²
IDH 0,774 – alto PNUD/2010[1]
PIB R$ 294,645 bi [2]
PIB per capita R$ 51.388,66 IBGE/2021[2]

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), também chamada de Grande Belo Horizonte ou simplesmente Grande BH, é um recorte político-administrativo criado por lei com o objetivo de viabilizar a gestão da aglomeração metropolitana resultante da expansão da cidade de Belo Horizonte e a implementação de políticas públicas de interesse comum aos municípios metropolitanos pelo poder público. Foi instituída pela Lei Complementar Federal nº 14, de 8 de junho de 1973, que também estabeleceu outras sete RM's no território brasileiro.[3] Atualmente, a metrópole é regida por leis complementares do estado de Minas Gerais (LEC n.º88/2006 e LEC n.º 89/2006).

A RMBH é a terceira maior aglomeração urbana do Brasil, sendo a maior do país fora do eixo Rio-São Paulo. Conforme dados da Organização das Nações Unidas, em 2018 a Grande BH era a 52ª área metropolitana mais populosa do mundo, com número de habitantes equivalente ao de metrópoles internacionais como Madrid-Espanha; Houston-EUA; Toronto-Canadá; Washington/DC-EUA; Miami-EUA; Frankfurt-Alemanha.[4]

Embora seja a terceira região metropolitana mais populosa do Brasil, sua sede, o município de Belo Horizonte, ocupa a sexta posição entre os municípios mais populosos do país. Só nos anos 2000, a população do município foi superada pelo Distrito Federal e Fortaleza. Esse fenômeno ocorre porque o município de Belo Horizonte, com área de 331 km2, é relativamente pequeno se comparado aos dois municípios mais populosos do Brasil, São Paulo (1 521 km2) e Rio de Janeiro (1 197 km2).[5]

Outra peculiaridade é que a participação do município de Belo Horizonte na população total da região metropolitana vem caindo a cada ano, ou seja, os municípios vizinhos a Belo Horizonte crescem mais que a capital,[6] uma vez que há falta de espaços disponíveis no município e os poucos que restam são encarecidos.[7]

No viés econômico, a RMBH é o centro político, financeiro, comercial, educacional e cultural de Minas Gerais, representando em torno de 34,4% da economia e 27,9% da população do estado. Em 2021, seu produto Interno bruto (PIB) somava cerca de R$ 294,66 bilhões,[2] dos quais cerca de 35,9% pertenciam à cidade de Belo Horizonte. Em relação a outras Regiões metropolitanas, em 2021, a Grande BH ocupou a quarta posição nacional, atrás da RMSP, da RMRJ e da RIDE-DF.

No que tange aos aspectos legais-institucionais, a legislação da Região Metropolitana de Belo Horizonte foi reformada em 2004 pelo Estado, por meio de uma Emenda à Constituição Estadual. Minas Gerais foi o primeiro Estado do país a criar o conceito de "cidadão metropolitano" em sua legislação. A sociedade civil, em uma Conferência que ocorre a cada anos, elege dois representantes dos cidadãos metropolitanos para o Conselho Deliberativo.

Contagem, o segundo município mais populoso da região metropolitana, depois de Belo Horizonte.

1967 - A Constituição Federal de 1967 atribui à União, mediante lei complementar, a competência para estabelecer regiões metropolitanas constituídas por municípios em todo o país.[8]

1971 - Foi formado um grupo de estudos na Fundação João Pinheiro para tratar da caracterização e definição da RMBH. Neste ano também foi realizada a primeira pesquisa de Origem e Destino.[8]

1973 - É criada a Região Metropolitana de Belo Horizonte, juntamente com outras 7 regiões metropolitanas, através da Lei Federal Complementar nº 14, de 8 de junho de 1973. Em seu parágrafo segundo, esta Lei constituiu a RMBH de 14 municípios: Belo Horizonte, Betim, Caeté, Contagem, Ibirité, Lagoa Santa, Nova Lima, Pedro Leopoldo, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Sabará, Santa Luzia e Vespasiano.[9]

1974 - A Lei Estadual nº 6.303/74 Regulamentou a Região Metropolitana de Belo Horizonte e criou a autarquia PLAMBEL - Planejamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte.[8]

1978 - Todo o gerenciamento de trânsito, tráfego e transporte público foi centralizado através da empresa pública METROBEL (Companhia de Transportes Urbanos da Região Metropolitana de Belo Horizonte), criada neste ano.[8]

Ribeirão das Neves, 4° município mais populoso da RMBH.

1987 - A empresa pública METROBEL é extinta e então é criada a autarquia Transmetro (Transporte Metropolitano) que continua mantendo centralizado o gerenciamento de trânsito, tráfego e transporte público de toda a região metropolitana.[8]

1989 - São acrescidos os municípios de Mateus Leme, Igarapé, Esmeraldas, Brumadinho, totalizando 18 municípios na Região Metropolitana.[10]

1994 - O gerenciamento do trânsito e do transporte público municipais são descentralizados, voltando a ser de responsabilidade das prefeituras, sendo extinta neste ano autarquia Transmetro. A partir de então apenas o transporte público intermunicipal ficou centralizado do DER-MG.[8]

1995 - Os distritos de Juatuba (pertencente à Mateus Leme) e São José da Lapa (pertencente a Vespasiano) foram emancipados, e portanto, acrescidos à Grande Belo Horizonte, totalizando 20 municípios. Neste ano também foi institucionalizado o Colar Metropolitano com 20 municípios: Matozinhos, Jaboticatubas, Taquaraçu de Minas, Barão de Cocais, Santa Bárbara, Itabirito, Moeda, Belo Vale, Bonfim, Rio Manso, Itatiaiuçu, Itaúna, Florestal, Nova União, Pará de Minas, São José da Varginha, Fortuna de Minas, Capim Branco, Sete Lagoas, e Inhaúma.[10]

Sete Lagoas - Princípal cidade do Colar Metropolitano.

1997 - Foram emancipados os municípios de Confins (antes, distrito de Lagoa Santa), São Joaquim de Bicas (antes, distrito de Igarapé), Sarzedo e Mário Campos (antes, distritos de Ibirité) que passaram a fazer parte da RMBH. Os municípios de Florestal e Rio Manso, que faziam parte do Colar Metropolitano, também passaram a fazer parte da Região Metropolitana. Com estas mudanças o total de municípios integrantes da RMBH subiu para 26 municípios e o total de municípios integrantes do Colar Metropolitano foi reduzido para 18 municípios.[10]

1999 - São acrescidos à Grande BH os municípios de Baldim e Itaguara, assim como os municípios de Capim Branco, Itabirito, Matozinhos e Nova União que eram do Colar Metropolitano. Prudente de Morais e Funilândia passam a fazer parte do Colar totalizando 32 municípios na RMBH e 16 municípios no Colar Metropolitano.[10]

2000 - Os municípios de Jaboticatubas e Taquaraçu de Minas, que eram do Colar Metropolitano, são acrescidos à RMBH; enquanto Itabirito sai da RMBH e retorna ao Colar. O total de municípios integrantes da RMBH sobe para 33 municípios o número de municípios do Colar Metropolitano cai para 15.[10]

2002 - Itatiaiuçu sai do Colar e entra para a RMBH, completando o número atual de municípios de 34 municípios pertencentes à RMBH. Com a saída de um município do Colar, o número então caiu para 14 municípios.[10]

2012 - Foram acrescidos ao Colar Metropolitano os municípios de Bom Jesus do Amparo e São Gonçalo do Rio Abaixo, totalizando 16 municípios no Colar. A Região Metropolitana se mantém com 34 Municípios.[10]

Vista aérea de zona sul da cidade de Belo Horizonte, sede da Região Metropolitana, a partir de decolagem do Aeroporto da Pampulha

A Região Metropolitana de Belo Horizonte, propriamente, é constituída por 34 municípios, a saber:[11] Baldim, Belo Horizonte, Betim, Brumadinho, Caeté, Capim Branco, Confins, Contagem, Esmeraldas, Florestal, Ibirité, Igarapé, Itaguara, Itatiaiuçu, Jaboticatubas, Juatuba, Lagoa Santa, Mário Campos, Mateus Leme, Matozinhos, Nova Lima, Nova União, Pedro Leopoldo, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Rio Manso, Sabará, Santa Luzia, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, Sarzedo, Taquaraçu de Minas e Vespasiano.

