Reserva Extrativista do Quilombo do Frechal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Reserva Extrativista do Quilombo do Flexal
Localização Maranhão, Brasil
Dados
Área 9.542 hectares
Criação 20 de maio de 1992
Gestão ICMBio
Coordenadas 2° 0' 35" S 44° 52' 11" O

A Reserva Extrativista do Quilombo do Frechal é uma unidade de conservação federal do Brasil categorizada como reserva extrativista e criada por Decreto Presidencial em 20 de maio de 1992 numa área de 9.542 hectares no estado do Maranhão.

Fica localizada no município de Mirinzal, na região da Baixada Maranhense, a 450 km de São Luís.

A criação da reserva está ligada à luta das comunidades remanescentes de quilombos pelo reconhecimento do direito às terras ocupadas tradicionalmente na região desde o século XVIII.[1][2]

Tem como cobertura Florestal predominante a Floresta Secundária Latifoliada, onde áreas devastadas favorecem o aumento do número de palmeiras de babaçu, além da floresta ciliar ao longo dos cursos d'água. A reserva pertence à bacia hidrográfica do Rio Uru, onde se encontram áreas de campos inundáveis, típicos da Baixada Ocidental Maranhense.[1][3]

Três pequenas comunidades (Frechal, Rumo e Deserto) vivem na RESEX, praticando a agricultura de subsistência, pecuária e a pesca (espécies como traíra, pacu, aracu, piranha, piau, piaba, etc.); além da extração do coco babaçu pelas quebradeiras de coco babaçu, utilizado para a produção de óleo e leite, suas folhas para confecção de cestos e construção de casas e a sua casca para a produção de carvão vegetal. Outras plantas também têm grande importância para a comunidade: o buriti, a juçara (ou açaí) o tucum, a bacaba.[1]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma Unidade de Conservação da Natureza é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c «Quilombo Frechal | Unidades de Conservação». uc.socioambiental.org. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  2. «A historia da minha comunidade, o Quilombo Frechal». Pororoca. 25 de março de 2016 
  3. «Quilombo de Frechal | Museu Afro Digital – UFMA». www.museuafro.ufma.br. Consultado em 27 de outubro de 2018