Reprodução medicamente assistida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A reprodução medicamente assistida (RMA), também chamada procriação medicamente assistida (PMA), contempla o uso de diferentes técnicas médicas para auxiliar a reprodução humana. Estas técnicas são normalmente utilizadas em casais inférteis, ainda que também o sejam em casais em que haja portadores do vírus da imunodeficiência humana (HIV positivo), ou do vírus da hepatite B ou C. Outra parcela do público alvo são casais com elevado risco de transmissão de doenças genéticas (por exemplo, polineuropatia amiloidótica familiar ou ainda trissomia 21).

Entre as técnicas, estão a inseminação artificial intrauterina, a fertilização in vitro, a microinjecção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI - Intra Citoplasmic Sperm Injection).

Breve Histórico[1][editar | editar código-fonte]

Lesley e John Brown, um casal de Bristol, não obtiveram sucesso após 9 anos tentando conceber naturalmente. Lesley Brown tinha obstrução bilateral das tubas uterinas, que não foi resolvida mesmo sob abordagem cirúrgica. No ano de 1976, o Dr. Patrick Steptoe foi indicado ao casal, que os aconselhou a tentar uma nova abordagem experimental. Foi realizada coleta laparoscópica dos oócitos em um ciclo natural e não-induzido de ovulação. Em laboratório, o fisiologista Robert Edwards fertilizou, com o esperma de John Brown, o oócito coletado. Após alguns dias, um embrião no estágio de 8 células foi transferido ao útero de Lesley. Em 25 de julho de 1978, nasce Louise Brown, a 38 semanas de gestação, inaugurando uma nova era: a Reprodução Humana Assistida.[2]

Infertilidade[editar | editar código-fonte]

A infertilidade é um caráter multifatorial e complexo, com ampla variação de manifestações clínicas. Apesar de avanços nas pesquisas em infertilidade, pouco se progrediu no campo de opções de tratamentos. Anomalias cromossômicas são uma das principais causas genéticas de infertilidade. No entanto, há influência epigenética, ambiental, de hábito de vida, entre outros, nesse caráter.[2]

Na mulher[editar | editar código-fonte]

A infertilidade feminina está associada diversos fatores, tais como:

No homem[editar | editar código-fonte]

São fatores que permeiam a infertilidade masculina:

Técnicas[editar | editar código-fonte]

Desde 1978, ano em que foi anunciado o nascimento de Louise Brown - o primeiro "bebê de proveta" - aproximadamente 6 milhões[3] de bebês in vitro nasceram. A equipe Robert Geoffrey Edwards, Patrick Steptoe e Jean Purdy abriu caminho para um ramo importantíssimo da saúde humana - a reprodução assistida.[4]

As técnicas foram se aperfeiçoando ao passo que os métodos foram sendo difundidos e espera-se que, até 2100, técnicas de fertilização in vitro tenham constituído 3,5% da população mundial.[3][2]

Os procedimentos de reprodução assistida frequentemente estão associados a preparação espermática e estímulos à ovulação, explicados a seguir, que elevam as taxas de sucesso dos procedimentos.[4][2]

Preparação Espermática[5][6][7][editar | editar código-fonte]

A incubação dos espermatozoides em temperatura ambiente culmina em bloqueio temporário da capacitação espermática. Incubando os gametas masculinos a 37°C, é possível induzir o processo de capacitação e a reação acrossômica.[4][2]

O processo de preparação para inseminação é feito para remoção de, entre outros,  prostaglandinas, agentes infecciosos, proteínas antigênicas e plasma seminal. A técnica tradicionalmente empregada é a de uma lavagem dupla, que envolve centrifugações e ressuspensões em soluções tampão adequadas. Além disso, pode ser feita a seleção da população de espermatozoides com maior motilidade. Mais recentemente, foi desenvolvido um método de filtração chamado SpermPrep (ZBL, Inc., Lexington, KY 40523, USA), que, além dos benefícios já citados, aumenta a qualidade geral do esperma visto que remove leucócitos e dejetos seminais.[4][2]

Indução da Ovulação[editar | editar código-fonte]