Imagem de satélite da Região Metropolitana de Belo Horizonte, em 2021

Além dos 34 municípios metropolitanos definidos na Lei Complementar nº 89 de 12 de janeiro de 2006, há ainda outros 16 municípios no denominado Colar Metropolitano de Belo Horizonte. A população total da Região Metropolitana de Belo Horizonte, incluindo o Colar Metropolitano, é de 5.733.783 habitantes, segundo o Censo 2022, com uma área de 14.979 km².[12]

Colar Metropolitano

[editar | editar código-fonte]

A Lei Complementar nº 89, de 12 de janeiro de 2006, define o Colar Metropolitano de Belo Horizonte como sendo a formação de municípios do entorno da região metropolitana atingidos pelo processo de metropolização, sendo composto por 16 municípios:[11] Barão de Cocais, Belo Vale, Bom Jesus do Amparo, Bonfim, Fortuna de Minas, Funilândia, Inhaúma, Itabirito, Itaúna, Moeda, Pará de Minas, Prudente de Morais, Santa Bárbara, São Gonçalo do Rio Abaixo, São José da Varginha e Sete Lagoas. O Colar Metropolitano possui 605.501 habitantes, segundo o Censo 2022, com uma área de 5.508 km².[12]

Com economia baseada principalmente no setor industrial, Sete Lagoas é a maior e mais importante cidade do Colar Metropolitano. O Município abriga fábricas de empresas como a Ambev, Bombril, Elma Chips, Itambé Laticínios e Iveco, dentre outras. Outros municípios do Colar que se destacam são Itabirito e São Gonçalo do Rio Abaixo com elevados PIB baseados na mineração de ferro; também Itaúna e Pará de Minas, que possuem população se aproximando de 100 mil habitantes em cada município.

Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte e do Colar Metropolitano
Município População[12] CENSO 2022 Área 2022[12] (km²) PIB 2021[13] (Milhões R$)
1 Baldim 7.492 556,3 201,3
2 Barão de Cocais* 30.778 340,1 2.439,0
3 Belo Horizonte 2.315.560 331,4 105.829,7
4 Belo Vale* 8.627 365,9 279,9
5 Betim 411.846 344,1 33.132,9
6 B. Jesus do Amparo* 5.631 195,6 160,3
7 Bonfim* 7.434 301,9 135,5
8 Brumadinho 38.915 639,4 4.624,9
9 Caeté 38.776 542,5 1.074,9
10 Capim Branco 10.663 95,3 123,4
11 Confins 7.350 42,4 485,7
12 Contagem 621.863 194,7 36.479,8
13 Esmeraldas 85.598 909,7 973,1
14 Florestal 8.045 194,2 142,8
15 Fortuna de Minas* 3.093 198,7 51,3 Município População[12] CENSO 2022 Área 2022[12] (km²) PIB 2021[13] (Milhões R$)
16 Funilândia* 4.686 199,8 83,3
17 Ibirité 170.537 72,4 3.203,5 34 Pedro Leopoldo 62.580 292,8 1.939,1
18 Igarapé 45.847 110,9 967,3 35 Prudente de Morais* 11.466 124,2 203,1
19 Inhaúma* 6.239 245,0 145,8 36 Raposos 16.279 72,2 193,7
20 Itabirito* 53.365 544,0 13.139,8 37 Ribeirão das Neves 329.794 155,1 5.181,7
21 Itaguara 13.846 410,5 402,5 38 Rio Acima 10.261 228,4 472,5
22 Itatiaiuçu 12.966 295,1 6.934,8 39 Rio Manso 5.568 231,5 113,7
23 Itaúna* 97.669 495,8 5.085,0 40 Sabará 129.380 302,5 4.201,7
24 Jaboticatubas 20.406 1.115,0 297,9 41 Santa Bárbara* 30.466 684,5 1.628,5
25 Juatuba 30.716 97,0 1.437,2 42 Santa Luzia 219.132 235,2 5.290,6
26 Lagoa Santa 75.145 229,4 2.189,4 43 São G. do Rio Abaixo* 11.850 363,8 7.603,9
27 Mário Campos 15.900 35,2 198,0 44 São Joaquim de Bicas 34.348 71,8 1.083,4
28 Mateus Leme 37.841 301,4 1.079,7 45 São José da Lapa 26.090 47,9 625,2
29 Matozinhos 37.618 252,5 1.506,2 46 São José da Varginha* 4.536 205,5 114,4
30 Moeda* 5.125 155,1 76,8 47 Sarzedo 36.844 62,1 2.191,0
31 Nova Lima 111.697 429,3 21.042,6 48 Sete Lagoas* 227.397 536,9 12.659,7
32 Nova União 5.909 172,1 107,5 49 Taquaraçu de Minas 4.224 329,3 65,9
33 Pará de Minas* 97.139 551,2 4.025,3 50 Vespasiano 129.246 71,0 3.020,5
Região Metropolitana de Belo Horizonte e Colar Metropolitano - Totalização
População Total no Censo 2022[12] Área Total no Censo 2022[12] PIB Total em 2021[13]
5.733.783 Habitantes 14.978,6 km² R$ 294.645,7 Milhões
Notas:
* Municípios do Colar Metropolitano de Belo Horizonte.
** Divisão dos municípios Metropolitanos e do Colar Metropolitano no quadro "Subpartes da Região Metropolitana de Belo Horizonte e do Colar Metropolitano" .

Demografia e expansão

[editar | editar código-fonte]
Área Urbana da RMBH segundo processamento da EMBRAPA de 2015.

O crescimento demográfico da RMBH diminuiu nas últimas décadas, embora ainda permaneça superior à média do estado. O crescimento concentra-se cada vez mais nos municípios periféricos, reduzindo-se ano após ano a participação de Belo Horizonte. Desde a década de 1980, Belo Horizonte cresce a taxas bem menores que a média da RMBH. Na década de 1990, enquanto a capital cresceu apenas 1,1% ao ano, a RMBH cresceu 3,9%. Em 2022, a população do município de Belo Horizonte chegou a reduzir 2,5%, ao passo que os moradores da região metropolitana na totalidade aumentou em 5,6%. A principal explicação para esse fenômeno é o reduzido espaço territorial de BH, que encarece o preço dos terrenos na cidade e leva a população a morar em municípios fora da capital mineira.[7][14]

A população da Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo Demográfico de 2022 somou o total de 5.733.783 habitantes, sendo 5.128.282 moradores nos 34 municípios metropolitanos e outros 605.501 nos 16 do colar metropolitano, figurando como a terceira maior aglomeração urbana do Brasil,[12] e a 60º maior do mundo.[15] Os municípios mais populosos da RMBH são, em ordem decrescente, Belo Horizonte, Contagem, Betim e Ribeirão das Neves, que juntas reúnem aproximadamente dois terços da população da região metropolitana.[12]

O processo de conurbação da Grande BH começou no final da década de 1940 pelo Vetor Oeste quando Belo Horizonte, Contagem e Betim se ligaram, no chamado Eixo Industrial, mesma época também da primeira fase de crescimento do Vetor Norte, na mesma época.[8] Entretanto, das dezenas de municípios que hoje compõem a RMBH, apenas 13 estão efetivamente conurbados, o que leva alguns especialistas a defenderem uma redução do número de cidades pertencentes à RMBH. Outros argumentam que alguns municípios não-conurbados da RMBH são responsáveis por funções de interesse comum, como a preservação de mananciais, devendo, portanto, fazer parte de região metropolitana. Atualmente, são dois os vetores principais que puxam o crescimento da conurbação metropolitana em direções opostas: o Vetor Norte e o Vetor Sul.

