República Galáctica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblema oficial da Velha Republica

A República Galáctica é um estado fictício democrático intergaláctico do universo Star Wars que compreende variados sistemas planetários. A República dominou a Galáxia por séculos até 19 BBY, quando deu lugar ao maléfico Império Galáctico, até ser restaurada pela Aliança Rebelde que também restaurou o Senado Galáctico. Seu primeiro período (Velha Republica) foi marcado por um Governo justo e pacífico e pela aliança com a Ordem Jedi[1] . Seu segundo período (Nova Republica) foi marcado pela política justa e pacifica de desarmamento[2] .

História[editar | editar código-fonte]

VELHA REPÚBLICA[editar | editar código-fonte]

A República Galáctica foi formada em 25.000 BBY quando a primeira Constituição Galáctica foi formulada em Coruscant unindo, assim, vários sistemas planetários pacíficos. Desde então Coruscant é tido como o planeta natal dos Humanos e o planeta mais poderoso de toda a história da Galáxia.

Depois que a Ordem Sith parecia ter sido eliminada, a República criou o Senado Galáctico para regulamentar as leis de forma democrática e a Ordem Jedi para assegurar a paz em todos os sistemas.

Anos mais tarde, a República viria a cair através de uma conspiração que começou com a invasão de Naboo pela Federação do Comércio que após ser derrotada inicia um movimento separatista contra Guerras Clônicas chamadas assim porque o exército da República era composto por clones encomendados por Sifo-Dyas que previu um conflito em larga escala se aproximando, mas é expulso do Conselho Jedi. Então secretamente comissiona os Kaminoanos para criar um exército de clones paraa República.[3]

Três anos mais tarde o Chanceler Palpatine revela ao Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker ser Darth SIdious, o Sith que conspira contra a República e aos poucos converte-o ao lado sombrio tornando-o seu aprendiz e usando o incidente com o Jedi Mace Windu para se fazer de vítima e expurgar os Jedi com a Ordem 66. Mais tarde ele proclama diante do Senado a Reorganização da República que dará lugar ao Império Galáctico e ordenando a construção de uma arma de destruição em massa, a Estrela da Morte.

Nos anos posteriores o Império enfrenta a Aliança Para Restauração da República na Guerra Civil Galáctica até 4 ABY quando a Segunda Estrela da Morte foi destruída junto com o Imperador Palpatine e seu servo Darth Vader durante a Guerra Civil Galáctica.

NOVA REPÚBLICA[editar | editar código-fonte]

Um ano depois, a República havia sido restaurada pela Aliança e as Forças Imperiais haviam decaído consideravelmente, mais foi no remoto planeta de Jakku que o Império deu seu ultimo suspiro durante uma batalha mortal entre as forças imperiais e a Nova República com uma vitória da Republica. Os restos do Império assinaram um tratado de paz, a Concordância Galáctica, que lhe impusera duras penas, pondo fim a Guerra Civil Galáctica.

Mas os remanescentes do Império se juntaram para formar uma nova aliança militar que foi chamada de Primeira Ordem, cujo principais objetivos eram caçar e destruir os Jedi, destruir a Republica e restaurar o Império.

Cerca de 30 anos após a batalha de Endor (ou 33 ABY), a Primeira Ordem havia crescido muito, mas o Senado Galáctico não achava que remanescentes do Império eram ameaça à Galáxia dizendo que enquanto eles mantivessem sua parte da Concordância Galáctica, não havia nada com que se preocupar. Mas isso foi até a hora em que a Primeira Ordem decidiu usar sua mais nova arma de destruição em massa, a Starkiller, um canhão instalado em um planeta gelado que se recarrega da energia absolvida de estrelas próximas e dispara um raio mortal capaz de destruir sistemas estelares inteiros, e com ela destruiu o sistema que sediava o Senado e a frota da Republica, Hosnian Prime numa tentativa de minar a Republica[2] [4] .

A República e os Jedi[editar | editar código-fonte]

Durante seu primeiro período, a República se afiliou com os Jedi. Os Jedi eram encarregados de manter e assegurar a paz em todos os lugares da República, transmitindo um certo poder diplomático aos republicanos. Durante a era de ouro da República, Yoda e Mace Windu assumiram o papel de líderes da Ordem Jedi e se caracterizaram como os mais influentes Jedi a fazerem parte do Conselho Jedi.[1]

Na Nova Republica, não houve relações entre os Jedi e o Senado, já que a Ordem estava reduzida a um único Mestre Jedi, Luke Skywalker, e sua academia que logo foi destruída numa tragédia[5] [6] .

Exército[editar | editar código-fonte]

Durante quase todo o período de duração, a República desenvolveu um fortíssimo poder bélico, porém, durante os primeiros anos, os republicanos recusaram criar um Exército para proteger aliança galáctica. Essa atitude é tida como uma tentativa de reforçar os ideais de paz proclamados pela República. Em contrapartida, os republicanos se afiliaram aos Cavaleiros Jedi, que se mostraram hábeis protetores da paz em todo o Universo.

Apesar de a República se mostrar como defensora da paz, algumas instituições ligadas aos republicanos como, por exemplo, a Federação de Comércio possuem seus exércitos particulares para proteger os seus membros.

Porém, como foi previsto pelos Jedi, a paz na República entrou em colapso durante a Guerra dos Clones, conflito que ficou conhecido como o mais violento e sanguinário de todos os tempos. Pouco antes da Guerra dos Clones, o mestre Obi-Wan Kenobi descobriu o Exército dos Clones, um exército constituído por milhares de clones de um caçador de recompensas chamado Jango Fett produzidos para servir a República.

Sob as orientações de Mestre Yoda, o Conselho Jedi desfrutou do efectivo dos Clones para lutar na tenebrosa Guerra dos Clones. Algum tempo depois do início das Guerras Clônicas, Palpatine fez os Clones se rebelarem contra a República, massacrando e perseguindo milhares de Jedi.

Durante seu segundo período, a República manteve uma política intensa de desarmamento, em nome da paz, reduzindo seu poder bélico à uma Frota apenas. Isso a deixou vulnerável à organizações militares como a Primeira Ordem que evidentemente estava em busca do controle da Galáxia. Essa fragilidade ficou clara quando a Primeira Ordem disparou a Starkiller em Hosnian Prime, num ataque a República.

A Capital[editar | editar código-fonte]

Na Velha Republica, a capital do governo e sede do Senado era o planeta Coruscant[1] .

Na Nova Repubica, a capital do governo era definida por uma eleição, que acontecia junto com as eleições para Chanceler , ou seja, sua capital era rotativa. Inicialmente, o planeta Chandrila serviu como a capital do governo e da sede do Senado Galáctico, mais tarde, seria transferida para o planeta Hosnian Prime, até sua destruição pela Base Starkiller da Primeira Ordem em Star Wars: O Despertar da Força.

  1. a b c «Galactic Republic». StarWars.com. Consultado em 2016-01-21. 
  2. a b «The New Republic». StarWars.com. Consultado em 2016-01-21. 
  3. «Linha do tempo da história da galáxia segundo o Cânon». Sociedade Jedi. 2015-11-02. Consultado em 2016-07-12. 
  4. ferskywalker, Por. «As questões políticas que ‘O Despertar da Força’ não respondeu». Sociedade Jedi. Consultado em 2016-01-21. 
  5. «Luke Skywalker». StarWars.com. Consultado em 2016-01-21. 
  6. «'Star Wars: o despertar da Força': veja análise com spoilers das surpresas». Cinema. Consultado em 2016-01-21.