Relações entre Estados Unidos e Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Relações entre Estados Unidos e Reino Unido
Bandeira dos Estados Unidos   Bandeira do Reino Unido
Mapa indicando localização dos Estados Unidos e do Reino Unido.

As relações entre Estados Unidos e Reino Unido são as relações diplomáticas estabelecidas entre os Estados Unidos da América e o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

O Reino Unido é um dos "aliados mais próximos" dos Estados Unidos, e a política externa britânica enfatiza uma estreita coordenação com os norte-americanos. A cooperação bilateral reflete o idioma em comum, os ideais e as práticas democráticas das duas nações.

Estas relações se fortaleceram pela aliança do Reino Unido com os Estados Unidos durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, Guerra da Coreia, Guerra do Golfo, na Guerra do Iraque e na Guerra do Afeganistão, bem como através do seu papel como membros fundadores da OTAN. Os dois países constantemente se consultam sobre questões de política externa e os problemas globais, e compartilham os objetivos de suas políticas externas de segurança.[1]

A relações entre os dois países é tão intensa, que o Reino Unido chega inclusive a compartilhar ou até mesmo a conceder aos Estados Unidos algumas das bases militares que se encontram localizadas nos territórios britânicos ultramarinos. Dentre elas, destacam-se as Bases Britânicas Soberanas, localizadas na ilha de Chipre, a Base Aérea da Ilha de Ascensão e a Base Aeronaval de Diego Garcia.

História[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos declararam a sua independência do Reino Unido em 4 de julho de 1776. No entanto, a Guerra Revolucionária Americana continuou até a rendição do general britânico Charles Cornwallis ao general George Washington, em 19 de outubro de 1781. O Reino Unido reconheceu oficialmente a independência americana com a assinatura do Tratado de Paris, em 1783. Um membro do Parlamento Britânico, David Hartley, representando o rei George III, assinou o tratado juntamente com a delegação norte-americana de John Adams, Benjamin Franklin e John Jay em 3 de setembro de 1783.

Apesar de uma ruptura nas relações durante a Guerra anglo-americana de 1812, e as tensões sobre a possibilidade do reconhecimento britânico dos Estados Confederados da América durante a Guerra de Secessão, os Estados Unidos e o Reino Unido têm desfrutado de relações cordiais e de modo geral consistentes desde a independência americana.[2]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Wikileaks[editar | editar código-fonte]

De acordo com telegramas diplomáticos confidenciais, recém-divulgados pelo site Wikileaks e pelo jornal The Guardian, destacou-se o que é descrito como "paranóia" do Reino Unido sobre o chamado "relacionamento especial" com os Estados Unidos. Em um destes arquivos, um diplomata sênior dos Estados Unidos descreve a "especulação excessiva no Reino Unido", depois que Barack Obama se tornou presidente, com diversas mensagens questionando sobre a continuação deste relacionamento especial entre os dois países.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre relações exteriores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.