Coreia do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de República da Coreia)
Ir para: navegação, pesquisa
대한민국
大韓民國
(Daehan-Minguk)

República da Coreia
Bandeira da Coreia do Sul
Armas Nacionais
Bandeira Brasão de armas
Lema: 널리 인간세상을 이롭게 하라 (홍익인간)
"Beneficiar todos os homens"
Hino nacional: Aegukga
Gentílico: sul-coreano

Localização do Coreia do Sul

Localização da Coreia do Sul
Capital Seul
Cidade mais populosa Seul[1]
Língua oficial Coreano
Governo República presidencialista
 - Presidente Moon Jae-in
 - Primeiro-ministro Lee Nak-yeon
Independência do Império do Japão 
 - Declarada 1 de março de 1919 
 - Governo provisório 13 de abril de 1919 
 - Liberação 15 de agosto de 1945 
 - Constituição 17 de julho de 1948 
 - Governo proclamado 15 de agosto de 1948 
Área  
 - Total 99 720[2] km² (108.º)
 - Água (%) 0,3
 Fronteira com a Coreia do Norte
População  
  48 636 068[2] hab. (26.º)
 - Densidade 493 hab./km² (12.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 1 789 trilhão *[3] (12.º)
 - Per capita US$ 35 485[3] (26.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 1 449 trilhão *[3] (15.º)
 - Per capita US$ 28 738[3] (32.º)
IDH (2015) 0,901 (18.º) – muito elevado[4]
Gini (2007) 31,3[5]
Moeda Won (KRW)
Org. internacionais ONU (OMC)
Cód. ISO KR
Cód. Internet .kr
Cód. telef. +82

Mapa do Coreia do Sul

Coreia do Sul, oficialmente República da Coreia (também conhecida somente como Coreia) (em coreano: 대한민국;大韓民國; transl.: Daehan Minguk, AFI[tɛː.han.min.guk̚]), é um país da Ásia Oriental, localizado na parte sul da Península da Coreia. Sua única fronteira terrestre é com a Coreia do Norte, com a qual formou apenas um país até 1945. Faz fronteira a leste com o Mar do Japão, a sul com o Estreito da Coreia, que o separa do Japão, e a oeste com o Mar Amarelo. Seu território compreende a metade sul da península coreana, englobando cerca de três mil ilhas que a rodeiam, dentre as quais se destacam Jeju, Ulleungdo e os Rochedos de Liancourt. A capital e maior cidade do país é Seul, cuja área metropolitana é a segunda mais populosa do mundo (atrás apenas da área metropolitana de Tóquio, no Japão).[6]

A Coreia é uma das civilizações mais antigas do mundo.[7] Investigadores arqueológicos afirmam que a península foi ocupada desde o Paleolítico Inferior. Através do tempo, a história da Coreia tem sido turbulenta com numerosas guerras, incluindo invasões tanto chinesas quanto japonesas. Desde o estabelecimento da república moderna em 1948, a Coreia do Sul debateu-se com sequelas de conflitos bélicos, como a Guerra da Coreia (1950-1953), e décadas de governos autoritários. Apesar de ser oficialmente uma democracia de estilo ocidental desde a fundação da república, as eleições presidenciais sofreram grandes irregularidades que só terminaram em 1987, quando ocorreram as primeiras eleições diretas e o país passou a ser considerado como uma democracia multipartidária.

Sua economia tem crescido rapidamente desde a década de 1950. Hoje em dia, é a 13ª maior economia do mundo (por PIB PPA)[3] e está classificado como um dos países mais desenvolvidos do mundo pela Nações Unidas, pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).[8][9][10] Também se encontra entre os países mais avançados tecnologicamente e um dos melhores em comunicações;[11] é o terceiro país com o maior número de usuários de Internet de banda larga entre os países-membros da OCDE, sendo também um dos líderes globais na produção de aparelhos eletrônicos, como dispositivos semicondutores e telefones celulares.[12] Também conta com uma das infraestruturas mais avançadas do mundo,[13] e é o líder da indústria de construção naval, encabeçada por companhias proeminentes, entre elas a Hyundai Heavy Industries.

Etimologia

Hangul, hanja.png Este artigo contém texto em coreano.
Sem suporte multilingue apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de hangul ou hanja.

No idioma coreano, a Coreia do Sul é chamada de Daehan Min-guk[14] (em coreano: 대한민국, Hanja: 大 (grande) 韓 (Han, nome em chinês) 民國 (povo, nação), literalmente "O grande povo de Han" ou "A grande nação de Han") Hanguk em sua forma curta (한국, "País de Han", utilizado para referir-se à Coreia como um todo) o Namhan (남한;南韓, "A nação do sul", para se referir à Coreia do Sul especificamente). O nome Han é datado das antigas Confederações Samhan da era dos Três Reinos da Coreia. Em português, assim como na maioria das línguas ocidentais, a nação é muitas vezes referida como Coreia. Esta palavra deriva da Dinastia Goryeo, a qual adotou seu nome em referência ao mais antigo Reino de Koguryŏ.[15]

História

Antes da divisão

Ver artigo principal: História da Coreia
Jikji, o primeiro livro impresso em uma tipografia (imprensa) com móveis metálicos, em 1377, 62 anos antes da imprensa de Gutenberg.[16]
O palácio de Gyeongbok é o maior dos cinco grandes palácios construídos durante a dinastia Joseon.

Acredita-se que os primeiros habitantes da Coreia chegaram há aproximadamente 500 mil anos.[15][17] De acordo com a tradição, no ano 2 333 a.C., Tangun (também chamado Dangun), fundou a dinastia Chosŏn (chamado frequentemente de Gojoseon para evitar a confusão com a dinastia do século XIV de mesmo nome).[18]

A antiga Coreia passou a albergar uma série de cidades-estado em constantes guerras, que apareciam e desapareciam constantemente. Contudo, três reinos, Baekje, Silla e Koguryo, fortaleceram-se e dominaram a cena histórica da Coreia por mais de duzentos anos, no período conhecido como "os Três Reinos da Coreia".[19] Em 676 d.C., Silla unificou com sucesso quase todo o território coreano, com exceção do reino de Balhae. O domínio destes reinos, sobretudo a Coreia e parte da Manchúria, deu origem ao período dos estados Norte e Sul.[20]

Em 918, o general Wang Geon fundou o reino de Goryeo (ou Koryŏ, de onde provém o nome Coreia). No século XIII, a invasão e dominação dos mongóis debilitou este reino. Depois de quase trinta anos, o reino conservou o domínio sobre o território da Coreia, ainda que, na realidade, era um estado tributário dos mongóis. A queda do Império Mongol foi seguida uma série de lutas políticas e, após a rebelião do general Yi Seong-gye em 1388, a dinastia Goryeo foi substituída pela dinastia Joseon.[18]

Entre 1592 e 1598, os japoneses invadiram a Coreia, depois da dinastia Joseon ter negado a passagem ao exército japonês liderado por Toyotomi Hideyoshi, em sua campanha à conquista da China. A guerra só terminou quando os japoneses se retiraram após a morte de Hideyoshi. É nesta guerra que surge como herói nacional o almirante Yi Sun-sin e a popularização do famoso Navio Tartaruga.[21]

No século XVII, a Coreia foi finalmente derrotada pelos manchus e se uniu ao Império Chinês da Dinastia Qing. Durante o século XIX, graças à sua política isolacionista, a Coreia ganhou o nome de "Reino Eremita".[15] A dinastia Joseon tratou de proteger-se contra o imperialismo ocidental, mas foram obrigados a abrir suas portas para o comércio ocidental. Depois da Segunda Guerra Sino-Japonesa e da Guerra Russo-Japonesa, a Coreia passou a ser parte do domínio japonês (1910-1945).[22] No final da Segunda Guerra Mundial, as forças japonesas se renderam às forças da União Soviética, que ocuparam o norte da Coreia (atual Coreia do Norte), e dos Estados Unidos, que ocuparam a parte sul (atual Coreia do Sul).[23][24][25]

Depois da divisão

Ver artigo principal: História da Coreia do Sul

Em 1948, como consequência da divisão da península entre soviéticos e estadunidenses, surgiram duas novas entidades que permanecem até hoje: a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. No norte, um guerrilheiro antijaponês chamado Kim Il-sung obteve o poder através do apoio soviético; no sul, um político de direita, Syngman Rhee, foi nomeado como presidente.[26]

Soldados em Seul durante a Guerra da Coreia.

Em 25 de junho de 1950, a Coreia do Norte invade a Coreia do Sul, dando início à Guerra da Coreia. O Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu intervir contra a invasão com uma força liderada pelos Estados Unidos. Essa decisão só foi possível porque o delegado da União Soviética no Conselho de Segurança das Nações Unidas esteve ausente como forma de protesto pela admissão da República da China naquele órgão.[26] Por sua parte, a União Soviética e a China decidiram apoiar a Coreia do Norte, enviando efetivos militares e provisões para as tropas norte-coreanas. A guerra acabaria com baixas maciças de civis norte e sul-coreanos.[26] O armistício de 1953 dividiu a península ao longo da Zona Desmilitarizada da Coreia, traçada muito próxima à linha da demarcação original. Nenhum tratado de paz foi firmado, e tecnicamente os dois países continuaram em guerra. Estima-se que 2,5 milhões de pessoas morreram durante o conflito.[26]

Em 1960 um movimento estudantil e trabalhista (a Revolução de Abril) levou à renúncia do presidente Syngman Rhee. A este evento seguiu-se um período de instabilidade política, que culminaria com um golpe de estado um ano depois, liderado pelo general Park Chung-hee (o "5-16 coup d' état").[27] Park foi duramente criticado como um ditador sem piedade e pela repressão política ocorrida durante o seu mandato; porém, a sua economia se desenvolveu de maneira significativa, pois o regime incentivou o rápido crescimento econômico impulsionando as exportações. Park foi presidente até ser assassinado em 1979.[27]

Os anos que se seguiram após o assassinato de Park foram novamente marcados por grande agitação política, assistindo-se a múltiplas tentativas de tomada do poder presidencial por parte dos líderes da oposição anteriormente reprimidos. Em 1980, realizou-se um outro golpe de estado, liderado pelo general Chun Doo-hwan contra o governo transitório de Choi Gyuha, que ocupou o cargo de primeiro-ministro da Coreia do Sul durante o mandato de Park. Quando Chun assumiu a presidência houve protestos a nível nacional exigindo democracia e legalidade nas eleições.[27]

Namdaemun à noite. A cidade de Seul experimentou um rápido crescimento urbano durante as décadas de 1980 e 1990.

