Reino do Nepal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


नेपाल अधिराज्य
Nepal Adhirajya

Reino do Nepal
Blank.png
 
Blank.png
1768 – 2008
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional
Rastriya Gaan


Localização de Nepal
Continente Ásia
Região Subcontinente indiano
País Nepal
Capital Katmandu
17° 58' N 102° 36' E
Língua oficial Nepalês (Gorkhali)
Governo Monarquia constitucional
Rei
 • 1768-1775 Prithvi Narayan Shah
 • 2001-2008 Gyanendra Bir Bikram Shah Dev
História
 • 31 de janeiro de 1768 Unificação do Nepal
 • década de 1760 de Unificação do Grande Nepal pelo rei Prithvi Narayan Shah Dev
 • 28 de maio de 2008 de Abolição da monarquia pela Assembleia Constituinte do Nepal
 • 28 de maio de 2008 República Federal Democrática do Nepal
População
 • 2008 est. 26 800 000 
Moeda Rupia nepalesa

O Reino do Nepal (em nepali: नेपाल अधिराज्य), também conhecido como Reino de Gorkha (em nepali: गोर्खा अधिराज्य), foi um reino formado em 1768 pela unificação do Nepal.[1] Fundado pelo rei Prithvi Narayan Shah, um monarca gorkhali, existiu durante 240 anos, até a abolição da monarquia nepalesa em 2008. Durante este período, o Nepal esteve formalmente sob o domínio da dinastia Shah, que exerceu diferentes graus de poderes durante a existência do reino.[2]

Apesar de uma derrota humilhante para a China depois de uma fracassada invasão no Tibete na década de 1790, o que o levou a se tornar um estado tributário do Império Chinês, o Nepal consolidou seus territórios, com sucesso, nos anos seguintes. Durante o início do século XIX, no entanto, a expansão da Companhia das Índias Orientais na Índia levou à Guerra Anglo-nepalesa (1814-1816), que resultou na derrota de Nepal. Sob o Tratado de Sugauli, o reino manteve a sua independência, mas tornou-se um protetorado da Grã-Bretanha de facto, em troca de concessões territoriais que correspondiam a um terço do território nepalês, conhecido como "Grande Nepal". A instabilidade política após a guerra resultou na ascensão da dinastia Rana, que fez do primeiro-ministro do Nepal um cargo hereditário, situação esta que durou de 1843 a 1951. Começando com Jung Bahadur, o primeiro governante Rana, a dinastia Rana reduziu o monarca Shah a um papel de figurante. Em regra, a dinastia Rana foi marcada pela tirania, libertinagem, exploração econômica e perseguição religiosa.[3][4]

Em meados do século XX, iniciou-se a democratização do Nepal. Em 1923, a Grã-Bretanha reconheceu formalmente a soberania do Nepal e encerrou seu protectorado, mas continuou a exercer influência política através dos governantes Rana e sua colônia vizinha, Índia, que só alcançou independência em 1947. Em julho de 1950, a recém-independente República da Índia assinou o Tratado Indo-Nepal de Paz e Amizade, em que ambas as nações concordaram em respeitar a soberania uma da outra. Em novembro do mesmo ano, a Índia desempenhou um papel importante no apoio ao rei Tribhuhvan, a quem o líder Mohan Shumsher Jang Bahadur Rana havia tentado depor e substituir com seu neto infante Rei Gyanendra. Com o apoio da Índia para um novo governo que consistia em grande parte do Congresso Nepalês, o rei Tribhuvan terminou o domínio da dinastia Rana em 1951.[5][6]

Várias tentativas foram feitas para implementar reformas e uma Constituição durante os anos 1960 e 1970. Uma crise econômica no final da década de 1980 levou a um movimento popular que provocou eleições parlamentares e a adoção de uma monarquia constitucional em 1990. A década de 1990 viu o início da Guerra Civil do Nepal (1996-2006), um conflito entre as forças do governo e as forças rebeldes do Partido Comunista do Nepal.[7] A situação para a monarquia nepalesa foi ainda mais desestabilizada com o massacre real nepalês em 2001, em que o príncipe herdeiro Dipendra supostamente atirou e matou dez pessoas, incluindo seu pai, o rei Birendra Shav Dev, e foi-se mortalmente ferido por aquilo que era supostamente uma bala auto-infligido.[8]

Como resultado do massacre, o rei Gyanendra retornou ao trono. Sua imposição do estado de direito em 2005 provocou um movimento de protesto, que unificou comunistas maoístas e ativistas pró-democracia. Ele foi forçado a restaurar a Câmara do Representantes que, em 2007, adotou uma constituição provisória restringindo significativamente os poderes da monarquia nepalesa. Na sequência de uma eleição realizada no próximo ano, a Assembleia constituinte aboliu formalmente o reino na sua primeira sessão em 28 de maio de 2008, declarando a República Democrática Federal do Nepal em seu lugar.[9]

Até a abolição da monarquia, o Nepal foi o único país do mundo a ter o Hinduísmo como religião de Estado. O país é, atualmente, um Estado secular.[10][11]

Referências

  1. Royal Ark
  2. Sharma, Devi Prasad, 'Adhunik Nepal-ko Itihas (1742-1961 dC). " Ratna Pustak Bhandar. Kathmandu. 1995.
  3. Dietrich, Angela (1996). «Buddhist Monks and Rana Rulers: A History of Persecution». Buddhist Himalaya: A Journal of Nagarjuna Institute of Exact Methods. Consultado em 17 de setembro de 2013 
  4. Lal, C. K. (16 de fevereiro de 2001). «The Rana resonance». Nepali Times. Consultado em 17 de setembro de 2013 
  5. Hoftun, Martin, William Raeper e John Whelpton. Pessoas, política e ideologia: a Democracia e Mudança Social no Nepal. Kathmandu: Mandala Livro Point, 1999. p. 189
  6. Library of Congress, Religion and Society
  7. Stiller, LF, "The Rise of the House of Gorkha." Patna Sociedade dos Jesuítas. Patna. 1975.
  8. Tucci, Giuseppe. (1952).Journey to Mustang de 1952. Trans. por Diana Fussell. 1ª edição italiana de 1953; 1ª edição Inglês, 1977. 2ª edição revista, 2003, p. 22. Bibliotheca Himalayica.ISBN 99933-0-378-X(Sul da Ásia); 974-524-024-9 (Fora da Ásia do Sul).
  9. Stiller, LF, "The Rise of the House of Gorkha." Patna Sociedade dos Jesuítas. Patna. 1975.
  10. Why Monarchy is necessary in Nepal?
  11. George Conger (18 de janeiro de 2008). «Nepal moves to become a secular republic». Religious Intelligence. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2009