O protocolo de indução de ovulação[8][1], também chamada de superovulação, é basicamente uma terapia hormonal. É administrado Hormônio Folículo Estimulante (FSH) até que o tamanho de pelo menos dois folículos ovarianos e os níveis séricos de estradiol atinjam valores ideais. Nessas condições, uma dose de Gonadotropina Coriônica Humana (hCG) é administrada, promovendo a ovulação (aproximadamente 36h após a injeção).[4][2]

Foram utilizados como estimuladores de ciclo ovariano o Citrato de Clomifeno (CC) e a Gonadotropina Menopáusica Humana (hMG). Para evitar ovulação prematura, utiliza-se um agonista de Hormônio Liberador de Gonadotropinas (GnRH) e para induzir ovulação, um agonista de Hormônio Liberador de Hormônio Luteinizante (LHRH)[9].

Técnicas principais[editar | editar código-fonte]

Inseminação artificial ou IUI (Intra Uterine Insemination)[editar | editar código-fonte]

Esta técnica é utilizada em casos de incapacidade de ejaculação, distúrbios de ovulação, alterações no muco cervical que reduzam a motilidade dos espermatozoides no útero, alterações na qualidade do sêmen, alterações nas trompas de Falópio e endometriose.[4]

A inseminação artificial consiste em conduzir os espermatozoides ao útero, facilitando a fertilização. Os espermatozoides passam por processos de capacitação e preparação, previamente explicados.[4][2]

Fertilização in vitro ou IVF[editar | editar código-fonte]

Esta técnica é indicada em casos de lesão das trompas, gravidez ectópica, laqueação irreversível das trompas, endometriose, infertilidade masculina e em casos de infertilidade sem causa aparente.[4]

Antes da fertilização em si, é feita a já mencionada indução da ovulação, para estimular o desenvolvimento e amadurecimento dos ovócitos II. Coleta-se, então, o gameta feminino. A coleta dos espermatozoide pode se dar por masturbação ou, se houver algum problema relacionado à motilidade espermática ou à ejaculação, colhe-se os espermatozoides do epidídimo.[4]

Depois de colhidos os gametas, realiza-se a fertilização in vitro dos oócitos II num meio de cultura apropriado. Na etapa seguinte, procuram-se sinais de fecundação, ou seja, presença de dois pró-núcleos. Os óvulos, após a fecundação, são incubados no mesmo meio de cultura durante 48h até que atinjam o estado de 6-8 células. Em seguida, um embrião é selecionado e transferido para o útero através de um cateter especial de plástico com monitorização ecográfica.[4]

ICSI[editar | editar código-fonte]

Injeção intracitoplasmática de espermatozoides ou ICSI (Intracytoplasmatic Sperm Injection).[10] é indicada para o tratamento da infertilidade masculina (poucos ou nenhuns espermatozoides no ejaculado, espermatozoides com baixa mobilidade, baixa percentagem de espermatozoides com morfologia normal, entre outras causas.)‏ A técnica de ICSI é realizada com auxílio de micromanipuladores unidos ao microscópio e consiste em injetar um único espermatozoide diretamente dentro do ovócito, promovendo, assim, a fecundação. O trabalho é feito numa placa de Petri com duas micropipetas: uma delas vai segurar o ovócito e a outra vai pegar o espermatozoide e injetá-lo no ooplasma, ultrapassando a zona pelúcida. A verificação da fecundação é feita após cerca de 18 horas, com auxílio de microscópio. Os embriões resultantes são transferidos ao útero, de forma semelhante à descrita acima.[4]

SUZI - Injeção Sub-Zonal[11][editar | editar código-fonte]

Esta técnica consiste em injetar o espermatozoide abaixo da zona pelúcida (no espaço perivitelínico), sendo uma alternativa bem sucedida para a infertilidade masculina. O espermatozoide deve ser previamente capacitado. Uma outra técnica que tem como alvo a transposição zona pelúcida é aquela em que essa barreira é parcialmente aberta[12]. Pequenos furos são feitos em decorrência da exposição do oócito a meio de cultura ácido. Também é possível realizar uma microcirurgia no oócito ou utilizar laser[13] para remover uma pequena parte da zona pelúcida.[2]

