Religiões afro-americanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Exemplo do tradicional vodu da Louisiana altar no interior de um templo em Nova Orleans.

Religiões afro-americanas ou religiões da diáspora africana são religiões relacionadas entre si que evoluíram nas Américas entre escravos africanos e seus descendentes em diversos países do Caribe e América Latina, bem como na parte do sul dos Estados Unidos. Provêm das religiões tradicionais africanas, especialmente da África Ocidental e da África Central, apresentando semelhanças com a religião iorubá e o Vodum da África Ocidental em particular.

Características[editar | editar código-fonte]

Essas religiões geralmente envolvem Culto aos egunguns (ancestrais) e/ou de um panteão de divindades, como os loás do vodu haitiano, ou os orixás da Santería. Similares espíritos divinos também são encontrados nas tradições da África Central e África Ocidental de onde eles derivam - o Orixá da cultura iorubá, o inquice dos tradições Bantu (Congo), e o Vodum do Daomé (Benim), Togo, sul de Gana, e Burquina Fasso. Além de misturar estas diferentes mas relacionadas tradições africanas, muitas religiões afro-americanas incorporam elementos do Cristianismo, indígenas americanos, Espiritismo e mesmo das tradições Islâmicas. Esta mistura de tradições religiosas é conhecida como sincretismo.

Tabela de correspondência[editar | editar código-fonte]

Candomblé bantu
(Inquices/Inkises/Nkises)
Candomblé Queto
(Orixás)
Candomblé jeje
(Voduns)
Palo e Santeria
(Divindades)
Vodu haitiano
(Loás ou voduns)
Ref
Zambi Olodumarê / Olorum Mawu Olodumarê / Olorum Mawu

[1] [2]

Aluvaiá /
Pambunzila/Pambu Njila
Exu/Elebará Lebá Eleguá Papa Lebá [1][2]
Incoce/ Nkosi/Roxi Mukumbe Ogum Gu Ogum Ogum Ferreiro [1][2]
Cabila /Kabila/Tauami/ Mutalambo Oxóssi Otolú Ochosi [1][2]
Otim [1][2]
Ibualama Inlé [1][2]
Telekompensu/Gongobila Logunedé Averequete/Avrekete/Verekete [1][2]
Zaze/Nzazi/ Luango Xangô Quevioço/Heviossô Xangô / Jebioso Ogum Xangô [1][2]
Caviungo/Kaviungo/ Quingongo/ Nsumbo/ Cafungê/ Kafunan Obaluaiê / Omolu Sapatá/Possum/Azansu Babalu Aiê / Sapatá Agroniga Sagbata [1][2]
Angorô / Hongolô Oxumarê / Bessém Ochumare Aida Wedo / Damballah [1][2]
Catendê/Katendê Oçânhim/Ossain/Ossanha Agué Osain Ossange [1][2]
Matamba/Kaiango/Bamburucema Iansã Vodum Jó Oyya Ogoun-Djamsan [1][2]
Dandalunda/ Samba/ SambaKalunga Oxum Aziri Tobossi Ochum Ezili [1][2]
Caia/ Kaia/ Kaiatumba/ Mikaia/ Kukueto Iemanjá Naetê Iemanjá Agué
Nzumbarandá/Gangazumbá Nanã Buruquê Buku Ananu Nanan bouclou [1][2]
Karamusê Obá Obba Nani [1][2]
Ieuá, Euá, Ewá Ewá Yewa [1][2]
Axabó Ayao [1][2]
Vunje/Nvunji Ibeji Los Ibeyis Marassas [1][2]
Quitembo/Kitembo Irocô Loco Irocco Papa Loco [1][2]
Egungum Eggun [1][2]
Onilé Aizã [1][2]
Lemba/Lembaragangê/Lembá Oxalá Lissá Ochanla [1][2]
Obatalá Obatalá Ogu-Batalá [1][2]
Orunmila Fa Orula [1][2]
Odudua Oddua Aremu [1][2]
Oraniã [1][2]
Baiâni Obañeñe [1][2]
Olocum Abê Olocum [1][2]
Quisimbi Olossá [1][2]
Oxalufã [1][2]
Nkasutê/ Nkasulê Oxaguiã Ochagriña [1][2]
Ocô Oricha Oko Papa Zaka [1][2]
Asowuano [1][2]
Agallu [1][2]
Aizã Aiza [1][2]
Agassu [1][2]
Aguê [1][2]
[1][2]
Invumbe [1][2]

Lista de tradições[editar | editar código-fonte]