Variação Populacional na Grande BH e Colar Metropolitano
Município População[16] CENSO 2010 População[12] CENSO 2022 Variação %
1 Belo Horizonte 2.375.151 2.315.560 - 59.591 - 2,5%
2 Betim 378.089 411.846 +33.757 +8,9%
3 Ribeirão das Neves 296.317 329.794 +33.477 +11,3%
4 Nova Lima 80.998 111.697 +30.699 +37,9%
5 Esmeraldas 60.271 85.598 +25.327 +42,0%
6 Vespasiano 104.527 129.246 +24.719 +23,6%
7 Lagoa Santa 52.520 75.145 +22.625 +43,1%
8 Contagem 603.442 621.863 +18.421 +3,1%
9 Santa Luzia 202.942 219.132 +16.190 +8,0%
10 Sete Lagoas* 214.152 227.397 +13.245 +6,2%
11 Pará de Minas* 84.215 97.139 +12.924 +15,3%
12 Itaúna* 85.463 97.669 +12.206 +14,3%
13 Ibirité 158.954 170.537 +11.583 +7,3%
14 Sarzedo 25.814 36.844 +11.030 +42,7%
15 Igarapé 34.851 45.847 +10.996 +31,6%
Município População[16] CENSO 2010 População[12] CENSO 2022 Variação % 16 Mateus Leme 27.856 37.841 +9.985 +35,8%
17 S Joaquim de Bicas 25.537 34.348 +8.811 +34,5%
Outros 28 cresceram** 482.757 529.841 +47.084 +9,8% 18 Juatuba 22.202 30.716 +8.514 +38,3%
Outros 2 reduziram*** 48.663 46.268 -2.395 -4,9% 19 Itabirito* 45.449 53.365 +7.916 +17,4%
RMBH Total com o Colar 5.429.969 5.733.783 +303.814 +5,6% 20 São José da Lapa 19.799 26.090 +6.291 +31,8%
Notas:
* Municípios do Colar Metropolitano de Belo Horizonte.
** Os outros 28 municípios cuja população cresceu são: Barão de Cocais, Belo Vale, Bom Jesus do Amparo, Bonfim, Brumadinho, Capim Branco, Confins, Florestal, Fortuna de Minas, Funilândia, Inhaúma, Itaguara, Itatiaiuçu, Jaboticatubas, Mário Campos, Matozinhos, Moeda, Nova União, Pedro Leopoldo, Prudente de Morais, Raposos, Rio Acima, Rio Manso, Sabará, Santa Bárbara, São Gonçalo do Rio Abaixo, São José da Varginha e Taquaraçu de Minas.
*** Os outros 2 municípios cuja população reduziu são: Baldim e Caeté

O Crescimento populacional desta região foi intenso começando nos anos 40 até se consolidar, no final dos anos 70. Este período foi marcado por importantes intervenções públicas que definiram os futuros processos de expansão da capital e sua conurbação com os municípios de Contagem e Betim.[8]

Cidades mais populosas da Grande BH
(Censo demográfico 2022)
Município População[12] %
Belo Horizonte 2.315.560 40,4%
Contagem 621.863 10,8%
Betim 411.846 7,2%
Ribeirão das Neves 329.794 5,8%
Sete Lagoas 227.397 4,0%
Santa Luzia 219.132 3,8%
Ibirité 170.537 3,0%
Sabará 129.380 2,3%
Vespasiano 129.246 2,3%
10º Nova Lima 111.697 1,9%
# Demais Municípios 1.067.331 18,6%
Total 5.733.783 100%

Em 1946 foi inaugurada a Cidade Industrial em Contagem, onde grandes extensões de terrenos foram financiados a partir dos anos cinquenta. Isso atraiu diversas indústrias para a região principalmente para Contagem e Betim, ao longo da BR 381, a Rodovia Fernão dias, saída para São Paulo. Essas indústrias demandaram muita mão de obra, atraindo muitos trabalhadores para a área.[8]

No Início dos anos 70, o governador de Minas Gerais, Rondon Pacheco, promoveu acordo de interesses com o presidente da FIAT Automóveis para a instalação da fábrica em Betim. A fabrica da FIAT veio então a ser inaugurada em 1976, demandando ainda mais trabalhadores, e consequentemente consolidado o crescimento populacional na região.[17]

Na década de 1940, o prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, inaugurou Conjunto Arquitetônico da Pampulha e também construiu a Avenida Antônio Carlos, que liga o centro de Belo Horizonte à região. Somado a isso, o começo da aviação comercial no Aeroporto da Pampulha, são marcos que impulsionaram o crescimento da zona norte. Esses fatores estimularam à expansão periférica de baixa renda para os municípios a norte de Belo Horizonte, principalmente distrito de Justinópolis (Ribeirão das Neves) e São Benedito (distrito de Santa Luzia).[8]

Já nos anos 2000, o governo estadual criou novos projetos que promovem o crescimento dos municípios do Vetor Norte. Dentre estes projetos estão o desenvolvimento do Aeroporto de Confins a partir de 2004; A transferência da sede do Governo do Estado para a Cidade Administrativa, no limite norte do município de Belo Horizonte, em 2010; e a construção da Linha Verde em 2007, uma via de transito rápido entre o Belo Horizonte e o Aeroporto de Confins.[18]

A conurbação do Vetor Sul é bastante recente e ao contrario dos vetores Oeste e Norte, que tiveram estímulos do governo para seu crescimento, o Vetor Sul se desenvolve de maneira natural. A partir dos anos 2000, com a falta de espaço na nobre zona sul da cidade de Belo Horizonte, o crescimento da área urbana ultrapassou o limite territorial da capital em direção a Nova Lima. Os bairros formados a partir de então estão entre os de área mais cara da região metropolitana. A verticalização é uma característica marcante dessa região, que convive agora com trânsito intenso em meio a muitas construções de grandes edifícios.[19]

O vetor sul também concentra grande número de condomínios horizontais fechados e bairros planejados, como o Alphaville Lagoa dos Ingleses

Vista dos bairros Vila da Serra, Vale do Sereno e Belvedere – conurbação entre os municípios de Belo Horizonte e Nova Lima, no Vetor Sul.
Distribuição do PIB na Grande BH
(PIB dos municípios - IBGE 2021)
Município PIB (mi R$)[20] %
Belo Horizonte 105.829,7 35,9%
Contagem 36.479,8 12,4%
Betim 33.132,9 11,2%
Nova Lima 21.042,6 7,1%
Itabirito 13.139,8 4,5%
Sete Lagoas 12.659,7 4,3%
S G do Rio Abaixo 7.603,9 2,6%
Itatiaiuçu 6.934,8 2,4%
Santa Luzia 5.290,6 1,8%
10º Ribeirão das Neves 5.181,7 1,8%
# Demais Municípios 47.350,2 16,1%
Total 294.645,7 100%


O Produto Interno Bruto da Grande Belo Horizonte, calculado em 294,645 bilhões de reais em 2021, é o quarto maior entre as metrópoles do Brasil, atrás da Grande São Paulo, da Grande Rio de Janeiro, e da Região do Distrito Federal . A título de comparação, o PIB da Grande Belo Horizonte, também chamado de Produto Metropolitano Bruto, é maior do que o de países como a Bolívia, o Paraguai e o Uruguai[21] estando também à frente de estados inteiros como Goiás, Pernambuco e Espírito Santo. Conforme os cálculos de 2021, o PIB da Região Metropolitana de BH representa 34,4% do PIB do estado de Minas Gerais.

A produção econômica é altamente concentrada em poucos municípios: as três maiores cidades - Belo Horizonte, Betim e Contagem - respondem juntas por cerca de 60% do PIB da região metropolitana.[2]

Refinaria da Petrobras, em Betim.