GIFT[editar | editar código-fonte]

Transferência intratubárica de gametas ou GIFT (Gamete Intrafallopian Transfer)[14] é indicada para casos em que a infertilidade se relaciona com disfunções do esperma, quando a causa de infertilidade é desconhecida ou quando existem anomalias no muco cervical. Nesta técnica, os gametas são obtidos pelas mesmas técnicas utilizadas na fertilização in vitro e na microinjeção. Após serem preparados em laboratório, os oócitos e os espermatozoides são colocados nas trompas de Falópio através de laparoscopia. Neste caso, a fecundação é in vivo.[2][15]

ZIFT[editar | editar código-fonte]

Transferência intratubárica de zigotos ou ZIFT (Zygote Intrafallopian Transfer)(Zygote Intrafallopian Transfer)[16] Esta técnica é uma variante da GIFT. Na ZIFT, após recolha e seleção de oócitos e espermatozoides, pelas mesmas técnicas da FIV, os gametas são postos em contato in vitro, num meio de cultura adequado, durante 18 a 24 horas. Após a fecundação, realiza-se uma laparoscopia e transfere-se o(s) zigoto(s) para as trompas de Falópio.[2]

Técnicas complementares[editar | editar código-fonte]

Histeroscopia e laparoscopia[editar | editar código-fonte]

Na laparoscopia, é feita uma pequena incisão no umbigo e é introduzido um telescópio fino (laparoscópio), que é um instrumento de fibra óptica que permite realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos. A histeroscopia é uma endoscopia uterina, ou seja, é um exame que permite ver a parede interna do útero, através de um histeroscópio, podendo a paciente acompanhar todo o processo através de um televisor.

Diagnóstico Genético Pré-implantatório (PGD)[17][editar | editar código-fonte]

Desde a década de 1980, a técnica da biópsia muito empregada para análises genéticas. Ela consiste na remoção de uma ou poucas células e as submete a testes genéticos, como cariótipo. Com o advento das técnicas de biologia molecular, principalmente nos anos 1990, novos métodos de análise foram surgindo, tais como hibridação in situ fluorescente (FISH) e reação em cadeia da polimerase (PCR). FISH é utilizada para verificar aneuploidias e translocações, ao passo que a PCR é empregada na análise de alterações monogênicos.[4][15]

Depois de 2010, outras técnicas moleculares foram empregadas nos testes dos embriões, tais como o teste por polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs), PCR quantitativa em tempo real (QT-PCR) e sequenciamento de nova geração (NGS). O NGS, por ter menor tempo de teste e maior custo-benefício, se popularizou, apesar de FISH ainda ser empregada para translocações e inversões teloméricas.[2][15]

Devido ao caráter invasivo da biópsia embrionária, hé esforço da comunidade científica para o desenvolvimento de outros métodos para coleta de amostras de DNA. É possível citar a tentativa de isolamento de DNA do fluido da blastocele para teste de microarray para aneuploidias em 2013[18]. Atualmente, é realizada a análise de DNA fetal circulante no plasma materno (cffDNA).[15]

Riscos[editar | editar código-fonte]

Os principais riscos comportados pela concepção assistida são:

  • erro humano;
  • gestações múltiplas;
  • malformações congénitas;
  • complicações resultantes do tratamento hormonal ou de uma gestação múltipla aumentam os riscos para a saúde da mãe;
  • desapontamento do casal, no caso de ineficácia dos tratamentos;
  • a laparoscopia exige anestesia geral e isso, em situações muito raras, pode trazer complicações;

Epigenética[19][20][editar | editar código-fonte]

A Epigenética tem como base a modificação herdável da expressão gênica sem alteração da sequência nucleotídica do DNA. Os microambientes celular e nuclear exercem influência sobre as marcas epigenéticas nos genomas, tais como acetilações e metilações.[2][15]

O estabelecimento do epigenoma humano se dá principalmente durante a gametogênese e o início do desenvolvimento embrionário. Tendo isso em vista, é possível que as técnicas de Reprodução Medicamente Assistida alterem o epigenoma gamético e/ou embrionário, podendo resultar em desfechos médicos adversos na prole.[2][15]

