Relações entre Rússia e Ucrânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Relações entre Rússia e Ucrânia
Bandeira da Rússia   Bandeira da Ucrânia
Mapa indicando localização da Rússia e da Ucrânia.

As relações entre Rússia e Ucrânia referem-se às relações entre a Federação Russa e a Ucrânia. Atualmente, os dois países estão envolvidos na Guerra Russo-Ucraniana, que começou em 2014 após a anexação russa da Crimeia. Após a dissolução da União Soviética em 1991, as relações bilaterais dos estados sucessores passaram por períodos de proximidade, tensões e hostilidade aberta. No início da década de 1990, a política da Ucrânia era dominada por aspirações de garantir sua soberania e independência, seguida por uma política externa de múltiplos vetores que equilibrava a cooperação com a Rússia.[1]

As relações entre os dois países têm sido hostis desde a revolução ucraniana de 2014, seguida pela anexação da Crimeia pela Rússia da Ucrânia e pelo apoio da Rússia aos combatentes separatistas da República Popular de Donetsk e da República Popular de Luhansk em uma guerra que até o início de 2020 matou mais de 13.000 pessoas e trouxe sanções ocidentais à Rússia.[2]

História das relações[editar | editar código-fonte]

Rússia de Quieve[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Rússia de Quieve

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia reivindicam a herança de Rus (também conhecida como Rússia de Quieve ou Antiga Rus) que no século X uniu tribos e clãs de várias étnicas e origens sob a igreja bizantina. A Rus, enquanto formação política, sofria de um processo de fragmentação feudal, segundo a Grande Enciclopédia Soviética, e sua história é repleta de inúmeros conflitos entre vários príncipes. De acordo com as crônicas da Rússia antiga, Kiev, a moderna capital da Ucrânia, foi proclamada como a mãe das cidades Rus (russas / rutenas) devido ao outrora poderoso estado medieval tardio, um predecessor das nações russas e ucranianas.[3] A frase "mãe das cidades" é de origem grega e significa metrópole. Discursos sobre o assunto da origem tanto de russos quanto de ucranianos podem levar a discussões acaloradas.

Moscóvia e o Império Russo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Império Russo

Após a invasão mongol da Rus' de Kiev, as histórias dos povos russo e ucraniano começaram a divergir.[4] O primeiro, tendo unido com sucesso todos os remanescentes das províncias do norte da Rus, cresceu em um poderoso estado russo. Este último ficou sob o domínio do Grão-Ducado da Lituânia, seguido pela Comunidade polonesa-lituana. Dentro da Comunidade, os militantes cossacos zaporozhianos recusaram a polonização, e freqüentemente entraram em confronto com o governo da Comunidade, controlado pela nobreza polonesa. A inquietação entre os cossacos levou-os a se rebelar contra a Comunidade e buscar a união com a Rússia, com a qual compartilhavam grande parte da cultura, língua e religião, o que foi formalizado pelo Tratado de Pereyaslav em 1654.[5] A partir de meados do século XVII, a Ucrânia foi gradualmente absorvida no Império Russo, que foi completado no final do século XVIII com as Partilhas da Polônia. Logo depois, no final do século XVIII, o exército cossaco foi dissolvido à força pelo Império, com a maior parte da população realocada para a região de Kuban na extremidade sul do Império Russo, onde os cossacos teriam um papel valioso para o Império de subjugar as ferozes tribos do Cáucaso.

O Império Russo considerava os ucranianos (e bielorrussos) uma parte da identidade russa e se referia a eles como " Pequenos Russos ".[6] Até o final da Primeira Guerra Mundial, esse ponto de vista foi contestado por um pequeno grupo de nacionalistas ucranianos.[7] No entanto, a percepção de uma ameaça de "separatismo ucraniano" desencadeou um conjunto de medidas que visavam a russificação dos "Pequenos Russos".[7] Em 1804, a língua ucraniana como matéria e língua de instrução foi proibida nas escolas.[8] Em 1876, seguiu-se a proibição dos livros ucranianos pelo decreto segreto de Ems Ukaz por Alexandre II, que proibia a publicação e importação da maioria dos livros em língua ucraniana, apresentações públicas e palestras, e até proibia a impressão de textos ucranianos que acompanhassem partituras musicais.[9]

União Soviética[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: União Soviética

A Revolução de fevereiro viu o estabelecimento de relações oficiais entre o Governo Provisório Russo e a Rada Central Ucraniana, que foi representada no governo russo por seu comissário Petro Stebnytsky. Ao mesmo tempo, Dmitry Odinets foi nomeado representante dos Assuntos Russos no governo ucraniano. Após a agressão militar pelo governo soviético no início de 1918, a Ucrânia declarou sua total independência da República Russa. Os dois tratados de Brest-Litovsk que a Ucrânia e a Rússia assinaram separadamente com as Potências Centrais acalmaram o conflito militar entre elas e as negociações de paz foram iniciadas no mesmo ano.

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, a Ucrânia se tornou um campo de batalha na Guerra Civil Russa e russos e ucranianos lutaram em quase todos os exércitos com base em suas orientaçoes políticas.

Em 1922, a Ucrânia e a Rússia foram dois dos membros fundadores da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas e foram signatários do tratado que encerrou a união em dezembro de 1991. [nb 2]

O fim do Império Russo também acabou com a proibição da língua ucraniana.[8] Seguido por um período de korenizatsiya que promoveu as culturas das diferentes repúblicas soviéticas.[10]

Entre 1932-1933, a Ucrânia experimentou o Holodomor (ucraniano: Голодомор, "Extermínio pela fome" ou "Extermínio pela fome"; derivado de 'Морити голодом', "Matar por fome"), que foi uma fome provocada pela República Socialista Soviético Ucraniana que matou até 7,5 milhões de ucranianos. Durante a fome, também conhecida como "Terror-Fome na Ucrânia" e "Fome-Genocídio na Ucrânia", milhões de cidadãos da RSS ucraniana, a maioria ucranianos, morreram de fome em uma catástrofe sem precedentes em tempos de paz na história da Ucrânia. Os estudiosos discordam sobre a importância relativa dos fatores naturais e das más políticas econômicas como causas da fome e sobre o grau em que a destruição do campesinato ucraniano foi premeditada por parte da liderança soviética. A fome do Holodomor estendeu-se a muitas repúblicas soviéticas, incluindo a Rússia e o Cazaquistão. Na ausência de prova documental absoluta de intenção, os estudiosos também argumentaram que o Holodomor foi, em última análise, uma consequência dos problemas econômicos associados à mudanças econômicas radicais implementadas durante o período de liquidação da propriedade privada e industrialização soviética, combinada com a seca generalizada do início dos anos 1930.

Em 13 de janeiro de 2010, o Tribunal de Apelação de Kiev declarou postumamente Stalin, Kaganovich, Molotov e os líderes soviéticos ucranianos Kosior e Chubar, entre outros funcionários, culpados de genocídio contra ucranianos durante a fome do Holodomor.[11]

Relações atuais[editar | editar código-fonte]

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Embaixada da Rússia em Kiev
Embaixada da Ucrânia em Moscou

Desarmamento nuclear[editar | editar código-fonte]

A dissolução da União Soviética trouxe várias controvérsias. A desnuclearização da Ucrânia foi uma das questões mais controversas nas relações Rússia-Ucrânia nos primeiros anos.[12] A Ucrânia hospedou grandes estoques de armas nucleares durante a Guerra Fria, quando a Ucrânia ganhou sua independência, ela herdou o terceiro maior estoque nuclear do mundo, junto com meios significativos de sua produção.[13][14] 130 UR-100N mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) com seis ogivas cada, 46 RT-23 Molodets ICBMs com dez ogivas cada, bem como 33 bombardeiros pesados, totalizando aproximadamente 1.700 ogivas permaneceram em território ucraniano.[15] Embora a Ucrânia tivesse o controle físico das armas, ela não tinha controle operacional, pois elas dependiam de Links de Ação Permissiva controlados pela Rússia e do sistema de comando e controle russo. Em 1992, a Ucrânia concordou em remover voluntariamente mais de 3.000 armas nucleares táticas.[13]

Após a assinatura do Memorando de Budapeste de 1994 entre os EUA, Reino Unido e Rússia, bem como acordos semelhantes com a França e a China, a Ucrânia concordou em destruir o resto de suas armas nucleares e em aderir ao Tratado do Não -Proliferação de Armas Nucleares (NPT).[16][17][18] Em 1996, a Ucrânia transferiu todas as ogivas estratégicas da era soviética para a Rússia.