No ramo industrial, o fica por conta das indústrias metalúrgica, automobilística, petroquímica e alimentícia. Betim, no Vetor Oeste, é a cidade que mais se destaca no setor industrial, sendo a cidade mais industrializada da região metropolitana, abrigando plantas industriais como a refinaria da Petrobras, a fábrica de automóveis da Fiat, dentre várias outras. Contagem, também no Vetor Oeste, merece destaque possuindo um grande e diversificado parque industrial. A cidade abriga muitas empresas fornecedoras de equipamentos automotivos para a fábrica de automóveis da Fiat, como o caso da Aethra, por exemplo.

A presença da RMBH no quadrilátero ferrífero garante uma participação importante da indústria extrativista mineral no PIB metropolitano. Nova Lima, Brumadinho e Itatiaiuçu, na região metropolitana, e ainda, São Gonçalo do Rio Abaixo e Itabirito, no colar metropolitano, são municípios que possuem grandes minas ativas, sendo a economia destes baseada na mineração. As mineradoras Vale, Anglo American e Ferrous atuam fortemente nas na extração de minério nestes municípios, garantindo o emprego de diversos profissionais na região metropolitana no ramo da mineração.

Comércio e serviços

[editar | editar código-fonte]

Os setores de comércio e serviços são muito importantes para a RMBH, sendo fortemente concentrados na cidade de Belo Horizonte, uma vez que, por se tratar de um município relativamente pequeno, com 331 km2, a cidade não possui vocação para abrigar indústrias que ocupariam muito espaço.[22] A economia do município de Contagem também está baseada no comércio, já que no município está localizada a CEASA de Minas Gerais, que abastece toda a região metropolitana, além disso possui um centro comercial muito ativo na região do Eldorado. No setor de serviços é a Capital Mineira que abriga a grande maioria das sedes corporativas de grandes empresas estaduais, nacionais e multinacionais da região metropolitana.

Edifícios do entorno da Praça Tiradentes, uma das maiores concentrações empresariais da RMBH.
Tecnologia da Informação e Biotecnologia

Ainda no âmbito do setor de serviços, Belo Horizonte é também um centro de excelência nas áreas de tecnologia da informação e biotecnologia. A cidade abriga mais de mil empresas de tecnologia da informação e cerca de 200 empresas de biotecnologia.[23]

Em 2005, a UFMG, o Governo do Estado de Minas Gerais, a Prefeitura de Belo Horizonte, o SEBRAE-MG e FIEMG, com apoio da Fapemig e da FINEP, criaram o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC) que é um condomínio que abriga empresas que se dedicam a produzir novas tecnologias e centros públicos e privados de Pesquisa & Desenvolvimento. Atualmente as empresas instaladas no BH-TEC desenvolvem softwares para prefeituras, governos e empreendedores de todo o Brasil.[24]

Arranha-céu revitalizado no centro da cidade de Belo Horizonte.

Também em 2005, o Google, uma das maiores companhias mundiais no setor de tecnologia da informação, instalou um escritório de engenharia de software na cidade de Belo Horizonte, após a compra de uma pequena empresa criada por um grupo de professores da UFMG. Em 2016 a unidade foi ampliada e reinaugurada como Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, sendo este um dos mais importantes da empresa no mundo em termos de desenvolvimento de ferramentas que melhoram o buscador online com impacto em 100% das buscas feitas no Google no mundo inteiro. Este centro em Belo Horizonte também é único do tipo na América Latina e também é um dos poucos no mundo que tem acesso ao algoritmo de buscas do Google.[25][26]

Em 2012 a Embraer, fabricante de aviões brasileira, instalou em Belo Horizonte seu Centro de Engenharia e Tecnologia, com atividades voltadas para o desenvolvimento de projetos, o primeiro fora da sede da empresa, em São José dos Campos. Esta unidade em Belo Horizonte tem suas atividades voltadas para o desenvolvimento de produtos e serviços para o setor aeronáutico e de defesa e segurança. O Centro, hoje instalado no Centro Tecnológico de Minas Gerais (CETEC), passou por uma ampliação no ano de 2014 e futuramente deve ser transferido para o complexo do Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial (CTCA), no município de Lagoa Santa, na Grande BH, assim que este for concluído.[27][28][29]

Já em 2015, foi inaugurado no município de Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte, a primeira fábrica privada de semicondutores do hemisfério Sul a atuar em toda a etapa de produção, a Unitec. A Empresa tem como acionistas a Corporación America (CASA), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), a Matec Engenharia e a WS In-Tecs, além da IBM, outra gigante no ramo da área de Tecnologia da Informação. A Unitec produz chips de 130 a 90 nanômetros que são usados em diversos tipos de aparelhos eletrônicos. Quanto menor o número de nanômetros, mais sofisticada a tecnologia.[30][31]

O estado de Minas Gerais tem ainda liderança do setor da biotecnologia no país, criando e desenvolvendo projetos nos segmentos de saúde humana, saúde animal, meio ambiente e agronegócios. Diversas condições favoreceram a concentração geográfica da bioindústria no estado, entre elas incluem-se a tradição das escolas de medicina e históricas competências em bioquímica e farmácia; e a expertise das universidades e centros de pesquisa, que se aliaram a visões empreendedoras locais relativas à nichos de mercado ligados a produtos e serviços de saúde humana. Estes elementos sedimentaram a formação de um ambiente estimulante aos negócios em biotecnologia na região metropolitana. Em Belo Horizonte estão localizadas duas incubadoras de base biotecnológica: Habitat (Biominas) e o Inova (UFMG).[32]

Sistema de Gestão Metropolitana

[editar | editar código-fonte]
Cidade Administrativa - Sede do governo do Estado de Minas Gerais. Autoridade central na gestão metropolitana.

O área de atuação da Gestão Metropolitana se dá nas funções públicas de interesse comum aos municípios da região metropolitana, ou seja, funções de caráter supra-municipal. O Art. 8º da Lei Complementar Estadual nº 89, define o conjunto de funções de interesse comum metropolitano como sendo formado por: Transporte intermunicipal e sistema viário; Defesa contra sinistro e defesa civil; Saneamento básico; Uso do solo metropolitano; Gás canalizado; Cartografia e informações básicas; Preservação ambiental; Habitação; Rede de saúde; e Desenvolvimento socioeconômico.[33]

A Constituição Federal atribui aos estados a competência para a instituição de regiões metropolitanas para integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum. [34] Portanto, o Governo do Estado de Minas Gerais é a principal liderança na gestão da Região Metropolitana de BH, embora não detenha exclusividade para criação e execução de políticas públicas na metrópole.[35] Existem dificuldades na delimitação de poder entre o estado e o município, onde há o temor dos prefeitos municipais perderem autonomia em face de autoridades metropolitanas.

A legislação da Região Metropolitana de Belo Horizonte foi reformada em 2004 pelo Estado, por meio de uma Emenda à Constituição Estadual ( Emenda à Constituição nº 65, de 25/11/2004), garantindo a participação dos representantes dos municípios e também de representantes da sociedade civil na elaboração de políticas no âmbito metropolitano. Com essa reforma na legislação, a Constituição Estadual passou a determinar que na região metropolitana deve haver uma Assembleia Metropolitana; um Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano; uma Agência de Desenvolvimento, com caráter técnico e executivo; um Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado; e um Fundo de Desenvolvimento Metropolitano.[36]

Subpartes da Região Metropolitana de Belo Horizonte e do Colar Metropolitano
Classificação Legal (LEC n.os88 e 89/2006) Concentração Populacional (Censo)
Clasificação
Legal
Número
de Mun.
População
2022
Área
km²
PIB 2021
(Mi R$)
Hab. /km² Frota
2023
Concentração
Populacional
Número
de Mun.
População
2022
Área
km²
PIB 2021
(Mi R$)
Hab. /km² Frota
2023
Núcleo 34 5.128.282 9.471 246.814 541 4.049.722 Alta 32 5.544.907 8.613 273.803 644 4.346.200
(68%) (89%) (63%) (84%) - (92%) (64%) (97%) (58%) (93%) - (98%)
Colar 16 605.501 5.508 47.832 110 373.579 Baixa 18 188.876 6.366 20.842 30 77.101
(32%) (11%) (37%) (16%) (8%) (36%) (3%) (42%) (7%) (2%)

Total

50

5.733.783

14.979

294.646

383

4.423.301

Total

50

5.733.783

14.979

294.646

383

4.423.301

Órgãos de gestão

[editar | editar código-fonte]
Assembleia Metropolitana

É o órgão de decisão superior, composto por:[37]

  • 4 representantes do Poder Executivo Estadual, responsáveis por definir as macrodiretrizes do planejamento metropolitano;
  • 1 representante do poder legislativo estadual, pelos 34 prefeitos da RMBH e pelos 34 presidentes de Câmaras Municipais da RMBH, responsáveis por vetar, por deliberação de pelo menos dois terços do total de votos válidos na Assembleia, resolução emitida pelo Conselho Deliberativo.

