Alemanha Oriental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Deutsche Demokratische Republik
República Democrática Alemã
Merchant flag of Germany (1946–1949).svg
 
Flag of the Soviet Union (1924–1955).svg
1949 – 1990 Flag of Germany.svg
Flag Brasão
Bandeira (1959–1990) Emblema (1955−1990)
Lema nacional
Proletarier aller Länder, vereinigt Euch!
"Trabalhadores do mundo, uni-vos!"
Hino nacional
Auferstanden aus Ruinen
"Reerguidos das Ruínas"


Localização de Alemanha Oriental
Continente Europa
Região Europa Central
País  Alemanha
Capital Berlim Leste
Língua oficial Alemão
Governo República federal socialista unipartidária (1949–1952)
República socialista unitária (1952–1989)
República parlamentarista unitária (1989–1990)
Secretário-Geral
 • 1949–1950 Wilhelm Pieck
 • 1949–1950 Otto Grotewohl
 • 1950–1971 Walter Ulbricht
 • 1971–1989 Erich Honecker
 • 1989 Egon Krenz
Chefe de Estado
 • 1949–1960 Wilhelm Pieck
 • 1960–1973 Walter Ulbricht
 • 1973–1976 Willi Stoph
 • 1976–1989 Erich Honecker
 • 1989 Egon Krenz
 • 1989–1990 Manfred Gerlach
Legislatura Câmara do Povo
Período histórico Guerra Fria
 • 7 de outubro de 1949 Adoção da constituição
 • 16 de junho de 1953 Revolta de 1953
 • 4 de junho de 1961 Crise de Berlim
 • 13 de outubro de 1983 Revolução Pacífica
 • 12 de setembro de 1990 Tratado de Regulamentação
 • 3 de outubro de 1990 Reunificação
Área
 • 1950 108 333 km2
População
 • 1950 est. 18 388 000 
     Dens. pop. 169,7 hab./km²
 • 1970 est. 17 068 000 
     Dens. pop. 157,6/km²
 • 1990 est. 16 111 000 
     Dens. pop. 148,7/km²
Moeda Marco alemão-oriental

República Democrática Alemã (RDA; em alemão: Deutsche Demokratische Republik), comumente chamada de Alemanha Oriental, foi um Estado que existiu entre 1949 e 1990, período em que a parte oriental da Alemanha fazia parte do Bloco Oriental durante a Guerra Fria. Comumente descrito como um Estado comunista, o país descrevia-se como um "Estado socialista dos trabalhadores e camponeses".[1] Consistia em território administrado e ocupado por forças soviéticas após o final da Segunda Guerra Mundial - a zona de ocupação soviética do Acordo de Potsdam, delimitada a leste pela linha Oder-Neisse. A zona soviética cercou Berlim Ocidental, mas não a incluiu; como resultado, ela permaneceu fora da jurisdição da RDA.

A República Democrática Alemã foi estabelecida na zona soviética, enquanto a República Federal da Alemanha (ou Alemanha Ocidental) foi estabelecida nas três zonas ocidentais. A Alemanha Oriental era um Estado satélite da União Soviética.[2] As autoridades soviéticas de ocupação começaram a transferir a responsabilidade administrativa para os líderes comunistas alemães em 1948 e a RDA começou a funcionar como um Estado em 7 de outubro de 1949. No entanto, as forças soviéticas permaneceram no país durante a Guerra Fria. Até 1989, a RDA era governada pelo Partido Socialista Unificado (PSU), embora outros partidos participassem nominalmente de sua organização de alianças, a Frente Nacional.[3] O PSU tornou obrigatório o ensino do marxismo-leninismo e do idioma russo nas escolas.[4]

A economia era planificada centralmente e cada vez mais de propriedade estatal.[5] Os preços da habitação, bens e serviços básicos eram estabelecidos pelos planejadores do governo central, em vez de subir e descer pela oferta e pela demanda; e foram fortemente subsidiados. Embora a RDA tivesse que pagar substanciais reparações de guerra aos soviéticos, ela se tornou a economia mais bem-sucedida do Bloco Oriental. A emigração para o Ocidente era um problema significativo, visto que muitos dos emigrantes eram jovens bem-educados, o que enfraqueceu economicamente ainda mais o país. O governo fortificou suas fronteiras ocidentais e, em 1961, construiu o Muro de Berlim. Muitas das pessoas que tentaram fugir[6][7] foram mortas por guardas de fronteira ou armadilhas, como minas terrestres.[8] Muitos outros passaram grande parte do tempo presos por tentar escapar.[9][10]

Em 1989, inúmeras forças sociais, econômicas e políticas na RDA e no exterior levaram à queda do Muro de Berlim e ao estabelecimento de um governo comprometido com a liberalização. No ano seguinte, foram realizadas eleições livres e justas[11] e negociações internacionais levaram à assinatura do tratado do Tratado Dois Mais Quatro sobre o estatuto e as fronteiras da Alemanha. A RDA se dissolveu e a Alemanha foi reunificada em 3 de outubro de 1990, tornando-se um Estado totalmente soberano na República Federal da Alemanha. Vários dos líderes da RDA, principalmente o último líder comunista Egon Krenz, foram processados após a reunificação por crimes cometidos durante a Guerra Fria.

História[editar | editar código-fonte]

A RDA foi proclamada em Berlim Oriental no dia 7 de outubro de 1949. Estabeleceu-se um regime socialista amplamente controlado pela União Soviética.

