Reserva biológica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Reserva biológica (Brasil)
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Green pog.svg
Localização das reservas biológicas federais brasileiras.

Reserva Biológica consiste em uma categoria de unidade de conservação ambiental na legislação brasileira. O Brasil possui, atualmente, 60 reservas biológicas, sendo uma das categorias de unidades de conservação integral definidas na Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza, encaixadas na categoria Ia pela IUCN. Destas, 30 são reservas biológicas federais, 23 são estaduais e 7 são municipais. A categoria de reserva biológica foi definida pela Lei de Proteção dos Animais, de 1967.[1] Atualmente, as reservas federais são administrados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), uma autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente criada em 2007, enquanto que reservas estaduais são administradas pelos órgãos estaduais correspondentes. As reservas biológicas têm como objetivo a preservação integral da biota e demais atributos naturais existentes em seus limites, sem interferência humana direta ou modificações ambientais, excetuando-se as medidas de recuperação de seus ecossistemas alterados e as ações de manejo necessárias para recuperar e preservar o equilíbrio natural, a diversidade biológica e os processos ecológicos naturais.[2]

A primeira reserva biológica federal, a de Poço das Antas no Rio de Janeiro, foi criada através do Decreto Nº 73.791, emitido em 11 de março de 1974 por Emílio Garrastazu Médici. Essa reserva foi criada com o intuito de proteger o mico-leão-dourado.[3] A criação dessa reserva foi seguida pela do Atol das Rocas em 5 de junho de 1979, no Rio Grande do Norte, sendo a primeira unidade de conservação federal do bioma marinho, e pela do Jaru, em 11 de julho de 1979, em Rondônia. A menor reserva biológica federal brasileira, é a de Saltinho, na Zona da Mata Pernambucana, com pouco menos de 6 km², enquanto que a maior é a Reserva Biológica do Uatumã, às margens do Reservatório de Balbina no Amazonas, com mais de 9 mil km².

Nem todos os biomas brasileiros possuem reservas biológicas federais, e a maior parte delas se localiza na Amazônia e Mata Atlântica.[4] E de todas as reservas biológicas federais, apenas aquelas localizadas na Amazônia possuem área considerável, sendo que nos outros biomas (Mata Atlântica, Caatinga e Cerrado) elas dificilmente ultrapassam 200 km² de área. Entretanto, as reservas localizadas na Mata Atlântica protegem importantes porções de floresta, seja por conta de serem os maiores fragmentos em determinada região, seja por serem centros de alta biodiversidade, como é o caso das reservas biológicas de Una, de Sooretama e de Pedra Talhada.

Pela lei, é proibida a visitação pública nas reservas biológicas, exceto aquela com objetivo educacional, de acordo com regulamento específico. Já a pesquisa científica depende de autorização prévia do órgão responsável pela administração da unidade e está sujeita às condições e restrições por este estabelecidas, bem como aquelas previstas em regulamento.[2]

A seguinte lista foi baseada nos dados disponíveis on-line pelo ICMBio e o MMA.[4] [5]

Reservas biológicas federais do Brasil[editar | editar código-fonte]