Segundo a Lei Complementar Estadual nº 88/2006, as questões que envolvem os Municípios do colar metropolitano são tratadas por meio de resolução da Assembleia Metropolitana, assegurada a participação do Município diretamente envolvido no processo de decisão.[38]

A Lei Complementar Estadual nº 107, de 12 de janeiro de 2009 determina que a Assembleia Metropolitana deve se reunir anualmente para a discussão de políticas publicas metropolitanas, ou sempre que houver convocação.[39]

Vista noturna da Região Metropolitana de BH a partir da Serra do Rola-Moça.
Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano

É um órgão colegiado que toma decisões sobre as diretrizes traçadas no contexto metropolitano e estabelece normas a serem avaliadas pela Assembleia Metropolitana. Esta é uma forma de gestão na qual a direção é compartilhada por um conjunto de autoridades que tem por finalidade assegurar a participação dos diferentes segmentos afetados pelas decisões.

Composição do conselho e suas atribuições:[37]

  • 5 representantes do poder Executivo Estadual responsáveis por provocar a elaboração e aprovar o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado;
  • 2 representantes do poder legislativo estadual responsáveis por deliberar sobre os recursos destinados ao financiamento de projetos indicados no Plano Diretor;
  • 2 representantes do município de Belo Horizonte responsáveis por fixar diretrizes e prioridades e aprovar o cronograma de desembolso dos recursos do Fundo Metropolitano;
  • 1 representante do município de Contagem responsável por acompanhar e avaliar a execução do Plano Diretor,bem como aprovar as modificações que se fizerem necessárias à sua correta implementação;
  • 1 representante do município de Betim, 3 representantes dos demais municípios da RMBH e 2 representantes da sociedade civil responsáveis por orientar, planejar, coordenar e controlar a execução das funções públicas de interesse comum. A sociedade civil, em uma conferência que ocorre de dois em dois anos, elege dois representantes dos cidadãos metropolitanos para o Conselho Deliberativo.

Outras funções do Conselho Deliberativo:[38]

  • Estabelecer as diretrizes da política tarifária dos serviços de interesse comum metropolitanos;
  • Aprovar os balancetes mensais de desembolso e os relatórios semestrais de desempenho do Fundo de Desenvolvimento Metropolitano;
  • Aprovar os relatórios semestrais de avaliação de execução do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado e de seus respectivos programas e projetos;
Comitês Técnicos - São também formações colegiadas que dão assessoria técnica ao Conselho Metropolitano com participação direta das

Prefeituras Municipais, e envolvimento das Secretarias Estaduais e órgãos setoriais afetos ao tema em questão, com destaque para a SEDRU e a SEMAD, a COPASA e a CEMIG, dentre outros.[37]

Atualmente, os dois principais comitês técnicos são relacionados ao tratamento de resíduos sólidos e à mobilidade na Região Metropolitana.[40]

Agência de Desenvolvimento da RMBH

Hipercentro de Belo Horizonte, área circundada pela Avenida do Contorno, onde se encontram sedes de empresas como Localiza e Seculus.

Instituída pela Lei Complementar 107, de 2009, a "Agência RMBH" é uma autarquia territorial e especial, de caráter técnico e executivo, encarregada de promover a gestão compartilhada de funções públicas de interesse comum às cidades da Grande Belo Horizonte. Essa autarquia é subordinada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana - Sedru.[35]

Seus objetivos operacionais são:[41]

  • Ordenar o uso e a ocupação do solo metropolitano;
  • Induzir a formação sustentável das novas centralidades metropolitanas;
  • Desenvolver a infraestrutura de saneamento básico nos territórios metropolitanos, com enfoque na gestão de resíduos sólidos; e
  • Formular e implementar soluções intermodais de mobilidade e acessibilidade, em parceria com os sistemas de transporte municipais, estadual e federal.

Competências Legais:[41]

  • Promover a implementação de planos, programas e projetos de investimento estabelecidos no Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado;
  • Propor estudos técnicos de interesse regional, compatibilizando-os com os interesses do Estado e dos municípios integrantes da RMBH; e
  • Propor normas, diretrizes e critérios para compatibilizar os planos diretores dos municípios integrantes da RMBH com o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado.

Outras Competências:[41]

  • Realizar a articulação entre instituições públicas e privadas para a captação de recursos de investimento ou financiamento para o desenvolvimento integrado da RMBH;
  • Fornecer suporte técnico e administrativo à Assembleia Metropolitana e ao Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano e estabelecer intercâmbio de informações com organizações públicas ou privadas, nacionais ou internacionais;
  • Desenvolvimento e manutenção de banco de dados com informações necessárias ao planejamento e à elaboração dos programas e planos a serem desenvolvidos;
  • Colaborar para o desenvolvimento institucional dos municípios integrantes da RMBH;
  • Apoiar os municípios na elaboração de projetos de desenvolvimento metropolitano para fins da habilitação a recursos do Fundo de Desenvolvimento Metropolitano; e
  • Exercer poder de polícia administrativa, notadamente no tocante à regulação urbana metropolitana.
Vista noturna da RMBH a partir do Mirante do Comiteto, aos pés da Serra do Curral

Planejamento e financiamento

[editar | editar código-fonte]
Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado

O PDDI é resultado de um debate público que estabeleceu como principal referência para o planejamento metropolitano integrado a construção de um sentido de cidadania metropolitana.[42]

O objetivo deste plano diretor é construir um processo de planejamento metropolitano na RMBH envolvendo seus municípios,o Colar Metropolitano, o estado de Minas Gerais, os órgãos federais ali atuantes, a sociedade civil organizada em seus movimentos sociais e associações empresariais e populares.[42]

O plano contém uma proposta de reestruturação territorial metropolitana e aborda quatro eixos temáticos integradores: Acessibilidade; Seguridade; Urbanidade; e Sustentabilidade.[42]

Foto de satélite mostrando a cidade de Belo Horizonte e parte das cidades de Contagem, Ribeirão das Neves e Nova Lima.
Fundo de Desenvolvimento Metropolitano

O Fundo de Desenvolvimento Metropolitano (FDM ), instituído pela Constituição do Estado, tem como objetivos o financiamento da implantação de programas e projetos estruturantes e a realização de investimentos relacionados a funções públicas de interesse comum nas Regiões Metropolitanas do Estado, conforme diretrizes estabelecidas pelo Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da região metropolitana.[36]

O FDM é formado por:[37]

  • 1 representante do órgão gestor – (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana - Sedru) com o objetivo de gerir o financiamento da implantação de programas e projetos prioritários;
  • 1 representante da Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão, 1 representante do agente financeiro (Banco Estadual de Desenvolvimento – BDMG), 1 representante da Secretaria de Estado da Fazenda e 2 representantes da Região Metropolitana nomeados pelo Conselho Deliberativo. Este grupo tem por objetivo a realização de investimentos relacionados às funções públicas de interesse comum na região metropolitana, em acordo com as diretrizes estabelecidas no Plano Diretor.

