República Unida da Suvadiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
República Unida da Suvadiva

Ilhas Suvadivas

Estado não reconhecido

Flag of the Maldives 1953.png
1959 — 1963 
Flag of the Maldives 1953.png
Bandeira   Escudo
Bandeira Escudo
Continente Ásia
Região sul da Asia
Capital Hithadhoo
País atual Maldivas

Religião Islã

Forma de governo República
•    Abdullah Afeef Didi

Período histórico Guerra Fria
• 3 de janeiro de 1959  Independência declarada; Revolta separatista republicana
• 23 de setembro de 1963  Capitulação e unificação com as Maldivas

A República Unida da Suvadiva ou República Unida das Suvadivas (dhivehi: އެކުވެރި ސުވާދީބު ޖުމްހޫރިއްޔާ) foi um país não reconhecido internacionalmente que existiu por um breve período, formado por um grupo de separatistas republicanos na parte sul do arquipélago das Maldivas, especificamente nos atóis de Addu, Huvadu e Fuahmulah.[1] As Suvadivas declararam a independência do Sultanato das Maldivas (à época um protetorado britânico) em 3 de janeiro de 1959 e capitularam, juntando-se ao restante das Maldivas, em 23 de setembro de 1963, através de uma transferência de poder para o governo central de Malé.

Originalmente, "Suvadive" (dhivehi: ސުވާދީބު) era um antigo nome para os três atóis mais meridionais do arquipélago, derivado de um nome para o maior dos três, o atol de Huvadhu. [2] No início do século XVII, o navegador francês François Pyrard referiu-se a Huvadhu como "Suadou".[3]

A secessão das Suvadivas ocorreu dentro do contexto da luta pelo surgimento das Maldivas como uma nação moderna ainda aprisionada a estruturas feudais e autocráticas. As causas alegadas foram as políticas centralistas do governo das Maldivas e a recente independência de seus vizinhos, Índia e Ceilão. Inicialmente Suvadiva foi protegida pelos britânicos, mas estes deixariam a república abandonada à sua própria sorte. As Maldivas seriam forçadas a retornar o controle das ilhas, quando Ibrahim Nasir invadiu os ilhéus de Thinadhoo usando força excessiva, despovoando a região e destruindo todas as propriedades. [4][5]

Referências

  1. Helen Chapin Metz. «History». Maldives: A Country Study 
  2. «www.maldivesculture.com». Consultado em 15 de novembro de 2018. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2006  |archive-url= e |arquivourl= redundantes (ajuda); |archive-date= e |arquivodata= redundantes (ajuda)
  3. The voyage of Francois Pyrard of Laval to the East Indies, the Maldives, the Moluccas and Brazil, v.1
  4. «"We could have done better:" conversations with an independence hero». Maldives Independent. 26 de julho de 2015 
  5. «PARADISE WITH HELL'S FURORE». Maldives Times. 25 de agosto de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre as Maldivas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.