Reia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Reia (desambiguação).
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Reia
Reia, ladeada por dois leões no trono olímpico.
Morada Montes Pindo
Símbolo Biga e Leão
Casado(a) com Cronos
Pais Urano e Gaia
Irmão(s) Titãs (Oceano, Céos, Crio, Hiperião), Jápeto, Cronos); e
Titânides (Tétis, Teia, Febe, Mnemosine, Têmis)
Filho(s) Demétra, Hera, Héstia, Hades, Posídon e Zeus
Romano equivalente Cibele

Reia (em grego: Ῥέα, transl.: Rhéa), na mitologia grega, era uma titânide, filha de Urano e de Gaia.[1][2] Na mitologia romana é identificada como Cibele, a Magna Mater.

Os doze titãs, filhos de Urano e Gaia, eram Oceano, Céos, Crio, Hiperião, Jápeto, Teia, Reia, Têmis, Mnemosine, a coroada de ouro Febe e a amada Tétis e Cronos.[1]

Irmã e esposa de Cronos, gerou nesta ordem, segundo Pseudo-Apolodoro, Hera (a mais velha), seguida de Deméter e Héstia, seguidas de Hades e Posídon;[3] o próximo a nascer, Zeus, foi escondido por Reia em Creta[4][5], que deu uma pedra para Cronos comer[5][6]. Higino enumera os filhos de Saturno e Ops como Vesta, Ceres, Juno, Júpiter, Plutão e Netuno,[7] ele também relata uma versão alternativa da lenda, em que Saturno encerra Orco no Tártaro e Netuno em baixo do mar, em vez de comê-los.[5]

Por ser mãe de todos os deuses do Olimpo, é conhecida como Mãe dos Deuses.[2]

É uma deusa relacionada com a fertilidade; isso acarreta uma relação errônea com a deusa Cibele; que é a Mãe Terra original da Ásia Menor, e tardiamente adaptada a mitologia romana.[2]

Devido a um oráculo de Urano, que profetizara que Cronos seria destronado por um dos filhos, este passou a engolir todos os filhos assim que nasciam. Reia decidiu que isto não ocorreria com o sexto filho. Assim, quando Zeus nasceu, Reia escondeu-o numa caverna no Monte Ida em Creta ao cuidado dos assistentes curetes posteriormente sacerdotes e, no lugar do filho, deu a Cronos uma pedra enrolada em panos. Cronos engoliu-a, pensando ser o filho. Há diversas versões sobre quem criou Zeus. Algumas relatam que ele foi criado por Gaia; outras, por uma ninfa (Adamanteia ou Cinosura); segundo uma outra versão, foi nutrido por uma cabra (Amalteia). Ao atingir a idade adulta, Zeus destronou o pai, forçou-o a vomitar os irmãos e assumiu o Olimpo.

Seguindo a ascensão do filho Zeus ao status de rei dos deuses, ela contestou uma parte do mundo e acabou refugiando-se nas montanhas, onde cercou-se de criaturas selvagens. Geralmente, é associada a leões ou a uma biga puxada por leões.

Na Ásia Menor, era conhecida como uma deusa terrestre, sendo adorada com ritos orgíacos. O nome significa "fluxo", aparentemente em referência à menstruação feminina, e "reconforto", talvez em referência aos partos fáceis [8].

Referências

  1. a b Hesíodo, Teogonia, Cosmogonia, 134-138
  2. a b c Hino Órfico XIII. A Reia [em linha]
  3. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca (Pseudo-Apolodoro), 1.1.5
  4. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca (Pseudo-Apolodoro), 1.1.6
  5. a b c Higino, Fabulae, CXXXIX, Curetes
  6. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca (Pseudo-Apolodoro), 1.1.7
  7. Higino, Fabulae, Prefácio
  8. Theoi, Rhea