Chun e o seu governo mantiveram a Coreia do Sul sob um regime despótico até 1987, quando manifestações de trabalhadores e de grupos opositores eclodiram por todo o país. Finalmente, o partido político de Chun (Partido Democrático de Justiça) e seu líder, Roh Tae-woo, deram a conhecer a declaração de 29 de junho, que incluía as chamadas eleições diretas para eleger o novo presidente. Roh ganhou as eleições por uma estreita margem contra os dirigentes dos principais partidos políticos de oposição, Kim Dae-jung e Kim Young-sam.[27]

Em 1988 Seul organizou os Jogos Olímpicos de Verão,[28] e em 1996 continuou seu desenvolvimento econômico que levou o país à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico.[29] Como a maioria de seus vizinhos asiáticos, a economia local foi afetada pela Crise financeira asiática de 1997. Porém, o país foi capaz de se recuperar e continuar o seu crescimento e continua a ser um dos principais tigres asiáticos.[17]

Em junho de 2000 foi celebrada pelo presidente Kim Dae-jung a Declaração de Paz e Prosperidade, em Pyongyang, capital da Coreia do Norte.[2] Mais tarde, nesse mesmo ano, Kim recebeu o Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho para a democracia e os direitos humanos na Coreia do Sul e no leste asiático em geral e para a paz e reconciliação com a Coreia do Norte em particular.[30] Em 2002, Coreia do Sul e Japão foram anfitriões da Copa do Mundo. Mais tarde, as relações entre ambas as nações se deterioraram, devido ao conflito sobre a possessão dos Rochedos de Liancourt (em coreano: Dodko).[31] Em 2004, um escândalo político levou ao impeachment do presidente Roh Moo-hyun, mas ele foi absolvido e permaneceu no cargo.[32]

Protesto contra Park Geun-hye em Seul, em 29 de outubro de 2016

Em outubro de 2012, com a quase totalidade dos votos apurados, Park Geun-hye, filha do ex-presidente Park Chung-hee, foi eleita a primeira mulher presidente da história do país, com 51,6% dos votos válidos, ante 48,4% do seu adversário Moon Jae-in.[33] Em abril de 2014, o naufrágio do Sewol levou à exoneração do primeiro-ministro Chung Hong-won.[34] Em 2016, estoura uma crise política no país, após revelações de que Choi Soon-sil, amiga pessoal da presidente sul-coreana, envolvia-se nas decisões do governo mesmo sem possuir cargo público, levando ao afastamento da presidente no dia 9 de dezembro, assumindo interinamente o primeiro-ministro Hwang Kyo-ahn.[35] Em 10 de março de 2017 (data local), Park foi definitivamente afastada da presidência pela corte constitucional, tornando-se a primeira chefe de Estado e de governo na história do país a ser deposta por um processo de impeachment,[36] sendo detida três semanas depois.[37] Em 9 de maio de 2017, eleições presidenciais antecipadas deram vitória ao candidato derrotado em 2012, Moon Jae-in, empossado logo no dia seguinte.[38]

Geografia

Ver artigo principal: Geografia da Coreia do Sul
Imagem de satélite da Coreia do Sul, registrada em 2004.
Montanhas no Parque Nacional de Seorak.

A Coreia do Sul ocupa a parte sul da península da Coreia, que se estende ao longo de 1 100 km desde o continente asiático. A península montanhosa está flanqueada pelo Mar Amarelo a oeste e pelo Mar do Japão a leste. No extremo sul encontra-se o Estreito da Coreia e o Mar da China Oriental. Sua superfície territorial é de 100 032 km².[39]

O território nacional pode ser dividido em quatro regiões gerais: a região oriental de montes altos e planícies costeiras estreitas; a região ocidental com amplas planícies costeiras e bacias; a região sudoeste com montanhas e vales e a região sudeste, onde predomina a ampla bacia do Rio Nakdong.[40] O relevo é predominantemente montanhoso, e a maior parte do solo não é cultivável. As terras baixas, localizadas principalmente a oeste e a sudeste, constituem apenas 30% da área total do país.[41]

Aproximadamente três mil ilhas, em sua maioria pequenas e desabitadas, se encontram frente às costas oeste e sul. Jeju-do se encontra a aproximadamente cem quilômetros da costa sul. É a maior ilha do país, com aproximadamente 1 845 km². Em Jeju encontra-se o ponto mais alto da Coreia do Sul: Hallasan, um vulcão extinto, com 1 975 metros de altitude acima do nível do mar.[2] As ilhas mais orientais incluem Ulleungdo e os Rochedos de Liancourt (Dokdo); os locais mais a sul são Marado e o Rochedo de Socotra. Existem cerca de vinte parques nacionais, os quais, juntamente com alguns sítios naturais, gozam de grande popularidade entre os turistas, como as plantações de chá de Boseong e o parque ecológico da baía de Suncheon, na província de Jeolla do Sul.[42] Os rios principais são o Han e o Nakdong, que nascem no sistema montanhoso dos montes Taebaek. O rio Han se dirige até a costa oeste para desaguar no Mar Amarelo, enquanto que o Nakdong, mais extenso, circula na direção sul até alcançar o Estreito da Coreia.[43]

O clima predominante na Coreia do Sul é o continental.[44] Em uma curta temporada de chuvas denominada jangma, que começa em finais de junho e termina no final do mês de julho, o país é afetado por uma monção, com precipitações mais abundantes durante o verão.[45] Os invernos podem ser muito frios, com uma temperatura mínima que pode alcançar os -20 °C na parte mais setentrional do país. Em Seul, a média da temperatura varia entre -7 °C e 1 °C no inverno, enquanto ascende de 22 °C a 30 °C no verão.[46] As temperaturas são altas durante o inverno ao largo da costa sul e consideravelmente baixas em áreas montanhosas. As precipitações se concentram nos meses de verão, de junho a setembro. Na mesma época, a costa sul está sujeita a tufões que trazem ventos fortes e chuvas intensas.[2]

Flora e fauna

O Hibisco-da-síria é a flor nacional da Coreia do Sul e um dos símbolos do país.[47]

A vegetação mais abundante no país é típica de floresta decídua temperada.[48] Aí se encontram espécies vegetais de folha caduca (como o acer, o ulmeiro e o choupo) e árvores de folha persistente, como o pinheiro e o abeto.[49] Nas zonas costeiras do sul só se podem encontrar espécies distintas que não crescem no resto do país, como o bambu, o loureiro e o carvalho.[49] Os bosques cobrem cerca de dois terços do território nacional, ainda que a sua extensão se encontre em constante diminuição devido às atividades humanas.[50]

O bosque misto se caracteriza por abrigar múltiplas espécies de mamíferos grandes e pequenos, assim como uma grande quantidade de aves e insetos. Os mamíferos roedores, porcos-espinho, lebres, falcões, corujas e outras espécies de animais pequenos têm sobrevivido aos impactos humanos, que têm substituído estas espécies por animais domésticos, como cães, gatos, cavalos, entre outros.[51] Porém, grandes espécies de mamíferos, como tigres, leopardos, ursos, linces, encontram-se ameaçados de extinção, devido principalmente à constante caça e à destruição de seus habitats.[52]

Por ser uma das zonas mais vigiadas de todo o planeta e devido à restrição de acesso a todos os civis, a Zona Desmilitarizada da Coreia é um dos principais lugares naturais do país, onde se conserva uma das maiores áreas de conservação da flora e fauna nativa da região.[53] O isolamento natural de grande parte da zona (cerca de 1 000 km²) converteu-a num dos locais naturais mais bem preservados e no último refúgio de várias espécies ameaçadas.[54] Grupos de ecologistas e cientistas têm identificadas aproximadamente 2 900 espécies vegetais, 70 de mamíferos e 320 variedades de aves na zona.[54] Outras investigações realizadas acerca da região estimam que existem mais exemplares e outras espécies de regiões circundantes.[55]

Meio ambiente

Cachoeira na ilha Jeju.

Durante os primeiros vinte anos do crescimento urbano que começou em meados da década de 1970, poucos esforços foram realizados para preservar o meio ambiente.[56] A industrialização e o desenvolvimento econômico excessivos tiveram como resultado a desflorestação e a destruição contínua dos ecossistemas.[57] Recentemente têm sido realizados esforços para equilibrar estes problemas, incluindo um projeto de cinco anos denominado "crescimento verde", com um custo de 84 milhões de dólares, com o qual o governo pretende impulsionar as tecnologias e a produção de energia amigas do ambiente.[58]

Cheonggyecheon, um parque no centro de Seul, que foi restaurado após ter sido atravessado por uma autoestrada.

A estratégia econômica baseada na ecologia é uma grande viragem estratégica na economia coreana, e consome quase 2% do PIB nacional. A iniciativa da ambientalização inclui várias propostas, como uma rede nacional de ciclismo, o uso de energia solar, a diminuição de veículos que usam combustíveis fósseis e o incremento do uso de tecnologias ecológicas.[59] O país planeja construir uma rede de Internet nacional de última geração, a qual será dez vezes mais rápida que os serviços de banda larga atuais, a fim de reduzir o consumo de energia.[59]

Recentemente, a água encanada de Seul tornou-se segura para o consumo humano, pelo fa(c)to de os funcionários da cidade realizarem campanhas, como o Arisu, com a intenção de convencer o público a consumi-la.[60] Também têm sido realizadas múltiplas ações no âmbito do reflorestamento. Outro projeto multimilionário da cidade foi a restauração do Cheonggyecheon, um parque localizado no centro da capital sul-coreana, que fora anteriormente atravessado por uma autoestrada.[61] Um importante desafio para os sul-coreanos é a qualidade do ar, já que todos os anos se registam problemas como a chuva ácida e a presença de dióxido de enxofre no ar, entre outros.[56] Muitas destas dificuldades reconhecidas são o fa(c)to da proximidade do país com a República Popular da China, um dos principais poluidores da atmosfera a nível mundial.[56]

A Coreia do Sul é membro do Protocolo Ambiental da Antártida, do Tratado da Antártida, da Convenção sobre Diversidade Biológica, do Protocolo de Quioto (formando com o México e a Suíça o Grupo de Integrada Ambiental - GIA -, sob a supervisão da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima).[62] Também faz parte de vários acordos e convenções que trabalham sobre temas ambientais, tais como: a desertificação, as espécies ameaçadas de extinção, a modificação ambiental, o dejeto de materiais perigosos no ar, a proibição de testes nucleares, a preservação da camada de ozônio e a preservação de zonas úmidas.[2]

Demografia

Ver artigo principal: Demografia da Coreia do Sul
Pirâmide etária da Coreia do Sul em 2005 (em inglês).

A Coreia do Sul é notável por sua densidade demográfica de 487,7 habitantes por quilômetro quadrado,[63] mais de dez vezes em relação à média mundial. A maioria dos sul-coreanos vive em zonas urbanas, devido à migração maciça do campo para as cidades durante a rápida expansão econômica entre as décadas de 1970 e 1990.[64] Sua capital Seul, é a cidade mais populosa e um dos principais centros industriais do país, onde em 2010 se concentrava mais de 20% da população sul-coreana.[1] A Região Metropolitana de Seul tem cerca de 24 milhões de habitantes (metade da população do país), constituindo-se na segunda aglomeração urbana mais populosa do mundo,[65][66][67] sendo superada somente pela aglomeração urbana de Tóquio, capital do Japão. Outras cidades importantes são Busan (principal porto do país, 3,5 milhões de habitantes), Incheon (localizada na região metropolitana de Seul, com 2,5 milhões de habitantes), Daegu (2,5 milhões), Daejeon (1,4 milhões), Gwangju (1,4 milhões) e Ulsan (1 milhão).[68][69]

A população também tem sido modelada pela migração que se seguiu à divisão da Península da Coreia, ocorrida após a Segunda Guerra Mundial, quando aproximadamente quatro milhões de norte-coreanos cruzaram a fronteira em direção ao sul. Esta tendência de crescimento foi invertida nos quarenta anos seguintes devido à emigração, especialmente para os Estados Unidos e Canadá. Em 1960, a população total era de 25 milhões.[70] Hoje, esse número ultrapassa 49,5 milhões de habitantes.[71]

A sociedade é homogênea, já que 98% dos seus habitantes são etnicamente coreanos.[2] Ainda que continue sendo mínima, a população de habitantes não coreanos tem aumentado.[72] Em 2009, 1 106 084 estrangeiros residiam no país, mais do que o dobro em relação a 2006. Os imigrantes vindos da China formam 56,5% do total. Porém, muitos deles são joseonjoks, isto é, cidadãos chineses de origem coreana.[73] Aproximadamente 33 mil mongóis formam a maior comunidade mongol residente no estrangeiro.[74][75] Outra minoria notável são as mulheres do sudeste asiático, que em 2006 constituíam 41% dos matrimônios com agricultores coreanos.[76] Cerca de 43 mil professores de língua inglesa vindos dos EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, Irlanda e África do Sul residem temporariamente na Coreia do Sul.[77]