Divisão da Frota do Mar Negro e Sebastopol[editar | editar código-fonte]

A segunda grande disputa dos primeiros anos foi sobre o destino da Frota do Mar Negro, bem como suas bases operacionais, principalmente Sevastopol na Península da Crimeia.[12] A questão foi exacerbada pela postura política, a proclamação ucraniana de que toda a frota estava sob a jurisdição da Rússia e a intenção de buscar um Plano de Ação para Membros da OTAN, seguido por expressões de políticos russos de reivindicações territoriais sobre partes da Crimeia e a declaração do parlamento russo de que a tranferencia da Crimeia para a Ucrânia de 1954 era ilegítima, tornando a península um assunto em curso nas negociações.[12][19] Após vários anos de intensas negociações, toda a questão foi resolvida em 1997. O Tratado de Partição dividiu a frota e permitiu à Rússia arrendar algumas das bases navais em Sebastopol para a Marinha Russa até 2017, e o Tratado de Amizade, fixou o princípio da parceria estratégica, o reconhecimento da inviolabilidade das fronteiras existentes, o respeito pela integridade territorial e o compromisso mútuo de não usar seu território para prejudicar a segurança uns dos outros.[20][21]

Economia[editar | editar código-fonte]

Outra grande disputa estava relacionada ao fornecimento de energia, uma vez que vários oleodutos e gasodutos entre Uniao Sovietica e Europa Ocidental atravessavam a Ucrânia. Mais tarde, após a entrada em vigor de novos tratados, os atrasos da dívida de gás da Ucrânia com a Rússia foram pagos com a transferência de algumas armas nucleares que a Ucrânia herdou da URSS para a Rússia, como os bombardeiros estratégicos Tu-160.[22] Durante a década de 1990, ambos os países, juntamente com outros ex-estados soviéticos, fundaram a Comunidade dos Estados Independentes e grandes parcerias comerciais entraram em vigor.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Vladimir Putin e Leonid Kuchma em dezembro de 2003.

Embora as disputas antes da eleição presidencial ucraniana de 2004 estivessem presentes, incluindo as especulações sobre o abate acidental de um avião russo pelos militares ucranianos e a controvérsia com a Ilha de Tuzla, as relações com a Rússia nos últimos anos de Leonid Kuchma melhoraram. Em 2002, o governo russo participou do financiamento da construção das centrais nucleares de Khmelnytskyi e Rivne.[23] Em 2003, a Rússia tentou integrar a Ucrânia em um novo Espaço Econômico Único liderado pela Rússia. No entanto, com o presidente Viktor Yushchenko no poder, vários problemas reapareceram, incluindo as disputas de gás entre a Rússia e a Ucrânia, devido à crescente cooperação da Ucrânia com a UE e à oferta de adesão à OTAN.

A percepção geral na Ucrânia da relação com a Rússia depende muito de fatores regionais. Muito russófonos das regiões do leste e sudeste, que são lar da maioria da diáspora rússia na ucrânia, são abertos à aproximações com a Rússia. No entanto, no centro e particularmente na região ocidental da Ucrânia (que nunca foram partes do Império Russo), existem uma atitude menos amistosa com a Rússia, e a União Soviética em particular.

No geral, as recentes tentativas da Ucrânia de aderir à UE e à OTAN foram vistas como uma mudança de curso para apenas uma orientação pró-ocidental e anti-russa da Ucrânia e, portanto, um sinal de hostilidade, e isso resultou em uma queda na estima da Ucrânia na Rússia[24] (embora o presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, tenha garantido à Rússia que ingressar na OTAN não era um ato anti-russo,[25] e Putin disse que a Rússia receberia bem a adesão da Ucrânia na UE[26]). Isso foi alimentado ainda mais pela discussão pública na Ucrânia sobre se a língua russa deveria receber o status oficial[27] e se tornar a segunda língua oficial.[28][29] Durante o conflito de gás de 2009, a mídia russa quase uniformemente retratou a Ucrânia como um Estado agressivo e ganancioso que queria se aliar aos inimigos da Rússia e explorar o gás russo barato.[30]

O agravamento das relações foi provocado por declarações beligerantes feitas em 2007-2008 tanto pela Rússia (por exemplo, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia,[31] o prefeito de Moscou Yury Luzhkov[32] e o então presidente Vladimir Putin[25][33]) e políticos ucranianos como, por exemplo, o ex-ministro das Relações Exteriores Borys Tarasiuk,[34] vice-ministro da Justiça da Ucrânia,[35] e o então líder da oposição parlamentar Yulia Tymoshenko.[36]

A situação da Frota Russa do Mar Negro em Sebastopol permaneceu uma questão de desacordo e tensões.[37][38]

Segundo governo Tymoshenko[editar | editar código-fonte]

Vladimir Putin e Viktor Yushchenko em fevereiro de 2008

Em fevereiro de 2008, a Rússia retirou-se unilateralmente do acordo intergovernamental ucraniano-russo sobre o SPRN assinado em 1997.[39]

Durante a Guerra Russo-Georgiana, as relações entre a Ucrânia e a Rússia azedaram, devido ao apoio da Ucrânia e venda de armas à Geórgia, bem como, os novos regulamentos ucranianos para a Frota Russa do Mar Negro, que enviava navios e fuzileiros navais para a guerra, tais como a exigência de que a Rússia obtivesse permissão prévia ao cruzar a fronteira com a Ucrânia, o que a Rússia se recusou a cumprir.[40][41] Desentendimentos adicionais sobre a posição sobre a Geórgia e as relações com a Rússia estavam entre as questões que derrubaram a Coalizão Nossa Ucrânia-Bloco de Autodefesa do Povo + Bloco Yulia Tymoshenko no parlamento ucraniano em setembro de 2008[42] (em 16 de dezembro de 2008 a coalizão ressurgiu com um novo parceiro de coalizão, o Lytvyn Bloc[43]). Isso reacendeu a polêmica sobre a presença militar russa na Crimeia.

Em 2 de outubro de 2008, o primeiro-ministro russo Vladimir Putin acusou a Ucrânia de fornecer armas à Geórgia durante a Guerra da Ossétia do Sul. Putin também afirmou que Moscou tinha evidências de que especialistas militares ucranianos estiveram presentes na zona de conflito durante a guerra. A Ucrânia negou as acusações. O chefe da estatal de exportação de armas, Ukrspetsexport, disse que nenhuma arma foi vendida durante a guerra, e o ministro da Defesa, Yuriy Yekhanurov, negou que militares ucranianos tenham lutado ao lado da Geórgia.[44] O Procurador-Geral da Ucrânia Oleksandr Medvedko confirmou em 25 de setembro de 2009 que não havia nenhum pessoal das Forças Armadas ucranianas participando da Guerra da Ossétia do Sul de 2008, nenhuma arma ou equipamento militar das Forças Armadas ucranianas estava presente no conflito e nenhuma ajuda foi prestada para o lado georgiano. Também na declaração, as autoridades ucranianas informaram que as transferências internacionais de equipamento de especialização militar entre a Ucrânia e a Geórgia durante o período de 2006–2008 foram realizadas de acordo com os contratos anteriormente estabelecidos, as leis da Ucrânia e os tratados internacionais.[45]

Os EUA apoiaram a candidatura da Ucrânia para aderir à OTAN, lançada em Janeiro de 2008 como um esforço para obter o Plano de Acção para a Adesão à OTAN.[46][47][48] A Rússia se opôs veementemente a qualquer perspectiva de Ucrânia e Geórgia se tornarem membros da OTAN.[49][50][51] De acordo com a alegada transcrição do discurso de PotEncontro do Conselho OTAN-Rússia de 2008 em Bucareste, Putin falou da responsabilidade da Rússia pelos russos étnicos residentes na Ucrânia e exortou os seus parceiros da OTAN a agirem de maneira sensata; De acordo com alguns relatos da mídia, ele então deu a entender em particular ao seu homólogo americano a possibilidade de a Ucrânia perder sua integridade no caso de sua adesão à OTAN.[52] De acordo com um documento nos telegramas diplomáticos dos Estados Unidos, Putin "desafiou implicitamente a integridade territorial da Ucrânia, sugerindo que a Ucrânia era uma criação artificial costurada a partir do território da Polônia, República Tcheca, Romênia e, especialmente, da Rússia na sequência do Segundo Guerra Mundial."[53]