Os recursos do FDM são compostos principalmente por recursos do estado e dos municípios, na proporção de 50% de recursos do Estado e 50% de recursos dos Municípios que integram a região metropolitana, proporcionalmente à receita corrente líquida de cada Município. Compõem ainda o Fundo: dotações orçamentárias, transferências do governo federal, operações de crédito internas ouexternas, doações e outros.[38]

Vista de Belo Horizonte, centro comercial e financeiro da Região Metropolitana

Infraestrutura

[editar | editar código-fonte]
Controle de tráfego e transporte público
Ônibus do sistema MOVE metropolitano de BH.

De 1978 até o ano de 1994 o controle do tráfego e do transporte público de todos os municípios da RMBH era centralizado e geranciado pelo governo do estado de Minas Gerais, através de uma empresa pública e, em um segundo momento, por uma autarquia.

Em 1978 Foi criada a empresa pública estadual Metrobel (Companhia de Transportes Urbanos da Região Metropolitana de Belo Horizonte), que assumiu o gerenciamento do trânsito de toda a Região Metropolitana, incluindo o transporte público municipal e intermunicipal. Após a criação da Metrobel, as prefeituras ficaram responsáveis somente pela manutenção e conservação das vias públicas de cada cidade.[43]

A Lei Estadual de nº 9527, de 29 de dezembro de 1987, criou a Secretaria de Estado de Assuntos Metropolitanos. O artigo 2º cria a autarquia Transmetro (Transporte Metropolitano), passando a suceder a METROBEL, que então foi extinta. Na seção V, no seu artigo 22 diz que a Transmetro, tem por finalidade implantar, administrar e operar, diretamente e por contratação de terceiros, os serviços de interesses comuns dos municípios integrantes da Região Metropolitana, relativos a transportes e sistema viário. O Estado fica no gerenciamento do transporte coletivo da cidade de Belo Horizonte até 1991.[43]

Frota de veículos na Grande BH
(Ministério dos Transportes - Dez. 2023)
Município Frota total[44] %
Belo Horizonte 2.696.745 59,7%
Contagem 349.156 7,7%
Betim 229.547 5,1%
Sete Lagoas 150.274 3,3%
Ribeirão das Neves 126.673 2,8%
Santa Luzia 94.468 2,1%
Ibirité 81.239 1,8%
Pará de Minas 73.403 1,6%
Itaúna 70.384 1,6%
10º Sabará 58.367 1,3%
# Demais Municípios 585.269 13,0%
Total 4.515.525 100%

No início dos anos 90, a Transmetro gradualmente transferia suas atribuições e competências de âmbito municipal para as prefeituras e de âmbito metropolitano para o DER/MG (Departamento de Estradas e Rodagem), até ser extinta em 1994. Desta maneira, o gerenciamento de tráfego nos municípios e do transporte coletivo nas linhas intramunicipais passou a ser executado pelas prefeituras, que em alguns casos criaram empresas públicas municipais para execução de tais finalidades, como o caso da BHTRANS, na cidade de Belo Horizonte, e a Transcon, em Contagem. Agora, somente o transporte intermunicipal e o sistema viário de âmbito metropolitano ficaram a cargo do estado, por meio do DER.[43]

Frota de veículos

De acordo como o relatório de outubro de 2014 do DENATRAN, a cidade de Belo Horizonte sozinha possui 1,6 milhão de veículos. As três maiores cidades da região metropolitana ( Belo Horizonte, Contagem e Betim) somam juntas mais de 2 milhões de veículos. Esse número de apenas três municípios representa cerca de 70% da frota de toda região metropolitana, incluindo o colar metropolitano.[44]

Metrô de Belo Horizonte

Legenda:

Linha 1 
Unknown route-map component "BHFq_orange" Unknown route-map component "lINT"
 Transferência entre linhas
Linha 2 
Unknown route-map component "BHFq purple"
 

Diagrama:           
Unknown route-map component "STR+l_orange" Unknown route-map component "STR+r_orange"
 
Vilarinho 
Unknown route-map component "KBHFe_orange" Unknown route-map component "BHF_orange"
 Floramar
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Waldomiro Lobo
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Primeiro de Maio
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 São Gabriel
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Minas Shopping
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 José Cândido da Silveira
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Santa Inês
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Horto Florestal
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Santa Tereza
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Santa Efigênia
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Central
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Lagoinha
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Carlos Prates
 
Unknown route-map component "BHF_orange"
 Calafate
Nova Suíça 
Unknown route-map component "INT orange"
+ Unknown route-map component "STR+r purple"
 Nova Suíça
Gameleira 
Unknown route-map component "BHF_orange" Unknown route-map component "BHF purple"
 Amazonas
Vila Oeste 
Unknown route-map component "BHF_orange" Unknown route-map component "BHF purple"
 Salgado Filho
Cidade Industrial 
Unknown route-map component "BHF_orange" Unknown route-map component "BHF purple"
 Vista Alegre
Eldorado 
Unknown route-map component "BHF_orange" Unknown route-map component "BHF purple"
 Ferrugem
Novo Eldorado 
Unknown route-map component "KBHFe_orange" Unknown route-map component "BHF purple"
 Mannesmann-Vallourec
 
Unknown route-map component "KBHFe_purple"
 Barreiro

Fontes: [45]

Em números absolutos a Grande Belo Horizonte possui o total de 2.994.409 veículos, contando com o Colar Metropolitano. A RMBH sem o Colar possui o total de 2.701.496 veículos, enquanto o Colar isoladamente possui 292.913 veículos.[44]

Relacionando a frota de veículos com a população total da RMBH temos 1 veículo para cada 0,52 habitantes, matematicamente falando. Em outras palavras, é aproximadamente 1 veículo para cada 2 habitantes de toda a Região Metropolitana.[44]

Metrô

Atualmente, o metrô, administrado pela CBTU, abrange as duas maiores cidades da Grande BH - Belo Horizonte e Contagem. São ao todo 19 estações, sendo 18 estações em Belo Horizonte e 1 estação em Contagem. A única linha começa no bairro do Eldorado, em Contagem, seguindo para o Centro de Belo Horizonte, até a Estação Central, e continua, passando pela região Leste da Capital até terminar na região de Venda Nova, na Zona Norte de BH.

A projeção para os próximos anos é que o metrô seja ampliado com mais 11 estações em Belo Horizonte, atendendo a regional do Barreiro e a Savassi, na Zona Sul da cidade, e mais 1 estação em Contagem, no bairro Novo Eldorado. Ao fim deste projeto, a Região Metropolitana contará com 31 estações do metrô.

Trem interestadual

A Grande Belo Horizonte juntamente com a Grande Vitória são as únicas regiões metropolitanas do país que possuem uma linha de trem interestadual, a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM). Esta linha liga Belo Horizonte à cidade de Vitória, no Espírito Santo, passando por importantes cidades do Leste de Minas, como Ipatinga e Governador Valadares.[46]

Em 2014, a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), operadora da linha, adquiriu novas frotas de trens, contendo classes executivas e econômicas. Ao todo a composição completa pode transportar 1,5 mil passageiros na viagem que dura 13 horas, fazendo paradas em 39 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo.[47]

Rodovias
Acessos de Belo Horizonte, com projeto do Rodoanel.

A Região Metropolitana de Belo Horizonte é cortada por três importantes rodovias federais:

BR-381 a sudoeste, com o nome Rodovia Fernão Dias, dá acesso à cidade de São Paulo, passando pelo Sul de Minas; a Nordeste, dá acesso ao norte do Espírito Santo, passando pelo leste de minas, e também é caminho para a região Nordeste do Brasil.

BR-040 a sudeste, dá acesso à cidade do Rio de Janeiro; a noroeste, dá acesso a Capital Federal, Brasília e também é caminho para o norte de Minas.