A taxa de natalidade sul-coreana é a mais baixa do mundo.[78] Esta tendência tende a continuar, prevendo-se que em 2050 a população diminua 13%, ficando com 42,3 milhões de habitantes.[79] Em 2008, a taxa de natalidade anual era de nove nascimentos para cada mil pessoas,[2] enquanto que a esperança de vida era de 79,10 anos,[80] a 40ª mais elevada do mundo.[81]

Religião

Ver artigo principal: Religião na Coreia do Sul
Religiões na Coreia do Sul
religião porcentagem
Sem religião
  
46,5%
Budismo
  
22,8%
Protestantismo
  
18,3%
Catolicismo
  
10,9%
Outros
  
1,7%

Em 2005, quase metade da população sul-coreana expressou que não tinha preferência religiosa.[83] Dos restantes, a maioria são cristãos e budistas; a população em 2010 era dividida em: 43,1% cristã (18,3% protestantes, 10,9% católicos e 13,9% de outras denominações cristãs) e 22,8% eram budistas.[84][85] Outras religiões praticadas no país incluem o islã e vários outros novos movimentos religiosos, como o jeungismo, o daesunismo, o cheondoísmo e o budismo won. Hoje em dia, a liberdade de culto está garantida pela constituição e não há nenhuma religião de estado.[86]

O cristianismo é a religião mais professada em todo o país, já que conta com mais da metade de todos os adeptos religiosos. Segundo estatísticas do governo em 1985, dos 42,6 milhões de habitantes que viviam na Coreia, 16,5% da população era protestante (6,5 milhões) e 5% católica (1,9 milhões).[87] A Igreja Católica é a igreja cristã que mais tem crescido desde a década de 1980,[88] e em 2010 já eram 5,1 milhões de fiéis.[89] A Coreia do Sul é, depois dos Estados Unidos, a nação com o maior número de missionários do mundo.[90]

O budismo foi introduzido na Coreia no ano 372 d.C.[91] Segundo o censo nacional de 2005, no país existiam mais de dez milhões de budistas.[85] A maioria dos tesouros nacionais são artefa(c)tos de budistas. Junto com o neoconfucionismo, o budismo foi a religião de estado durante o período dos Três Reinos da Coreia, durante a dinastia Joseon.[92] O islã conta com pouco mais de trinta mil seguidores nativos, além de mais de cem mil trabalhadores estrangeiros provenientes de países muçulmanos,[93] especialmente do Paquistão e do Bangladesh.[94]

Idioma

Ver artigo principal: Língua coreana

O idioma oficial do país e o mais falado pelos sul-coreanos é o coreano, cuja classificação ainda é objeto de debate: alguns autores afirmam que pertence à família altaica, enquanto outros afirmam que é uma língua isolada.[95] O coreano tem o seu próprio alfabeto, o hangul, que foi inventado ao redor do século XV.[96] Ainda que por seu aspecto pareça ser um alfabeto pictográfico, na realidade é um alfabeto organizado em blocos silábicos. Cada um destes blocos consiste em pelo menos dois dos 24 caracteres (jamo): pelo menos uma das quatorze consoantes e uma das dez vogais. Os alfabetos hanja (chinês) e o latino são usados dentro de alguns textos em coreano, uma prática mais usual no sul do que no norte.[97]

Ainda que também seja o idioma nacional da vizinha Coreia do Norte, o coreano falado na Coreia do Sul difere dos falado pelos norte-coreanos em alguns aspectos como a pronúncia, a ortografia, a gramática e o vocabulário.[98] O inglês é usado como segunda língua pela maioria da população, além de ser ministrado de forma obrigatória nas escolas secundárias.[2]

Política e governo

Ver artigo principal: Política da Coreia do Sul
A Casa Azul, local de trabalho e residência oficial do presidente da Coreia do Sul.

O governo é definido como uma democracia presidencialista. Como em muitas democracias, no país há a divisão em três poderes: executivo, legislativo e judiciário.[2] Os ramos executivo e legislativo são operados principalmente a nível nacional, ainda que vários ministérios no poder executivo também realizem funções locais. Os governos provinciais são semiautônomos e contam com órgãos legislativos próprios. O ramo judicial opera tanto a nível nacional quanto a nível local.[99]

O chefe de estado é o presidente, eleito por voto direto popular para um mandato de cinco anos. Além de ser o mais alto representante da república e o comandante em chefe das forças armadas, o presidente também nomeia o primeiro-ministro (após a aprovação do parlamento) e preside o Conselho do Estado. O primeiro-ministro é o chefe do governo do país e desempenha muitas funções do poder executivo. O parlamento sul-coreano, unicameral, chama-se Gukhoe (assembleia nacional). Seus membros exercem um mandato de quatro anos. A legislatura atual tem 299 membros,[2][100] dos quais 245 são eleitos por voto regional e os outros 54 são distribuídos por uma representação proporcional.[99][99][100] A instituição judicial mais elevada é o Tribunal Supremo, cujos juízes são nomeados pelo presidente através do consentimento parlamentar.[99]

A estrutura do governo sul-coreano está determinada pela constituição, um documento que tem sofrido várias emendas desde 1948, data em que foi promulgada, pouco depois da independência. A constituição tem conservado muitas de suas características gerais, com exceção da efêmera Segunda República da Coreia do Sul, onde o país sempre vem contando com um sistema presidencial e com um líder do poder executivo, independente do presidente.[101]

As primeiras eleições diretas decorreram em 1948. Ainda que a Coreia do Sul tenha sido governada por diversas ditaduras militares entre as décadas de 1960 e 1980, o país conseguiu se converter em uma democracia liberal. Hoje em dia, segundo a The World Factbook, a democracia sul-coreana é considerada como uma "moderna e completamente funcional".[2]

Forças armadas

Ver artigo principal: Forças Armadas da Coreia do Sul

Uma larga história de invasões por parte de seus vizinhos e a tensão por resolver com a Coreia do Norte têm feito com que a nação gastasse 2,6% do seu PIB e 15% do seu orçamento anual com as suas forças armadas, ao mesmo tempo em que mantém o serviço militar obrigatório.[102] A Coreia do Sul é o sexto país do mundo em número de tropas ativas,[103] o segundo em número de reservistas[103] e o 12º em termos de orçamento para a defesa. O país, com uma média de 3,7 milhões de militares numa população de cinquenta milhões de pessoas, tem o segundo índice de soldados per capita,[103] atrás apenas da Coreia do Norte.[104]

As forças armadas da Coreia do Sul são constituídas pelo exército (ROKA), marinha de guerra (ROKN), força aérea (ROKAF), fuzileiros navais (ROKMC) e as forças de reserva.[105] Na zona desmilitarizada estão concentrados quase dois milhões de efetivos. A constituição determina que todos os cidadãos nativos são obrigados a servir as forças armadas por um período de dois anos.[106] Porém, têm ocorrido debates sobre o reajustamento da duração dos serviços militares, e inclusivamente a eliminação do serviço militar obrigatório. Recentemente o governo isentou vários estudantes desse serviço de forma a permitir um maior aprofundamento nos campos de investigação. Os coreanos de ascendência estrangeira estão isentos do serviço militar.[107] Junto com os soldados, alguns sul-coreanos são selecionados para servir por dois anos no programa Aumento coreano ao exército dos Estados Unidos (KATUSA).[108]

O exército sul-coreano conta com mais de 23 mil tanques em operação,[109] enquanto a marinha tem a sexta maior frota de contratorpedeiros no mundo.[110] A força aérea é a nona maior do seu tipo,[111] e conta principalmente com aviões de caça estadunidenses, como o F-15K, KF-16 e o KAI T-50 Golden Eagle.[112]

Desde a Guerra da Coreia, os Estados Unidos mantêm estacionado um importante contingente de tropas no território sul-coreano para defender o país em caso de ataques da Coreia do Norte. O número desses militares ascende a mais de 29 mil soldados.[113] Em meados de 2007, o secretário do Departamento de Defesa dos Estados Unidos e o Ministro da Defesa Nacional da Coreia do Sul determinaram que os sul-coreanos retomassem o controle operacional de suas forças em 17 de abril de 2012. O exército dos Estados Unidos poderá se transformar em um novo comando de guerra, provavelmente descrito como "Comando da Coreia" (KORCOM).[114]

Relações exteriores

Líderes mundiais durante a 5.ª reunião de cúpula do G20 em 2010, realizada em Seul.

A Coreia do Sul mantém relações diplomáticas com aproximadamente 170 países do mundo.[115] O país também é membro da Organização das Nações Unidas (ONU) desde 1991, quando foi convertido em um estado-membro ao mesmo tempo que a Coreia do Norte.[116][117] Por dez anos (2007-2016), o ex-ministro das relações exteriores do país, Ban Ki-moon, exerceu o cargo de secretário-geral das Nações Unidas.[118]

Desde maio de 2007, Coreia do Sul e União Europeia negociaram um acordo de livre comércio para reduzir as barreiras comerciais entre ambas as entidades.[119] O mesmo está sendo feito com o Canadá[120] e a Nova Zelândia.[121] Em 2010, a nação foi admitida no Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento da OCDE, sendo a primeira vez que um país que recebe ajuda deste organismo se converte como membro pleno do mesmo.[122] Em novembro de 2010, Seul acolheu a quinta reunião da cúpula do G-20.[123][124][125]

Subdivisões

Ver artigo principal: Subdivisões da Coreia do Sul

A Coreia do Sul está subdividida em nove províncias, seis cidades metropolitanas e uma cidade especial (Seul, a capital).[126]

Mapa Código Nome Nome em hangul Nome em hanja
Cidade especial (Teukbyeolsi)
KR-11 Cidade Especial de Seul 서울특별시 서울特別市
Cidades metropolitanas (Gwangyeoksi)
KR-26 Cidade Metropolitana de Busan 부산광역시 釜山廣域市
KR-27 Cidade Metropolitana de Daegu 대구광역시 大邱廣域市
KR-28 Cidade Metropolitana de Incheon 인천광역시 仁川廣域市
KR-29 Cidade Metropolitana de Gwangju 광주광역시 光州廣域市
KR-30 Cidade Metropolitana de Daejeon 대전광역시 大田廣域市
KR-31 Cidade Metropolitana de Ulsan 울산광역시 蔚山廣域市
Cidade autônoma especial (Teukbyeojachisi)
KR-?? Cidade Autónoma Especial de Sejong 세종특별자치시 世宗特別自治市
Províncias (Do)
KR-41 Província de Gyeonggi 경기도 京畿道
KR-42 Província de Gangwon 강원도 江原道
KR-43 Província de Chungcheong do Norte 충청북도 忠清北道
KR-44 Província de Chungcheong do Sul 충청남도 忠清南道
KR-45 Província de Jeolla do Norte 전라북도 全羅北道
KR-46 Província de Jeolla do Sul 전라남도 全羅南道
KR-47 Província de Gyeongsang do Norte 경상북도 慶尙北道
KR-48 Província de Gyeongsang do Sul 경상남도 慶尙南道
Província autônoma especial (Teukbyeoljachi-do)
KR-49 Província Autónoma Especial de Jeju 제주 특별자치도 濟州特別自治道

Economia

Hyundai Intrado, carro conceito desenvolvido pela empresa sul-coreana Hyundai
Ver artigo principal: Economia da Coreia do Sul