Em Junho de 1953, após a morte de Stalin, dá-se a violenta repressão da Revolta de 1953 na Alemanha Oriental.[12] Este facto fez com que cerca de três milhões de habitantes da Alemanha Oriental fugissem para a Alemanha Ocidental.

A RDA foi declarada totalmente soberana em 1954. Tropas soviéticas continuaram porém no terreno com base nos acordos de Potsdam, tendo em vista contrabalançar a presença militar dos Estados Unidos na República Federal Alemã durante a Guerra Fria. A RDA foi um membro do Pacto de Varsóvia.

A capital da Alemanha Oriental manteve-se em Berlim Oriental, enquanto que a capital da RFA foi transferida para Bona. No entanto, Berlim foi também dividida em Berlim Ocidental e Berlim Oriental, com a parte ocidental controlada pela RFA, apesar de a cidade estar totalmente situada em território da RDA. Esta divisão foi reforçada pela construção do muro de Berlim em 1961, e que esteve de pé até 1989.

Em 3 de Outubro de 1990 ocorreu a reunificação da Alemanha. A população da RDA votou esmagadoramente a favor de um retorno à tradicional estruturação do seu território em Länder e à integração destes "Estados" na República Federal da Alemanha, com a dissolução do governo central da Alemanha oriental. A pequena minoria contrária à reunificação submeteu-se à decisão da maioria.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Geograficamente, a República Democrática Alemã fazia fronteira com o Mar Báltico ao norte; Polônia ao leste; Checoslováquia ao sudeste e Alemanha Ocidental ao sudoeste e oeste. Internamente, a RDA também fazia fronteira com o setor soviético da Berlim ocupada pelos Aliados, conhecida como Berlim Oriental, que também era administrada como a capital de facto do Estado. Também fazia fronteira com os três setores ocupados pelos Estados Unidos, Reino Unido e França, conhecidos coletivamente como Berlim Ocidental. Os três setores ocupados pelas nações ocidentais foram isolados da RDA pelo Muro de Berlim desde sua construção em 1961 até sua derrubada em 1989.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Uma mulher e seu marido, com seus trigêmeos em 1984

A população da Alemanha Oriental diminuiu em três milhões de pessoas ao longo de seus quarenta e um anos de história, passando de 19 milhões em 1948 para 16 milhões em 1990; da população de 1948, cerca de 4 milhões foram deportados das terras a leste da linha Oder-Neisse, que era o lar de milhões de alemães em parte da Polônia e da União Soviética.[13]

Este foi um forte contraste da Polônia, que aumentou durante esse período; de 24 milhões em 1950 (pouco mais que a Alemanha Oriental) para 38 milhões (mais que o dobro da população da Alemanha Oriental). Isso foi principalmente resultado da emigração - cerca de um quarto dos alemães orientais deixou o país antes da conclusão do Muro de Berlim em 1961,[14] e após esse período, a Alemanha Oriental teve taxas de natalidade muito baixas,[15] exceto pela recuperação nos anos 1980, quando a taxa de natalidade na Alemanha Oriental era consideravelmente mais alta do que na Alemanha Ocidental.[16]

Religião[editar | editar código-fonte]

Dia Católico, em Dresden, 1987. Da esquerda para a direita: Karl Lehmann, Gerhard Schaffran, Joseph Ratzinger e Joachim Meisner

A religião tornou-se terreno contestado na RDA, com os comunistas do governo promovendo o ateísmo estatal, embora algumas pessoas permanecessem leais às comunidades cristãs.[17] Em 1957, as autoridades estatais estabeleceram uma Secretaria de Estado para Assuntos da Igreja para lidar com o contato do governo com igrejas e grupos religiosos; o Partido Socialista Unificado da Alemanha permaneceu oficialmente ateu.[18]

Em 1950, 85% dos cidadãos da RDA eram protestantes, enquanto 10% eram católicos. Em 1961, o renomado teólogo filosófico Paul Tillich afirmou que a população protestante na Alemanha Oriental tinha a Igreja mais admirável do protestantismo, porque os comunistas não haviam conseguido obter uma vitória espiritual sobre eles.[19]

Quando chegou ao poder, o partido comunista afirmou a compatibilidade do cristianismo e do marxismo e buscou a participação cristã na construção do socialismo. A princípio, a promoção do ateísmo marxista-leninista recebeu pouca atenção oficial. Em meados da década de 1950, quando a Guerra Fria esquentou, o ateísmo se tornou um tópico de grande interesse para o Estado, tanto no contexto doméstico quanto no exterior. Cadeiras e departamentos universitários dedicados ao estudo do ateísmo científico foram fundados e muita literatura (acadêmica e popular) sobre o assunto foi produzida. Essa atividade desapareceu no final da década de 1960, em meio a percepções de que havia começado a se tornar contraproducente. A atenção oficial e acadêmica ao ateísmo renovou-se a partir de 1973, embora desta vez com mais ênfase na bolsa de estudos e no treinamento de quadros do que na propaganda. Durante todo o tempo, a atenção dada ao ateísmo na Alemanha Oriental nunca teve a intenção de comprometer a cooperação que se desejava daqueles alemães orientais que eram religiosos.[20]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Houve quatro períodos na história política da Alemanha Oriental. Estes incluíram: 1949–61, que viu a construção do socialismo; 1961-1970, após o fechamento do Muro de Berlim, houve um período de estabilidade e consolidação; 1971–85 foi denominado Era Honecker e teve laços mais estreitos com a Alemanha Ocidental; e 1985-89 viram o declínio e a extinção da Alemanha Oriental.[21]

