Região de Turismo do Oeste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Outubro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Outubro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
LocalNUTS3Oeste.svg

Região de Turismo do Oeste

Presidente da Região de Turismo ?
Área
? km²
População
 - Densidade
? habitantes
 ? pessoas/km²
Número de Municipios Aderentes
12 Municipios
Sítio oficial Região de Turismo do Oeste

A Região Oeste é, uma região de muita luz e com um clima muito ameno. Situa-se na costa do Oceano Atlântico e a serra do Montejunto, sendo nesse local um óptimo ponto de observação. Este território é muito fértil, pois é iluminado com uma grande intensidade, em que a costa marítima e o campo se interligam, numa mancha verde, salpicada de casario branco. Este território, como está perto da capital e de outros centros, tende a ter um crescimento e modernidade nesta região Nesta local temos um conjunto de municípios, que fazem a região oeste, e são:

Locais interessantes no Turismo do Oeste[editar | editar código-fonte]

Alcobaça[editar | editar código-fonte]

Alcobaça é conhecida pelo seu mosteiro cisterciense, em torno do qual se desenvolveu a povoação, a partir do século XV. O mosteiro foi fundado por D. Afonso Henriques em 1148, e concluído em 1222, em estilo gótico. A cidade destaca-se também pelo Castelo de Alcobaça e o Museu do Vinho de Alcobaça.

O prato típico da região de Alcobaça é o frango na púcara, no campo da doçaria há a destacar: trouxas de ovos, delícias de Frei João e Pudim de ovos do mosteiro de Alcobaça e o pão-de-ló de Alfeizerão. Todos os anos decorre uma Mostra de Doçaria Conventual e Tradicional, que para além de Alcobaça conta com representações do país e do estrangeiro.

No litoral norte encontram-se sete praias: Água de Madeiros, Pedra do Ouro, Polvoeira,Paredes da Vitória,Vale furado, Légua e Falca. No litoral sul, encontramos as praias da Gralha e de São Martinho do Porto.  A excepção é a concha de São Martinho do Porto, uma baía natural ladeada por dois promontórios de rocha. A concha foi em tempos muito mais vasta: até ao século XIV o mar chegava à vila de Alfeizerão, hoje a 4 km de distância.

Caldas da Rainha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caldas da Rainha

Nas Caldas da Rainha destaca-se o Hospital Termal Rainha D. Leonor, cujas raízes remontam ao final da Idade Média.

A cidade é considerada a capital da cerâmica em Portugal, onde as peças do artista Rafael Bordalo Pinheiro se destacam pela originalidade e crítica mordaz aos costumes sociais e políticos da sua época.

Na parte da gastronomia, a cidade destaca-se por suas trouxas e lampreias de ovos e pelas cavacas que fazem a delícia dos visitantes. Oferece ainda propostas diversificadas, desde o típico mercado diário da fruta, passando por um património museológico que afirma a cidade enquanto importante centro cultural.

A oferta turística é complementada pela praia da Foz do Arelho, na confluência da lagoa de Óbidos com o mar. A lagoa terá sido mais extensa, chegando inclusivamente até às muralhas do Castelo de Óbidos. A região é ideal para a prática de desportos náuticos como o windsurf.

Torres Vedras[editar | editar código-fonte]

Na cidade de Torres Vedras, encontra-se um parque termal (Cucos e Vimeiro), hoteleiro e de animação de grande qualidade, também na gastronomia existe os pastéis de feijão e os pães-de-ló. Destaca-se também, no entanto, pelas suas reflexões sociais, culturais e económicas um facto histórico: o complexo sistema defensivo das Linhas de Torres, que permitiu vencer as tropas napoleónicas aquando das suas invasões. Terra de sol e mar por excelência, com 20 km de costa marítima, as praias de Santa Cruz, Porto Novo, Santa Rita ou da Assenta, sempre cheias de pessoas, não só nos meses do verão, como também ao longo de todo o ano. Ambientes tranquilos ou areais limpos podem possibilitar momentos de lazer e instantes de prática desportiva, nomeadamente, surf. O complexo termal do Vimeiro, o centro hípico, o campo de golfe do Hotel Golf Mar ou o Aeroclube são equipamentos que suscitam uma ocupação complementar à oferta das praias.

Bombarral[editar | editar código-fonte]

O Bombarral é uma vila portuguesa no distrito de Leiria, que pertence a Região Oeste, no entanto é um município limitado a norte pelo município de Óbidos, a nordeste pelas Caldas da Rainha, a sueste pelo Cadaval e a sudoeste pela Lourinhã. Foi criado em 1914 por desmembramento do município de Óbidos, onde foram criadas cinco freguesias. Tem umas boas terras agrícolas, mostrando assim a sua característica no seu "modus vivendi". Aparece-nos com naturalidade a vocação para o turismo rural, com especial incidência na Rota da Vinha e do Vinho. Para os amantes do desporto automóvel, ou que simplesmente gostem de novas experiências, é de destacar o KIRO - Kartódromo Internacional do Oeste. Historicamente o concelho tem vestígios arqueológicos valiosos (grutas do paleolítico, e um castro) ainda não totalmente explorados, mas que atestam de modo evidente a ocupação deste espaço desde tempos muito remotos.

