Relações entre Mongólia e Rússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Relações entre Mongólia e Rússia
Bandeira da Mongólia   Bandeira da Rússia
Mapa indicando localização da Mongólia e da Rússia.
Embaixada da Mongólia na Rússia.
Embaixada da Rússia na Mongólia

As relações bilaterais entre a Mongólia e a Federação Russa (em mongol: Монгол Оросын харилцаа; em russo: Российско-монгольские отношения) têm sido tradicionalmente fortes desde a era comunista, quando a União Soviética apoiou a República Popular da Mongólia. A Mongólia e a Rússia continuariam a ser aliados na era pós-comunista. A Rússia tem uma embaixada em Ulaanbaatar e dois consulados gerais (em Darkhan e Erdenet). A Mongólia possui uma embaixada em Moscou, três consulados gerais (em Irkutsk, Kyzyl e Ulan Ude), e uma filial em Yekaterinburg. Ambos os países são membros de pleno direito da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (a Rússia é um estado participante, enquanto a Mongólia é um parceiro).

História[editar | editar código-fonte]

Era comunista[editar | editar código-fonte]

Os regimes comunistas da Mongólia e da Rússia Soviética criaram relações e cooperação bilaterais próximas. [1][2] Ambas as nações estabeleceram estreitas relações industriais e comerciais, especialmente com as repúblicas soviéticas da Ásia Central e a Mongólia apoiou consistentemente a União Soviética em questões internacionais. [2] A Mongólia procurou ajuda russa para dissipar os temores do expansionismo chinês e um grande número de forças soviéticas foram permanentemente implantadas na Mongólia. [3] Em 1986, ambos os países assinaram um tratado de paz, amizade e cooperação. [2] A Mongólia tomou partido da União Soviética após a ruptura sino-soviética na década de 1950. Seguindo o exemplo da política do primeiro-ministro soviético Mikhail Gorbachev de melhorar os laços com o Ocidente e a China, a Mongólia melhorou suas relações com os Estados Unidos e a China. [2] Em 1989, a Mongólia e a União Soviética finalizaram os planos para a retirada das tropas soviéticas da Mongólia. [2]

Era moderna[editar | editar código-fonte]

Após a dissolução da União Soviética e o fim da Guerra Fria, o comércio da Mongólia com a Rússia diminuiu 80% e as relações e a influência da China sobre a Mongólia aumentaram.[3] No entanto, a Rússia tem procurado reconstruir relações fortes com a Mongólia nos últimos anos para reforçar a sua posição como uma potência regional. [3] Em 2000, o presidente russo Vladimir Putin fez uma visita marcante à Mongólia - a primeira por um chefe de Estado russo desde Leonid Brezhnev em 1974 [4] e uma das primeiras da presidência de Putin - e renovou um importante tratado bilateral.[1][3] A visita e a melhoria nas relações bilaterais foram popularmente acolhidas na Mongólia como contrárias à influência da China.[3] A Rússia reduziu os preços das exportações de petróleo e energia para a Mongólia e aumentou o comércio transfronteiriço.[3] O governo russo cancelou 98% da dívida pública da Mongólia e um acordo foi assinado para construir um oleoduto da Rússia para a China através da Mongólia.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Blagov, Sergei (Maio de 2005). «Mongolia Drifts Away From Russia Toward China» 10 ed. The Jamestown Foundation. China Brief. 5. Arquivado do original em 22 de março de 2007 
  2. a b c d e «Mongolia — Soviet relations». Library of Congress 
  3. a b c d e f «Russia Seeks To Restore Position in Mongolia As Most Favored Neighbor». Eurasianet.org. 17 de novembro de 2000 
  4. Montsame News Agency. Mongolia. 2006, Foreign Service Office of Montsame News Agency, ISBN 99929-0-627-8, p. 55
Ícone de esboço Este artigo sobre relações exteriores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.