Relações entre Brasil e Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Relações entre Brasil e Reino Unido
Bandeira do Brasil   Bandeira do Reino Unido
Mapa indicando localização do Brasil e do Reino Unido.
  Brasil
Prédio da embaixada do Brasil em Londres. O atual embaixador e chefe da missão brasileira é Roberto Jaguaribe.

As relações entre Brasil e Reino Unido são as relações diplomáticas estabelecidas entre a República Federativa do Brasil e o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

História[editar | editar código-fonte]

No período da história brasileira denominado como Primeiro Reinado, mais precisamente no ano de 1824, o Reino Unido reconheceu a independência do Brasil. Já no Segundo Reinado, o desgaste nas relações entre os dois países, que se arrastava desde a década de 1850, por conta das pressões inglesas pela extinção do tráfico negreiro e devido ao conflito diplomático conhecido como a Questão Christie, conduziu o Brasil a um rompimento das relações com a Grã-Bretanha em 1863, restabelecendo-as somente em 1865.[1]

Em 1919, foi elevada à categoria de embaixada a legação do Brasil em Londres, e em reciprocidade, o Reino Unido elevou à categoria de embaixada a legação no Rio de Janeiro. Na Conferência Dumbarton Oaks, em 1944, britânicos e soviéticos rejeitaram a proposta norte-americana para um assento permanente do Brasil no Conselho de Segurança das Nações Unidas. A rainha Elizabeth II realizou, em 1968, a primeira visita oficial de um monarca britânico ao Brasil. Em 1982, o Brasil se manteve neutro na Guerra das Malvinas, e proibiu pousos e sobrevoos de aviões britânicos em seu território, embora reconhecesse a soberania argentina sobre as ilhas.[2]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso realizou uma visita oficial de Estado ao Reino Unido, e em 2001 o primeiro-ministro Tony Blair realizou a primeira visita oficial de um chefe de governo britânico ao Brasil.[3]

Em 2005, após ser confundido com um terrorista muçulmano que teria participado dos atentados no metrô de Londres, o brasileiro Jean Charles de Menezes foi morto pela polícia britânica. A Scotland Yard admitiu o erro e informou que o brasileiro foi atingido cinco vezes na cabeça depois de ter se recusado a obedecer ordens de parar dentro de um vagão do metrô.[4] Os 11 policiais envolvidos na ação foram absolvidos. O governo brasileiro manifestou o seu "desagrado" com a decisão.[5]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Atualmente o Reino Unido é o quarto maior país investidor em território brasileiro. As exportações britânicas cresceram 23% em 2010 e 9% em 2011. As companhias britânicas como a British Gas, British Petroleum, Rolls-Royce e Shell vêm investindo fortemente no país, principalmente no Rio de Janeiro.[6]

Economia[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter havido uma desaceleração da economia brasileira devido à crise econômica de 2008-2011, de acordo com o jornal britânico Daily Mail, o Brasil superou o Reino Unido e deve ocupar o posto de sexta maior economia do mundo, sendo esta a primeira vez que os britânicos ficariam atrás de uma nação sul-americana.[7]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre relações exteriores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.