BR-262 a leste, acesso a cidade de Vitória, no Espírito Santo; a oeste acesso à região do Triângulo Mineiro e Região Centro Oeste do Brasil

Também possui importantes rodovias estaduais:

MG-050 a sudoeste, acesso a região norte do Estado de São Paulo, passando pela região Oeste de Minas.

MG-010 - Linha Verde a norte, via de acesso ao Aeroporto Internacional de Confins.

Todas essas rodovias são interligadas pelo Anel Rodoviário, que contorna a área central de Belo Horizonte.

Ferrovias

Além da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), a Região Metropolitana de Belo Horizonte também é cortada por duas importantes ferrovias. Originalmente, ambas integrantes da SR-2 da Rede Ferroviária Federal (RFFSA):[48][49]

Estrada de Ferro Central do Brasil a sudeste, dando acesso às cidades de Juiz de Fora e Rio de Janeiro; ao norte, dando acesso às cidades de Montes Claros e Monte Azul. O transporte local de passageiros nessa linha se dividia entre interestadual (para o Rio de Janeiro) e intermunicipal (longo percurso (para Montes Claros), médio percurso (para Conselheiro Lafaiete) e urbano (para Rio Acima)), tendo sido operado até a década de 1990, quando a linha foi concedida à MRS Logística (no trecho sudeste) e à Ferrovia Centro Atlântica (no trecho norte).

Estrada de Ferro Oeste de Minas ao oeste, dando acesso às cidades de Divinópolis e Iguatama. Por essa linha, o transporte intermunicipal de passageiros se dividia entre médio percurso (para Divinópolis) e urbano (para Betim), tendo sido operado até a década de 1980, quando da construção do Metrô de Belo Horizonte. Em 1996, a linha foi concedida à Ferrovia Centro-Atlântica (atual VLI), mantendo-se parte do Corredor Centro-Leste, que direciona cargas vindas de Goiás aos portos do Espírito Santo, via EFVM.

Aeroportos
Interior do Aeroporto Internacional de Confins.

A Grande Belo Horizonte possui ao todo quatro aeroportos.

Reservatório Varzea das Flores, entre os municípios de Betim e Contagem.

O fornecimento de água potável na região metropolitana é executado pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA) por meio do conjunto de empreendimentos denominado Sistema Integrado de Abastecimento de Água da RMBH. O Sistema Integrado é composto por sete grandes sistemas produtores, quais sejam:[50]

  • Sistema Rio das Velhas;
  • Sistema Morro Redondo;
  • Sistema Ibirité;
  • Sistema Catarina;
  • Sistema Paraopeba, que se subdivide em outros três sistemas:
    • Sistema Vargem das Flores,
    • Sistema Serra Azul,
    • Sistema Rio Manso;
Casarões da Rua Direita, no centro histórico de Santa Luzia.
Lago no Inhotim, no município de Brumadinho.

A Região Metropolitana de Belo Horizonte possui variados atrativos turísticos, que vão desde patrimônios culturais e artísticos, passando pela gastronomia mineira, até grandes feiras e eventos.

Centros Históricos

[editar | editar código-fonte]

Embora a cidade de Belo Horizonte tenha sua fundação relativamente recente, em 1897, outras cidades da região metropolitana já existiam há muito tempo. É o caso de Caeté, fundada em 1714, Santa Luzia, fundada em 1692, e Sabará, fundada em 1675. Essas três cidades possuem centros históricos preservados, com casarões do período colonial e igrejas centenárias do estilo barroco.

O Instituto Inhotim é uma Reserva Particular de Patrimônio Natural contendo um dos mais importantes acervos artísticos do Brasil. Está localizado em uma área de 786,06 hectares, no município de Brumadinho, a 55 km do centro de Belo Horizonte. É internacionalmente conhecido por possuir um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo e uma coleção botânica que reúne espécies raras e de todos os continentes.

Torre Piemonte.

Torre Piemonte

[editar | editar código-fonte]

A Torre Piemonte, é uma torre panorâmica[51] que compõe o centro comercial Alta Vila Class Center,[52] inaugurado em 2005 na divisa dos municípios de Nova Lima e Belo Horizonte,[53][54] em Minas Gerais. Sua altura total é de 101 metros,[55] mas o que ressalta a torre é sua localização no topo de um maciço montanhoso, entre a Serra do Curral e a Serra do Rola-Moça, estando a 432 metros acima do nível do centro de Belo Horizonte[56] e a menos de 10 quilômetros da Praça Sete.[57] A esta altitude, a torre proporciona uma ampla visão em 360° da cidade de Belo Horizonte e cidades vizinhas, além das montanhas de minas.[58]

A torre é toda revestida de aço inoxidável, tendo sido usado um total de 50 toneladas do material no revestimento.[52] A Piemonte também recebeu iluminação noturna com tecnologia LED, que permite a alternância das cores branco, azul, vermelho e âmbar na iluminação. Tais feitos enaltecem a visibilidade da torre, que pode ser vista praticamente de qualquer ponto da Região Metropolitana de Belo Horizonte.[51]

Praça da Liberdade

[editar | editar código-fonte]
Alameda de palmeiras na Praça da Liberdade.

O Circuito Cultural formado no entorno da Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, é um conjunto integrado de espaços culturais criados a partir de parcerias público-privadas.[59] Em 2014, mais de 1 milhão de pessoas visitaram o Circuito Cultural, que reúne os seguintes espaços:[60]

Conjunto da Pampulha

[editar | editar código-fonte]
Parede do fundo da Igreja da Pampulha com o mural de São Francisco, pintado por Portinari.

O Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, foi projetado por Oscar Niemeyer, sob encomenda do prefeito Juscelino Kubitschek. O Conjunto, inaugurado no ano de 1943, abriga jardins com paisagismo de Burle Marx, painéis pintados por Portinari e esculturas de Alfredo Ceschiatti. Em 17 de julho de 2016, o conjunto recebeu o título de Patrimônio da Humanidade da UNESCO,[61] na categoria Paisagem Cultural.[62] Os prédios que compõem o conjunto são:[63]

Em 2014, a prefeitura de Belo Horizonte oficializou a candidatura do Conjunto Arquitetônico da Pampulha à Patrimônio Mundial da Humanidade, entregando o dossiê da candidatura à UNESCO.[64]

Carro de corrida do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais exposto durante a Bienal do Automóvel no Expominas, em Belo Horizonte.