Vladimir Putin e Yulia Tymoshenko em novembro de 2009

Durante uma disputa em janeiro de 2009 sobre os preços do gás natural, as exportações de gás natural russo através da Ucrânia foram fechadas.[54] As relações se deterioraram ainda mais quando o primeiro-ministro russo, Putin, durante esta disputa, disse que "a liderança política ucraniana está demonstrando sua incapacidade de resolver problemas [...] econômicos, e a situação destaca a alta criminalização das autoridades [ucranianas]"[55][56] e quando em fevereiro de 2009 (após o conflito) o presidente ucraniano Yushchenko[57][58] e o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia consideraram a declaração do presidente russo Dmitry Medvedev de que a Ucrânia deve compensar as perdas da crise de gás para os países europeus uma "declaração emocional que é hostil e hostil à Ucrânia e aos estados-membros da UE”.[59][60] Durante o conflito, a mídia russa quase uniformemente retratou a Ucrânia como um estado agressivo e ganancioso que queria se aliar aos inimigos da Rússia e explorar o gás russo barato.[30]

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Presidência de Viktor Yanukovych[editar | editar código-fonte]

Viktor Yanukovych e o presidente russo, Dmitry Medvedev, em 17 de maio de 2010, perto do Memorial às Vítimas do Holodomor em Kiev
Vladimir Putin chegou ao 14º Rally Internacional de Motociclistas em Sevastopol, Crimeia, em 24 de julho de 2010

De acordo com Taras Kuzio, Viktor Yanukovych era o mais pró-russo e neo-soviético presidente eleito na Ucrânia.[61] Desde sua eleição, ele cumpriu todas as exigências feitas pelo presidente russo, Dmitri Medvedev, em sua carta escrita ao ex-presidente Viktor Yushchenko em agosto de 2009.[61]

Em 22 de abril de 2010, os presidentes Viktor Yanukovych e Dmitry Medvedev assinaram um acordo sobre o aluguel da base das Forças Navais russas em Sebastopol nos próximos 25 anos para descontos de gás natural nas entregas, que representaram US $ 100 por cada 1.000 metros cúbicos.[62][63][64] O contrato de extensão do arrendamento foi altamente controverso dentro e fora da Ucrânia.[65]

Em 17 de maio de 2010, o presidente Dmitry Medvedev chegou a Kiev para uma visita de dois dias.[66] Durante a visita, Medvedev esperava assinar acordos de cooperação em "problemas inter-regionais e internacionais", segundo a RIA Novosti. Isso também foi mencionado no inquérito oficial na Verkhovna Rada pelo primeiro vice-primeiro-ministro Andriy Klyuyev. De acordo com algumas agências de notícias, o objetivo principal da visita era resolver os desacordos nas relações de energia entre a Rússia e a Ucrânia, depois que Viktor Yanukovych concordou com a fusão parcial da Gazprom e da Naftogaz.[67] Além da fusão das empresas estatais de gás, falou-se também da fusão do setor de energia nuclear.[68]

O presidente russo, Dmitry Medvedev (abril de 2010[69]) e o primeiro-ministro russo Vladimir Putin (junho de 2010[70]), afirmaram ter notado uma grande melhora nas relações desde a presidência de Viktor Yanukovych.

Em 17 de julho de 2013, perto da costa russa do Mar de Azov, que é considerado águas internas da Rússia e da Ucrânia (sem delimitação de fronteira), o barco-patrulha da guarda costeira russa colidiu com um navio de pesca ucraniano.[71] Quatro pescadores morreram[72] enquanto um foi detido pelas autoridades russas sob a acusação de caça furtiva.[73] De acordo com o pescador sobrevivente, seu barco foi atacado por russos[74] e os pescadores também foram alvejados, enquanto a polícia russa alegou que foram os caçadores furtivos que tentaram colidir com o navio patrulha.[75] A Ministra da Justiça da Ucrânia, Olena Lukash, reconheceu que a Rússia não tem jurisdição para processar o cidadão ucraniano detido.[76] Segundo a esposa do pescador sobrevivente, o cônsul ucraniano na Rússia foi muito passivo em fornecer qualquer apoio sobre o assunto.[77] O pescador sobrevivente deveria ser libertado para a Ucrânia antes de 12 de agosto de 2013; no entanto, o Ministério Público da Rússia optou por manter o ucraniano detido na Rússia.[78] Outro incidente ocorreu na fronteira entre os oblasts de Belgorod e Luhansk quando um motorista de trator russo aparentemente embriagado decidiu cruzar a fronteira para a Ucrânia junto com seus dois amigos em 28 de agosto de 2013.[79][80] Ao contrário do incidente em Azov, ocorrido um mês antes, em 17 de julho de 2013, o Serviço Estatal de Fronteiras da Ucrânia devolveu os cidadãos da Rússia às autoridades russas. O trator Belarus foi levado embora e entregue ao Ministério de Receitas e Deveres.

Integração econômica e Euromaidan[editar | editar código-fonte]

Ver também: Euromaidan

Em 2013, a Ucrânia buscou o status de observador na União Aduaneira da Bielorrússia, Cazaquistão e Rússia,[81] liderada pela Rússia, bem como persistiu em avançar com o acordo de associação com a UE, programado para ser assinado em novembro.[82]

Em 14 de agosto de 2013, os serviços alfandegários russos interromperam todas as mercadorias provenientes da Ucrânia.[83] Alguns políticos viram isso como o início de uma guerra comercial contra a Ucrânia para impedir a Ucrânia de assinar um acordo comercial com a União Europeia.[84] De acordo com Pavlo Klimkin, um dos negociadores ucranianos do Acordo de Associação, inicialmente “os russos simplesmente não acreditaram (que o acordo de associação com a UE) poderia se tornar realidade. Eles não acreditavam em nossa capacidade de negociar um bom acordo e não acreditavam em nosso compromisso de implementar um bom acordo."[85]

Em setembro de 2013, a Rússia avisou a Ucrânia que, se prosseguisse com um planejado acordo de livre comércio com a UE, enfrentaria uma catástrofe financeira e, possivelmente, o colapso do Estado.[86] Sergey Glazyev, conselheiro do presidente Vladimir Putin, disse que "as autoridades ucranianas cometem um grande erro se pensam que a reação russa se tornará neutra em alguns anos. Isso não vai acontecer." A Rússia já impôs restrições à importação de certos produtos ucranianos e Glazyev não descartou novas sanções se o acordo fosse assinado. Glazyev permitiu a possibilidade de movimentos separatistas surgirem no leste e no sul de língua russa da Ucrânia.[86]

Os protestos de 15 de março, chamados de Marcha da Paz, ocorreram em Moscou um dia antes do referendo da Crimeia
Manifestantes pró-russos em Odessa, 30 de março de 2014

Em 21 de novembro de 2013, Yanukovych suspendeu os preparativos para a assinatura do Acordo de Associação da UE, a fim de buscar relações econômicas mais estreitas com a Rússia.[87] Em 17 de dezembro de 2013, o presidente russo, Vladimir Putin, concordou em emprestar 15 bilhões de dólares em ajuda financeira e um desconto de 33% no preço do gás natural.[88][89] O tratado foi assinado em meio a protestos massivos e contínuos na Ucrânia por laços mais estreitos entre a Ucrânia e a União Europeia.[90] Os críticos apontaram que nos meses anteriores a 17 de dezembro de 2013, uma mudança nos regulamentos aduaneiros russos sobre as importações da Ucrânia foi uma tentativa russa de impedir a Ucrânia de assinar um Acordo de Associação com a União Europeia.[91][92][88]

Anexação da Crimeia e guerra no leste da Ucrânia[editar | editar código-fonte]

