René Arnoux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
René Arnoux
Informações pessoais
Nome completo René Alexandre Arnoux
Nacionalidade francês
Nascimento 4 de julho de 1948 (73 anos)
Grenoble
Registros na Fórmula 1
Temporadas 1978-1989
Equipes 5 (Martini, Surtees, Renault, Ferrari e Ligier)
GPs disputados 165 (149 largadas)
Títulos 0 (3º em 1983)
Vitórias 7
Pódios 22
Pontos 181
Pole positions 18
Voltas mais rápidas 12
Primeiro GP Bélgica GP da Bélgica de 1978
Primeira vitória Brasil GP do Brasil de 1980
Última vitória Países Baixos GP da Holanda de 1983
Último GP Austrália GP da Austrália de 1989

René Alexandre Arnoux (Grenoble, 4 de julho de 1948) é um automobilista francês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Arnoux competiu na Fórmula Um de 1978 a 1989, obtendo 7 vitórias, 18 pole positions, 22 podiums e 181 pontos em toda a sua carreira. Competiu na GP Masters, ao lado de outros veteranos da Fórmula 1.

Antes da Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Entusiasmou-se cedo pelo automobilismo, e em 1976 disputava a Fórmula 2, onde foi vice-campeão, com um ponto a menos que o vencedor e futuro companheiro de equipe, Jean-Pierre Jabouille. Em 1977 volta à carga e ganha o Europeu de Formula 2 com autoridade.[carece de fontes?]

Martini e Surtees (1978)[editar | editar código-fonte]

Em 1978, começa a sua carreira na Formula 1. Contudo, a pequena equipe Martini não tinha condições para mais altos voos, e antes que a época acabe, esta retira-se. Depois vai substituir o acidentado italiano Vittorio Brambilla na Surtees, mas esta equipe está nas suas horas finais, e pouco havia a fazer. Nenhum ponto.[carece de fontes?]

Renault (1979–1982)[editar | editar código-fonte]

Para o ano de 1979, a Renault escolhe-o para que ele seja o seu segundo piloto, e a primeira oportunidade que ele têm para brilhar é… no Grande Prêmio da França em Dijon-Prenois, onde a batalha final pelo segundo lugar, com o Ferrari do canadense Gilles Villeneuve é hoje em dia considerada como uma das mais brilhantes batalhas da história do automobilismo. Ele pode não ter vencido a batalha contra Villeneuve, mas deixou seu nome estampado na Fórmula 1. O 3º lugar final dá-lhe o seu primeiro podium de sempre, fato que repete no GP da Grã-Bretanha em Silverstone, acaba em 2º, atrás do Williams do suíço Clay Regazzoni. Na Áustria, consegue a sua primeira pole-position, fato que repete na Holanda. Em Watkins Glen, o GP dos Estados Unidos, a última prova do campeonato, termina em 2º. Termina o campeonato em 8º lugar com 17 pontos, conseguindo: duas poles, três podiums e duas voltas mais rápidas.

Em 1980, tem um início de temporada fabuloso: ganha em Interlagos, o GP do Brasil, sua primeira vitória na carreira, e no GP da África do Sul em Kyalami, colocando-se na frente do campeonato do Mundo. Mas esta euforia dura até a 5ª etapa, o GP da Bélgica, e depois disso, o melhor que consegue é um 2º na Holanda. Termina o campeonato em 6º lugar com 29 pontos: duas vitórias, três podiums, duas poles e quatro voltas mais rápidas.

Para o campeonato 1981, Arnoux conta com um novo companheiro de equipe e compatriota: Alain Prost. O jovem francês do carro número 15 mostra do que é feito, e rapidamente consegue ser melhor do que ele. O melhor que Arnoux consegue é ser 2º na Áustria. Finaliza o campeonato em 9º lugar com 11 pontos. Para além disso, obteve: quatro pole-positions e uma volta mais rápida.

