Registros do Historiador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
History of China.png
História da China
História Antiga
Neolítico 8500 AEC – 2070 AEC
Dinastia Xia 2070 AEC – 1600 AEC
Dinastia Shang 1600 AEC – 1046 AEC
Dinastia Zhou 1046 AEC – 256 AEC
 Zhou Ocidental
 Zhou Oriental
   Primaveras e Outonos
   Estados Combatentes
História Imperial
Dinastia Qin 221 AEC – 206 AEC
Dinastia Han 206 AEC – 220 EC
  Han Ocidental
  Dinastia Xin
  Han Oriental
Três Reinos 220–280
  Wei, Shu and Wu
Dinastia Jin 265–420
  Jin Ocidental
  Jin Oriental Dezesseis Reinos
Dinastias do Norte e do Sul
420–589
Dinastia Sui 581–618
Dinastia Tang 618–907
  (Segunda dinastia Zhou 690–705)
Cinco Dinastias
e Dez Reinos

907–960
Dinastia Liao
907–1125
Dinastia Song
960–1279
  Song do Norte Xia Ocidental
  Song do Sul Jin
Dinastia Yuan 1271–1368
Dinastia Ming 1368–1644
Dinastia Qing 1644–1911
História Moderna
República da China 1912–1949
República Popular
da China

1949–presente
República da
China
(Taiwan)

1949–presente
 v  e 

A obra Registros do Historiador, também conhecida pelo nome chinês Shiji (chinês simplificado: 史记 ; chinês tradicional: 史記 ; pinyin: Shǐjì), escrita de 109 a.C. a 91 a.C., foi a obra prima de Sima Qian, na qual ele descreveu a história chinesa, da época do mítico Imperador Amarelo até a sua própria época. Sendo considerado o primeiro texto sistemático a respeito da história chinesa, influenciou tremendamente a historiografia e a prosa na China, sendo comparável a Heródoto e sua Historiai.

Primeira página do Shiji.

Os 130 capítulos de texto classificam todas as informações em várias categorias:

  • 70 capítulos de Lièzhuàn (列傳) contendo todas biografias do figuras importantes incluindo Lao Zi, Mozi, Sun Tzu e Jīng Kē.
  • 8 capítulos de Shū (書), com registros econômicos e culturais dos períodos tratados no livro.
  • 10 capítulos de Biǎo (表), uma cronologia de eventos.

Diferente de subseqüentes textos históricos oficiais que adotaram a doutrina confucionista, que proclamavam os direitos divinos dos imperadores, a obra de Sima Qian é muito mais liberal e objetiva. A maioria dos capítulos de Lièzhuàn são descrições aprofundadas de eventos e personagens.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Ssu ma Ch’ien. The Grand Scribe’s Records I: the basic annals of pre-Han China Bloomington: Indiana University Press. 1994.
  • Ssu ma Ch’ien. The Grand Scribe’s Records VII: the memoirs of pre-Han China Bloomington: Indiana University Press. 1994.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]