O partido político dominante na Alemanha Oriental era o Sozialistische Einheitspartei Deutschlands (Partido Socialista Unificado da Alemanha, PSU). Foi criado em 1946 através da fusão dirigida pelos soviéticos do Partido Comunista da Alemanha (KPD) e do Partido Social Democrata da Alemanha (SPD) na zona controlada soviética. No entanto, o PSU rapidamente se transformou em um partido comunista de pleno direito à medida que os social-democratas mais independentes foram expulsos.[22]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Exército Nacional Popular
Militares do exército da Alemanha Oriental. Em 1989, o NVA tinha 155 319 militares em suas fileiras.[23]

O governo da Alemanha Oriental controlava um grande número de organizações militares e paramilitares através de vários ministérios. O principal deles foi o Ministério da Defesa Nacional. Devido à proximidade da Alemanha Oriental com o Ocidente durante a Guerra Fria (1945-1992), suas forças militares estavam entre as mais avançadas do Pacto de Varsóvia. Definir o que era uma força militar e o que não era é uma questão em disputa.

O Nationale Volksarmee (NVA) era a maior organização militar da Alemanha Oriental. Foi formada em 1956 a partir da Kasernierte Volkspolizei (Polícia Popular do Quartel), as unidades militares da polícia regular (Volkspolizei), quando a Alemanha Oriental aderiu ao Pacto de Varsóvia. Desde a sua criação, foi controlado pelo Ministério da Defesa Nacional. Era uma força totalmente voluntária até que um período de dezoito meses de recrutamento ser introduzido em 1962. Foi considerado pelos oficiais daOTAN como o melhor exército do Pacto de Varsóvia. O NVA consistiu nos seguintes ramos: Exército (Landstreitkräfte); Marinha (Volksmarine); Força Aérea (Luftstreitkräfte).[24]

As tropas fronteiriças do setor oriental foram originalmente organizadas como uma força policial, a Deutsche Grenzpolizei, semelhante ao Bundesgrenzschutz na Alemanha Ocidental. Foi controlado pelo Ministério do Interior. Após a remilitarização da Alemanha Oriental em 1956, o Deutsche Grenzpolizei foi transformado em força militar em 1961, inspirado nas tropas soviéticas de fronteira e transferido para o Ministério da Defesa Nacional, como parte do Exército Popular Nacional. Em 1973, foi separado do NVA, mas permaneceu sob o mesmo ministério. No seu auge, contava com aproximadamente 47 mil homens.[25]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

O Estado da Alemanha Oriental promoveu uma linha "anti-imperialista" que se refletia em toda a mídia e em todas as escolas.[26] Essa linha seguiu a teoria de Lenin do imperialismo como o estágio mais alto e último do capitalismo e a teoria de Dimitrov do fascismo como a ditadura dos elementos mais reacionários do capitalismo financeiro. A reação popular a essas medidas foi mista e a mídia ocidental penetrava no país através de transmissões de televisão e rádio transfronteiriças da Alemanha Ocidental e da rede de propaganda da Radio Free Europe. Dissidentes, particularmente profissionais, às vezes fugiam para a Alemanha Ocidental, o que era relativamente fácil antes da construção do Muro de Berlim em 1961.[27][28]

O angolano José Eduardo dos Santos durante uma visita a Berlim Oriental em 1981

Depois de receber um reconhecimento diplomático internacional mais amplo em 1972-73, a RDA iniciou uma cooperação ativa com os governos socialistas do Terceiro Mundo e movimentos de libertação nacional. Enquanto a URSS estava no controle da estratégia geral e as forças armadas cubanas estavam envolvidas no combate real (principalmente na República Popular de Angola e a Etiópia socialista), a RDA forneceu especialistas em equipamento militar manutenção e treinamento de pessoal e supervisionou a criação de agências de segurança secretas com base em seu próprio modelo da Stasi.

A Alemanha Oriental seguiu uma política anti-sionista; o historiador estadunidense Jeffrey Herf argumenta que a Alemanha Oriental estava travando uma guerra não declarada contra Israel.[29] Segundo Herf, "o Oriente Médio foi um dos campos de batalha cruciais da Guerra Fria global entre a União Soviética e o Ocidente; era também uma região na qual a Alemanha Oriental desempenhou um papel destacado no antagonismo do Bloco Soviético a Israel".[30] Enquanto a Alemanha Oriental se via como um "Estado antifascista", considerava Israel um "Estado fascista"[31] e a Alemanha Oriental apoiava fortemente a Organização de Libertação da Palestina em sua luta armada contra Israel. A OLP declarou o Estado palestino em 15 de novembro de 1988 durante a Primeira Intifada e a RDA reconheceu o Estado palestino antes da reunificação.[32] Depois de se tornar membro das Nações Unidas, a Alemanha Oriental "fez um excelente uso da ONU para travar uma guerra política contra Israel e foi um membro entusiasmado, de alto perfil e vigoroso" da maioria anti-israelense da Assembleia Geral.[29]

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia da Alemanha Oriental
O automóvel Trabant era um produto rentável fabricado na República Democrática Alemã.