Na temporada de 1982, Arnoux vê a ascensão de Prost a primeiro piloto, depois de este ter ganho as duas primeiras provas do campeonato: África do Sul e Brasil, (em função das desclassificações dos carros de: Nelson Piquet (vencedor) e Keke Rosberg (2º colocado)). Para piorar as coisas, nessa altura, o francês do carro número 16 não consegue mais do que um 3º lugar. Essa tensão chega ao auge no Grande Prêmio da França desse ano: a equipe tinha combinado que Arnoux deveria deixá-lo passar em melhor situação no campeonato. Ora, Arnoux, que tinha feito a pole-position, achou que tal ideia era ultrajante e não acatou a ordem. Resultado: Arnoux venceu a prova, mas à frente dele, o caldo ficou entornado e começou a procurar equipe para o próximo ano.

Arnoux ainda foi 2º na Alemanha em Hockenheim e venceu na Itália em Monza. Ficou em 6º lugar na classificação geral com 28 pontos. Para além disso, fez: cinco pole-positions, quatro podiuns e uma volta mais rápida. Após a última prova, deixava o time e foi procurar outro no próximo ano.[carece de fontes?]

Ferrari (1983–1985)[editar | editar código-fonte]

O seu novo time para 1983 chamava-se… Ferrari! A sua rapidez não tinha passado despercebido ao “Comendatore” Enzo Ferrari e foi correr numa dupla totalmente francesa ao lado de Patrick Tambay. Domina rapidamente seu colega de equipe vencendo três Grandes Prêmios: Canadá, Alemanha e Holanda. Foi a sua melhor temporada no ano de estreia da sua nova equipe, pois após o 2º no GP da Itália, o piloto do carro vermelho número 28 estava 2 pontos atrás do seu compatriota Alain Prost da Renault. A grande chance de Arnoux ser o primeiro piloto francês a conquistar o título era excepcional, mas na penúltima etapa, no GP da Europa em Brands Hatch, ela se diluiu com a rodada na subida da curva Surtees, assim que abriu a 19ª volta. Perdendo muitas posições, fez uma enorme corrida de recuperação e não pontuou com o 9º lugar obtido, descendo para a 3ª posição no campeonato. Necessitava de uma vitória na última etapa, o GP da África do Sul, e torcer para que Prost termine em 6º e Piquet em 4º. Na corrida, a chance de ser campeão durou apenas 9 voltas, quando o motor italiano estourou e deixando seus rivais na luta disputando-o. O 3º lugar no campeonato com 49 pontos foi o melhor em toda a sua carreira com: três vitórias, sete podiums, quatro pole-positions e duas voltas mais rápidas. Embora não tenha ficado com a taça, pelo menos fez a sua equipe junto com seu colega compatriota com os pontos marcados a conquistar o título de construtores, algo que só conquistaria novamente 16 anos mais tarde…

O campeonato de 1984, o carro perde alguma competitividade em favor da McLaren e da Lotus. Arnoux não ganha, não faz poles, não lidera nenhuma volta e o melhor que obteve são dois 2º lugares em: San Marino e Dallas. O seu novo companheiro de equipe, Michele Alboreto, ainda ganha uma corrida. Classificou-se em 6º no Mundial com 27 pontos: quatro podiums e duas voltas mais rápidas.

Para a temporada de 1985, na corrida de abertura, o Grande Prêmio do Brasil, Arnoux começava com um bom 4º lugar. Mas mal ele sabia que isso seria a sua última prova com a Ferrari… antes do GP de Portugal, misteriosamente, a cúpula ferrarista dispensa os seus serviços, substituindo-o pelo sueco Stefan Johansson. Fica o resto do ano sem competir com apenas 3 pontos na etapa brasileira e o 18º lugar no Mundial de Pilotos.[carece de fontes?]

Ligier (1986–1989)[editar | editar código-fonte]

Regressa à competição pelas mãos da Ligier e o potente motor Renault Turbo no campeonato de 1986. Tem 37 anos e a sua rapidez continua intacta. Coloca o seu carro regularmente nos pontos, mas não alcança nenhum podium. Termina o ano com 17 pontos, dando-lhe um 10º lugar.