Religiões afro-americanas
Religião Desenvolvido em* Raiz Ancestral Também praticado em Observações
Candomblé Brasil Candomblé Queto - iorubá - orixás
Candomblé Jeje - fom - Voduns
Candomblé Banto - Banto - Inquices
Alemanha, Argentina, Colômbia, Espanha,
Guianas, Itália, México, Panamá, Portugal, Uruguai, Estados Unidos, Canadá, Venezuela
Nações Queto, Jeje, Bantu (Bantu refere-se às nações Congo e Angola)
Nação Ijexá são poucas casas.
O Candomblé de Caboclo é sincrético
Batuque Brasil - Rio Grande do Sul Sincretismo, espiritismo
Iorubá - orixás
Argentina, Uruguai, Nações Jeje, Ijexá, Oió, Cabinda e mescladas.
Umbanda Brasil sincretismo,
espiritismo e candomblé
Alemanha, França, Japão, Argentina, Colômbia, Espanha,
Guianas, Itália, México, Panamá, Portugal, Uruguai, Estados Unidos, Venezuela
Adiciona elementos Indígenas
(principais guiasː Preto Velho, Caboclo, Crianças, Exus e Pombagiras).
Fundada no início do século XX.
Quimbanda Brasil sincretismo
Congo
Angola
Feitiçaria
xamanismo
Uruguai, Inglaterra,
Espanha, Estados Unidos
Veneração de espíritos chamados
Exu e Pombajira Não confundir com quimbanda (magia negra).
Santeria Cuba sincretismo
orixás iorubás
Estados Unidos,
Porto Rico, República Dominicana, Venezuela, México
catolicismo sincrético
Regla de Arará República Dominicana vudu do Daomé    
Regla de Palo República Dominicana Congo inquice Cuba,
Porto Rico
Também chamado Palo Mayombe, Palo Monte,
Regla de Congo.
Tambor de Mina Brasil - Maranhão Principalmente jeje, sobretudo no Kwerebentã de Zomadonu, mas também possui fortes e incontestáveis raízes nagô.
Sincrético (Catolicismo e Pajelança)
Embora as tradições jeje e nagô sejam melhor documentadas, na Mina também estão presentes elementos de outras procedências africanas como agrôno, nupé, cacheu, fulupa ou felupe, bijagó, balanta, nalu, manjaro, mandinga, fanti, ashanti, gangá, cambinda, congo e angola.
Praticamente em toda a região amazônica.
Guianas
Na Mina, são cultuados, principalmente, voduns, alguns orixás (que se comportam como voduns) e grande número de entidades da Encantaria, os encantados - gentilheiros e caboclos - de comportamento diferente dos caboclos da umbanda;
A maioria dos terreiros comumente realiza rituais predominantemente indígenas como cura, borá e canjerê.
Apesar de complexa, a Mina consegue congregar grande número de elementos diferentes que coexistem de maneira autônoma.
A existência de centros de culto abertos a influências do candomblé e da umbanda leva a que a Mina seja errônea e grosseiramente confundida com estes últimos.
Vodu, Vodum Haiti, Brasil vodum do Daomé Cuba, República Dominicana, Estados Unidos (O vodum, no Brasil, é chamado de Tambor de Mina e Candomblé Jeje)
Obeah Jamaica vudu do Daomé Trinidad e Tobago  
Winti Suriname      
Kumina Jamaica Congo    
Trinidad Orisha Trinidad e Tobago Sincretismo
orixás iorubás
Jamaica, Estados Unidos protestantismo, sincretismo. Desde o início do século XIX.
Hodu, Vodu da Luisiana Estados Unidos Congo, Daomé, Togo   Principalmente no sul dos Estados Unidos. Não é uma religião mas está enraizada em todas as religiões indígenas da África Central e África Ocidental.

* "Desenvolvido em" Como indicado no gráfico, não referem-se às religiões de origem indígena no interior da África continental. Refere-se apenas ao seu desenvolvimento no Novo Mundo.

Outras religiões regionais intimamente relacionadas incluem:

Novos movimentos religiosos[editar | editar código-fonte]

Alguns novo movimento religioso sincréticos têm elementos destas religiões Africanas, Mas são predominantemente enraizadas em outras tradições espirituais. A primeira onda de tais movimentos originou-se na década de 1930:

Uma segunda onda de novos movimentos origina-se nas décadas de 1960 a 1970, no contexto da emergência de Nova Era e Neopaganismo nos Estados Unidos:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am AZEVEDO, Janaina. Orixás na umbanda. São Paulo: Universo dos Livros, 2010. link.
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am VERGER, Pierre. Notas sobre o culto aos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos, no Brasil, e na antiga Costa dos Escravos, na África. Tradução por Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Edusp, 1999. link.
  3. «Xangô do Recife». Consultado em 30 de março de 2008. Arquivado do original em 18 de junho de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.