A economia da Alemanha Oriental começou mal por causa da devastação causada pela Segunda Guerra Mundial; a perda de tantos jovens soldados, a interrupção dos negócios e transportes, as campanhas de bombardeios dos Aliados que dizimaram as cidades e as reparações devidas à URSS. O Exército Vermelho desmontou e transportou para a Rússia as infraestruturas e instalações industriais da Zona Soviética de Ocupação. No início da década de 1950, as reparações eram pagas em produtos agrícolas e industriais; e a Baixa Silésia, com suas minas de carvão, e Szczecin, um importante porto natural, foi dada à Polônia pela decisão de Stalin e de acordo com o Acordo de Potsdam.[33]

A economia planificada centralmente da República Democrática Alemã era como a da URSS. Em 1950, a RDA ingressou no bloco comercial COMECON. Em 1985, as empresas coletivas (estatais) obtiveram 96,7% da renda nacional líquida. Para garantir preços estáveis para bens e serviços, o Estado pagou 80% dos custos básicos de fornecimento. A renda per capita estimada para 1984 foi de 9 800 dólares (22 600 em dólares de 2015). Em 1976, o crescimento médio anual do PIB foi de aproximadamente cinco por cento. Isso fez da economia da Alemanha Oriental a mais rica de todo o Bloco Soviético até a reunificação em 1990.[34]

O governo usava a economia como um dispositivo político, fornecendo preços altamente subsidiados para uma ampla gama de bens e serviços básicos, no que era conhecido como "o segundo pacote de pagamento".[35] No nível da produção, os preços artificiais contribuíram para um sistema de semi-troca e acumulação de recursos. Para o consumidor, levou à substituição do dinheiro da RDA por tempo, troca e moedas mais fortes. A economia socialista tornou-se cada vez mais dependente de infusões financeiras de empréstimos em moeda forte da Alemanha Ocidental. Enquanto isso, os alemães orientais passaram a ver sua moeda branda como sem valor em relação ao marco alemão (DM).[36] Questões econômicas também persistiriam no leste da Alemanha após a reunificação. James Hawes diz: "Somente em 1991, 153 bilhões de marcos alemães tiveram que ser transferidos para o leste da Alemanha para garantir renda, apoiar negócios e melhorar a infraestrutura ... até 1999, o total era de 1,634 trilhões de marcos. ... Os montantes eram tão grandes que a dívida pública na Alemanha mais do que duplicou."[37]

Muitos analistas ocidentais sustentaram que a lealdade ao partido era um critério primário para conseguir um bom emprego e que o profissionalismo era secundário a critérios políticos no recrutamento e desenvolvimento de pessoal.[38] A partir de 1963, com uma série de acordos internacionais secretos, a Alemanha Oriental recrutou trabalhadores da Polônia, Hungria, Cuba, Albânia, Moçambique, Angola e Vietnã do Norte. Eles somavam mais de 100 mil em 1989. Muitos, como o futuro político Zeca Schall (que emigrou de Angola em 1988 como trabalhador contratado) ficaram na Alemanha após a Wende.[39]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

O Oktoberklub em 1967
O cantor de música popular Frank Schöbel (centro) dando autógrafos em 1980

Esperava-se que os artistas cantassem músicas apenas em alemão, o que mudou com o fim dos anos sessenta. Havia regras estritas que regulamentavam que, todas as atividades artísticas deveriam ser censuradas, para evitar qualquer música antissocialista. A banda Renft, por exemplo, foi propensa a mau comportamento político, o que acabou por conduzir à sua separação.

Influências do Ocidente eram ouvidas em toda parte, pela televisão ou(e) pelo rádio, que vinha da chamada Klassenfeind (no literal "classe inimiga", significando "inimigos da classe trabalhadora") e podiam ser recebidos em muitas partes da República Democrática Alemã. Duas notórias exceções eram uma zona a sudeste no vale do Elba, centrada em Dresden, e outra no nordeste, pois, com suas posições geográficas desvantajosas, o que lhes valeu a alcunha de "Vale dos Sem-Ideia" (em alemão, Tal der Ahnungslosen), a receção das rádios e televisões ocidentais era muito limitada.

A influência ocidental levou à formação de mais grupos underground com um som decididamente orientado para os ocidentais. Algumas destas bandas foram Skeptiker Die, Die Arte e Feeling B. Além disso, a cultura hip hop chegou aos ouvidos da juventude alemã-oriental. Com vídeos, tais como Beat Street e Wild Style, jovens alemães-orientais foram capazes de desenvolver uma cultura hip hop própria. Alemães-orientais aceitaram o hip hop como mais do que apenas música, a cultura rap que entrou na região tornou-se uma forma de expressão para uma juventude que sentia-se "oprimida".

A música clássica foi fortemente apoiada e existiam mais de 50 orquestras sinfônicas clássicas em um país com uma população de cerca de 16 milhões. Em Eisenach, na antiga Alemanha Oriental, terra natal de Johann Sebastian Bach, existe um museu sobre sua vida que, entre outras coisas, inclui mais de 300 instrumentos de época. Em 1980, este museu recebeu mais de 70 mil visitantes. Em Leipzig, um enorme arquivo com todas as gravações da música de Bach foi elaborado, junto com muitos documentos históricos e cartas dedicadas a ele.

Nos demais outros anos, escolares de toda a Alemanha Oriental eram reunidos para uma competição - com músicas de Bach - realizada em Berlim Oriental. De quatro em quatro anos uma nova competição internacional Bach para teclado e cordas era realizada.

Teatro[editar | editar código-fonte]

O teatro da Alemanha Oriental foi inicialmente dominado por Bertolt Brecht, que trouxe de volta muitos artistas fora do exílio e reabriu o Theater am Schiffbauerdamm com seu Berliner Ensemble. Alternativamente, outras influências tentaram criar um "Teatro da Classe Trabalhadora", tocado para a classe trabalhadora pela classe trabalhadora.