Continua na equipe em 1987, mas ela está em declínio, porque não podia contar com o propulsor francês, que se retirou da categoria. Em princípio, a equipe contaria com o motor Alfa Romeo, mas o próprio piloto recusou que o time utilizasse-o no Mundial, pois nos testes se mostrou muito fraco. Rapidamente, o time de Guy Ligier fechou com a Megatron, a preparadora dos BMW Turbo. Com isso, a equipe não esteve presente na corrida de abertura, o Grande Prêmio do Brasil. A participação dela começou na segunda etapa em San Marino. Na troca de motores, o piloto conseguiu terminar apenas cinco provas, mas uma concluiu nos pontos com o 6º na Bélgica, acabando o campeonato em 17º lugar com 1 ponto.

Na temporada de 1988, a equipe troca novamente de motor e parte para o aspirado Judd V8, (a estreia do propulsor na categoria). Seu companheiro de equipe foi aquele que o substituiu definitivamente três anos antes, a partir da corrida de Portugal: o sueco Stefan Johansson. Com o novo motor, Arnoux termina cinco provas, mas nenhum ponto conquistado.

O turbo foi banido no campeonato de 1989, e todas as equipes tinha que usar motor aspirado. A equipe troca mais uma vez o motor; agora era o Ford Cosworth V8. No terceiro ano de Ligier, o piloto encontrou muitas dificuldades para classificar o carro no grid, pois era nas últimas filas chegando a ter a companhia de pilotos como Nelson Piquet…. O francês do carro número 25 não se alinhou por sete etapas e apenas nove obteve êxito; concluiu seis corridas, mas apenas uma foi nos pontos com o honrável 5º lugar no Grande Prêmio do Canadá, debaixo de chuva. Encerra o campeonato em 22º lugar com 2 pontos e também é o final de sua carreira na Formula 1 com 41 anos.

Após a Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Arnoux montou um negócio bem sucedido de pistas de karting indoor na França. Atualmente têm quatro pistas a funcionar, duas na região parisiense, uma em Lyon e outra em Marselha. No final de 2006, decidiu voltar a colocar o capacete ao participar no Grand Prix Masters, a Formula 1 com mais de 45 anos.[carece de fontes?]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

  • Largadas na Formula 1: 149
  • Todos os GPs: 164
Vitórias na Fórmula 1

Vitórias por equipe:

Renault: 4

Ferrari: 3

Resultados nas 24 Horas de Le Mans[1][editar | editar código-fonte]

Ano Equipe Co-Pilotos Chassi Pneus Classe Voltas Posição Posição
Na
Categoria
Motor
1977 França J. Haran de Chaunac 16 França Didier Pironi
França Guy Fréquelin
Renault Alpine A442 M S
+2.0
0 DNF DNF
Renault 2.0L Turbo V6
1994 França Rent-A-Car Racing Team
Bélgica Luigi Racing
40 Reino Unido Justin Bell
França Bertrand Balas
Dodge Viper RT/10 M GT1 273 12º
Dodge 8.0L V10
1995 Estados Unidos Euromotorsport Racing Inc. 1 Itália Massimo Sigala
Estados Unidos Jay Cochran
Ferrari 333 SP G WSC 7 DNF DNF
Ferrari F310E 4.0L V12


Todos os resultados na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(legenda) (Corrida em negrito indica pole position, corridas em itálico indica volta mais rápida)

Ano Nome Oficial da Equipe Chassis Motor 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Pontos Posição
1978 Martini Racing Martini MK23 Ford Cosworth
DFV V8
AFS
NQ
G
MON
NPQ
G
BEL

G
FRA
14º
G
ALE
NPQ
G
AUT

G
HOL
Ret
G
0 NC
(26º)
Team Surtees Surtees TS20 USA

G
CAN
Ret
G
1979 Equipe Renault Elf Renault RS01 Renault-Gordini EF1
V6 Turbo
ARG
Ret
M
BRA
Ret
M
AFS
Ret
M
USW
NP
M
ESP

M
BEL
Ret
M
17
Renault RS10 MON
Ret
M
FRA

M
GBR

M
ALE
Ret
M
AUT

M
HOL
Ret
M
ITA
Ret
M
CAN
Ret
M
USA

M
1980 Equipe Renault Elf Renault RE20 Renault-Gordini EF1
V6 Turbo
ARG
Ret
M
BRA