Nome Localização Bioma Data de criação Área
Abufari  Amazonas
5° 14′ S 63° 3′ W
Amazônia 20 de setembro de 1982 (33 anos) &0000000000223861.940000223 861,94 hectares (2 238 6 km2)
Atol das Rocas  Rio Grande do Norte
3° 51′ S 33° 48′ W
Marinho 5 de junho de 1979 (36 anos) &0000000000035186.17000035 186,17 hectares (351 9 km2)
Araucárias  Paraná
25° 14′ S 50° 30′ W
Mata Atlântica 23 de março de 2006 (9 anos) &0000000000014929.79000014 929,79 hectares (149 3 km2)
Augusto Ruschi  Espírito Santo
19° 53′ S 40° 33′ W
Mata Atlântica 20 de setembro de 1982 (33 anos) &0000000000003562.2800003 562,28 hectares (35 6 km2)
Bom Jesus  Paraná
25° 20′ S 48° 35′ W
Mata Atlântica 5 de junho de 2012 (3 anos) &0000000000034178.73000034 178,73 hectares (341 8 km2)
Comboios  Espírito Santo
19° 41′ S 39° 55′ W
Marinho 25 de setembro de 1984 (31 anos) &0000000000000784.670000784,67 hectares (7 8 km2)
Contagem  Distrito Federal
15° 39′ S 47° 52′ W
Cerrado 13 de dezembro de 2002 (13 anos) &0000000000003411.7200003 411,72 hectares (34 1 km2)
Córrego Grande  Espírito Santo
18° 15′ S 39° 48′ W
Mata Atlântica 12 de abril de 1989 (26 anos) &0000000000001503.7400001 503,74 hectares (15 0 km2)
Córrego do Veado  Espírito Santo
18° 20′ S 40° 8′ W
Mata Atlântica 20 de setembro de 1982 (33 anos) &0000000000002375.7400002 375,74 hectares (23 8 km2)
Guaporé  Rondônia
12° 30′ S 62° 53′ W
Amazônia 20 de setembro de 1982 (33 anos) &0000000000615798.820000615 798,82 hectares (6 158 0 km2)
Guaribas  Paraíba
6° 43′ S 35° 10′ W
Mata Atlântica 25 de janeiro de 1990 (26 anos) &0000000000004051.6000004 051,60 hectares (40 5 km2)
Gurupi  Maranhão
3° 48′ S 46° 46′ W
Amazônia 12 de janeiro de 1988 (28 anos) &0000000000271180.490000271 180,49 hectares (2 711 8 km2)
Jaru  Rondônia
9° 54′ S 61° 42′ W
Amazônia 11 de julho de 1979 (36 anos) &0000000000346860.650000346 860,65 hectares (3 468 6 km2)
Lago Piratuba  Amapá
1° 35′ N 50° 12′ W
Amazônia 16 de julho de 1980 (35 anos) &0000000000392468.240000392 468,24 hectares (3 924 7 km2)
Marinha do Arvoredo  Santa Catarina
27° 17′ S 48° 21′ W
Marinho 12 de março de 1990 (25 anos) &0000000000017104.52000017 104,52 hectares (171 0 km2)
Mata Escura  Minas Gerais
16° 17′ S 41° 6′ W
Mata Atlântica 6 de junho de 2003 (12 anos) &0000000000050892.10000050 892,10 hectares (508 9 km2)
Nascentes da Serra do Cachimbo Pará Pará
9° 0′ S 54° 41′ W
Amazônia 20 de maio de 2005 (10 anos) &0000000000342193.870000342 193,87 hectares (3 421 9 km2)
Pedra Talhada  Alagoas
 Pernambuco
9° 13′ S 36° 25′ W
Mata Atlântica 20 de maio de 2005 (10 anos) &0000000000004382.3700004 382,37 hectares (43 8 km2)
Perobas  Paraná
23° 51′ S 52° 45′ W
Mata Atlântica 20 de março de 2006 (9 anos) &0000000000008716.0600008 716,06 hectares (87 2 km2)
Poço das Antas  Rio de Janeiro
22° 32′ S 42° 17′ W
Mata Atlântica 11 de março de 1974 (41 anos) &0000000000005065.2600005 065,26 hectares (50 7 km2)
Rio Trombetas Pará Pará
1° 11′ S 56° 41′ W
Amazônia 21 de setembro de 1979 (36 anos) &0000000000407755.660000407 755,66 hectares (4 077 6 km2)
Saltinho  Pernambuco
8° 43′ S 35° 10′ W
Mata Atlântica 21 de setembro de 1983 (32 anos) &0000000000000562.570000562,57 hectares (5 6 km2)
Santa Isabel  Sergipe
10° 37′ S 36° 41′ W
Marinho 20 de outubro de 1988 (27 anos) &0000000000004110.2500004 110,25 hectares (41 1 km2)
Serra Negra  Pernambuco
8° 39′ S 38° 1′ W
Caatinga 20 de setembro de 1982 (33 anos) &0000000000000624.850000624,85 hectares (6 2 km2)
Sooretama  Espírito Santo
19° 0′ S 40° 7′ W
Mata Atlântica 20 de setembro de 1982 (33 anos) &0000000000027859.04000027 859,04 hectares (278 6 km2)
Tapirapé Pará Pará
5° 35′ S 50° 36′ W
Amazônia 5 de maio de 1989 (26 anos) &0000000000099271.74000099 271,74 hectares (992 7 km2)
Tinguá  Rio de Janeiro
22° 33′ S 43° 26′ W
Mata Atlântica 23 de maio de 1989 (26 anos) &0000000000024812.81000024 812,81 hectares (248 1 km2)
Uatumã  Amazonas
1° 12′ S 59° 27′ W
Amazônia 6 de junho de 1990 (25 anos) &0000000000938619.270000938 619,27 hectares (9 386 2 km2)
Una Bahia Bahia
15° 10′ S 39° 6′ W
Mata Atlântica 10 de dezembro de 1980 (35 anos) &0000000000018724.86000018 724,86 hectares (187 2 km2)
União  Rio de Janeiro
22° 25′ S 42° 2′ W
Mata Atlântica 22 de abril de 1998 (17 anos) &0000000000002922.9000002 922,90 hectares (29 2 km2)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Medeiros, R. (Janeiro/Junho 2006). Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil Ambiente & sociedade volume 9 número 1.
  2. a b Unidades de conservação-Categorias Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Visitado em 13 de janeiro de 2016.
  3. Kierulff, M.C.M.; Ruiz-Miranda, C.R.; Procópio de Oliveira, P.; Beck, B.B.; Martins, A.; Dietz, J.M.; Rambaldi, D.M.; Baker, J.. (2012). "The Golden lion tamarin Leontopithecus rosalia: a conservation success story". International Zoo Yearbook 46 (1): 35-45. DOI:10.1111/j.1748-1090.2012.00170.x.
  4. a b Consultas por UC's Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Visitado em 6 de novembro de 2015.
  5. Unidades de conservação Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Visitado em 6 de novembro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]