No entanto, pouco se sabe sobre a epigenética de gametas e sobre o efeito das técnicas de reprodução assistida sobre as marcas epigenéticas.[2]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. a b Kamel, Remah Moustafa (2013). «Assisted Reproductive Technology after the Birth of Louise Brown». Journal of Reproduction & Infertility. 14 (3): 96–109. ISSN 2228-5482. PMC PMCPMC3799275Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 24163793 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o Kamel, Remah Moustafa (2013). «Assisted Reproductive Technology after the Birth of Louise Brown». Journal of Reproduction & Infertility. 14 (3): 96–109. ISSN 2228-5482. PMC PMCPMC3799275Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 24163793 
  3. a b Ledford, Heidi (23 de julho de 2018). «IVF at 40: revisiting the revolution in assisted reproduction». Nature (em inglês). doi:10.1038/d41586-018-05792-9 
  4. a b c d e f g h i j k l Jr, M. Macek; Viville, S.; Vermeesch, J. R.; Veiga, A.; Montfoort, A. P. A. van; Soini, S.; Spits, C.; Sermon, K.; Pennings, G. (2018). «Recent developments in genetics and medically assisted reproduction: from research to clinical applications». European Journal of Human Genetics (em inglês). 26 (1): 12–33. ISSN 1476-5438. doi:10.1038/s41431-017-0016-z 
  5. Ombelet, W.; Van Robays, J. (2015). «Artificial insemination history: hurdles and milestones». Facts, Views & Vision in ObGyn. 7 (2): 137–143. ISSN 2032-0418. PMC PMCPMC4498171Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 26175891 
  6. Selvaraj, Priya; Selvaraj, Kamala; Kalaichelvi, S.; Mahalakshmi, R. (2013). «Semen preparation techniques in intrauterine insemination: A comparison of non-temperature and temperature controlled centrifugation in cases of unexplained infertility». Journal of Human Reproductive Sciences. 6 (4): 241–244. ISSN 0974-1208. PMC PMCPMC3963306Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 24672162. doi:10.4103/0974-1208.126289 
  7. ZAVOS; CENTOLA, Panayiotis; Grace (1992). «Methods Intrauterine Pregnancy of Semen Preparation for Insemination and Subsequent Rates». Tohoku J. Exp. Med.,. Consultado em 1 de abril de 2019 
  8. Guzick, David S.; Carson, Sandra Ann; Coutifaris, Christos; Overstreet, James W.; Factor-Litvak, Pam; Steinkampf, Michael P.; Hill, Joseph A.; Mastroianni, Luigi; Buster, John E. (21 de janeiro de 1999). «Efficacy of Superovulation and Intrauterine Insemination in the Treatment of Infertility». New England Journal of Medicine. 340 (3): 177–183. ISSN 0028-4793. PMID 9895397. doi:10.1056/NEJM199901213400302 
  9. Emperaire, J. C.; Ruffié, A.; Audebert, A. J. (1992). «[Ovulation induction by endogenous LH released by the administration of an LHRH agonist after follicular stimulation for in vitro fertilization]». Journal De Gynecologie, Obstetrique Et Biologie De La Reproduction. 21 (5): 489–494. ISSN 0368-2315. PMID 1401761 
  10. Steirteghem, A. C. Van; Devroey, P.; Joris, H.; Palermo, G. (4 de julho de 1992). «Pregnancies after intracytoplasmic injection of single spermatozoon into an oocyte». The Lancet (em English). 340 (8810): 17–18. ISSN 0140-6736. PMID 1351601. doi:10.1016/0140-6736(92)92425-F 
  11. Laws-King, Andrea; Trounson, Alan; Sathananthan, Henry; Kola, Ismail (Outubro de 1987). «Fertilization of human oocytes by microinjection of a single spermatozoon under the zona pellucida». Fertility and Sterility. 48 (4): 637–642. ISSN 0015-0282. doi:10.1016/s0015-0282(16)59478-3 