Atualmente, a Coreia do Sul é um país desenvolvido e, entre as décadas de 1960 e 1980, teve uma das taxas de crescimento econômico mais rápidas do mundo.[127] A rápida transformação em uma economia rica e industrializada em um curto período de tempo foi denominada "o milagre do rio Han". Este notável crescimento econômico ocorreu através da fabricação orientada à exportação e a uma força de trabalho altamente qualificada.[128] Em 2009, era o nono país com mais rendimentos devido principalmente às exportações.[129]

É a maior economia dos tigres asiáticos, a quarta maior da Ásia e a décima-terceira do mundo. É um importante parceiro comercial das maiores economias mundiais; por exemplo, é o terceiro melhor parceiro da República Popular da China e do Japão,[2][130] o sétimo dos Estados Unidos[131] e o oitavo da União Europeia.[132]

Sua capital, Seul, está constantemente colocada entre as dez cidades financeiras e comerciais mais importantes para a economia global.[133][134] e foi nomeada pela revista Forbes como a sexta cidade economicamente mais poderosa do mundo.[133] O PIB per capita é cerca de trinta mil dólares.[135][136]

Como membro da OCDE, é considerado pelo Banco Mundial como uma economia de alto rendimento, pelo FMI e pela CIA[137] e como um mercado desenvolvido pelo grupo FTSE. Conta com um Índice de Desenvolvimento Humano muito elevado de 0,897, o 15º maior do mundo,[4] particularmente no setor educacional, onde é classificado como o primeiro do continente asiático e o sétimo do mundo. Segundo o Índice Global de Inovação, é considerado como o país mais inovador do mundo.[138]

Atualmente, a nação faz parte do G20 (grupo das maiores economias do mundo) e foi o primeiro país asiático a sediar uma cúpula desse grupo.[139] É um dos 24 membros selecionados pela OCDE para integrar o Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento, onde se encontram entre os países dominantes mais importantes do mundo, cuja principal missão é contribuir na ajuda ao desenvolvimento e a redução da pobreza nos países em desenvolvimento.[122] Também é um membro fundador do Fórum de Cooperação da Ásia e do Pacífico (APEC), da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e da Cúpula do Leste Asiático (EAS).[2]

Sede da Samsung em Seul, a maior companhia de produtos eletrônicos do mundo.[140]

Sua economia é liderada por grandes conglomerados conhecidos como chaebol, incluindo as multinacionais Samsung, LG, Hyundai e Kia. As dez maiores empresas sul-coreanas são a Samsung, POSCO, Hyundai, Grupo financeiro KB, Companhia elétrica da Coreia, seguros de vida Samsung, Grupo financeiro Shinhan, LG Electronics, Hyundai Mobis e LG Chem.[141][142]

O país conta com uma infraestrutura de alta tecnologia, além de ter os maiores sistemas de banda larga e fibra ótica do mundo,[143] tendo o maior índice per capita de acesso à Internet em banda larga.[144][145] Em média, as conexões de Internet no país são as de maior largura de banda do mundo (100 Mbps). Está previsto que o governo utilizará cabos de fibra óptica para elevar esta média para 1 Gbps em 2012.[146] O país é também líder mundial na produção de telas em LCD, OLED e plasma.[147] A Samsung e LG estão entre as três maiores fabricantes de televisores[148] e telefones celulares.[149] Em 2009 a Samsung era a segunda maior fabricante de eletrodomésticos a nível internacional.[150]

A nação é um dos líderes de inovação e tecnologia, sendo o terceiro país com mais patentes registradas, atrás apenas do Japão e dos Estados Unidos.[151] Em 2007 detinha a maior taxa de crescimento de patentes dentre os países desenvolvidos (14,8%).[151]

Infraestrutura

Educação

Ver artigo principal: Educação na Coreia do Sul
Uma sala de aula sul-coreana equipada com computadores com acesso à Internet.

A educação é considerada fundamental para o êxito e, em consequência, é alvo de grande atenção governamental, com gastos correspondentes a 4,2% do PIB.[2] Segundo dados de 2006 do Programa Internacional de Avaliação de Alunos da OCDE, o país ficou em primeiro lugar na resolução de problemas, terceiro lugar em matemática e décimo-primeiro em ciência.[152] O sistema educativo está tecnologicamente avançado e foi o primeiro país do mundo a equipar todas as escolas primárias e secundárias do país com Internet de banda larga. Com esta infraestrutura, o país tem desenvolvido os primeiros livros didáticos digitais no mundo, que foram distribuídos de forma gratuita ao estudantes do ensino primário e aos secundário até 2013.[153]

Uma administração centralizada supervisa e administra as escolas para a educação dos meninos desde o jardim de infância até o terceiro e último ano do ensino secundário. O país adotou recentemente um novo programa educativo visando aumentar o número dos estudantes estrangeiros na Coreia do Sul. De acordo com as estimativas do Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia, em 2010 será duplicado o número de bolsas de estudo para estrangeiros, cujo número deverá atingir os cem mil.[154] O ano escolar é dividido em dois semestres. O primeiro começa em meados de março e termina a meados de julho, enquanto o segundo semestre começa no final de agosto e termina em fevereiro do ano seguinte. Os horários não se encontram exatamente definidos, pois variam de uma escola para outra.[155][156][157]

Ciência e tecnologia

Biblioteca do Instituto de Ciência e Tecnologia Avançada da Coreia (KAIST - sigla em inglês), em Daejeon

Desde 2003 a robótica tem sido incluída na lista dos principais projetos nacionais de pesquisa e desenvolvimento.[158] Em 2009 o governo anunciou planos para construir parques temáticos de robôs em Incheon e Masan, financiado por fundos mistos públicos e privados.[159] Em 2005, o Instituto Coreano de Ciência e Tecnologia desenvolveu um segundo robô humanoide do mundo, o HUBO.[160] Em maio de 2006, uma equipe do KITECH (Instituto de Tecnologia Industrial da Coreia) desenvolveu o primeiro androide coreano, o EveR-1.[161]

A Coreia do Sul colocou em órbita dois satélites: o "Arirang-1" em 1999 e o "Arirang-2" em 2006, como parte de sua associação para a exploração espacial com a Rússia.[162] O Centro Espacial Naro, o primeiro do seu tipo no país, foi concluído em 2008, em Goheung, na província de Jeolla do Sul. Em 2009, um veículo de lançamento sul-coreano decolou em Naro, mas não chegou a completar sua missão.[163] Em abril de 2008, Yi So-yeon foi a primeira coreana a voar no espaço, a bordo da Soyuz TMA-12 russa.[164] Em junho de 2010, um segundo veículo igual ao seu antecessor foi lançado, mas explodiu pouco depois de ter sido lançado.[165]

Desde a década de 1980, o governo sul-coreano tem investido ativamente no desenvolvimento da indústria nacional de biotecnologia. O setor médico é destinatário de grande parte da produção deste tipo de indústria, incluindo a produção de vacinas e antibióticos. Recentemente, a investigação e o desenvolvimento na genética, nomeadamente na clonagem, tem recebido maior atenção, desde a primeira clonagem feita em um cão, Snuppy, e a clonagem de duas fêmeas de uma espécie de lobos em perigo de extinção pela Universidade Nacional de Seul em 2007.[166] O rápido crescimento da indústria biotecnológica tem sido traduzida em uma prova importante para a regulação da ética profissional, como sucedeu com o famoso caso do cientista Hwang Woo-Suk.[167]

Transporte

Trecho da Rota Nacional Nº 3

O país conta com uma rede de transportes tecnologicamente avançada, que conta com trens de alta velocidade, autoestradas, rotas de ônibus, balsas e rotas aeronáuticas que cruzam todo o território nacional. A principal companhia encarregada da operação mantimento e cobrança de pedágios nas autoestradas é a Korea Expressway Corporation.[168]

A Korail assegura um serviço ferroviário às principais cidades do país.[169] As duas linhas que ligam a Coreia do Norte, a Gyeongui e Donghae Bukbu voltaram a ligar-se recentemente. O trem de alta velocidade coreano, o Korea Train Express, proporciona um serviço de alta velocidade entre Gyeongbu e Honam. As principais cidades, incluindo Seul, Busan, Incheon, Daegu, Daejeon e Gwangju contam com sistemas de trem subterrâneo próprio.[170]

A construção do maior aeroporto do país, localizado em Incheon, foi concluída em 2001. Seis anos depois, o aeroporto já recebia mais de trinta milhões de passageiros anualmente.[171] Entre 2005 e 2009, o aeroporto foi selecionado como o "melhor do mundo" pelo Conselho Internacional de Aeroportos. Outros aeroportos internacionais incluem o de Gimpo, Busan e Jeju. Existem ainda sete aeroportos domésticos e um grande número de heliportos.[172]

Em 2008, a Korean Air, fundada em 1962, transportou aproximadamente 21,64 milhões de passageiros, incluindo 12,49 milhões de passageiros de voos internacionais.[173] Uma segunda empresa, a Asiana Airlines, fundada em 1988, também opera tráfico doméstico e internacional. Juntas, as empresas viajam através de 297 rotas internacionais.[174] As menores companhias aéreas, como a Jeju Air, proporcionam serviços de voos nacionais com tarifas menores.[175][176]

Energia

Imagem de satélite da Península Coreana à noite. A disparidade dos níveis de iluminação é um indicador da diferença em desenvolvimento energético e econômico entre a Coreia do Norte e a do Sul.[177][178]

A Coreia do Sul é o sexto maior produtor de energia nuclear do mundo e o segundo da Ásia.[179][180] A energia nuclear corresponde a aproximadamente 45% da produção de eletricidade e a pesquisa é muito antiga com a investigação de uma variedade de reatores nucleares avançados, incluindo um pequeno reator nuclear, um reator de transmutação e um projeto de geração de hidrogênio a altas temperaturas. Produção de combustível e tecnologias de manuseio de resíduos também foram desenvolvidos no localmente. O país também faz parte do projeto ITER.[181]

A Coreia do Sul é um exportador emergente de reatores nucleares, através de acordos firmados com os Emirados Árabes Unidos (para a construção e manutenção de quatro reatores nucleares avançados),[182] Jordânia (para um reator de pesquisa nuclear),[183][184] e Argentina (para a construção e reparação de reatores nucleares de água pesada).[185][186] Desde 2010, a Coreia do Sul e a Turquia estão em negociações relativas para a construção de dois reatores nucleares.[187]

O país não tem permissão para desenvolver tecnologia de enriquecimento de urânio por conta própria, devido à pressão política dos Estados Unidos, ao contrário da maioria grandes potências nucleares, como o Japão, a Alemanha e a França, os concorrentes da Coreia do Sul no mercado internacional nuclear.[188]

Este impedimento provocou ocasionais relações diplomáticas entre a Coreia do Sul e os países aliados. Apesar sucesso na exportação de eletricidade, geração de tecnologia nuclear e reatores nucleares que a Coreia do Sul conseguiu obter, o país não pode capitalizar instalações de enriquecimento nuclear e refinarias no mercado, impedindo-o de expandir ainda mais o seu nicho de exportação. A Coreia do Sul tem procurado tecnologias exclusivas, como o reprocessamento nuclear, para contornar esses obstáculos e buscar uma competição mais vantajosa.[189] Os Estados Unidos tem recentemente desconfiado de crescente programa nuclear da Coreia do Sul, pois o país insiste em afirmar que a tecnologia é apenas para uso civil.