A crise da Crimeia de 2014 estava se desenrolando na República Autônoma da Crimeia, no rescaldo da revolução ucraniana de fevereiro de 2014, na qual o governo do presidente ucraniano, Viktor Yanukovych foi deposto. Protestos foram realizados por grupos marjoritariamente de russos étnicos que se opunham aos eventos em Kiev e desejavam laços estreitos ou integração com a Rússia, além de uma autonomia ampliada ou possível independência para a Crimeia. Outros grupos, incluindo os tártaros da Crimeia, protestaram em apoio à revolução. Em 27 de fevereiro, militares sem identificação usando máscaras tomaram vários edifícios importantes na Crimeia, incluindo o edifício do parlamento e dois aeroportos.[93] Sob cerco, o Conselho Supremo da Crimeia demitiu o governo da república autônoma e substituiu o presidente do Conselho de Ministros da Crimeia, Anatolii Mohyliov, por Sergey Aksyonov.[93]

A Ucrânia acusou a Rússia de intervir nos assuntos internos da Ucrânia, enquanto o lado russo negou oficialmente tais alegações. Em resposta à crise, o parlamento ucraniano solicitou que os signatários do Memorando de Budapeste reafirmassem seu compromisso com os princípios consagrados no acordo político e pediu ainda que realizassem consultas com a Ucrânia para aliviar as tensões.[94] Em 1º de março, sem declaração de guerra, o parlamento russo concedeu ao presidente Vladimir Putin autoridade para usar a força militar na Ucrânia.[95] No mesmo dia, o presidente em exercício da Ucrânia, Oleksandr Turchynov, decretou a nomeação do Primeiro-Ministro da Crimeia como inconstitucional. Ele disse: "Consideramos o comportamento da Federação Russa uma agressão direta contra a soberania da Ucrânia!"

Em meados de março, após um referendo local controverso, a Rússia reconheceu a Crimeia como um estado soberano[96][97] e procedeu à anexação formal da península. O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia convocou o Diretor Provisório da Rússia na Ucrânia para apresentar um discurso de protesto contra o reconhecimento da República da Crimeia pela Rússia e sua subsequente anexação.[98] Dois dias depois, o Verkhovna Rada condenou o tratado[99] e chamou as ações da Rússia de "uma violação grosseira do direito internacional". Além disso, a Ucrânia respondeu com sanções contra a Rússia, bem como com uma lista negra e congelamento de ativos de vários indivíduos e entidades envolvidos na anexação. A Ucrânia anunciou que não comprará produtos russos. Outros países que apoiam a posição da Ucrânia (por exemplo, União Europeia, Noruega, Islândia, Suíça, Liechtenstein, Albânia, Montenegro, Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Japão, etc.) seguiram medidas semelhantes.[100] A Rússia respondeu com medidas semelhantes contra a Ucrânia e seus apoiadores, mas não revelou publicamente a lista de pessoas ou entidades sancionadas.[101][102]

Em 19 de março de 2014, todas as Forças Armadas ucranianas (na época sitiadas em suas bases por soldados não marcados) foram retiradas da Crimeia.[103] Em 8 de abril de 2014, foi alcançado um acordo entre a Rússia e a Ucrânia para devolver os navios capturados à Ucrânia e "para a retirada de um número não divulgado de aeronaves ucranianas apreendidas na Crimeia".[104] A Rússia devolveu 35 navios que haviam sido apreendidos durante a anexação da Crimeia, mas suspendeu unilateralmente o retorno de materiais da Marinha ucraniana da Crimeia para a Ucrânia porque/depois que a Ucrânia não renovou seu cessar-fogo unilateralmente declarado em 1 de julho de 2014 na Guerra em Donbass.[105][106] Portanto, 16 navios menores ainda não retornaram à Ucrânia propriamente dita.[106]

Em 27 de março de 2016, Dmitry Kozak foi nomeado para fortalecer os laços sociais, políticos e econômicos da Crimeia com a Rússia.[107][108]

Em 14 de abril, o presidente russo Putin anunciou que abriria uma conta exclusiva em rublos no Banco Rossiya e o tornaria o banco principal na Crimeia recém-anexada, além de conceder o direito de pagar o serviço de US $ 36 da Rússia bilhões no mercado de eletricidade no atacado - o que deu ao banco $ 112 milhões por ano apenas com as taxas de comissão.[109]

Em 15 de abril, a Verkhovna Rada declarou a República Autônoma da Crimeia e Sebastopol sob "ocupação provisória" pelos militares russos[110][111] Os territórios também foram considerados "partes inalienáveis da Ucrânia", de acordo com a lei ucraniana.[112] Em 17 de abril de 2014, o presidente Putin afirmou que os militares russos haviam apoiado as milícias separatistas da Crimeia, afirmando que a intervenção da Rússia era necessária "para garantir condições adequadas para que o povo da Crimeia pudesse expressar livremente sua vontade".[113]

Ao longo de março e abril de 2014, a agitação pró-Rússia se espalhou na Ucrânia, com grupos pró-Rússia proclamando "Repúblicas Populares" nos oblasts de Donetsk e Luhansk, desde então estão ambos parcialmente fora do controle do governo ucraniano.[114]

Os confrontos militares entre rebeldes pró-russos (apoiados por militares russos) e as Forças Armadas da Ucrânia começaram na região de Donbass em abril de 2014. Em 5 de setembro de 2014, o governo ucraniano e os representantes da autoproclamada República Popular de Donetsk e da República Popular de Luhansk assinaram uma trégua provisória ( cessar-fogo - o acordo ).[115] O cessar-fogo implodiu em meio a novos combates intensos em janeiro de 2015. Um novo acordo de cessar-fogo entrou em vigor desde meados de fevereiro de 2015, mas este acordo também não conseguiu parar os combates.[116][117][118][119][120][121][122] A Rússia foi acusada pela OTAN e pela Ucrânia de se envolver em operações militares diretas para apoiar a República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk.[123] A Rússia nega isso,[123] mas em dezembro de 2015, o presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, admitiu que oficiais da inteligência militar russa estavam operando na Ucrânia, mas insistindo que não eram o mesmo que tropas regulares.[124] A Rússia admitiu que "voluntários" russos estão ajudando as repúblicas populares separatistas.[125]

Na sessão de 26 de junho de 2014 da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, o presidente ucraniano Petro Poroshenko afirmou que as relações bilaterais com a Rússia não podem ser normalizadas a menos que a Rússia desfaça a anexação unilateral da Crimeia e devolva o controle da Crimeia à Ucrânia.[126] Em fevereiro de 2015, a Ucrânia encerrou um acordo de 1997 segundo o qual os russos podem entrar na Ucrânia com identidade interna em vez de passaporte de viagem.[127]

Atuação em dezembro de 2014 em Kiev em apoio à campanha cívica Boicote Filmes Russos

No início de março de 2014, e antes do referendo da independência, todas as transmissões de canais de TV da Ucrânia foram suspensas na Crimeia.[128] Mais tarde naquele mês, o Conselho Nacional Ucraniano para Transmissão de Rádio e TV ordenou medidas contra alguns canais de TV russos que foram acusados de transmitir informações enganosas sobre a Ucrânia.[129][130] Em fevereiro de 2015, a lei "Sobre a proteção da informação na televisão e no rádio da Ucrânia" proibiu a exibição (na televisão ucraniana) de "obras audiovisuais" que contivessem "a popularização, agitação, propaganda de qualquer ação das autoridades policiais, armadas forças armadas, outras forças armadas, militares ou de segurança do estado ocupante" foi promulgada.[131] Um ano depois, as produções russas (na televisão ucraniana) diminuíram de 3 a 4 (vezes).[131] 15 canais de TV russos foram proibidos em março de 2016.[132]

Deterioração contínua das relações[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2015, a Ucrânia suspendeu o acordo de cooperação militar com a Rússia,[133][134] que vigorava desde 1993.[135] Após uma ruptura nos laços comerciais mútuos, a Ucrânia também cessou o fornecimento de componentes que eram usados na produção de equipamento militar pela Rússia.[136] Em agosto, a Rússia anunciou que proibirá a importação de produtos agrícolas ucranianos a partir de janeiro de 2016.[137] Em outubro de 2015, a Ucrânia proibiu todos os voos diretos entre a Ucrânia e a Rússia.[138] Em novembro de 2015, a Ucrânia fechou seu espaço aéreo a todos os aviões militares e civis russos.[139] Em dezembro de 2015, legisladores ucranianos votaram para colocar um embargo comercial à Rússia em retaliação ao cancelamento desta última da zona de livre comércio dos dois países e proibição de importação de alimentos, já que o acordo de livre comércio entre a União Europeia e a Ucrânia está para entrar em vigor em janeiro de 2016.[140] A Rússia impõe tarifas sobre produtos ucranianos a partir de janeiro de 2016, com a adesão da Ucrânia à Área de Livre Comércio Abrangente e Aprofundada com a UE.[141]