Após a morte de Brecht, começaram a surgir conflitos entre a sua família (cerca de Helene Weigel) e outros artistas sobre a herança de Brecht. Heinz Kahlau, Slatan Dudow, Erwin Geschonneck, Erwin Strittmatter, Peter Hacks, Benno Besson, Peter Palitzsch e Ekkehard Schall foram considerados entre os estudiosos do Bertolt Brecht e seguidores. Em 1950, o diretor suíço Benno Besson com o Deutsches Theater excursionou com sucesso na Europa e na Ásia, incluindo Japão, com "O Dragão", por Jewgenij Schwarz. Na década de 1960, ele tornou-se o Intendente da Volksbühne' muitas vezes trabalham com Heiner Müller.

Depois de 1975, muitos artistas deixaram a República Democrática Alemã, devido ao aumento da censura. Uma cena teatral paralelo surgiu, criando teatro "fora de Berlim", no qual artistas desempenhado pelo provincial teatros. Por exemplo Sodann Pedro fundou o "Teatro Novo" (Neues Theather) em Halle an der Saale e Frank Castorf no teatro Anklam. O teatro e o cabaret tinham um elevado estatuto na República Democrática Alemã, o que permitia aos artistas serem muito pró-ativos. Isso trouxe muitas vezes confrontos com o Estado.[necessário esclarecer] O Friedrichstadt-Palast em Berlim é o último grande edifício magnífico que foi construído na RDA.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Frank Beyer, um dos mais conhecidos cineastas da Alemanha Oriental

Na República Democrática Alemã, a indústria cinematográfica foi muito ativa. Os principais grupos de produções de filmes foram a DEFA , a Deutsche Film AG, que foi subdividida em diferentes grupos locais, por exemplo Gruppe Berlim, Gruppe Johannisthal e Gruppe Babelsberg ou, quando as equipes locais gravavam e produziam filmes. A indústria cinematográfica da República Democrática Alemã tornou-se conhecida mundialmente pela sua produção, especialmente pelos filmes infantis (Das Kalte Herz, filme dos irmãos Grimm e modernas produções, como Das Schulgespenst). O filme de Frank Beyer, "Jakob der Lugner" (Jacob, o mentiroso, fala sobre a perseguição aos judeus no Terceiro Reich) e "FÜNF Patronenhülsen" ("Cinco reservatórios para balas") de resistência contra o fascismo, tornou-se internacionalmente famoso. Filmes sobre os problemas da vida cotidiana, tais como "Die Legende von und Paul Paula" (dirigido por Heiner Carow) e "Solo Sunny" (dirigido por Konrad Wolf e Wolfgang Kohlhaase) também foram muito populares.

A indústria cinematográfica teve produção notável no leste, ou filmes estilo velho oeste. Índios nestes filmes frequentemente tomaram o papel das pessoas deslocadas que lutam pelos seus direitos, em contraste com o cinema western americano da época, onde os índios eram frequentemente retratados como vilões ou mesmo não mencionados. Iugoslavos frequentemente desempenhavam papéis de índios, devido ao pequeno número de pessoas com tipo físico adequado ao papel na Europa Oriental. Gojko Mitić era bem conhecido nestas funções, muitas vezes tocando o justo, profundo e encantador chefe ("Die Söhne der Grossen Barin", dirigido por Josef Mach). Ele se tornou um chefe honorário sioux quando visitou os Estados Unidos na década de 1990 e a equipe que o acompanhava na televisão mostraram filmes seus a uma tribo americana. O ator e cantor americano Dean Reed, um expatriado que viveu na Alemanha Oriental, também estrelou em vários filmes. Estes filmes faziam parte do fenómeno da Europa produzir filmes alternativos. Por causa da censura, uma boa quantidade de filmes foram proibidos nessa época. Os exemplos são "Spur der Steine" (dirigido por Frank Beyer) e "Der geteilte Himmel" (dirigido por Konrad Wolf).

Nos cinemas na Alemanha Oriental também passaram filmes estrangeiros. Filmes checoslovacos e polacos foram mais comuns, mas também alguns filmes ocidentais foram mostrados, esses em número limitado pelo custo para comprar as licenças. Além disso, os filmes que representavam ou glorificavam ideologia capitalista não foram comprados. Comédias tinham grande popularidade, como o dinamarquês "Olsen Gang" ou filmes com o comediante francês Louis de Funès.

Esportes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Futebol na Alemanha Oriental
A Seleção Alemã-Oriental de Futebol em um jogo em junho de 1974

A Alemanha Oriental teve muito sucesso nos esportes de ciclismo, levantamento de peso, natação, ginástica artística, atletismo, boxe, patinação no gelo e esportes de inverno. O sucesso é atribuído à liderança do Dr. Manfred Hoeppner, que começou no final dos anos 1960.[40]

Outro motivo de apoio foi o doping na Alemanha Oriental, especialmente com esteróides anabolizantes, as substâncias dopadas mais detectadas em laboratórios credenciados pelo COI por muitos anos.[41][42] O desenvolvimento e a implementação de um programa de doping esportivo apoiado pelo Estado ajudaram a Alemanha Oriental, com sua pequena população, a se tornar líder mundial no esporte durante as décadas de 1970 e 1980, conquistando um grande número de medalhas e recordes olímpicos e mundiais.[43][44]

Legado[editar | editar código-fonte]

Margot Honecker, ex-Ministra da Educação da Alemanha Oriental, disse:

Nesse Estado, cada pessoa tinha um lugar. Todas as crianças puderam frequentar a escola gratuitamente, receberam treinamento vocacional ou estudaram e tiveram um emprego garantido após o treinamento. O trabalho era mais do que apenas um meio de ganhar dinheiro. Homens e mulheres recebiam pagamento igual por trabalhos e desempenhos iguais. A igualdade para as mulheres não estava apenas no papel. Cuidar de crianças e idosos era a lei. A assistência médica era gratuita e as atividades culturais e de lazer eram acessíveis. A segurança social era uma questão de disciplina. Não conhecíamos mendigos ou sem-teto. Havia um senso de solidariedade. As pessoas se sentiam responsáveis não apenas por si mesmas, mas trabalhavam em vários órgãos democráticos com base em interesses comuns.[45]

Em contraste, o historiador alemão Jürgen Kocka em 2010 resumiu o consenso acadêmico mais recente:

A conceituação da RDA como uma ditadura tornou-se amplamente aceita, apesar do significado conceitual de ditadura varie. Foram coletadas evidências maciças que comprovam o caráter repressivo, antidemocrático, iliberal e não pluralista do regime da RDA e de seu partido no poder.[46]

Ostalgie[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ostalgie
Venda de camisetas da RDA em Berlim

Muitos alemães orientais inicialmente consideraram positiva a dissolução da RDA.[47] Mas essa reação logo azedou.[48] Os alemães ocidentais costumavam agir como se tivessem "vencido" e os alemães orientais "perdido" na unificação, levando muitos alemães orientais (Ossis) a ressentir-se dos alemães ocidentais (Wessis).[49] Em 2004, Ascher Barnstone escreveu: "Os alemães orientais se ressentem da riqueza dos alemães ocidentais; os alemães ocidentais veem os alemães orientais como oportunistas preguiçosos que não querem nada por nada. Os alemães orientais acham os wessis arrogantes e teimosos; os alemães ocidentais pensam que os ossis são preguiçosos."[50]

A unificação e as políticas federais subsequentes levaram a graves dificuldades econômicas para muitos alemães orientais que não existiam antes da Wende. O desemprego e a falta de moradia, que haviam sido mínimos durante a era comunista, cresceram e rapidamente se espalharam; isso, assim como o fechamento de inúmeras fábricas e outros locais de trabalho no leste, promoveu uma sensação crescente de que os alemães orientais estavam sendo ignorados ou negligenciados pelo governo federal. Além disso, muitas mulheres da Alemanha Oriental acharam o ocidente mais atraente e deixaram a região para nunca mais voltar, deixando para trás uma classe inferior de homens com baixa escolaridade e sem emprego.[51]

