Religião na República Checa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A religião na República Checa foi dominada pelo cristianismo até pelo menos ao início do século XX. Desde a Batalha da Montanha Branca em 1620, a esfera religiosa foi acompanhada por um sentimento anticatólico generalizado mesmo quando toda a população nominalmente pertencia à Igreja Católica. No geral, o cristianismo tem diminuído constantemente desde o início do século XX e hoje permanece apenas em uma minoria. A República Tcheca tem uma das menores populações religiosas do mundo. Desde a Batalha da Montanha Branca de 1620, o povo tcheco tem sido historicamente caracterizado como "tolerante e até mesmo indiferente à religião".[1] Segundo Jan Spousta, entre as pessoas sem religião, que formam a grande maioria dos tchecos modernos, nem todos são ateus; de fato, tem havido um distanciamento crescente tanto das dogmáticas cristãs quanto das ideologias ateístas e, ao mesmo tempo, ideias das religiões do Extremo Oriente se tornaram difundidas.[2]

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Catolicismo na República Tcheca

Referências

  1. Richard Felix Staar, Communist regimes in Eastern Europe, Issue 269, p. 90
  2. Spousta, Jan (2002). «Changes in Religious Values in the Czech Republic» (PDF). Czech Sociological Review. 38 (3). pp. 345–363