Região de Planejamento dos Imigrantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2015)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Crystal Clear app kedit.svg
Este artigo não possui uma seção introdutória ou ela está mal formatada (desde março de 2016).
Se puder, ajude-nos a melhorar este artigo com uma seção introdutória de qualidade e de acordo com o livro de estilo.

Criada pela Lei Complementar nº 108 de 21 de novembro de 2007 (Lei de Nova Regionalização do Estado do Maranhão), a Região de Planejamento dos Imigrantes foi criada através do desmembramento de municípios que antes faziam parte da Região de Planejamento do Mearim e da Região de Planejamento do Médio Mearim, estas duas tendo como sede as cidades Bacabal e Pedreiras, respectivamente. Os municípios de Paulo Ramos e Marajá do Sena foram desmembrados daquela primeira região, enquanto os municípios de Lago da Pedra, Lago do Junco, Lago dos Rodrigues e Lagoa Grande do Maranhão, desmembrados da segunda.

Por suportar o maior contingente populacional da nova região, à cidade de Lago da Pedra foi dado o status de cidade-polo. É uma região de transição entre as Mesorregiões do Oeste Maranhense e Centro Maranhense. A Região Administrativa compreende quatro municípios da Microrregião de Pindaré (Lago da Pedra, Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena e Paulo Ramos) e dois municípios da Microrregião do Médio Mearim (Lago do Junco e Lago dos Rodrigues). É também cortada pela linha imaginária da telefonia, fican no limite dos dois códigos de Discagem Direta à Distância – DDD do estado, sendo Paulo Ramos e Marajá do Sena possuindo DDD 98 e o restante dos municípios, DDD 99.

Com o segundo maior contingente populacional da região (superada apenas por Bacabal) e terceira maior área territorial (atrás de Bacabal e Marajá do Sena), Lago da Pedra é o maior polo comercial, financeiro e de serviços da nova Região de Planejamento. Aliás, a nova região já nasceu com índices muito baixos no que diz respeito a IDH, educação, saúde, saneamento básico e renda.

Fazem parte desta Região de Planejamento as cidades de Marajá do Sena e Lagoa Grande do Maranhão, municípios que comumente figuram na lista dos mais pobres do país, sendo citados também em relatórios de cidades com menor renda per capta e alto índice de analfabetismo. Este último sendo uma das maiores mazelas da região.

Algumas cidades da região sofrem há décadas com o declínio populacional devido à migração para as mais diversas regiões do Brasil, além de imigração para países como Guiana, Suriname e Guiana Francesa (departamento ultramarino francês localizado ao norte da América do Sul).

Por conta da falta de mão de obra qualificada, a região é carente de grandes investimentos e, ao mesmo tempo, grande exportadora de trabalhadores informais e braçais, como é o caso de garimpeiros. O garimpo, aliás, é um meio de trabalho perigoso e bastante nocivo à saúde humana, devido aos produtos químicos utilizados durante o processo de mineração (como o mercúrio, por exemplo), além da exposição à doenças infecto-parasitárias como a malária. É, ainda, perigoso do ponto de vista da segurança pública, haja vista a alta taxa de violência nos garimpos. Por, comumente, estarem localizados em áreas de proteção ambiental, terras indígenas e/ou particulares, a maioria dos garimpos a que a região exporta trabalhadores são ilegais.

Os lagos[editar | editar código-fonte]

Em um raio de menos de 20km estão situadas as cidades de Lago da Pedra, Lago do Junco e Lago dos Rodrigues. As três cidades carregam traços e peculiaridades bem comuns entre si. Lago do Junco é a cidade mais central dentre as três, ficando Lago da Pedra a uma distância de 9,45km a oeste, enquanto que Lago dos Rodrigues está a 9km a leste. Ou seja, em um raio de 18,45km as três cidades formam um conglomerado de aproximadamente 70 mil habitantes com forte tendência à conurbação, daí explica-se o rápido e ascendente crescimento do comércio e indústria (principalmente extrativista) locais.