Desde 2015, a Ucrânia está proibindo os artistas russos de entrar na Ucrânia e também outras obras culturais russas da Rússia, quando eram consideradas "uma ameaça à segurança nacional".[142] A Rússia não retribuiu, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, respondeu dizendo que "Moscou não deveria ser como Kiev" e não deveria impor "listas negras" e restrições às figuras culturais da Ucrânia.[143] Lavrov acrescentou que os produtores russos e a indústria cinematográfica deveriam levar em consideração "ataques hostis a artistas estrangeiros na Rússia" ao implementar projetos culturais com eles.[143]

Crimeia anexada à Rússia em 2016

De acordo com o Serviço Estatal de Guarda de Fronteiras da Ucrânia, a quantidade de cidadãos russos que cruzaram a fronteira entre a Rússia e a Ucrânia (mais de 2,5 milhões de russos em 2014) caíram quase 50% em 2015.[144]

A lei educacional da Ucrânia de 2017 torna o ucraniano a única língua do ensino fundamental nas escolas públicas.[145] A lei foi criticada por funcionários da Rússia e da Hungria.[146][147] O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que a lei foi elaborada para "estabelecer à força um regime de idioma monoétnico em um estado multinacional".[146]

Comemorações do Dia da Vitória em Donetsk, a autoproclamada República Popular de Donetsk, 9 de maio de 2016

Presidência de Volodymyr Zelensky[editar | editar código-fonte]

Em 11 de julho de 2019, o recém-eleito presidente ucraniano Volodymyr Zelensky conversou por telefone com o presidente russo Vladimir Putin após os apelos do primeiro ao líder russo para que participasse das negociações com a Ucrânia, os Estados Unidos, a Alemanha, a França e o Reino Unido em Minsk.[148][149] Os líderes também discutiram a troca de prisioneiros realizada por ambos os lados.[149] Em 7 de setembro, a Ucrânia e a Rússia trocaram prisioneiros.[150]

Década de 2020[editar | editar código-fonte]

Tentativa de golpe de Estado[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2021, dia 26, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy afirmou que seu governo recebeu informações de um golpe de Estado que seria realizado nos primeiros dias de dezembro, com envolvimento Russo, mas não apontou diretamente o governo Russo como participante. A Rússia rejeitou a alegação, afirmando apenas um discurso inflamatório.[151]

Comparação dos países[editar | editar código-fonte]

