República de Ezo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



República de Ezo
蝦夷共和国

Estado não-reconhecido

1869

Brasão de Ezo Kyōwakoku

Brasão

Localização de Ezo Kyōwakoku
Continente Ásia
Capital Hakodate
Língua oficial Japonês, Ainu
Governo República
Presidente Enomoto Takeaki
História
 • 27 de janeiro de 1869 Fundação
 • 27 de junho de 1869 Dissolução
Os líderes da República de Ezo.

A República de Ezo (蝦夷共和国, Ezo Kyōwakoku) foi um estado natimorto estabelecido em 1869 por ex-membros do Xogunato Tokugawa no que é hoje conhecido como Hokkaido, a ilha mais setentrional do arquipélago japonês; grande, porém a mais esparsamente povoada do Japão moderno.[1][2]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Após a derrota das forças do Xogunato Tokugawa na Guerra Boshin (1869) da Restauração Meiji, uma parte da marinha do ex-xogum liderada pelo Almirante Enomoto Takeaki fugiu para a Ilha de Ezo (agora conhecida como Hokkaido), junto com vários milhares de soldados e um alguns conselheiros militares franceses com seu líder, Jules Brunet. Enomoto fez um último esforço para pedir à Corte Imperial que permitisse desenvolver Hokkaido e manter as tradições samurai intocadas, mas seu pedido foi negado.[3]

Estabelecimento da República[editar | editar código-fonte]

A sede governamental da República de Ezo, dentro da fortaleza de Goryōkaku.

Em 27 de janeiro de 1869 (Novo Estilo), a independente "República de Ezo" foi proclamada, com uma organização governamental baseada na dos Estados Unidos, com Enomoto eleito seu primeiro presidente (sōsai). As eleições foram baseadas no sufrágio universal entre a classe samurai. Esta foi a primeira eleição realizada no Japão, onde a estrutura feudal sob um imperador com daimiôs era a norma. Por meio do magistrado de Hakodate, Nagai Naoyuki, foram feitas tentativas para chegar às legações estrangeiras presentes em Hakodate para obter reconhecimento diplomático internacional.[4]

O tesouro incluía 180 mil ryō em moedas de ouro recuperados do Castelo de Osaka seguido da partida precipitada do xogum Tokugawa Yoshinobu após a Batalha de Toba-Fushimi no início de 1868.[5]

Durante o inverno de 1868-1869, as defesas ao redor da península sul de Hakodate foram reforçadas, com a fortaleza de Goryōkaku no centro. As tropas foram organizadas sob um comando conjunto franco-japonês, o comandante-em-chefe Ōtori Keisuke foi destacado pelo capitão francês Jules Brunet e dividido em quatro brigadas, cada uma comandada por um oficial francês (Fortant, Marlin, Cazeneuve e Bouffier). As brigadas foram divididas em duas meias-brigadas cada, sob o comando japonês.[5]

Brunet exigiu (e recebeu) uma promessa pessoal de lealdade de todos os oficiais e insistiu em que assimilassem as ideias francesas. Um oficial francês anônimo escreveu que Brunet havia se encarregado de tudo:

Derrota pelas Forças Imperiais[editar | editar código-fonte]

As tropas imperiais logo consolidaram seu domínio no Japão continental e, em abril de 1869, enviaram uma frota e uma força de infantaria de 7.000 homens para Hokkaido. As forças imperiais progrediram rapidamente, venceram a Batalha de Hakodate e cercaram a fortaleza em Goryōkaku. Enomoto se rendeu em 26 de junho de 1869, entregando o Goryōkaku ao oficial da equipe de Satsuma, Kuroda Kiyotaka, em 27 de junho de 1869.[7] Kuroda teria ficado profundamente impressionado com a dedicação de Enomoto em combate e é lembrado como aquele que o poupou da execução. Em 20 de setembro do mesmo ano, a ilha recebeu seu nome atual, Hokkaido (Hokkaido, literalmente "Circuito do Mar do Norte").[7]

Referências

  1. Ballard C. B., Vice-Admiral G.A. The Influence of the Sea on the Political History of Japan. London: John Murray, 1921.
  2. Black, John R. Young Japan: Yokohama and Yedo, Vol. II. London: Trubner & Co., 1881.
  3. Hillsborough, Romulus (2005). Shinsengumi: The Shogun's Last Samurai Corps. Tuttle Publishing. ISBN 0-8048-3627-2. p.4
  4. Hübner, Joseph Alexander (1874). A Ramble Round the World, 1871: Japan. Londres: Macmillan. p. 138. Consultado em 13 de junho de 2018 
  5. a b Onodera Eikō, Boshin Nanboku Senso to Tohoku Seiken. Sendai: Kita no Sha, 2004. p.97
  6. Sims, Richard. French Policy towards the Bakufu and Meiji Japan 1854–1895, Richmond: Japan Library, 1998.
  7. a b Onodera, 2004, p. 196.