Migrantes ou Imigrantes?[editar | editar código-fonte]

Apesar de chamada de Imigrantes, a região, na verdade é formada por grande parte de migrantes de outros estados Nordeste do país, especialmente Ceará e Piauí. Em função das Grandes Secas que castigaram esses estados em diferentes épocas do século XIX, a região recebeu um grande contingente de migrantes que fugiam da seca. Em lombos de jumentos, carroças ou em carros tipo pau-de-arara, a população chegava cada vez em maior quantidade e se estabelecia na região em busca de terras férteis para a agricultura e pecuária. Com o passar dos anos, a pecuária leiteira da região tornou-se uma das maiores do Maranhão e a agricultura o principal meio de sobrevivência de famílias da zona rural dos municípios que compõem a região.

A zona rural[editar | editar código-fonte]

A zona rural dos municípios da Região de Planejamento dos Imigrantes é bastante habitada, possuindo povoados e distritos densamente povoados, alguns chegando a ser maiores que algumas cidades do interior do Maranhão. A zona rural tem forte aptidão para a agricultura, pecuária e extrativismo vegetal.

Em Lago da Pedra, os povoados de Três Lagos, Santa Tereza e Sindôr I são os mais habitados. Os três tem forte aptidão para a agropecuária, com exceção de Santa Tereza que tem um setor de serviços forte e diversificado.

A zona rural de Lago do Junco se destaca pelo extrativismo vegetal. A cidade é a pioneira no Brasil a implantar uma lei municipal para proteção da Mata dos Cocais. A Lei Babaçu livre proíbe a derrubada das palmeiras de babaçu existentes no município e garante o livre acesso das quebradeiras de coco às fazendas para a colheita do coco. Os maiores povoados do municípios são: Abelha, Riachão, Ludovico e Pau Santo.

Em Lago dos Rodrigues, os maiores povoados são: Barraquinha e São João da Mata. O primeiro se destaca por ser o maior polo produtor de abacaxi da região. O segundo por ser um dos maiores produtores de cana-de-açúcar da região central do Estado.

Paulo Ramos tem como maiores povoados: Bela Vista, Cassiano de Freitas, Nova Olinda e Jejuí.

Em Marajá do Sena, os maiores povoados são: Anjico, Porto do Caititu e Chupé.

Em Lagoa Grande do Maranhão os principais povoados são: Sumaúma, Lagoa do Encontro, Estrela e Lagoa Nova.

O agroextrativismo na região[editar | editar código-fonte]

O agroextrativismo na região começou com a aprovação, pelo poder Legislativo do município de Lago do Junco, da Lei Municipal Babaçu Livre que proibiu a derrubada das palmeiras de babaçu existentes no município e garantiu o livre acesso das quebradeiras de coco às fazendas, acesso esse que, por décadas, foi motivo de litígio entre o movimento das quebradeiras de coco e os grandes fazendeiros da região.

Depois de assegurado seus direitos no que diz respeito à colheita do babaçu, as quebradeiras se uniram e formaram a AMTR – Associação das Mulheres Trabalhadoras Rurais de Lago do Junco e Lago dos Rodrigues. Depois de fundarem a associação, as quebradeiras de coco queriam mais: agregar valor ao seu único produto (a amêndoa do babaçu). Com o associativismo, veio a necessidade de conhecimento e capacitação. Como fruto do árduo trabalho e persistência, é inaugurada no povoado Ludovico, em Lago do Junco, a COPPALJ – Cooperativa dos Pequenos Produtores Agroextrativistas de Lago do Junco. Com a indústria, as quebradeiras passaram a industrializar toda a amêndoa que, até então, era tão somente beneficiada de forma bruta. Com os novos equipamentos que conseguiram, passaram a extrair o óleo da amêndoa e a fabricar produtos, dentre eles o sabonete. Hoje, o óleo produzido em Ludovico é exportado principalmente para indústrias de produtos de beleza dos Estados Unidos e Europa.

Além da COPPALJ e AMTR, em 2007 foi fundada a AJR – Associação de Jovens Rurais de Lago do Junco e Lago dos Rodrigues – MA, também com sede no povoado Ludovico, como forma de incentivar e buscar captação para a mão de obra jovem residente na zona rural desses municípios.

Em relação ao ensino agrícola, no povoado Pau Santo (Lago do Junco) está localizada a Escola Família Agrícola por Alternância Manoel Monteiro, uma referência regional de ensino em comunidades de zona rural.

Educação[editar | editar código-fonte]

Na educação, a região conta com um campus da Universidade Estadual do Maranhão. É o CESLAP - Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra, implantado naquele município.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]