M
AFS

M
USW

M
BEL

M
MON
Ret
M
FRA

M
GBR
NC
M
ALE
Ret
M
AUT

M
HOL

M
ITA
10º
M
CAN
Ret
M
USE

M
29
1981 Equipe Renault Elf Renault RE20B Renault-Gordini EF1
V6 Turbo
USW

M
BRA
Ret
M
ARG

M
SMR

M
MON
Ret
M
11
Renault RE30 BEL
NQ
M
ESP

M
FRA

M
GBR

M
ALE
13º
M
AUT

M
HOL
Ret
M
ITA
Ret
M
CAN
Ret
M
LVG
Ret
M
1982 Equipe Renault Elf Renault RE30B Renault-Gordini EF1
V6 Turbo
AFS

M
BRA
Ret
M
USW
Ret
M
SMR
Ret
M
BEL
Ret
M
MON
Ret
M
USE
10º
M
CAN
Ret
M
HOL
Ret
M
GBR
Ret
M
FRA

M
ALE

M
AUT
Ret
M
SUI
16º
M
ITA

M
LVG
Ret
M
28
1983 Scuderia Ferrari SpA SEFAC Ferrari 126 C2B Ferrari 021 V6 Turbo BRA
10º
G
USW

G
FRA

G
SMR

G
MON
Ret
G
BEL
Ret
G
USE
Ret
G
CAN

G
49
Ferrari 126 C3 GBR

G
ALE

G
AUT

G
HOL

G
ITA

G
EUR

G
AFS
Ret
G
1984 Scuderia Ferrari SpA SEFAC Ferrari 126 C4 Ferrari 031 V6 Turbo BRA
Ret
G
AFS
Ret
G
BEL

G
SMR

G
FRA

G
MON
31
G
CAN

G
USE
Ret
G
DAL

G
GBR

G
ALE

G
AUT

G
HOL
11º
G
ITA
Ret
G
EUR

G
POR

G
27
1985 Scuderia Ferrari SpA SEFAC Ferrari 156/85 Ferrari 031 V6 Turbo BRA

G
3 18º
1986 Equipe Ligier Ligier JS27 Renault EF15
V6 Turbo
BRA

P
ESP
Ret
P
SMR
Ret
P
MON

P
BEL
Ret
P
CAN

P
EUA
Ret
P
FRA

P
GBR

P
ALE

P
HUN
Ret
P
AUT
10º
P
ITA
Ret
P
POR

P
MEX
15º
P
AUS

P
14
1987 Ligier Loto Ligier JS29B Megatron M12/13
L4| Turbo
SMR
DNS
G
BEL

G
MON
11º
G
EUA
10º
G
1 20º
Ligier JS29C FRA
Ret
G
GBR
Ret
G
ALE
Ret
G
HUN
Ret
G
AUT
10º
G
ITA
10º
G
POR
Ret
G
ESP
Ret
G
MEX
Ret
G
JAP
Ret
G
AUS
Ret
G
1988 Ligier Loto Ligier JS31 Judd CV V8 BRA
Ret
G
SMR
NQ
G
MON
Ret
G
MEX
Ret
G
CAN
Ret
G
EUA
Ret
G
FRA
NQ
G
GBR
18º
G
ALE
17º
G
HUN
Ret
G
BEL
Ret
G
ITA
13º
G
POR
10º
G
ESP
Ret
G
JAP
17º
G
AUS
Ret
G
0 NC
(28º)
1989 Ligier Loto Ligier JS33 Ford Cosworth
DFR V8
BRA
NQ
G
SMR
NQ
G
MON
12º
G
MEX
14º
G
EUA
NQ
G
CAN

G
FRA
Ret
G
GBR
NQ
G
ALE
11º
G
HUN
NQ
G
BEL
Ret
G
ITA

G
POR
13º
G
ESP
NQ
G
JAP
NQ
G
AUS
Ret
G
2 24º

↑1 O número de voltas da prova não teve 75% da distância percorrida, foi atribuído metade dos pontos do 1º ao 6º lugar. Arnoux marcou 2 pontos com o 3º lugar.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «René Arnoux» (em francês ou inglês). 24h-en-piste.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]