Saúde pública e segurança

Embora a expectativa de vida na Coreia do Sul tenha aumentado significativamente desde 1950, o país ainda enfrenta questões importantes de saúde. Um dos problemas é o impacto da poluição ambiental em uma população cada vez mais urbanizada. De acordo com o Ministério da Saúde e da Previdência, doenças crônicas são responsáveis por grande parte das doenças na Coreia do Sul, condição agravada pelo foco do sistema de saúde sobre o tratamento ao invés de prevenção. A incidência de doenças crônicas na nação gira em torno de 24%. Estima-se que aproximadamente 33% da população adulta fuma. A taxa de prevalência do vírus da imunodeficiência humana (HIV) no final de 2003 foi inferior a 0,1%. Em 2001, os gastos do governo central sobre os cuidados de saúde respondiam por cerca de 6% do produto interno bruto (PIB).[190] A taxa de homicídio no país foi de 26 por 100 000 habitantes em 2008, a mais alta entre os países desenvolvidos.[191][192]

Comunicação

Sede da Korean Broadcasting System (KBS) na cidade de Busan.

Os meios de comunicação mais importantes no país são os jornais, o rádio e a Internet. O jornalismo na Coreia começou com a abertura ao comércio estrangeiro no século XIX, e desde então surgiram uma grande quantidade de publicações. Os jornais mais importantes na Coreia do Sul incluem o The Chosun Ilbo, o JoongAng Ilbo e o Dong-A Ilbo. Todos estes jornais são escritos em coreano, ainda que existam publicações em língua inglesa para os turistas e residentes estrangeiros. Entre estes, destacam-se o The Korea Herald, o The Korea Times e o JoongAng Ilbo.[193]

Assim como nos jornais, a generalidade das rádios emite em coreano, embora existam estações cuja totalidade da programação é em inglês. A maioria dos programas de rádio transmitem música coreana e músicas estrangeiras mescladas, o mesmo acontecendo no telejornalismo, radionovelas e programas esportivos.[194]

Os programas de televisão também são transmitidos na língua local, inclusive os filmes estrangeiros, os quais são dublados em coreano nos canais de televisão aberta. As principais cadeias estatais são a Korean Broadcasting System (KBS), Munhwa Broadcasting Corporation (MBC), Educational Broadcasting System (EBS) e a Seoul Broadcasting System (SBS). Também existem canais com transmissão exclusivamente em inglês, como o Arirang TV.[195]

A Internet converteu-se em uma parte principal da vida cotidiana dos sul-coreanos, pois nove em cada dez residências têm serviços de Internet. É um dos países com maior número de usuários de Internet, e suas conexões se encontram entre as de mais alta velocidade a nível mundial. Também é o líder na tecnologia DMB e tem o maior número de empresas provedoras de Internet a nível internacional.[196]

Cultura

Ver artigo principal: Cultura da Coreia do Sul

A Coreia do Sul compartilha sua cultura tradicional com a vizinha Coreia do Norte. Entretanto, as duas Coreias desenvolveram formas distintas e contemporâneas em suas culturas, especialmente quando a península foi dividida em 1945, após o término da Segunda Guerra Mundial. Ainda que a cultura da Coreia tenha sido tradicionalmente influenciada pela vizinha China, historicamente o país tem conseguido desenvolver uma identidade cultural única e distinta dos outros países.[197] O Ministério da Cultura e do Turismo promove ativamente as atividades tradicionais e as formas de cultura modernas através de programas de financiamento e de educação.[198]

A industrialização e a urbanização têm trazido muitas mudanças nos costumes do povo coreano. As mudanças econômicas e o estilo de vida têm levado a população a se concentrar nas grandes cidades, especialmente na capital. Atualmente existem nove sítios classificados como Patrimônio Mundial pela UNESCO em território sul-coreano.[199]

Além das expressões clássicas populares, a recente cultura sul-coreana, que abrange novas formas, como a telenovela, o cinema e a música popular, tem vindo a ser assimilada de forma significativa em diversos lugares do mundo. Este fenômeno, chamado a princípio de Hallyu, tem se expandido para outros países asiáticos, como Japão, Vietnã e China.[200]

Arte

Durante a dinastia de Goryeo, a realização de estátuas de Buda como esta alcançou o seu auge.

A arte coreana é fortemente influenciada pelo budismo e confucionismo.[44] Entre as artes plásticas mais desenvolvidas encontram-se a pintura, a caligrafia e a cerâmica. A pintura coreana é muito antiga — o Mural de Goguryeo, ainda preservado, data da época dos três reinos, ainda que esta arte tenha alcançado o seu máximo apogeu durante a Dinastia de Goryeo. A maioria destas obras são de temática religiosa, e o paisagismo se desenvolveu durante o esplendor no período da dinastia Joseon. A caligrafia se desenvolveu ao mesmo tempo que a pintura e outras artes cênicas, pois antes da invenção do alfabeto coreano (o hangul), utilizava-se a escrita chinesa.[201]

A cerâmica e a escultura foram duas das artes plásticas mais antigas praticadas em território coreano, já que há exemplos delas desde o Neolítico (6 000 – 1 000 a.C.). Quando o budismo se tornou uma das principais religiões da Coreia, multiplicou-se a produção de estátuas de Buda em todos os ateliers artesanais do país. Posteriormente, a cerâmica criada na época da dinastia Goryeo era cor de jade e, desde o século XIV, a forma mais comum de decorar as vasilha era através de gravuras em tons azulados com um fundo branco.[202]

O campo das artes cênicas, a dança e o teatro se desenvolveram em conjunto. O talchum e o buchaechum são as formas de artes cênicas nacionais mais conhecidas no exterior. O início da dança contemporânea no país data da ocupação japonesa e desde então tipos distintos de baile, como o ballet, o jazz e o breakdance têm adquirido maior importância em território sul-coreano. No teatro, as representações com bailes e coreografias sem a inclusão de diálogos vêm sendo popularizadas, dando lugar a obras com êxito, como o Jump e o Nanta.[203]

A roupa tradicional do país é conhecida como hanbok. Este traje tem muitas variantes, como o dopo, o durumagi e o jeogori; existem trajes especiais para homens e mulheres e para ocasiões formais e informais. A tradição do hanbok foi transmitida durante centenas de anos de geração a geração, sem sofrer mudanças drásticas na fabricação e nos usos das peças. Desde a introdução das vestes ocidentais no século XX, o uso do hanbok diminuiu consideravelmente e atualmente a maioria das pessoas só o usa em cerimônias como o casamentos, aniversários e festas nacionais.[204]

Em 1993 o governo fundou a "Escola Integral de Arte da Coreia", a qual tem como objetivo promover a educação artística de alto nível. A escola ministra cursos de atuação, pintura, dança, teatro, cinema e escultura. Existem também outros organismos privados, como o "Centro de Arte de Seul" e o "Centro de Arte LG", que difundem a arte e a cultura nacionais e estrangeiras, nomeadamente levando ao país produções estrangeiras de grande prestígio.[203]

Arquitetura

Arquitetura moderna de Seul e o Palácio Deoksugung.

A arquitetura pré-moderna da Coreia pode ser dividida em dois estilos principais: aquela que é utilizada nas estruturas de palácios e templos e a utilizada nas casas comuns das pessoas (a qual apresenta variações locais). Os antigos arquitetos adotaram um sistema de suporte que se caracteriza por telhados de palha e pisos simples denominados ondol. As classes altas construíam casas altas com telhados feitos de telhas normais. Todavia há muitos sítios, como as aldeias folclóricas de Hahoe, Yangdong e Coreia, onde se conserva a arquitetura tradicional do país.[205][206]

A arquitetura tradicional coreana utiliza a técnica tradicional do Dancheong, caracterizada pela seleção de cores que era usada para cobrir as construções dos antigos reinos coreanos, nomeadamente as pinturas murais das antigas tumbas reais: o vermelho, azul, amarelo, branco e preto. Estas cores foram utilizadas por suas propriedades especiais ante os fenômenos naturais, como o vento, sol, chuva e calor.[207]

Literatura

A literatura coreana também é dividida em clássica e moderna. A primeira abrange todas as obras escritas antes e durante o reinado da dinastia Joseon. A maioria delas foram escritas usando o alfabeto chinês, pelo que vários autores consideram que a verdadeira literatura coreana é contemporânea do surgimento ao alfabeto hangul.[96] Estas obras narram histórias épicas, lendas e tradições dos antigos coreanos, além de servirem como registros históricos, com crônicas dos reis de dinastias anteriores. Ki Man-jung, Heo Gyung, Park Ji-won e Yi Eok são alguns dos autores mais destacados da época, enquanto que Gu-unmong, Hong Gil-dong Jeon e Hojil são algumas das obras escritas por eles.[208]

A literatura moderna da Coreia do Sul se refere a todas as obras escritas e publicadas depois do século XX. O romance coreano só ganhou importância neste período e e frequentemente eram tratados temas históricos para a sociedade coreana, como a ocupação japonesa, a Segunda Guerra Mundial e a Guerra da Coreia.[209] Assim como no cinema e em outros meios de comunicação, a literatura foi censurada pelos regimes ditatoriais que governaram o país entre as décadas de 1970 e 1980. Entre os escritores sul-coreanos mais destacados encontram-se Yi Munyol, Yong-Tae Min, Lee Cheong-jun e Park Gyeong-ri. Esta última foi autora de uma série de livros chamada Toji, que é considerada como uma das obras mais importantes da literatura coreana e foi incluída na coleção de obras representativas da UNESCO.[210]

Música

Ver também: Hallyu
Parada de música tradicional coreana.

A partir da divisão da península, a música, tal como a literatura, passou a ser dividida em dois tipos: a música tradicional e/ou folclórica e a música moderna. A dança tradicional coreana, chamada Hanguk Eumak, se desenvolveu de diferentes formas ao longo dos séculos e cumpria um importante papel nas cerimônias e eventos. As primeiras formas de música e dança coreanas são datadas da época dos três reinos, nas quais se chegaram a utilizar mais de trinta instrumentos musicais diferentes. A música coreana se dividia em vários gêneros, segundo a sua utilidade: o muak era utilizado em rituais, o talchum nas danças com máscaras, o nongak era utilizado pelos agricultores e o minyo pelo povo em geral.[211]

A música coreana moderna, denominada K-pop, caracteriza-se pelo uso de canções do gênero pop misturada com elementos da música folclórica da Coreia do Sul. Outros gêneros com grande audiência no país são o R&B, o hip hop e a música eletrônica.[212] Vários intérpretes e grupos musicais naturais do próprio país, dando destaque aos artistas das gravadoras SM Entertainment, JYP Entertainment e YG Entertainment têm procurado atravessar as fronteiras e serem aceitados pelo público de outros países asiáticos, como a China, Japão, Taiwan e Hong Kong e também países ocidentais como Brasil, Estados Unidos, França, Inglaterra e México.[213][214]

Cinema

O grupo feminino sul-coreano Girls' Generation.
Ver artigo principal: Cinema da Coreia do Sul

O cinema coreano tem obtido vários êxitos a nível internacional, ainda que não goze de tanta popularidade como, por exemplo, o da Índia e o do Japão. O primeiro filme totalmente produzido no país foi "A vingança honrada", dirigido por Kim Do-san em 1919. Depois deste foram gravados vários outros filmes que tiveram algum êxito no país, embora o desenvolvimento da indústria cinematográfica tenha ocorrido somente após a Guerra da Coreia (1950-1953).[215]

Desde então, e até 1972, o cinema coreano viveu sua chamada "era de ouro", onde os filmes expressavam de forma livre as opiniões política e sociais do povo. Durante a década de 1980 a repressão à liberdade de expressão realizada durante o governo de Park Chung-hee provocou a diminuição da produção dos filmes no país, e a indústria cinematográfica perdeu importância.[215] Nos últimos anos, vários filmes, diretores e atores da Coreia do Sul conseguiram obter o reconhecimento internacional obtendo prêmios em festivais, como o de Cannes.[216]

Gastronomia

Bulgogi, um prato coreano preparado com carne de vaca ou de porco.

