Renovação moral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde agosto de 2015).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Renovação Moral é, no Espiritismo, o ato pelo qual a criatura humana, ao tomar consciência de sua realidade espiritual interior e de suas consequências, adota a iniciativa de modificá-la sempre para melhor para que suas atitudes passem a ser um efeito virtuoso de tal melhora. Para isso, adotam-se métodos que vão da autocrítica à vigilância de sentimentos, pensamentos e atitudes; da fé raciocinada à prática das virtudes e renúncias contrárias ao sentimento que se quer alterar.[1]

Semelhante renovação é o fim essencial e exclusivo do Espiritismo, segundo item 292 de O Livro dos Médiuns. Tal assertiva também é reafirmada no item 303 do referido livro ao declarar que o objetivo da Doutrina Espírita é o aperfeiçoamento moral da humanidade.

O Livro dos Espíritos contém a seguinte definição para moral: “A moral é a regra de boa conduta e portanto da distinção entre o bem e o mal. É fundamentada sobre a observação da lei de Deus. O homem conduz-se bem quando faz tudo visando o bem e para o bem de todos, porque então observa a lei de Deus.[2]

Também conhecida entre os profitentes da doutrina como reforma íntima, a renovação moral baseia-se na Lei do progresso [3] a que tudo está sujeito, mas que na condição humana sofre o concurso da razão e do livre arbítrio, faculdades estas que dão ao homem o poder de acelerar ou de retardar o seu progresso pelas escolhas certas ou equivocadas feitas dentro de seu atual nível de consciência.

A moralização do adepto se dá num primeiro momento pela certeza na sobrevivência da alma e pela consequente valorização da vida espiritual futura e de suas recompensas[4]; passando em seguida pela realização do preceito socrático: “Conhece-te a ti mesmo[5]; e finalizando pela prática do bem que é a tônica de todo o livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, vivência esta que está condensada na máxima: “Fora da caridade não há salvação.[6]

Referências

  1. Cap. XII do Livro Terceiro de O Livro dos Espíritos;
  2. Questão 629 de O Livro dos Espíritos;
  3. Cap. VIII do Livro Terceiro de O Livro dos Espíritos;
  4. A vida futura, primeira parte do livro Obras Póstumas de Allan Kardec, questões 799 e 933 de O Livro dos Espíritos;
  5. Questão 919 de O Livro dos Espíritos;
  6. Cap. XV de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • O Livro dos Espíritos, Autor Allan Kardec, Mundo Maior Editora, Trad. Sandra R. Keppler, 1ª edição.
  • O Livro dos Médiuns, Autor Allan Kardec, LAKE Editora, Trad. J. Herculano Pires, 21ª edição.
  • O Evangelho Segundo o Espiritismo, LAKE Editora, Trad. J. Herculano Pires, 62ª edição.
  • Obras Póstumas de Allan Kardec, LAKE Editora, Trad. de João Teixeira de Paula, 12ª edição.