Federação Russa
(Rússia)
Ucrânia
Brasão de armas Coat of Arms of the Russian Federation 2.svg Lesser Coat of Arms of Ukraine.svg
Bandeira Rússia Ucrânia
População 146267288 42539010
Área 17 075 400 km2 (6 600 000 sq mi) 603 500 km2 (230 000 sq mi)
Densidade populacional 8/km2 (21/sq mi) 73,8/km2 (191/sq mi)
Fusos horários 9 1
Zona económica exclusiva 8 095 881 km2 (3 100 000 sq mi) 6 805 586 km2 (2 600 000 sq mi)
Capital Moscou Kiev
Maior cidade Moscou (pop. 11503501, 15500100 Metros) Kiev (pop. 2900920, 3375000 Metros)
Governo semipresidencial federal
república constitucional
Semipresidencial unitário
república constitucional
Língua oficial Russa (de facto e de jure) Ucraniana (de facto e de jure)
Religiões principais 71% Ortodoxos[152]
13% não religiosos
10% Islã
>1% cristão não afiliado
2% outros ortodoxos
>1% outras religiões (Censo de 2017)
60,7% Cristianismo
35,2% não religiosos
0,6% Islã
3,3% Outros
Grupo étnico 80,90% Russos
8,75% Povos turcos
3,96% outros indo-europeus
3,78% Caucasianos
1,76% Povos fino-úgricos e mongóis e outros
77,8% Ucranianos
17,3% Russos
4,9% outros/não especificado
PIB (PPP) pelo FMI $3373 bilhões[153] $347,88 bilhões[153]
PIB (nominal) pelo FMI $1267,754 bilhões[154] $87,198 bilhões[154]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Nota[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Shyrokykh, Karina (junho de 2018). «The Evolution of the Foreign Policy of Ukraine: External Actors and Domestic Factors». Stockholm University. Consultado em 30 de setembro de 2021 
  2. Ukraine sticks to positions on Russia but leaves room for "compromises", Reuters (12 de fevereiro de 2020)
  3. «Kievan Rus». The Columbia Encyclopedia 6th ed. 2000. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2000 – via Bartleby.com 
  4. Gumilyov, Lev (2005). Ot Rusi k Rossii. Moscow: AST. ISBN 5-17-012201-2 
  5. Shambarov, Valery (2007). Kazachestvo: istoriya volnoy Rusi. Moscow: Algorithm Expo. ISBN 978-5-699-20121-1 
  6. Abdelal, Rawi (2005). National Purpose in the World Economy: Post-Soviet States in Comparative Perspective. [S.l.]: Cornell University Press. ISBN 978-0-8014-8977-8. Consultado em 13 de março de 2017 
  7. a b Bassin; Glebov; Laruelle, eds. (2015). Between Europe & Asia: The Origins, Theories, and Legacies of Russian Eurasianism. Pittsburgh, Pennsylvania: University of Pittsburgh Press. ISBN 978-0-8229-8091-9. Consultado em 13 de março de 2017 
  8. a b Steele, Jonathan (1988). Eternal Russia: Yeltsin, Gorbachev, and the Mirage of Democracy. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-26837-1 
  9. Ohienko, Ivan (2001). «XII. Скорпіони на українське слово». (em ucraniano). Kyiv: Nasha Kultura i Nauka. ISBN 966-7821-01-3  Em falta ou vazio |título= (ajuda);
  10. Legvold, ed. (2012). Russian Foreign Policy in the Twenty-First Century and the Shadow of the Past. New York: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-51217-6. Consultado em 13 de março de 2017 
  11. «Yushchenko Praises Guilty Verdict Against Soviet Leaders For Famine». Radio Free Europe/Radio Liberty. 14 de janeiro de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  12. a b c Zaborsky, Victor (31 de agosto de 1995). «Crimea and the Black Sea Fleet in Russian- Ukrainian Relations». Consultado em 10 de setembro de 2021 
  13. a b «Ukraine Special Weapons». Federation of American Scientists. Consultado em 25 de janeiro de 2016 
  14. Dahlburg, John-Thor (3 de dezembro de 1991). «Ukraine Votes to Quit Soviet Union : Independence: More than 90% of voters approve historic break with Kremlin. The president-elect calls for collective command of the country's nuclear arsenal.». Los Angeles Times. Consultado em 15 de abril de 2014 
  15. Norris, Robert S. (Janeiro e fevereiro de 1992). «The Soviet Nuclear Archipelago». Arms Control Association. Arms Control Today. 22 (1): 24–31. JSTOR 23624674  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. Martel, William C. (1998). «Why Ukraine Gave Up Nuclear Weapons: Nonproliferation Incentives and Disincentives». In: Barry R. Schneider; William L. Dowdy. Pulling Back from the Nuclear Brink: Reducing and Countering Nuclear Threats. [S.l.]: Psychology Press. pp. 88–104. ISBN 978-0-7146-4856-9. Consultado em 6 de agosto de 2014. There are some reports that Ukraine had established effective custody, but not operational control, of the cruise missiles and gravity bombs. ... By early 1994 the only barrier to Ukraine's ability to exercise full operational control over the nuclear weapons on missiles and bombers deployed on its soil was its inability to circumvent Russian permissive action links (PALs). 
  17. Pikayev, Alexander A. (primavera–verão de 1994). «Post-Soviet Russia and Ukraine: Who Can Push the Button?» (PDF). The Nonproliferation Review. 1 (3): 31–46. doi:10.1080/10736709408436550. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  18. Vasylenko, Volodymyr (15 de dezembro de 2009). «On assurances without guarantees in a 'shelved document'». The Day. Consultado em 18 de março de 2014 
  19. «The Russian Invasion of the Crimean Peninsula 2014–2015» (PDF). Johns Hopkins University. Consultado em 24 de setembro de 2021 
  20. Specter, Michael (1 de junho de 2007). «Setting Past Aside, Russia and Ukraine Sign Friendship Treaty». The New York Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  21. Kimball, Spencer (11 de março de 2014). «Bound by treaty: Russia, Ukraine and Crimea». Deutsche Welle. Consultado em 13 de março de 2017 
  22. «Угода між Урядом Російської Федерації та Кабінетом Міністрів України про передачу з України до Російської Федерації важких бомбардувальників Ту-160, Ту-95МС, крилатих ракет повітряного базування великої дальності та обладнання». Zakon.rada.gov.ua (em russo). 8 de outubro de 1999. Consultado em 15 de março de 2014 
  23. 2001 Political sketches: too early for summing up (PDF) (Relatório). Ukrainian Center for Independent Political Research. 4 de janeiro de 2002 – via pdc.ceu.hu 
  24. «Almost fourth of Russians believe Ukraine is an enemy – poll». unian.net. Ukrainian Independent Information Agency. 8 de maio de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  25. a b «Russia in Ukraine missile threat». BBC News. 12 de fevereiro de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  26. «Press Conference Following Talks with Spanish Prime Minister Jose Luis Rodriguez Zapatero». kremlin.ru. Presidential Administration of Russia. 10 de dezembro de 2004. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  27. «Q&A: Ukrainian parliamentary poll». BBC News. 1 de outubro de 2007. Consultado em 15 de março de 2014 
  28. «Ukraine divided over language row». BBC News. 22 de abril de 2005. Consultado em 15 de março de 2014 
  29. Ragozin, Leonid (22 de novembro de 2004). «Ukraine's east-west showdown». BBC News. Consultado em 15 de março de 2014 
  30. a b Karatnycky, Adrian; Motyl, Alexander J. (maio–junho de 2009). «The Key to Kyiv». Foreign Affairs. Consultado em 12 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2018  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  31. «Russian Foreign Ministry says Russian language in Ukraine suffers from pressure». unian.net. 17 de junho de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  32. «Moscow Mayor calls on to take Crimea and Sevastopol from Ukraine». unian.net. 5 de junho de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  33. Chaly, Valeriy (10 de junho de 2008). «Ukrainian-Russian relations». unian.net. Consultado em 15 de março de 2014 
  34. «Ukrainian politicians never went to Russia to violate its constitution - Tarasiuk». unian.net. 23 de maio de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  35. «Russia bars entry to Ukrainian politicians». unian.net. 22 de maio de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  36. Tymoshenko, Yuliya (maio–junho de 2007). «Containing Russia». Foreign Affairs. Cópia arquivada em 17 de maio de 2007 
  37. «Russians want Sevastopol to belong to Russia, poll shows». unian.net. Ukrainian Independent Information Agency. 23 de maio de 2008. Consultado em 15 de março de 2014 
  38. Aron, Leon (10 de setembro de 2008). «Russia's Next Target Could Be Ukraine». The Wall Street Journal. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  39. «Ukrainian radars withdrawn form operation in Russia's interests to undergo technical maintenance». Interfax-Ukraine. 26 de fevereiro de 2009. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  40. «Presidential Secretariat gives answer to Moscow». unian.net. Ukrainian Independent Information Agency. 15 de agosto de 2008. Consultado em 2 de abril de 2018 
  41. «Ukrainian Armed Forces to implement Yushchenko's decree on Russian ships». unian.net. 14 de agosto de 2008. Consultado em 2 de abril de 2018 
  42. Stevan, Caroline (17 de setembro de 2008). «La crise géorgienne fait voler en éclats la coalition orange à Kiev» [Georgian crisis has shattered the orange coalition in Kyiv]. Le Temps (em francês). Consultado em 31 de março de 2019 
  43. «Tymoshenko Bloc, OU-PSD, And Lytvyn Bloc Sign Rada Coalition Agreement». Ukrainian News Agency. 16 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2009 
  44. «Ukrainians deny giving wartime help to Georgia». Associated Press. 3 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2008 
  45. «Генпрокуратура спростовує інформацію про участь українських військовослужбовців у грузинсько-осетинському конфлікті» [Prosecutor General's Office denies reports of Ukrainian servicemen's involvement in the Georgian-Ossetian conflict] (em ucraniano). Interfax-Ukraine. 25 de setembro de 2009. Cópia arquivada em 14 de março de 2012 
  46. «Bush to back Ukraine's NATO hopes». BBC News. 1 de abril de 2008. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  47. Barry, Ellen (21 de julho de 2009). «Biden Says U.S. Still Backs Ukraine in NATO». The New York Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  48. «Ukraine asks to join NATO membership action plan». unian.info. Ukrainian Independent Information Agency. 16 de janeiro de 2008. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  49. «Rogozin Sees Threat to Ukraine». Kommersant. 1 de dezembro de 2008. Consultado em 2 de abril de 2018. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2009 
  50. «Ukraine's envoy to NATO proposes Russian counterpart to focus on his problems». unian.net. 3 de dezembro de 2008. Consultado em 2 de abril de 2018 
  51. «NATO puts Russia ties ahead of Georgia, Ukraine – Russian envoy». unian.net. 3 de dezembro de 2008. Consultado em 2 de abril de 2018 
  52. «Путин не заявлял о том, что Украина не является государством. СТЕНОГРАММА». Segodnya (em russo). 18 de abril de 2008. Consultado em 13 de março de 2017 
  53. «Viewing cable 08USNATO290, UKRAINE, MAP, AND THE GEORGIA-RUSSIA CONFLICT». WikiLeaks. 14 de agosto de 2008. Consultado em 13 de março de 2017 
  54. «Russia's Prime Minister Putin: Yuschenko Recalled Naftohaz Ukrainy's Delegation From Talks With Gazprom On December 31». Ukrainian News Agency. 8 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 3 de março de 2009 
  55. «Putin: Ukraine run by criminals who can't solve economic problems». Kyiv Post. 8 de janeiro de 2009. Consultado em 8 de janeiro de 2009 
  56. Paxton, Robin; Zawadzki, Sabina (9 de janeiro de 2009). «WRAPUP 11-EU seeks to finalise Russian gas monitoring deal». Reuters. Consultado em 9 de janeiro de 2009 
  57. «Yuschenko Responds To Medvedev's Unfriendly Statement That Ukraine Must Compensate European Union For Losses During Gas Rows». Ukrainian News Agency. 6 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de março de 2009 
  58. «Ukrainian president says Russia is to blame for halt in gas supplies to EU». Interfax-Ukraine. 6 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de março de 2009 
  59. «Kyiv considers Russian president's statement about gas losses compensation unfriendly act». Interfax-Ukraine. 6 de fevereiro de 2009. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  60. «Ukraine Surprised With Medvedev's Statement Obliging Ukraine To Compensate EU's Losses For Termination Of Gas Supplies To Europe». Ukrainian News Agency. 6 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de março de 2009 
  61. a b Kuzio, Taras (Novembro de 2010). The Crimea: Europe's Next Flashpoint? (PDF). [S.l.]: Jamestown Foundation. Cópia arquivada (PDF) em 9 de março de 2014 
  62. Watson, Ivan; Tkachenko, Maxim (21 de abril de 2010). «Russia, Ukraine agree on naval-base-for-gas deal». CNN. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  63. «Update: Ukraine, Russia ratify Black Sea naval lease». Kyiv Post. 27 de abril de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  64. «Kiev gets new gas deal, opposition furious». United Press International. 22 de abril de 2010. Consultado em 15 de março de 2014 
  65. Kuzio, Taras (Novembro de 2010). The Crimea: Europe's Next Flashpoint? (PDF). [S.l.]: Jamestown Foundation. Cópia arquivada (PDF) em 9 de março de 2014 
  66. «Medvedev on two-day visit to Ukraine». United Press International. 17 de maio de 2010. Consultado em 15 de março de 2014 
  67. «Medvedev in Ukraine: 'Witch hunt is over'». United Press International. 17 de maio de 2010. Consultado em 15 de março de 2014 
  68. «У Януковича кажуть, що злиття з монополіями Росії - "не найцікавіше"» [At Yanukovych's side, they say that the merger with Russia's monopolies is "not the most interesting"]. Economichna Pravda (em ucraniano). 19 de maio de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  69. «Russia and Ukraine improve soured relations - Russian President». RIA Novosti. 16 de maio de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  70. «Putin satisfied with state of Ukrainian-Russian relations». Kyiv Post. 28 de junho de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  71. «В Азовском море столкнулись российский и украинский корабли: минимум 2 человека погибли» (em russo). REGNUM News Agency. 18 de julho de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  72. «Two Ukrainians killed, two missing after fishing launch collides with Russian border guards' motorboat in Azov Sea, says Ukraine's Border Service». 18 de julho de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  73. «Foreign Ministry: Russia investigating case against Ukrainian fisherman who survived collision in Azov Sea». Interfax-Ukraine. 31 de julho de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  74. «Survival of Azov Sea incident claims Russian border guards rammed their vessel». Interfax-Ukraine. 5 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  75. «Ukrainian poachers tried to ram their vessel into Russian border guards' motorboat in Sea of Azov - source». Interfax-Ukraine. 19 de julho de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  76. «Ukraine says Russia had no right to charge Ukrainian fisherman». Interfax-Ukraine. 10 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  77. "The only survived Ukrainian fisherman is held by force in Russia and is threatened with imprisonment". Segodnya. 30 de julho de 2013.
  78. «Прокуратура РФ взялася за розгляд справи українського моряка, який вижив в Азовському морі» [The Prosecutor of the Russian Federation took on proceedings of the Ukrainian sailor who survived in the Azov Sea]. Dzerkalo Tyzhnia (em ucraniano). 12 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  79. «П'яні росіяни на тракторі незаконно в'їхали в Україну» [Drunk Russians on a tractor illegally entered Ukraine]. Ukrayinska Pravda (em ucraniano). 28 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  80. «П'яні росіяни на тракторі порушили кордон України» [Drunk Russians on a tractor violated the border of Ukraine] (em ucraniano). 5 Kanal. 28 de agosto de 2013 – via YouTube 
  81. «Ukraine to be observer in Russia-led trade bloc». Reuters. 31 de maio de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  82. «Ukraine's Choice: European Association Agreement or Eurasian Union?» (PDF). Peterson Institute for International Economics. Setembro de 2013. Consultado em 10 de setembro de 2021 
  83. «Ukraine's Employers Federation: Russia's customs service halts all Ukrainian imports». Interfax-Ukraine. 14 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 
  84. «Russia sets off trade war to prevent Ukraine from signing agreement with EU, says UDAR». Interfax-Ukraine. 14 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Kyiv Post 