A cozinha coreana, hanguk yori (한국요리, 韓國料理), ou hansik (한식, 韓食), tem evoluído através de séculos de mudanças sociais e políticas. Os ingredientes e pratos variam conforme a cultura de cada província. Existem muitos pratos regionais significativos que têm proliferado com diferentes variações em todo país. A cozinha da corte real coreana chegou a reunir todas as especialidades regionais únicas para a família real. Por muito tempo, o consumo de alimentos foi regulado por uma série de modos e costumes, tanto para os membros da família real, quanto para os camponeses coreanos.[217]

A cozinha coreana se baseia em grande parte em arroz, talharins, tofus, verduras, peixes e carnes.[217] A comida tradicional coreana se caracteriza pelo número de acompanhamentos, banchan (반찬), que são servidos junto com o arroz de grão curto fervido. Cada prato é acompanhado por numerosos banchan. Entre os pratos tradicionais mais consumidos estão o bulgogi, o bibimbap e o galbi.[218]

O chá é uma parte importante da gastronomia nacional, e a cerimônia do chá é uma das tradições mais arreigadas da população. Os chás do país são preparados com cereais, ervas medicinais, sementes e frutos.[219] As bebidas alcoólicas são feitas a partir dos cereais desde antes do século IV. Entre os principais licores sul-coreanos, encontram-se o takju (não refinado), o cheongju (medicinal) e o soju (licor destilado). O takju é a base para a fabricação de outras bebidas regionais, aumentando ou diminuindo o tempo de fermentação.[220]

Esportes

Praticante de taekwondo demonstrando a técnica dollyo chagi.

A arte marcial do taekwondo é originária da Coreia.[221] Outras artes marciais sul-coreanas incluem o hapkidô, o haidong gumdo, o taekkyeon, o tangsudo e o kuk sool won.[222][223][224][225][226]

O beisebol foi introduzido na Coreia em 1905 e desde então converteu-se num dos esportes mais populares do país.[227] Estabelecida em 1982, a Organização Coreana de Beisebol foi a primeira liga profissional esportiva no país. A equipe sul-coreana finalizou o Clássico Mundial de Beisebol de 2006 em terceiro lugar, em segundo na edição de 2009 e em 2008 ganhou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim.[228]

Os Jogos Olímpicos de Verão de 1988 decorreram em Seul, tendo a Coreia do Sul alcançado o quarto maior número de medalhas, sendo 12 de ouro, 10 de prata e 11 de bronze. O país obtém regularmente bons resultados no tiro com arco, tênis de mesa, badminton, patinagem de velocidade de pista curta, handebol, hóquei no gelo, beisebol, judô, patinagem no gelo, taekwondo e halterofilismo. A Coreia do Sul também tem obtido mais medalhas nos Jogos Olímpicos de Inverno em comparação com os outros países asiáticos. Nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2010, em Vancouver, o país ganhou quatorze medalhas (seis de ouro, seis de prata e duas de bronze), o que elevou para 45 o número total de medalhas ganhas (vinte e três de ouro, quatorze de prata e oito de bronze).[228]

A Coreia acolheu por três vezes os Jogos Asiáticos: 1986, em Seul; 2002, em Busan e 2014, em Incheon.[228] Juntamente com o Japão, sediou a Copa do Mundo de 2002, e sua seleção se sagrou a primeira equipe da Confederação Asiática de Futebol a chegar às semifinais.[229] Entre outros grandes eventos desportivos internacionais que decorreram na Coreia do Sul cabe destacar os Jogos Asiáticos de Inverno de 1999, em Gangwon, a Universíada de Inverno de 1997, em Muju e Jeonju e a Universíada de Verão de 2003, em Daegu. Em 2010 realizou-se o primeiro Grande Prêmio da Coreia do Sul em Fórmula 1, no Circuito Internacional da Coreia, em Yeongam.[230] Em 2011 foi realizado na Coreia do Sul o campeonato mundial de atletismo em Daegu.[231] No mesmo ano, PyeongChang foi escolhido como sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018.[232]

Feriados

Feriados (2012)[233][nota 1][nota 2]
Data Nome
1 de janeiro Ano-Novo
22-24 de fevereiro Seollal
1 de março Dia do movimento da independência
1 de maio Dia do Trabalho
5 de maio Dia das Crianças
8 de maio Dia da Família
28 de maio Aniversário de Buda
6 de junho Dia da petição
17 de julho Dia da libertação
15 de agosto Dia da libertação
29-1º de outubro Chuseok
3 de outubro Dia Nacional da Fundação
9 de outubro Dia do Hangul
25 de dezembro Natal

Notas

  1. Os feriados são relativos ao ano de 2012.
  2. Os feriados dos dias 1º de maio, 8 de maio, 17 de julho e 9 de outubro são considerados como "dias especiais".