Esses e outros efeitos da unificação levaram muitos alemães orientais a começarem a se considerar mais fortemente como alemães "orientais" do que como "alemães". Em muitos ex-cidadãos da RDA, isso ansiava por alguns aspectos da antiga Alemanha Oriental, como pleno emprego e outros benefícios relacionados à Alemanha Oriental, denominados "Ostalgie" (uma mistura entre Ost "leste" e Nostalgia "nostalgia")[52] e retratados no filme Wolfgang Becker Good Bye Lenin!.[53]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Patrick Major, Jonathan Osmond, The Workers' and Peasants' State: Communism and Society in East Germany Under Ulbricht 1945–71, Manchester University Press, 2002, ISBN 9780719062896
  2. Karl Dietrich Erdmann, Jürgen Kocka, Wolfgang J. Mommsen, Agnes Blänsdorf. Towards a Global Community of Historians: the International Historical Congresses and the International Committee of Historical Sciences 1898–2000. Berghahn Books, 2005, pp. 314. ("However the collapse of the Soviet empire, associated with the disintegration of the Soviet satellite regimes in East-Central Europe, including the German Democratic Republic, brought about a dramatic change of agenda.")
  3. «Thousands rally in East Germany». Eugene Register-Guard. Associated Press. 29 de outubro de 1989. p. 5A 
  4. Grix, Jonathan; Cooke, Paul (2003). East German Distinctiveness in a Unified Germany. [S.l.: s.n.] p. 17. ISBN 978-1902459172 
  5. Peter E. Quint. The Imperfect Union: Constitutional Structures of German Unification. Princeton University Press, 2012, pp. 125–126.
  6. «Sarasota Herald-Tribune». Consultado em 21 de novembro de 2019 – via Google News 
  7. «Toledo Blade». Consultado em 21 de novembro de 2019 – via Google News 
  8. «The Victoria Advocate». Consultado em 21 de novembro de 2019 – via Google News 
  9. «Victimized East Germans seek redress». St. Petersburg Times. 11 de setembro de 1990 
  10. «More Than 1,100 Berlin Wall Victims». Deutsche Welle. 9 de agosto de 2005. Consultado em 8 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2017 
  11. Geoffrey Pridham, Tatu Vanhanen. Democratization in Eastern Europe Routledge, 1994. ISBN 0-415-11063-7 pp. 135
  12. BBC-Report
  13. «East Germany: country population». Populstat.info. Consultado em 28 de março de 2010. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2010 
  14. "In the period between the Second World War and 1961, a total of 3.8 million people emigrated from East to West Germany." Laar, M. (2009). "The Power of Freedom. Central and Eastern Europe after 1945." Centre for European Studies, p. 58. «Archived copy» (PDF). Consultado em 5 de abril de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 11 de novembro de 2013 
  15. «Germany Population – Historical Background». Country-studies.com. Consultado em 28 de março de 2010. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2009 
  16. Destatis.de Arquivado em 13 de agosto de 2009 no Wayback Machine. page 17
  17. Mary Fulbrook, "The Limits Of Totalitarianism: God, State and Society in the GDR," Transactions of the Royal Historical Society, Jan 1957, Vol. 7 Issue 1, pp 25–52
  18. de Silva, Brendan (2000). «The Protestant Church and the East German State: an organisational perspective». In: Cooke, Paul; Grix, Jonathan. East Germany: Continuity and Change. Col: German Monitor, 46. Amsterdam: Rodopi B.V. pp. 104–105. ISBN 9789042005792. Consultado em 21 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 3 de junho de 2016. 'The SED will refrain from talks with the churches, since it must be seen as an "atheistic party against the Church". Thus, negotiations must be led by the State, which is understood to be non-partisan, namely by the state Secretary for Church Affairs. But decisions on Church policies are to be made exclusively "in the party" [...].' 
  19. Paul Tillich. Christianity and the Encounter of the World Religions (New York: Columbia University Press, 1963), p. 20.
  20. Fulbrook, "The Limits Of Totalitarianism: God, State and Society in the GDR"
  21. David P. Conradt, The German Polity (2008) p. 20
  22. Eric D. Weitz, Creating German Communism, 1890–1990: From Popular Protests to Socialist State. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1997
  23. Detlef Samberg: Samberg.de: Die Nationale Volksarmee Stand: 1989, 25 de setembro de 2008
  24. Trainor, Bernard E. (8 de novembro de 1988). «East German Military: Warsaw Pact's Finest». The New York Times. Consultado em 31 de julho de 2018. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2018 
  25. «Die Nationale Volksarmee und die Grenztruppen der Deutschen Demokratischen Republik Ende 1988» (PDF). relkite.com. Alterfritz. Consultado em 5 de fevereiro de 2017 
  26. Mark Allinson, Politics and Popular Opinion in East Germany 1945–1968 (2000) ch 1
  27. Schnoor, Rainer. «The Good and the Bad America: Perceptions of the United States in the GDR». The United States and Germany in the Era of the Cold War, 1945-1990: A Handbook. 1. [S.l.: s.n.] pp. 618–26 
  28. Thomas Adam (2005). Germany and the Americas: Culture, Politics, and History; a Multidisciplinary Encyclopedia. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 1067. ISBN 9781851096282. Consultado em 14 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 6 de maio de 2016 
  29. a b Herf, Jeffrey (2016). Undeclared Wars with Israel: East Germany and the West German Far Left, 1967–1989. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9781107089860 
  30. Herf, Jeffrey (2014). «'At War with Israel': East Germany's Key Role in Soviet Policy in the Middle East». Journal of Cold War Studies. 16 (2): 129–163. doi:10.1162/JCWS_a_00450 
  31. Laqueur, Walter (1968). The Road to Jerusalem: The Origins of the Arab-Israeli Conflict, 1967. [S.l.]: Macmillan. p. 215. ISBN 978-0025683600 
  32. «The GDR and the PLO: East Germany's Palestine Policy». Consultado em 28 de abril de 2018. Cópia arquivada em 5 de maio de 2018 
  33. Norman M. Naimark. The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945–1949. Harvard University Press, 1995. ISBN 0-674-78405-7 pp. 167–9.
  34. «Business America. (27 de fevereiro de 1989). German Democratic Republic: long history of sustained economic growth continues; 1989 may be an advantageous year to consider this market – Business Outlook Abroad: Current Reports from the Foreign Service.». Business America. 1989. Consultado em 2 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2007 
  35. Boroch, Wilfried (1996), "Social policy as an institutional transformation problem", Transition Economies, Volume 31, Number 3, pp. 139-146.
  36. Jonathan R. Zatlin, The Currency of Socialism: Money and Political Culture in East Germany (2007)
  37. The shortest history of Germany, James Hawes (2018), federal office of political education [23rd Junho de 2009]
