Renata Bueno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Renata Bueno
Renata Bueno
Deputada do Parlamento da Itália
Período 12 de março de 2013
até atualidade
Vereadora de Curitiba
Período 1º de janeiro de 2009
até 31 de dezembro de 2012
Dados pessoais
Nome completo Renata Eitelwein Bueno
Nascimento 10 de novembro de 1979 (39 anos)
Brasília
Nacionalidade brasileira
Italiana
Progenitores Pai: Rubens Bueno
Cônjuge Juliano Borghetti (2011–2013[1])
Angelo Martiriggiano (2017–atualmente[2])
Partido PPS (BR)
USEI (IT)

Renata Eitelwein Bueno (Brasília, 10 de novembro de 1979) é uma política brasileira.

Filha do deputado federal Rubens Bueno, foi vereadora de Curitiba pelo PPS e deputada do Parlamento da República Italiana pela União Sul-Americana dos Emigrantes Italianos (USEI) entre 2013 e 2018.[3]

Origens e formação[editar | editar código-fonte]

Renata Bueno com Michel Temer em 2016

Nascida em Brasília à época em que seu pai cursava Letras no Centro de Ensino Unificado de Brasília (CEUB).[4]

Bueno formou-se em Direito pela Universidade Tuiuti, além de pós-graduação lato-sensu na Universidade de Pádua e mestrado na Universidade de Roma-Tor Vergata[carece de fontes?].

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Filiada ao Partido Popular Socialista no Brasil, elegeu-se vereadora em Curitiba nas eleições municipais de 2008, com 4.984 votos. O eleitorado curitibano negou-lhe segundo mandato nas eleições municipais de 2012, quando obteve apenas a primeira suplência do PPS com 4.791 votos.

Carreira política na Itália[editar | editar código-fonte]

Bueno concorreu a vaga na Câmara dos Deputados da Itália pela quota de representação dos italianos no exterior. Como não conseguiu lugar na lista do Partido Democrático de Pier Luigi Bersani, ingressou no movimento cívico Unione Sudamericana Emigrati Italiani (USEI) como primeira candidata. Os 18.077 votos recebidos no distrito eleitoral da América do Sul em fevereiro de 2013 asseguraram-lhe cadeira no parlamento italiano.[5] Na eleição de março de 2018 para o parlamento italiano, não obteve a condição para manter-se no cargo, mesmo sendo a mais votada no Brasil, entre 24 candidatos, e a terceira na América do Sul.[6]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casada, por dois anos, com o ex-vereador de Curitiba, Juliano Borghetti. Borghetti é irmão de Cida Borghetti e é um dos envolvidos no "massacre de SC", quando foi preso por agressões entre as torcidas dos clubes de futebol Atlético Paranaense e Vasco da Gama na cidade de Joinville.[7][8][9]

Atualmente, é casada com Angelo Martiriggiano, 39 anos, empresário e economista, nascido na Apúlia (Itália). O casamento foi celebrado na cidade onde se conheceram: Gallipoli, também na Itália. O casal se conheceu em 2003. Na época, Renata Bueno morava em Roma, onde estava cursando um mestrado na Faculdade Tor Vergata, e Angelo estudava na Faculdade de Economia, em Lecce. Conheceram-se em Aradeo, perto de Gallipol, bem onde Renata havia decidido passar as férias.[10][2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]