Cadaval[editar | editar código-fonte]

O Cadaval, é um município que ocupa uma área de 174 Km2 e possui cerca de 13.200 habitantes, repartidos por 10 freguesias. As vinhas e os pomares são a paisagem constante destas paragens. Sendo este o maior concelho produtor nacional de pêra-rocha, e também produtor de hortícolas e de batata. Na indústria destacam-se várias unidades de produção de cerâmica para construção, havendo a preocupação de incrementar a instalação de novas unidades industriais. A Serra do Montejunto é sem dúvida o símbolo do Cadaval tendo uma área natural única e com grandes potencialidades turísticas, esta serra 15 km de extensão que se ergue abruptamente a 666 metros de altitude oferece uma paisagem que abrange todo o vale do Tejo, desde Abrantes a Lisboa, bem como todo o litoral, desde Sintra à Nazaré. O seu valioso ecossistema e o precioso património natural fazem desta montanha um dos maiores tesouros do Oeste. Na gastronomia, a tradição Oestina mantém-se com os bons pratos de cabrito da serra, porco do campo e peças de caça. Nos doces, são bastante apreciados o pão-de-ló do Painho e o doce regional Vindimas. Quanto aos vinhos, nem a experimentada sapiência de Dionísio encontraria verbo para descrever tão ambrosíaco néctar.

Peniche[editar | editar código-fonte]

A cidade de Peniche, no tempo antigo significativa de "barco pequeno", mas houve também historiadores, lembrando-se da afinidade fonética com a palavra península, lhe atribuíram a designação por corrupção dessa palavra. O Concelho oferece inúmeros pontos de interesse: para além de uma imprescindível visita à Fortaleza Museu, imperioso é conhecer as igrejas deste Concelho, cada qual com a sua riqueza e beleza arquitectónica. Destas se destacam em Peniche as da Misericórdia, Nª Sr.ª da Ajuda, Santuário dos Remédio e S. Pedro. O artesanato, verdadeiro ex-líbris da cidade, tem nas rendas de bilros a sua maior expressão. Peniche oferece ainda um conjunto de praias (Baleal, consolação, Supertubos, S. Bernardino, etc) de invulgar beleza ideais para o surf e outros desportos náuticos, bem como a única reserva natural marítima: ilha da Berlenga.

Lourinhã[editar | editar código-fonte]

O concelho da Lourinhã situa-se no litoral da região Oeste, pertence ao distrito de Lisboa e tem cerca de 18 km de costa marítima, paisagens deslumbrantes distribuídas pelo campo e pela praia, onde se localizam excelentes miradouros, belas praias e baías inexploradas que convidam à prática dos mais variados desportos náuticos, pesca desportiva, caça-submarina, fotografia sub-aquática, windsurf, ...

Terra com raízes históricas que remontam ao tempo dos Romanos na Península, possuidora de um riquíssimo património monumental, como a Igreja Matriz templo gótico do século XIV, e a Igreja da Misericórdia, com o seu portal manuelino, são exemplos onde figuram a austeridade e a delicadeza da arte antiga, como também o Pelourinho do século XIV também conhecido pelo cruzeiro do antigo castelo. A Lourinhã é também conhecida pelos valiosos achados do período Jurássico e sua valiosa gastronomia desde a sua famosa confeitaria, areias brancas, pão de lo, e a famosa água ardente da lourinha classificada como das 3 melhores da europa.

Óbidos[editar | editar código-fonte]

A vila de Óbidos, sendo um dos tesouros do Oeste e do nosso país, a vila medieval de Óbidos não pode, face aos inúmeros pontos de interesse turístico, dispensar uma demorada visita. Ultrapassada a Porta da Vila, que tem no seu interior um oratório dedicado à padroeira N.S. da Graça, sente-se imediatamente a enorme atracção pelo original das casas caiadas de branco e as ruas sinuosas exercem sobre o visitante. Igrejas, janelas manuelinas, pátios ou escadarias são também pontos de referência desta pequena vila. O Castelo de Óbidos, onde está instalada uma Pousada, deverá ter origem romana, no entanto, foi sob domínio árabe que adquiriu o estatuto de fortificação. A Lagoa de Óbidos (ideal para a prática de desportos náuticos), a cidade romana de "Eburobrittium", ou o campo de golf da Praia D´el Rey são outros elementos que merecem, seguramente, uma deslocação.