  38. Sperlich, Peter W. (2006). Oppression and Scarcity: The History and Institutional Structure of the Marxist-Leninist Government of East Germany and Some Perspectives on Life in a Socialist System. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. p. 191. ISBN 9780275975654. Consultado em 14 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 16 de maio de 2016 
  39. «Ich liebe Thüringen, ich liebe Deutschland» (em alemão). Consultado em 20 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2017 
  40. Helmstaedt, Karin (19 de julho de 2000). «East German Doping Trial». The Globe and Mail. Berlim. Consultado em 5 de setembro de 2019 
  41. Hartgens and Kuipers (2004), p. 515
  42. Kicman AT; Gower DB (Julho de 2003). «Anabolic steroids in sport: biochemical, clinical and analytical perspectives». Annals of Clinical Biochemistry. 40 (Pt 4): 321–56. PMID 12880534. doi:10.1258/000456303766476977. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012 
  43. Fontes:
  44. Fontes:
  45. Interview with the GDR’s Margot Honecker — 'The past was brought back' Arquivado em 21 de dezembro de 2015 no Wayback Machine., Workers World, 16 de novembro de 2015
  46. Kocka, Jürgen, ed. (2010). Civil Society & Dictatorship in Modern German History. [S.l.]: UPNE. p. 37. ISBN 9781584658665. Consultado em 14 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 20 de março de 2015 
  47. Martin Blum, "Remaking the East German Past: 'Ostalgie,' Identity, and Material Culture," Journal of Popular Culture, Winter 2000, Vol. 34 Issue 3, pp. 229–54.
  48. Naughton, Leonie (2002). That Was the Wild East: Film Culture, Unification, and the "New" Germany. [S.l.]: U. of Michigan Press. p. 14. ISBN 978-0472088881. Consultado em 14 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 21 de maio de 2016 
  49. Bickford, Andrew (2011). Fallen Elites: The Military Other in Post-Unification Germany. [S.l.]: Stanford U.P. p. 10. ISBN 9780804773966. Consultado em 14 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 27 de abril de 2016 
  50. Barnston, Ascher (2005). The Transparent State: Architecture and Politics in Postwar Germany. [S.l.]: Psychology Press. p. 92. ISBN 9780203799888. Consultado em 14 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 7 de maio de 2016 
  51. Connolly (2007). «Educated women leave east German men behind». The Guardian. Consultado em 16 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2018 
  52. Berdahl, Daphne (1999), Ostalgie for the Present: Memory, Longing and East German Things, in Ethnos (pdf)
  53. «GOOD BYE, LENIN! (2003)». BFI (em inglês). Consultado em 3 de outubro de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Allinson, Mark. Politics and Popular Opinion in East Germany 1945–68 (2000)
  • Augustine, Dolores. Red Prometheus: Engineering and Dictatorship in East Germany, 1945–1990. (2007) 411pp
  • Baylis, Thomas A., David H Childs and Marilyn Rueschemeyer, eds.; East Germany in Comparative Perspective, Routledge. 1989
  • Berger, Stefan, and Norman LaPorte, eds. The Other Germany: Perceptions and Influences in British-East German Relations, 1945–1990 (Augsburg, 2005).
  • Berger, Stefan, and Norman LaPorte, eds. Friendly Enemies: Britain and the GDR, 1949–1990 (2010) online review
  • Berghoff, Hartmut, and Uta Andrea Balbier, eds. The East German Economy, 1945–2010: Falling Behind Or Catching Up? (Cambridge UP, 2013).
  • Betts, Paul. Within Walls: Private Life in the German Democratic Republic, Oxford: Oxford UP, 2013
  • Childs, David H.. The Fall of the GDR, Longman Personed.co.uk, 2001. ISBN 978-0-5823-1569-3, ISBN 0-582-31569-7
  • Childs, David H.. & Richard Popplewell. The Stasi: East German Intelligence and Security Service, Palgrave Macmillan Palgrave.com, Amazon.co.uk 1996.
  • Childs, David H.. The GDR: Moscow's German Ally, George Allen & Unwin, 1983. ISBN 0-04-354029-5, ISBN 978-0-04-354029-9.
  • Childs, David H.. The Two Red Flags: European Social Democracy & Soviet Communism Since 1945, Routledge, 2000. Informaworld.com
  • De La Motte and John Green, "Stasi State or Socialist Paradise? The German Democratic Republic and What became of it", Artery Publications. 2015
  • Fulbrook, Mary. The People's State: East German Society from Hitler to Honecker (Yale University Press, 2005). 352 pp. ISBN 0-300-10884-2.
  • Fulbrook; Mary. Anatomy of a Dictatorship: Inside the GDR, 1949–1989 (Oxford University Press, 1995).
  • Fulbrook, Mary and Andrew I. Port, eds., Becoming East German: Socialist Structures and Sensibilities after Hitler (New York and Oxford: Berghahn, 2013).
  • Gray, William Glenn. Germany's Cold War: The Global Campaign to Isolate East Germany, 1949–1969 (U of North Carolina Press, 2003). online
  • Grieder, Peter. The German Democratic Republic (Palgrave Macmillan, 2012), scholarly history.
  • Grix, Jonathan. The Role of the Masses in the Collapse of the GDR Macmillan, 2000
  • Heitzer, Heinz (1981). GDR: An Historical Outline. Dresden: Zeit im Bild. OCLC 1081050618 
  • Jarausch, Konrad H., and Eve Duffy; Dictatorship as Experience: Towards a Socio-Cultural History of the GDR (Berghahn Books, 1999).
  • Kupferberg, Feiwel. The Rise and Fall of the German Democratic Republic (2002) 228pp; online review
  • McAdams, A. James. "East Germany and Detente" (Cambridge UP, 1985).
  • McAdams, A. James. "Germany Divided: From the Wall to Reunification" (Princeton UP, 1992 and 1993).
  • McCauley, Martin (1983). The German Democratic Republic since 1945. [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 978-0-333-26219-1 
  • McLellan, Josie. Love in the Time of Communism: Intimacy and Sexuality in the GDR. (Cambridge UP, 2011).
  • Major, Patrick, and Jonathan Osmond, eds. The Workers' and Peasants' State: Communism and Society in East Germany under Ulbricht 1945–71 (Manchester University Press, 2002), 272 pp.
  • Naimark, Norman M. The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945–1949 (1997) excerpt and text search
  • Pence, Katherine and Paul Betts. Socialist Modern: East German Everyday Culture and Politics, Ann Arbor: University of Michigan Press, 2008
  • Port, Andrew I. Conflict and Stability in the German Democratic Republic Cambridge University Press, 2007.
  • Pritchard, Gareth, The Making of the GDR 1945–53: From Antifascism to Stalinism (2000)
  • Steiner, André. The Plans That Failed: An Economic History of East Germany, 1945–1989 (2010)
  • Sarotte, Mary Elise. Collapse: The Accidental Opening of the Berlin Wall, New York: Basic Books, 2014
  • Spilker, Dirk. The East German Leadership and the Division of Germany: Patriotism and Propaganda 1945–1953. (2006). online review
  • Staff writer (1986). The German Democratic Republic. Dresden: Zeit im Bild: Dresden: Zeit im Bild. OCLC 221026743 
  • Stokes, Raymond G. Constructing Socialism: Technology and Change in East Germany, 1945–1990 (2000)
  • Zatlin, Jonathan R. The Currency of Socialism: Money and Political Culture in East Germany. (2007). 377 pp. online review

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alemanha Oriental