  12. Massey, Joe; Kort, Hilton; Elsner, Carlene; Wright, Graham; Fehilly, Carole; Malter, Henry; Cohen, Jacques (16 de julho de 1988). «IMPLANTATION OF EMBRYOS AFTER PARTIAL OPENING OF OOCYTE ZONA PELLUCIDA TO FACILITATE SPERM PENETRATION». The Lancet (em English). 332 (8603). 162 páginas. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/S0140-6736(88)90710-6 
  13. Palanker, Daniel; Ohad, Shoshanit; Lewis, Aaron; Simon, Alex; Shenkar, Joseph; Penchas, Shmuel; Laufer, Neri (1991). «Technique for cellular microsurgery using the 193-nm excimer laser». Lasers in Surgery and Medicine. 11 (6): 580–586. ISSN 0196-8092. doi:10.1002/lsm.1900110613 
  14. Asch, R. H.; Ellsworth, L. R.; Balmaceda, J. P.; Wong, P. C. (3 de novembro de 1984). «Pregnancy after translaparoscopic gamete intrafallopian transfer». Lancet (London, England). 2 (8410): 1034–1035. ISSN 0140-6736. PMID 6149412 
  15. a b c d e f Sunderam, Saswati; Kissin, Dmitry M.; Crawford, Sara B.; Folger, Suzanne G.; Boulet, Sheree L.; Warner, Lee; Barfield, Wanda D. (Fevereiro de 2018). «Assisted Reproductive Technology Surveillance - United States, 2015». Morbidity and Mortality Weekly Report. Surveillance Summaries (Washington, D.C.: 2002). 67 (3): 1–28. ISSN 1545-8636. PMC PMCPMC5829941Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 29447147. doi:10.15585/mmwr.ss6703a1 
  16. Devroey, Paul; Braeckmans, Paul; Smitz, Johan; Waesberghe, LindaVan; Wisanto, Arjoko; Steirteghem, Andrévan; Heytens, Luc; Camu, Fréderic (1986-06). «PREGNANCY AFTER TRANSLAPAROSCOPIC ZYGOTE INTRAFALLOPIAN TRANSFER IN A PATIENT WITH SPERM ANTIBODIES». The Lancet. 327 (8493). 1329 páginas. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/s0140-6736(86)91250-x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  17. Parikh, FiruzaRajesh; Athalye, ArundhatiSitaram; Naik, NandkishorJagannath; Naik, DattatrayJayaram; Sanap, RupeshRamesh; Madon, ProchiFali (2018). «Preimplantation genetic testing: Its evolution, where are we today?». Journal of Human Reproductive Sciences. 11 (4). 306 páginas. ISSN 0974-1208. doi:10.4103/jhrs.jhrs_132_18 
  18. Palini, S.; Galluzzi, L.; De Stefani, S.; Bianchi, M.; Wells, D.; Magnani, M.; Bulletti, C. (Junho de 2013). «Genomic DNA in human blastocoele fluid». Reproductive BioMedicine Online. 26 (6): 603–610. ISSN 1472-6483. doi:10.1016/j.rbmo.2013.02.012 
  19. Macek, M.; Viville, S.; Vermeesch, J. R.; Veiga, A.; van Montfoort, A. P. A.; Soini, S.; Spits, C.; Sermon, K.; Pennings, G. (5 de outubro de 2017). «Recent developments in genetics and medically-assisted reproduction: from research to clinical applications». Human Reproduction Open (em inglês). 2017 (3). PMC PMC6276693Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). doi:10.1093/hropen/hox015 
  20. on behalf of ESHG, ESHRE and EuroGentest2; Harper, Joyce C; Geraedts, Joep; Borry, Pascal; Cornel, Martina C; Dondorp, Wybo; Gianaroli, Luca; Harton, Gary; Milachich, Tanya (Novembro de 2013). «Current issues in medically assisted reproduction and genetics in Europe: research, clinical practice, ethics, legal issues and policy: European Society of Human Genetics and European Society of Human Reproduction and Embryology». European Journal of Human Genetics (em inglês). 21 (S2): S1–S21. ISSN 1018-4813. PMC PMC3831061Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 24225486. doi:10.1038/ejhg.2013.219