No concelho de Rio Maior (cidade do desporto, as primeiras provas de vida humana, remontam aos períodos pré-históricos, nomeadamente ao paleolítico. Os abrigos naturais oferecidos pela serra e pela florestação, assim como o clima ameno que se faz sentir seriam os principais atractivos para a ocupação. Em termos produtivos este concelho representa uma zona de transição entre a região Ribatejana e o Litoral Oeste, sendo que o sector agrícola ainda mantém alguma predominância. Turisticamente vale a pena visitar as Salinas, ou Marinhas de Sal, como também são conhecidas onde estão localizadas a 3 km de Rio Maior num vale da Serra dos Candeeiros, rodeadas de arvoredo, vinhas e terras de cultivo. O conjunto apresenta-se como uma minúscula aldeia de ruas de pedra e casas de madeira junto à qual se destacam uns tanques de formas e dimensões irregulares, que a partir da Primavera se enchem de água salgada dando origem as pirâmides de sal. A mais recente aposta da Câmara de Rio Maior centra-se no desporto, fazendo a recente Escola Superior de Desporto, e o Centro de Estágios.

Sobral de Monte Agraço[editar | editar código-fonte]

O concelho de Sobral de Monte Agraço foi formado num pleno período da Reconquista cristã da Península Ibérica, tornando-se assim necessário povoar as terras de modo a não permitir uma nova invasão de mouros. A doação do "Reguengo de Soveral" ao Bispo D. Paio da Sé de Évora e seus sucessores permitiu a formação de um povoado - Montagraço - cujos habitantes cultivavam as terras pagando para isso rendas e dízimos ao seu donatário. Foi a partir deste reguengo que se formou o concelho de uma só freguesia que originou o actual Concelho de Sobral de Monte Agraço a 20 de Dezembro de 1518 datado no Foral de Monte Agraço, concedido por D. Manuel I.

Na cultura destacam-se a Casa de São Salvador do Mundo, uma das melhores unidades de turismo de habitação da região de Turismo do Oeste, a Igreja de São Quintino, mandada edificar por D. Manuel I em 1520 e classificada como Monumento Nacional por Decreto de 16 de Junho de 1910 e o Forte Grande de Montagraço (Forte do Alqueidão), importante fortificação da 1.ª Linha de Torres Vedras e impressionante miradouro.

Arruda dos Vinhos[editar | editar código-fonte]

O concelho de Arruda dos Vinhos, pertence ao distrito de Lisboa situado entre os concelhos de Sobral de Monte Agraço, Alenquer, Vila Franca de Xira, Loures e Mafra. Tem quatro freguesias, Arranhó, Arruda dos Vinhos, Cardosas e São Tiago dos Velhos, e uma população que ronda actualmente os onze mil habitantes. As primeiras marcas de ocupação humana neste território, que corresponde hoje ao concelho de Arruda dos Vinhos remontam ao período Neolítico, no tempo da romanização onde se encontram bastantes vestígios, fixando-se a primeira marca de autonomia municipal no ano de 1172 quando D. Afonso Henriques onde fez um documento de doação da vila de Arruda à Ordem de São Tiago, acto que é confirmado em Santarém em 1218, por D. Afonso II. O foral é atribuído em 1517, por D. Manuel I, depois do rei se ter refugiado no Paço da Vila, na altura da infestação do reino pela peste. Durante as invasões napoleónicas foram construídos quatro fortes que integravam as Linhas de Torres, contribuindo para a defesa da capital.

Alenquer[editar | editar código-fonte]

Alenquer é reconhecida como Vila Presépio, devido à realização anual desde há cerca de trinta anos de um presépio em tamanho gigante numa das encostas que formam o vale do centro da vila. Limitada a norte pela altitude da serra do Montejunto e a sul pelas terras baixas da beira do rio, na margem direita do Tejo, esta terra oferece-nos uma grande diversidade de paisagens invulgares, uma riqueza agrícola de grande significado, um passado histórico invejável e um conjunto monumental de grande valor artístico, destacar temos as ruínas do antigo castelo (sec XIII), Igreja de S. Pedro com o túmulo de Damião de Góis (século XVI), convento de S. Francisco e museu Hipólito Cabaço, com mais de 40 mil peças de arqueologia. As velhas quintas solarengas, os bons vinhos brancos e tintos, o artesanato e a serra de Montejunto (turismo rural) proporcionam, a poucos quilómetros de Lisboa, momentos de inefável fruição.

Locais a visitar[editar | editar código-fonte]

A região Oeste tem muitos monumentos, museus, praias e outros a visitar, os mais importantes são:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Concelhos da Região do Oeste Mapa da Região do Oeste
Alcobaça Alenquer Arruda dos Vinhos Bombarral Cadaval Caldas da Rainha Lourinhã Nazaré Óbidos Peniche Sobral de Monte Agraço Torres Vedras
Alcobaça Alenquer Arruda dos
Vinhos
Bombarral Cadaval Caldas da
Rainha
Lourinhã Nazaré Óbidos Peniche Sobral de
Monte Agraço
Torres Vedras