    «Ukraine Leader Ignores Putin Warning on EU Path». Reuters. 24 de agosto de 2013. Consultado em 1 de setembro de 2013 – via Voice of America 

    «Russia hits at Ukraine with chocolate war». EURACTIV. 14 de agosto de 2013. Consultado em 1 de setembro de 2013 

    «Trading insults». The Economist. 24 de agosto de 2013. Consultado em 1 de setembro de 2013 

    Rettman, Andrew (23 de agosto de 2013). «Putin warns Ukraine against EU pact». EUobserver. Consultado em 1 de setembro de 2013 

    Balmforth, Richard (28 de agosto de 2013). «Ukraine PM tells Russia to accept "reality" of EU trade deal». Reuters. Consultado em 1 de setembro de 2013 

    Gotev, Georgi (30 de agosto de 2013). «Putin 'deserves medal' for pushing Ukraine towards EU». EURACTIV. Consultado em 1 de setembro de 2013 

    «О комплексе мер по вовлечению Украины в евразийский интеграционный процесс». Zerkalo Nedeli (em russo). 16–22 de agosto de 2013. Consultado em 1 de setembro de 2013 

    Solonyna, Yevhen (21 de agosto de 2013). «Does Russia Have a Secret Plan for Ukraine?». The Atlantic. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    Kramar, Oleksandr (6 de agosto de 2013). «Caught in a Zeitnot». The Ukrainian Week. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  85. Bonner, Brian; Grytsenko, Oksana (19 de janeiro de 2015). «Klimkin: Russia trying to force renegotiation of Minsk deals». Kyiv Post. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  86. a b Walker, Shaun (22 de setembro de 2013). «Ukraine's EU trade deal will be catastrophic, says Russia». The Guardian. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  87. «Ukraine drops EU plans and looks to Russia». Al Jazeera. 21 de novembro de 2013. Consultado em 24 de novembro de 2013 
  88. a b «Russia offers Ukraine major economic assistance». BBC News. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  89. «Ukraine to issue Eurobonds; Russia will purchase $15 bln, says Russian finance minister». Interfax-Ukraine. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  90. «Ukraine still wants historic pact with EU». Oman Observer. 27 de novembro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2013. Arquivado do original em 28 de novembro de 2013 