Ver também

Referências

  1. a b «World Gazerreer: Corea del Sur - las ciudades más importantes» (em espanhol). World Gazetteer.com. 2010. Consultado em 9 de abril de 2010 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o CIA (2010). «Korea, South» (em inglês). The World Factbook. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  3. a b c d e Fundo Monetário Internacional (FMI), ed. (Outubro de 2014). «World Economic Outlook Database». Consultado em 29 de outubro de 2014 
  4. a b «Human Development Report 2016 – "Human Development for Everyone"» (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme. Consultado em 22 de março de 2017 
  5. Gini index CIA World Fact Book
  6. Universidade de Illinois, Chicago (2004). «"Which are the largest? Why published populations for major world urban areas vary so greatly"» (PDF). City Futures Conference. Consultado em 19 de junho de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 14 de janeiro de 2013 
  7. Museu Real de Ontario (2005). «Gallery of Korea». ROM.on.ca. Consultado em 19 de junho de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  8. ONU (2009). «Estadísticas del Informe sobre el Desarrollo Humano» (em espanhol). UNDP.org. Consultado em 19 de junho de 2010 
  9. Banco Mundial (2010). «Country and Lending Groups» (em inglês). World Bank.org. Consultado em 19 de junho de 2010 
  10. Fundo Monetário Internacional (2010). «IMF World Economic Outlook (WEO)» (em inglês). IMF.org. Consultado em 19 de junho de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  11. Departamento de Estado dos Estados Unidos (2010). «Korea, Republic of» (em inglês). State.gov. Consultado em 19 de junho de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  12. Moo-Young Han (2003). «Annotated Chronology of Korea's Science and Technology» (em inglês). Duke.edu. Consultado em 19 de junho de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  13. Banco Mundial (2000). «Korea, South Infrastructure, power, and communications» (em inglês). Nation Encyclopedia.com. Consultado em 19 de junho de 2010 
  14. Governo da Coreia do Sul (2010). «The official website of the Republic of Korea» (em coreano). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010 
  15. a b c Hapki Yu Kwon Sul Euskadi (2009). «Historia» (em espanhol). Hapki do eh.com. Consultado em 25 de maio de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  16. «Digital Jikji» (em inglês). 2003. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2011 
  17. a b «HISTÓRIA da COREIA». Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  18. a b Embaixada da Coreia. «Korea's History» (em inglês). Asian Info.org. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  19. «Korea's Three Kingdoms» (em inglês). Ancient Worlds.net. 2005. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2011 
  20. NHN Corp. (2009). «남북국시대 [南北國時代]» (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2011 
  21. Hawley, pág. 192
  22. Yutaka Kawasaki (1996). «Was the 1919 Annexation Treaty Between Korea and Japan Concluded Legally?». Murdoch University Electronic Journal of Law. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2011 
  23. «Coreia do Norte». Portal São Francisco. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  24. Rainer Sousa. «Guerra da Coreia». Brasil Escola. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  25. «História da Coreia do Sul». Portal São Francisco. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  26. a b c d «Korean War». Encyclopædia Britannica. 2003. Consultado em 2 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  27. a b c d «Corea del Sur - Historia». Guia del Mundo.org.uy. 2008. Consultado em 3 de junho de 2010 
  28. Sergio Coutinho Nogueira (15 de outubro de 2002). «1988 - Jogos Olímpicos de Seul». UOL. Consultado em 20 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  29. OCDE (2009). «Ratification of the Convention on the OECD». OECD.org. Consultado em 3 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2011 
  30. Fundación del Premio Nobel (2000). «The Nobel Peace Prize 2000». Nobel Prize.org. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  31. BBC News (2006). «South Korea survey angers Japan». BBC.co.uk. Consultado em 3 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  32. Anthony Faiola (14 de maio de 2004). «Court Rejects S. Korean President's Impeachment». Washington Post. Consultado em 5 de junho de 2017. Cópia arquivada em 21 de julho de 2016 
  33. «Park Geun-hye, primera mujer que gana las presidenciales en Corea del Sur» (em espanhol). Consultado em 19 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2012 
  34. «Dimite el primer ministro surcoreano por la gestión del naufragio del Sewol» (em espanhol). 27 de abril de 2014. Consultado em 5 de junho de 2017. Cópia arquivada em 28 de abril de 2014 
  35. «Parlamento da Coreia do Sul aprova impeachment da presidente». Estadão. 9 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de junho de 2017. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2016 
  36. «Corte aprova impeachment de presidente da Coreia do Sul». Estadão. 10 de março de 2017. Consultado em 5 de junho de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2017 
  37. «Coreia do Sul: Após impeachment, ex-presidente Park Geun-hye é presa». 30 de março de 2017. Consultado em 5 de junho de 2017. Cópia arquivada em 5 de junho de 2017 
  38. «Moon Jae-In assume presidência da Coreia do Sul em eleições antecipadas». Correio Braziliense. 10 de maio de 2017. Consultado em 5 de junho de 2017. Cópia arquivada em 10 de maio de 2017 
  39. Servicio de Información Estadística de Corea (2006). «행정구역(구시군)별 국토적». NSO.go.kr. Consultado em 6 de abril de 2010 
  40. Governo da Coreia do Sul (2010). «Regiones» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  41. Governo da Coreia do Sul (2010). «Montañas» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  42. «Los parques nacionales de Corea del Sur» (em espanhol). Easy Viajar.com. Consultado em 31 de maio de 2010 
  43. «Paisaje y sus gentes» (em espanhol). hapkidoeh.com. Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  44. a b «COREIA DO SUL». logon.com.br. 2005. Consultado em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  45. Jin Kyung (2009). «Monsoon» (em inglês). Climate.snu.ac.kr. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  46. «Seoul, Korea: Climate, Global Warming, and Daylight Charts and Data» (em inglês). Climate-Charts.com. 2008. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  47. «National Symbols - Flower» (em inglês). 2007. Consultado em 16 de junho de 2010. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2007 
  48. «O que são Biomas?». Bio-Bras. Consultado em 28 de fevereiro de 2011 
  49. a b Microsoft Corporation (2009). «Flora y fauna de Corea del Sur» (em espanhol). Voyages Photo Manu.com. Consultado em 16 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  50. «Coreia do Sul». Cola da Web. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  51. Roberto Castro (2009). «Fauna del bosque mixto» (em espanhol). Más Alto.com. Consultado em 16 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  52. José Manuel Rodríguez Solar (2006). «Corea del Sur» (em espanhol). El Periódico de México.com. Consultado em 16 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  53. «La Zona Demilitarizada». KBS.co.kr (em espanhol). 2010. Consultado em 16 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  54. a b Nick Easen (2003). «Korea's DMZ: The thin green line» (em inglês). CNN.com. Consultado em 16 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  55. Nayan Sthankiya (2004). «Korean 'Tigerman' Prowls the DMZ» (em inglês). Oh My News.com. Consultado em 16 de junho de 2010 
  56. a b c Korpoll (1997). «Korea Air Pollution Problems» (em inglês). American.edu. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  57. «[Column] Letter to Lee administration: Save the Songdo Tidal Flat : Opinion : Home» (em coreano). English.hani.co.kr. 2009. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  58. Ucilia Wang (2008). «South Korea Boosts Renewable-Energy Investments by 60%» (em inglês). Green Tech Media.com. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  59. a b CNN (2009). «South Korea's green new deal» (em inglês). Edition CNN.com. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  60. «Seoul City holds 2nd Arisu Festival to show tap water is safe to drink» (em inglês). Newsworld.co.kr. 2003. Consultado em 6 de abril de 2010 
  61. «Projeto recupera Rio Cheonggyecheon em Seul». Seul.go.kr. Abril de 2010. Consultado em 2 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  62. «Party Groupings» (em inglês). Unfccc.int. 2007. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  63. Utilizando os dados proporcionados por The World Factbook (2010) de 48 636 068 habitantes entre 99 720 km² de superfície chega-se ao total de 487,7 hab/km²
  64. US Librar of Congress. «South Korea Population» (em inglês). Country Studies.us. Consultado em 7 de abril de 2010 
  65. «수도권 집중현황-인구 : 지표상세화면» (em coreano). Index.go.kr. 2008. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  66. City Mayors & Tann vom Hove (2010). «Largest cities in the world and their mayors» (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  67. «The Principal Agglomerations of the World» (em inglês). City Population.de. 2010. Consultado em 18 de junho de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  68. «Cidades e estádios da Copa 2002». Consultado em 7 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  69. Carlos Pimentel Mendes (novembro de 2001). «Arquitetura dá show de bola (III - Coreia)». Novo Milênio. Consultado em 7 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  70. ONU (2009). «World Population Prospects: The 2008 Revision» (PDF) (em inglês). UN.org. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  71. Serviço de Informação Estatística Coreana. «"2008년 12월 31일 기준 주민등록인구 및 세대» (em coreano). Kosis.kr. Consultado em 7 de abril de 2010 
  72. Choe Sang-hun (2009). «South Koreans Struggle With Race». New York times.com. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  73. «More Than 1 Million Foreigners Live in Korea» (em inglês). Chosun Ilbo.com. 2009. Consultado em 8 de abril de 2010 
  74. «Mongolians, Koreans share ancient bonds» (em inglês). Taipei Times.com. 2003. Consultado em 8 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  75. «Sea Breeze Helps Korea's Mongolians Speak with One Voice» (em inglês). Chosun Ilbo.com. 2005. Consultado em 8 de abril de 2010 
  76. «Foreign wives need options, shelter Korea». Joon ang Daily.com (em inglês). 2007. Consultado em 9 de abril de 2010 
  77. «Foreign Teachers Unenthusiastic Over Culture Course» (em inglês). Koreatimes.co.kr. 2009. Consultado em 8 de abril de 2010 
  78. Kim Rahn (2009). «South Korea's birthrate world's lowest». Korea Times.co.kr (em inglês). Consultado em 9 de abril de 2010 
  79. Peter J. Smith (2006). «South Korea: Lowest Birthrate in the World» (em inglês). Life Site News.com. Consultado em 10 de abril de 2010 
  80. Peter J. Smith (2006). «South Korea: Lowest Birthrate in the World» (em inglês). Life Site News.com. Consultado em 9 de abril de 2010 
  81. CIA (2010). «Country Comparison :: Life expectancy at birth» (em inglês). The World Factbook. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  82. The result of 2010 Population and Housing Census of Korea, Statistics Korea (em coreano). Página visitada em 12 de março de 2011.
  83. Serviço de Informação Estatística Coreana. «인구,가구/시도별 종교인구/시도별 종교인구 (2005년 인구총조사)» (em coreano). Kosis.nso.go.kr. Consultado em 1 de abril de 2010 
  84. «The Association of Religion Data Archives National Profiles». www.thearda.com. Consultado em 14 de abril de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  85. a b Departamento de Estado de EU (2009). «International Religious Freedom Report 2008 – Korea, Republic of» (em inglês). State.gov. Consultado em 8 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  86. «Religion In South Korea» (em inglês). AsiaRooms. Consultado em 2 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  87. U.S. Library of Congress. «RELIGION» (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2011 
  88. Andrew Eungi Kim (2000). «Christianity, Shamanism, and Modernization in South Korea» (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 8 de abril de 2010 
  89. Theresa Kim Hwa-young (2010). «KOREA Number of Catholics in Korea continues to grow - Asia News» (em inglês). Asianews.it. Consultado em 22 de julho de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  90. Rob Moll (2009). «Missions Incredible» (em inglês). Christianity Today.com. Consultado em 8 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  91. Quang Duc (2001). «Buddhism in Korea» (em inglês). Buddhism Today.com. Consultado em 8 de abril de 2010 
  92. BBC (2002). «Buddhism: Korean Zen Buddhism» (em inglês). BBC.co.uk. Consultado em 8 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  93. «Islam Takes Root and Blooms» (em inglês). Islam Wareness.net. 2002. Consultado em 8 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  94. «Korea's Muslims Mark Ramadan» (em inglês). The Chosun Ilbo.com. 2008. Consultado em 8 de abril de 2010 
  95. «La lengua coreana» (em espanhol). Corea Norte.com. Consultado em 2 de junho de 2010 
  96. a b Governo da Coreia do Sul (2010). «Arte de Hangeul» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  97. Young-Key Kim-Renaud (1998). The Korean Alphabet: Its History and Structure. [S.l.]: University of Hawaii Press. inglês 
  98. Kanno, Hiroomi (1998). Chōsengo o manabō (『朝鮮語を学ぼう』). [S.l.]: Sociedade de Linguística Coreana no Japão. japonês 
  99. a b c d Bill Caraway (1996). «The Korean Government». Journey to Asia. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  100. a b «A Look at Election Through Numbers». Korea Times (em inglês). Consultado em 29 de abril de 2008 
  101. A. Tschentscher (2009). «South Korea - Constitution» (em inglês). UNIBE.ch. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  102. «Defense Budget - South Korea» (em inglês). Global Security.org. 2009. Consultado em 9 de abril de 2010 
  103. a b c «South Korea's Armed Forces, CSIS» (PDF) (em inglês). CSIS.org. 2006. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  104. Bermudez (2001), pg 1.
  105. John Pike (2009). «Republic of Korea Military Guide» (em inglês). Global Security.org. Consultado em 9 de abril de 2010 
  106. Juan Quintana (2009). «Zona desmilitarizada» (em espanhol). Museu Militar.com. Consultado em 14 de junho de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  107. Lee Tae-hoon (2009). «Military Duty Exemption for Biracial Koreans Will Be Scrapped» (em inglês). Korea Times.co.kr. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  108. «Eighth United States Army (EUSA)» (em inglês). Global Security.org. 2005. Consultado em 6 de abril de 2010 
  109. Anthony H. Cordesman (2006). «The Asian Conventional Military Balance in 2006: Overview of major Asian Powers» (PDF) (em inglês). CSIS.org. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  110. International Herald Tribute (2007). «South Korea launches first Aegis-equipped destroyer» (em inglês). IHT.com. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2007  Outro link de arquivo.
  111. John Pike (2009). «ROK Air Force Equipment» (em inglês). Global Security.org. Consultado em 9 de abril de 2010 
  112. Jung Sung-Ki (2008). «US Pilots Test Fly T-50 Trainer» (em inglês). Korea Times.oc.kr. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  113. «America's Unsinkable Fleet» (em inglês). Newsweek. 26 de fevereiro de 2007. Consultado em 17 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  114. John Pike (2009). «South Korean Military Doctrine» (em inglês). Global Security.org. Consultado em 6 de abril de 2010 
  115. Departamento de Estado dos Estados Unidos (10 de dezembro de 2010). «Background Note: South Korea» (em inglês). Bureau of East Asian and Pacific Affairs. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  116. «Países Membros». UNIC Rio de Janeiro. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  117. Folha Online (27 de setembro de 2002). «Confira a lista dos Estados-membros da ONU». Folha.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2011 
  118. «Ban Ki-moon deixa legado misto para Nações Unidas». 29 de dezembro de 2016. Consultado em 1º de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2017 
  119. Comissão Europeia (2008). «External Trade – Trade Issues – South Korea» (em inglês). Europa.eu. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  120. Oficina de relações exteriores e comércio internacional do Canadá (2009). «Canada-Korea – Free Trade Agreement Negotiations» (em inglês). International.gc.ca. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  121. Huang Xingwei (2009). «South Korea, New Zealand launch FTA negotiations _English_Xinhua» (em inglês). Xin Huanet.com. Consultado em 6 de abril de 2010 
  122. a b OCDE. «DAC Members and Date of Membership» (em inglês). Development Co-operation Directorate (DCD-DAC). Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  123. Jairo Mejía (7 de novembro de 2010). «Seul em contagem regressiva para cúpula do G20». UOL Notícias. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  124. «Seul receberá cúpula do G20 em novembro de 2010». Notícias Terra. 9 de novembro de 2009. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  125. «G 20 – Cúpula de Seul 11 e 12 de novembro de 2010 - Credenciamento de imprensa». itamaraty.gov.br. Consultado em 3 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  126. «Coreia do Norte & Coreia do Sul». 30 de junho de 2009. Consultado em 7 de janeiro de 2011 
  127. Anthony; coautores: Shultz, Clifford J. (2006). Handbook of Markets and Economies. [S.l.]: M.E. Sharpe. inglês 
  128. Biblioteca do Congresso (2009). «South Korea - The Economy» (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2010 
  129. «Seoul Upbeat With Record $41 Bil. Surplus» (em inglês). Korea Times.co.kr. 2010. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  130. «US-China Trade Statistics and China's World Trade Statistics» (em inglês). US China.org. 2010. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  131. US Census Bureau (2008). «Top Trading Partners – Total Trade, Exports, Imports». Census.gov. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  132. Direição Geral de Comércio da União Europeia (2008). «Top Trading Partners» (PDF). Europa.eu. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  133. a b Joshua Zumbrun (2008). «In Pictures: World's Most Economically Powerful Cities» (em inglês). Forbes.com. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  134. «City Mayors: World's best financial cities» (em inglês). City Mayors.com. 2008. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  135. FMI (2008). «Korea» (em inglês). IMF.org. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  136. FMI (2010). «South Korea» (em inglês). IMF.org. Consultado em 6 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  137. FMI (2008). «WEO Groups and Aggregates Information» (em inglês). IMF.org. Consultado em 9 de abril de 2010 
  138. «The innovation Imperative in Manufacturing: How the United States Can Restore Its Edge» (PDF) (em inglês). NAM.org. 2009. Consultado em 9 de abril de 2010 
  139. «Seoul Selected as Venue of G-20 Summit in 2010» (em inglês). koreatimes.co.kr. 11 de junho de 2009. Consultado em 4 de fevereiro de 2011 
  140. «OLED TV – displays – screens – gadgets: About OLED» (em inglês). Oled.si. 2007. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  141. «시가총액상위 - Daum 증권» (em coreano). Stock Daum.net. 2008. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  142. «시세정보 - Daum 증권» [시세정보 - Daum 증권]. Stock Daum.net (em coreano). 2008. Consultado em 7 de abril de 2010 
  143. Regentes da Universidade da Califórnia (2005). «KOREA: Future is now for Korean info-tech» (em inglês). Asia media.ucla.edu. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  144. «Internet Statistics: Broadband access (per capita) (most recent) by country». Nation Maste.com. Nation Maste.com. 2009. Consultado em 7 de abril de 2010 
  145. Nate Anderson (2009). «US 20th in broadband penetration, trails S. Korea, Estonia» (em inglês). Arstechnica.com. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  146. Steven E.F. Brown (2009). «US is 15 years behind South korea in Internet speed» (em inglês). San Francisco Business Times.com. Consultado em 9 de abril de 2010 
  147. «한국 또 '세계 디스플레이 4관왕'» (em coreano). News Chosun.com. 2009. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  148. Kim Tong-hyung (2009). «Samsung, LG Compete for Supremacy in TV» (em inglês). Korea Times.co.kr. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  149. Chiara Remondini (2009). «Handset Sales Post Biggest Drop; Nokia's Share Falls» (em inglês). Bloomberg.com. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  150. «Listado de las Mejores Marcas Globales 2009» (em espanhol e inglês). Interbrand.com. 2009. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  151. a b WIPO (2007). «WIPO patent report» (PDF) (em inglês). Cetra Online.it. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2012 
  152. «Informe PISA 2006: Competencias científicas para el mundo del mañana» (em espanhol). Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. 2007. Consultado em 21 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  153. «Broadband Korea: Internet Case Study» (PDF). ITU.int. 2009. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  154. «South Korea Now Open For Foreign Students» (em inglês). Education Blog.net. 2008. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  155. «School Years around the World» (em inglês). World Stats and Facts. 2007. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  156. «South Korea - Educational System—overview» (em inglês). State University.com. 2011. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  157. «Education/Literacy in Korea» (em inglês). AsianInfo.org. 2010. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  158. Ministro da Economia (2007). «Special Report: [Business Opportunities] R&D» (em inglês). MKE.go.kr. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  159. Lee Ho-jeong (2009). «Robot parks, a world first» (em inglês). Joong And Daily.com. Consultado em 9 de abril de 2010 
  160. «HUBO training with weapons» (em inglês). Robotic Zeitgeist. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  161. National Geographic News (15 de maio de 2006). «Photo in the News: Female Android Debuts in S. Korea» (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  162. Park Jong-hong, (28 de julho de 2006). «Multipurpose Satellite Arirang 2 Blasts Off» (em inglês). Arirang.co.kr. Consultado em 7 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  163. Lee Joon-seung (2009). «S. Korea satellite lost after launching» (em inglês). Yonhap News.com. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  164. Amiko Kauderer (2009). «International Space Station Expedition 17» (em inglês). NASA.gov. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  165. BBC News (2010). «South Korea rocket 'explodes' moments aftertake-off». BBC.co.uk. Consultado em 24 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  166. AFP (2007). «Endangered Wolf Cloned in South Korea» (em inglês). Discovery.com. Consultado em 10 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  167. «Biotechnology:A Changing Global Landscape» (PDF) (em inglês). Philau.edu. 2008. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  168. «History of KEC». Korea Expressway Corporation. 2007. Consultado em 27 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  169. Korail (2009). «Site oficial da Korail». Korea railroad. Consultado em 12 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  170. «지하철 9호선 요금 현행대로 900원 '일단' 유지 :: 네이버 뉴스» (em coreano). News Naver.com. 2009. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  171. «Incheon International Airport celebrates its eighth year» (em inglês). Incheon International Airport Corp. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  172. «Transportation Statistics > Heliports (most recent) by country» (em inglês). Nation Master.com. 2008. Consultado em 7 de abril de 2010 
  173. «Company Info / Overview» (em inglês). Korean Air.com. 2010. Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  174. Ministério de Comunicações e Transportes da Coreia do Sur. «International Aviation Policy» (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  175. «Companhias aéreas para Coreia do Sul (KR)». Skyscanner. 2002. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  176. «Cheap Flights to South Korea : Low Cost Budget Airlines» (em inglês). attitudetravel.com. 19 de dezembro de 2008. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  177. Zeller Jr., Tom (23 de outubro de 2006). «The Internet Black Hole That Is North Korea». The New York Times. Consultado em 26 de dezembro de 2008 
  178. Powell, Bill (14 de agosto de 2007). «North Korea». Time. Consultado em 26 de dezembro de 2008 
  179. «Another Korean Nuclear Issue». 19 de julho de 2010. Consultado em 14 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  180. Shinhye Kang (2009). «Korea Hydro to Boost Sepending as It Expands Capacity» (em inglês). Bloomberg.com. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  181. «ITER official site». ITER. 2012. Consultado em 4 de março de 2012 
  182. «South Korea wins landmark Gulf nuclear power deal». =Reuters. 29 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  183. «All systems go for Jordan's first nuclear reactor». UPI. 31 de março de 2010. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  184. «South Korea-Jordan sign $130M nuclear deal». World Nuclear News. 27 de julho de 2010 
  185. «Korea, Argentina Sign MOU for Nuclear Plant Project» (em inglês). Seoul: Chosun Ilbo. 18 de setembro de 2010 
  186. «Argentina eyes nuclear role in S. America» (em inglês). UPI. 17 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  187. «Korea nearing Turkey nuclear plant contract». Seul: Korea Times. 15 de junho de 2010. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  188. Choe Sang-Hun (13 de julho de 2010). «U.S. Wary of South Korea's Plan to Reuse Nuclear Fuel» (em inglês). The New York Times. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  189. «S. Korean Pyroprocessing Awaits U.S. Decision». Arms Control Association. 6 de outubro de 2010. Consultado em 29 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2012 
  190. Library of Congress (maio de 2005). «South Korea country profile» (PDF) (em inglês). Federal Research Division. Consultado em 19 de março de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  191. OCDE (2009). «Society at a Glance 2009: OECD Social Indicators» (em inglês). sourceoecd.org. Consultado em 19 de março de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  192. The Economist (8 de julho de 2010). «Suicide in South Korea» (em inglês). Consultado em 19 de março de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  193. Governo da Coreia do Sul (2010). «Diarios» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 18 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  194. Governo da Coreia do Sul (2010). «Radio» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 18 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  195. Governo da Coreia do Sul (2010). «TV» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 18 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  196. Governo da Coreia do Sul (2010). «Servicio de Internet» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 18 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  197. John K. Fairbank, Edwin O. Reischauer & Albert M. Craig (1978). East Asia: Tradition & Transformation. [S.l.]: Houghton Mifflin Company. 039525812X 
  198. Administração Cultural da Coreia. «Mission and Goal» (em inglês). KCAF.or.kr. Consultado em 8 de abril de 2010 
  199. UNESCO. «Interactive Maps» (em inglês). KCAF.or.kr. Consultado em 12 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  200. Anthony Faiola (2006). «Japanese Women Catch the 'Korean Wave'» (em inglês). The Washington Post.com. Consultado em 9 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  201. Governo da Coreia do Sul (2010). «Corea fue promovida durante la cumbre del Consejo de Servicios Financieros Islámico» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  202. Governo da Coreia do Sul (2010). «Cerámica e impresión» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  203. a b Governo da Coreia do Sul (2010). «Música, teatro y danza» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  204. Governo da Coreia do Sul (2010). «Hanbok (Vestimenta tradicional de Corea)» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  205. Chung Ah-young (31 de março de 2010). «Exhibit Focuses on Traditional Architecture» (em inglês). Korea Times. Consultado em 24 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  206. «Korean traditional houses». park.org (em inglês). Internet 1996 World Exposition. Consultado em 24 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  207. Governo da Coreia do Sul (2010). «Arte decorativo» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  208. Governo da Coreia do Sul (2010). «Ficciones clásicas coreanas». Korea.net (em espanhol). Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  209. Governo da Coreia do Sul (2010). «Novelas modernas» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  210. Chung Ah-young (2008). «Life, Literature of Par Kyung-ni» (em inglês). Korea Times. Consultado em 2 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  211. Governo da Coreia do Sul (2010). «Música coreana (Gugak)» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  212. Kim Won-cum (2008). «빅뱅·BEG·쥬얼리…가요계 대세는 '일렉트로니카'» (em coreano). Star.mt.co.kr. Consultado em 2 de junho de 2010 
  213. Governo da Coreia do Sul. «K-Pop» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 2010 
  214. «Power Trio: Three Big Talent Agencies Control Much of Korea's Film Industry». Variety (em inglês). 11 de maio de 2016. Consultado em 29 de março de 2017 
  215. a b Governo da Coreia do Sul (2010). «Películas» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  216. «Awards 2004» (em inglês). Festival Cannes.fr. 2010. Consultado em 2 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  217. a b Governo da Coreia do Sul (2010). «Hansik (Comida tradicional de Corea)» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  218. Governo da Coreia do Sul (2010). «Qué comer» (em espanhol). Korea.net. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  219. Organização de Turismo da Coreia (2010). «Tés Tradicionales» (em espanhol). Visit Korea.or.kr. Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2012 
  220. Organização de Turismo da Coreia (2010). «Licores y Vinos Tradicionales» (em espanhol). Visit Korea.or.kr. Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2012 
  221. «História do Taekwondo». Consultado em 2 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de junho de 2015 
  222. Confederação de Hapkidô (2010). «O que é HAPKIDO». Consultado em 2 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  223. «O que é Hapkido e sua História». Marcial Shop. Consultado em 2 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  224. «Taekkyeon». VisitKorea.or.kr. Consultado em 2 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  225. «Tangsudo». Nundo Marcial. Consultado em 2 de fevereiro de 2011 
  226. «Kuk Sool Won at the University of Illinois Urbana-Champaign». Consultado em 2 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  227. KOIS (2003), pág. 632.
  228. a b c COI (2010). «Republic of Korea» (em inglês). Olympic.org. Consultado em 12 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  229. FIFA (2010). «República de Corea: Clasificación Mundial/FIFA Coca Cola» (em espanhol). FIFA.com. Consultado em 12 de abril de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  230. Diario AS. «GP de Corea Del Sur Yeongam» (em espanhol). Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  231. «13. Campeonato Mundial de Atletismo - Daegu 2011». Consultado em 21 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  232. UOL Esporte (2011). «Cidade sul-coreana sediará os Jogos Olímpicos de Inverno em 2018». UOL. Consultado em 6 de julho de 2011. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 
  233. «National Holidays». Official Site ok Korea Tourism Org.: National Holidays. 2010. Consultado em 2 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2012 