Feiras e eventos

[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. PNUD (2014). «Ranking de todas as RMs». Seção Região Metropolitana. Atlas do desenvolvimento Humano do Brasil. Consultado em 5 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 8 de julho de 2015 
  2. a b c d «Produto Interno Bruto dos Municípios 2021». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 24 de janeiro de 2024 
  3. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp14.htm#:~:text=LEI%20COMPLEMENTAR%20N%C2%BA%2014%2C%20DE,%2C%20Curitiba%2C%20Bel%C3%A9m%20e%20Fortaleza.
  4. «World Urbanization Prospects 2018» (PDF). Nações Unidas. Nova York. 2019. Consultado em 13 de maio de 2023. Arquivado do original em 13 de maio de 2023 
  5. «Área Territorial Oficial». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  6. Renata Guimarães Vieira de Souza e Fausto Reynaldo Alves de Brito. «A Expansão Urbana da Região Metropolitana de Belo Horizonte e suas implicações para a redistribuição espacial da população: a migração dos ricos» (PDF). [Trinnity Consultoria]. Trabalho apresentado no XV Encontro de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu - MG - Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. Consultado em 14 de Março de 2015 
  7. a b Diário do Comércio. «Escassez de terrenos em BH eleva os custos». 05/11/2011. Consultado em 14 de Março de 2015 
  8. a b c d e f g h i j «Cronologia da RMBH». http://www.observatoriodasmetropoles.ufrj.br/como_anda/. web.observatoriodasmetropoles.net 
  9. «LEI COMPLEMENTAR Nº 14, DE 8 DE JUNHO DE 1973». Presidência da República 
  10. a b c d e f g «Cronologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte». Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana 
  11. a b ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS (13 de junho de 2013). «LEI COMPLEMENTAR nº 89, de 12/01/2006». ALMG. Consultado em 30 de junho de 2023 
  12. a b c d e f g h i j k l m IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (22 de dezembro de 2023). «CENSO 2022 - Tabela 4714 - População Residente, Área territorial e Densidade demográfica». SIDRA - Sistema IBGE de Recuperação Automática -. Consultado em 24 de janeiro de 2024 
  13. a b c «Produto Interno Bruto dos Municípios 2021». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 24 de janeiro de 2024 
  14. Renata Guimarães Vieira de Souza e Fausto Reynaldo Alves de Brito. «A Expansão Urbana da Região Metropolitana de Belo Horizonte e suas implicações para a redistribuição espacial da população: a migração dos ricos» (PDF). [Trinnity Consultoria]. Consultado em 14 de Março de 2015 
  15. «Largest Cities of the World - (by metro population)». www.worldatlas.com .
  16. a b IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Minas Gerais - 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Sinopse do Censo Demográfico 2010. Consultado em 24 de janeiro de 2024 
  17. FIAT. «CRONOLOGIA - FÁBRICA». Consultado em 1 de janeiro de 2015 
  18. Mais Vetor Norte. «Vetor Norte». Consultado em 1 de janeiro de 2015 
  19. Jornal Hoje em Dia (11 de janeiro de 2014). «Verticalização sem controle trava Vetor Sul da Grande BH». Consultado em 1 de janeiro de 2015 
  20. «Produto Interno Bruto dos Municípios 2021». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 24 de janeiro de 2024 
  21. «GDP - OFFICIAL EXCHANGE RATE (2013 est.)». Consultado em 25 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2018 
  22. MGTV 2Edição/TV Globo (12 de dezembro de 2014). «Belo Horizonte completa 117 anos de história». Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  23. MGTV 2ª Edição/TV Globo (12 de dezembro de 2014). «Belo Horizonte completa 117 anos de história». Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  24. BH-TEC. «Apresentação». Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  25. Gizmodo Brasil. «Por dentro do novo centro de engenharia do Google em Belo Horizonte». Consultado em 7 de abril de 2016 
  26. TECMUNDO. «Google inaugura novo centro de pesquisa e desenvolvimento em Belo Horizonte». Consultado em 7 de abril de 2016 
  27. Embraer / Imprensa (22 de novembro de 2011). «Embraer abrirá escritório de engenharia em Minas Gerais». Consultado em 8 de abril de 2016 
  28. Embraer / Imprensa (21 de março de 2012). «Embraer lança centro de engenharia e tecnologia». Consultado em 8 de abril de 2016 
  29. Embraer / Imprensa (21 de novembro de 2014). «Embraer expande Centro de Engenharia em Minas Gerais». Consultado em 8 de abril de 2016 
  30. Portal da Presidência da República. «Primeira fábrica privada de semicondutores do hemisfério Sul inaugurada em 2015 no Brasil». Consultado em 7 de abril de 2016 
  31. FIEMG (24 de março de 2015). «Unitec Semicondutores prevê iniciar produção em MG até agosto de 2016». Consultado em 8 de abril de 2016 
  32. FIEMG. «APL de Biotecnologia da RMBH». Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  33. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS (13 de junho de 2013). «Lei Complementar Estadual nº 89 de 2006». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  34. CONGRESSO NACIONAL (5 de outubro de 1988). «Constituição Federal de 1988». Presidência da República. Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  35. a b Juliana Dornelas Machado Flores de Mendonça (5 de maio de 2014). «Modelo Mineiro de Gestão Metropolitana». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  36. a b ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS (21 de setembro de 1989). «Constituição do Estado de Minas Gerais». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  37. a b c d «Agência da Região Metropolitana de Belo Horizonte». Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado. pp. 10/11. Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  38. a b c ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS (5 de janeiro de 2012). «Lei Complementar Estadual nº 88 de 2006». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  39. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS (21 de julho de 2011). «Lei Complementar Estadual nº 107 de 2009». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  40. AGÊNCIA RMBH (3 de novembro de 2011). «Comitês Temáticos». Modelo Mineiro de Gestão. Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  41. a b c «Agência RMBH». Objetivo operacional e Competências Legais. Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  42. a b c «Agência RMBH». Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte. 3 de Novembro de 2011. Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  43. a b c «Órgãos Municipais de Gerenciamento do Transporte Coletivo em Belo Horizonte». Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte. Consultado em 29 de Dezembro de 2014 
  44. a b c d Ministério dos Transportes. «Frota de Veículos - 2023 (Dezembro)». Consultado em 24 de janeiro de 2024 
  45. BNDES e CBTU (8 de novembro de 2021). «Anexo 1A - Descrição Geral da Concessão» (PDF). Estudo de Outorga de Concessão do Transporte Ferroviário - CBTU-BH – Belo Horizonte/MG. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  46. André Simplício Carvalho (1 de dezembro de 2021). «A geografia histórica da Estrada de Ferro Vitória a Minas (1904–2020): um registro». Revista Terra Brasilis, 15 - 2021. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  47. Portal Terra (28 de julho de 2014). «Viagem de trem entre BH e Vitória terá vagões de luxo». Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  48. Railways of Brazil in Postcards and Souvenir Albums (em inglês). [S.l.]: Solaris Editorial. 2005 
  49. Buzelin, José Emílio de Castro Horta (2002). Carros Budd no Brasil-1: os trens que marcaram época. [S.l.]: Memória do Trem 
  50. «Dimensão Ambiental». Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA. 17 de outubro de 2016 
  51. a b Guia BH .com. «A Torre Altavila é um dos tradicionais pontos de turismo em BH.». Consultado em 8 de Maio de 2018 
  52. a b Revista Finestra (Editora ARCOweb) (28 de novembro de 2005). «Humberto Gontijo: AltaVila Center Class e torre Piemonte - TORRE METÁLICA NA PAISAGEM MINEIRA». Consultado em 8 de Maio de 2018 
  53. Oba Oba .com. «Cidade Negra no Hard Rock Café de BH». Consultado em 8 de Maio de 2018 
  54. Portal Sou BH (16 de maio de 2006). «A Torre – um marco arquitetônico em BH». Consultado em 9 de Março de 2018 
  55. Revista Encontro (3 de fevereiro de 2015). «Por que a torre Alta Vila não deu certo?». Consultado em 8 de Maio de 2018 
  56. Ronaldo Roscoe. «Torre Altavila - um ícone do Vila da Serra». Consultado em 6 de Maio de 2018 
  57. Google Maps. «Trajeto Praça Sete - Torre Piemonte». Consultado em 8 de Maio de 2018 
  58. Alta Vila Class Center. «A Torre». Consultado em 8 de Maio de 2018 
  59. Apresentação Arquivado em 16 de junho de 2010, no Wayback Machine. - Circuito Cultural Praça da Liberdade, (visitado em 22-3-2010)
  60. Espaços - Circuito Cultural Praça da Liberdade, (visitado em 22-3-2010)
  61. Thais Pimentel (17 de julho de 2016). «Conjunto da Pampulha ganha título de Patrimônio Mundial da Unesco». G1. Consultado em 17 de julho de 2016 
  62. UNESCO World Heritage Centre. Cultural Landscapes.
  63. UNESCO (10 de dezembro de 2014). «Candidatura da Pampulha a patrimônio mundial será oficializada». Consultado em 2 de janeiro de 2015 
  64. PBH (12 de dezembro de 2014). «Pampulha mais perto do título de Patrimônio Cultural da Humanidade». Consultado em 2 de janeiro de 2015 
  65. «População das Regiões Metropolitanas, Regiões Integradas de Desenvolvimento e Aglomerações Urbanas com mais de Um Milhão de Habitantes». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Agosto de 2020. Consultado em 24 de setembro de 2020 

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]