    «Ukraine police move on protesters and opposition party». BBC News. 9 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  91. «Ukraine media see Kremlin pressure over EU». BBC News. 22 de novembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    «Ukraine crisis: What's going on in Crimea?». BBC News. 12 de agosto de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    «Analysis: Russia's carrot-and-stick battle for Ukraine». BBC News. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  92. «Eased Russian customs rules to save Ukraine $1.5 bln in 2014, says minister». Interfax-Ukraine. 18 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    «Russia to lift restrictions on Ukrainian pipe imports - Ukrainian ministry». Interfax-Ukraine. 18 de dezembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    «Russia tightens customs rules to force Ukraine into union». Reuters. 15 de agosto de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  93. a b «Timeline: Political crisis in Ukraine and Russia's occupation of Crimea». Reuters. 8 de março de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  94. «Ukrainian parliament appeals to Budapest Memorandum signatories». Interfax Ukraine. 28 de fevereiro de 2014. Consultado em 1 de março de 2014 
  95. Alsop, Harry (1 de março de 2014). «Vladimir Putin prepares authorisation of military force in Ukraine». Telegraph.co.uk. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  96. Vasovic, Aleksandar; Croft, Adrian (17 de março de 2014). «U.S., EU set sanctions as Putin recognizes Crimea "sovereignty"». Reuters. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  97. Myers, Steven Lee; Baker, Peter (17 de março de 2014). «Putin Recognizes Crimea Secession, Defying the West». The New York Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  98. МИД вызвал Временного поверенного в делах РФ в Украине для вручения ноты-протеста (em russo). unn.com.ua. 18 de março de 2014. Cópia arquivada em 19 de março de 2014 
  99. Декларація "Про боротьбу за звільнення України" (em ucraniano). Verkhovna Rada 
  100. «Ukraine crisis: Russia and sanctions». BBC News. 19 de dezembro de 2014. Consultado em 4 de março de 2016 
  101. «Russia says has expanded sanctions against U.S., Canada». Reuters. 8 de maio de 2014. Consultado em 14 de maio de 2014 
  102. «European Union anger at Russian travel blacklist». BBC News. 31 de maio de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  103. «Ukraine 'preparing withdrawal of troops from Crimea'». BBC News. 19 de março de 2014. Consultado em 20 de março de 2014 
  104. Ripley, Tim (12 de abril de 2014). «Russia begins returning Ukraine naval vessels and aircraft». Jane's Defence Weekly. Arquivado do original em 18 de abril de 2014 
  105. Seleznyov, Denis (6 de agosto de 2014). «Корреспондент: На маленьком флоту. На что сейчас способны остатки украинского флота». Korrespondent.net (em russo). Consultado em 30 de outubro de 2014 
  106. a b «Мексика вернёт Украине судно, захваченное Россией во время аннексии Крыма» [Mexico will return to Ukraine a vessel, seized by Russia during the annexation of Crimea]. news.ru.ua (em russo). 18 de fevereiro de 2016. Consultado em 14 de maio de 2016. Arquivado do original em 22 de julho de 2016 
  107. Sukhov, Oleg (28 de março de 2014). «From Olympics to Crimea, Putin Loyalist Kozak Entrusted with Kremlin Mega-Projects». The Moscow Times. Consultado em 4 de março de 2016 
  108. Dawisha, Karen (2014). Putin's Kleptocracy: Who Owns Russia?. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 87, 377. ISBN 978-1-4767-9519-5 
  109. Hobson, Peter (14 de abril de 2014). «Sanctioned Bank Rossiya to Service $36Bln Domestic Electricity Market». The Moscow Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  110. Верховна Рада України ухвалила Закон "Про забезпечення прав і свобод громадян та правовий режим на тимчасово окупованій території України" (em ucraniano). Verkhovna Rada. 15 de abril de 2014 
  111. «Ukraine Parliament declares Crimea temporarily occupied territory». news.biharprabha.com. Indo-Asian News Service. Consultado em 15 de abril de 2014 
  112. Верховная Рада Украины приняла Закон "Об обеспечении прав и свобод граждан и правовом режиме на временно оккупированной территории Украины" (em russo). Verkhovna Rada. 15 de abril de 2014. Consultado em 30 de abril de 2014. Arquivado do original em 25 de setembro de 2015 
  113. «Direct Line with Vladimir Putin». kremlin.ru. Presidential Administration of Russia. 17 de abril de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  114. «Ukraine suspends military cooperation with Russia». 4 de abril de 2014. Consultado em 11 de agosto de 2017 – via news.biharprabha.com. Ukrainian First Deputy Prime Minister Vitaly Yarema Friday said his country is suspending military cooperation with Russia over Moscow's troops movements near the Ukrainian border. [...] Although the two ex-Soviet neighbours have very close links in the military-industrial complex, Kyiv was forced to stop supplying defence goods to Russia as these could be used against Ukraine if military tensions arise, Xinhua reported citing Yarema. 
  115. «Ukraine and pro-Russia rebels sign ceasefire deal». BBC News. 5 de setembro de 2014. Consultado em 13 de março de 2017 
  116. Hill, Patrice (22 de fevereiro de 2017). «Monitor Says Ukraine Cease-Fire, Weapons Withdrawal Not Being Honored». Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    Burridge, Tom (20 de fevereiro de 2017). «East Ukraine ceasefire due to take effect». BBC News. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  117. «ATO HQ: Truce disrupted, no conditions for withdrawal of arms». unian.info. Ukrainian Independent Information Agency. 20 de fevereiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  118. Romanenko, Valentyna (20 de fevereiro de 2017). «У зоні АТО знизилася бойова активність – штаб» [In the ATU zone, combat activity has decreased – headquarters]. Ukrayinska Pravda (em ucraniano). Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  119. Zaks, Dmitry (23 de dezembro de 2016). «Ukraine rebels agree to new indefinite truce». Agence France-Presse. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Business Insider 
  120. «Latest from OSCE Special Monitoring Mission (SMM) to Ukraine, based on information received as of 19:30, 4 de janeiro de 2017». Organization for Security and Co-operation in Europe. 5 de janeiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  121. «Militants shell Ukrainian army positions 32 times in past 24 hours». Interfax-Ukraine. 6 de janeiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  122. «Kiev forces violate ceasefire three times over past 24 hours — news agency». TASS. 3 de janeiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  123. a b «Nato accuses Russia of violating Ukraine sovereignty». BBC News. 29 de agosto de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    «Kiev claims 'intensive' movements of troops crossing from Russia». Agence France-Presse. 2 de novembro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2016 – via Yahoo! News 
  124. Walker, Shaun (17 de dezembro de 2015). «Putin admits Russian military presence in Ukraine for first time». The Guardian. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  125. «Ukraine crisis: Kiev defines Russia as 'aggressor' state». BBC News. 19 de janeiro de 2018. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  126. «Ukraine cannot normalize relations with Russia without return of Crimea, says Poroshenko». Interfax-Ukraine. 26 de junho de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  127. «Russians Will Need Passport to Enter Ukraine». The Moscow Times. 3 de fevereiro de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  128. «Crimeans urged to vote against "neo-Nazis" in Kiev». BBC News. 13 de março de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  129. Ennis, Stephen (12 de março de 2014). «Ukraine hits back at Russian TV onslaught». BBC News. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  130. Barry, Ellen; Somaiya, Ravi (5 de março de 2014). «For Russian TV Channels, Influence and Criticism». The New York Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  131. a b «За рік показ російського медіа-продукту впав у 3-4 рази, – Нацрада» [Over the year, the screening of Russian media products fell 3-4 times – National Rada on Television and Radio Broadcasting]. The Day (em ucraniano). 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  132. «TV broadcasting council removes 15 more Russian TV channels from adaptation list». Interfax-Ukraine. 12 de fevereiro de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  133. «Ukraine Lawmakers Suspend Military Cooperation With Russia». The Moscow Times. 21 de maio de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  134. Malkin, ed. (4 de março de 2014). «Ukraine crisis: US suspends military cooperation with Russia». Agence France-Presse. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 – via Telegraph.co.uk 
  135. «Ukraine suspends military and technical cooperation with Russia, says Yatsenyuk». Ukraine Today. 20 de maio de 2015. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  136. Aksenov, Pavel (8 de agosto de 2015). «Ukraine crisis: Why a lack of parts has hamstrung Russia's military». BBC News. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  137. Gordiienko, Olena (23 de agosto de 2015). «Trade war with Russia hurts Ukraine less». Kyiv Post. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  138. Rainsford, Sarah (24 de outubro de 2015). «Ban due on direct flights between Russia and Ukraine». BBC News. Consultado em 31 de março de 2019 
  139. «Ukraine closes airspace to all Russian planes». BBC News. 25 de novembro de 2015. Consultado em 31 de março de 2019 
  140. «Ukraine's Lawmakers Vote To Allow Trade Embargo Against Russia». Radio Free Europe/Radio Liberty. 24 de dezembro de 2015. Consultado em 25 de dezembro de 2015 
  141. Pop, Valentina (21 de dezembro de 2015). «Russia Hits Ukraine With Tariffs Over Imminent Trade Deal With EU». The Wall Street Journal. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  142. «Ukraine bans 38 Russian 'hate' books amid culture war». BBC News. 11 de agosto de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  143. a b «Актер Зеленский раскритиковал СБУ из-за запрета сериала "Сваты"» [Actor Zelensky criticized the SBU due to the ban on the Matchmakers series] (em russo). RIA Novosti. 24 de novembro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 

    Khozhateleva, Yuliya (5 de fevereiro de 2015). «СК проверит, финансировал ли Зеленский украинскую армию» [Investigative Committee will check whether Zelensky financed the Ukrainian army]. Komsomolskaya Pravda (em russo). Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  144. «Number of Russians crossing border with Ukraine on decline – border service». unian.info. Ukrainian Independent Information Agency. 14 de agosto de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  145. Prentice, Alessandra (8 de dezembro de 2017). «Criticism of Ukraine's language law justified: rights body». Reuters. Consultado em 31 de março de 2019 
  146. a b Wesolowsky, Tony (24 de setembro de 2017). «Ukrainian Language Bill Facing Barrage Of Criticism From Minorities, Foreign Capitals». Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 31 de março de 2019 
  147. Rusheva, Violetta (26 de março de 2018). «Hungary-Ukraine relations hit new low over troop deployment». New Europe. Consultado em 31 de março de 2019 
  148. «Telephone conversation with President of Ukraine Vladimir Zelensky». kremlin.ru. 11 de julho de 2019. Consultado em 26 de abril de 2020 
  149. a b Foy, Henry; Olearchyk, Roman (11 de julho de 2019). «Putin and Zelensky hold first discussion with talks on conflict, prisoner swap». Financial Times. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2019 
  150. «Russia and Ukraine swap prisoners in first sign of thawing relations». Reuters. 7 de setembro de 2019. Consultado em 7 de setembro de 2019 
  151. «Kyiv 'thwarts' coup plot involving Russians; Kremlin denies role». A-jazeera. 26 de novembro de 2021. Consultado em 27 de novembro de 2021 
  152. «1. Religious affiliation». pewforum.org. 10 de Maio de 2017. Consultado em 2 de Abril de 2018 
  153. a b «Report for Selected Countries and Subjects». imf.org. Consultado em 13 de março de 2017 
  154. a b «Report for Selected Countries and Subjects». imf.org. Consultado em 13 de março de 2017 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Szporluk, Roman. Russia, Ukraine, and the breakup of the Soviet Union (Hoover Press, 2020).
  • Wilson, Andrew. "Rival versions of the East Slavic idea in Russia, Ukraine and Belarus." in The Legacy of the Soviet Union (Palgrave Macmillan, London, 2004) pp. 39–60.
  • Yakovlev-Golani, Helena. "Foreign Policy of the Russian Federation in the Slavic Triangle." Canadian slavonic papers 53.2-4 (2011): 379-400. Russia, Ukraine and Belarus
  • Zagorski, Andrei. Policies towards Russia, Ukraine, Moldova and Belarus (Routledge, 2004); and the European Union