Bibliografia

  • Breen, Michael (2004). The Koreans: Who They Are, What They Want, Where Their Future Lies (em inglês). [S.l.]: St. Martin's Griffin. ISBN 0312326092 
  • Cumings, Bruce (1997). Korea's place in the sun (em inglês). Nova Iorque: W.W. Norton. ISBN 0-393-31681-5 
  • Hart, Dennis (2003). From Tradition to Consumption: Constructing a Capitalist Culture in South Korea (em inglês). Seul: [s.n.] ISBN 89-88095-44-8 
  • Hawley, Samuel (2005). The Imjin War. Japan's Sixteenth-Century Invasion of Korea and Attempt to Conquer China (em inglês). Seul: The Royal Asiatic Society. ISBN 89-954424-2-5 
  • KOIS (2003). Handbook of Korea (em inglês) 11 ed. Seul: Hollym. ISBN 1-56591-212-8 
  • Nahm, Andrew C. (1996). Korea: A history of the Korean people (em inglês) 2 ed. Seul: Hollym. ISBN 1-56591-070-2 
  • Yang, Sung Chul (1999). The North and South Korean political systems: A comparative analysis (em inglês). Seul: Hollym. ISBN 1-56591-105-9 
  • Yonhap News Agency (2004). Korea Annual 2004 (em inglês). Seul: [s.n.] ISBN 89-7433-070-9 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Wikidata Base de dados no Wikidata