Reserva da Biosfera Transfronteiriça Gerês-Xurés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reserva da Biosfera Transfronteiriça Gerês-Xurés

A Reserva da Biosfera Transfronteiriça Gerês-Xurés (RBTGX) foi declarada a 27 de Maio de 2009, pela UNESCO, e está localizada na Comunidade Autónoma da Galiza (Espanha) e na Região Norte de Portugal, unindo o Parque Nacional da Peneda-Gerês ao Parque Natural Baixa Limia - Serra do Xurés.

Abrange uma área total de 267.958 ha e surge com a necessidade de proteger a fauna e flora contínuas entre os dois países, e de promover o desenvolvimento económico e turístico das regiões e uma melhor relação entre as populações e a Natureza.

A Reserva é rica em património natural, mas também cultural e histórico, sendo possível encontrar diversos vestígios da ocupação humana desde a Pré-História, nomeadamente da cultura megalítica, dos Impérios Celta e Romano, e da época medieval, em ambos os lados da fronteira.

Recursos Naturais[editar | editar código-fonte]

Estamos perante uma área montanhosa, com os pontos mais altos na Nevosa (1545 m) e na Fonte Fria (1458 m), na zona central da serra Gerês-Xurés, formada por um conjunto de serras e planaltos – Gerês, Quinxo, Santa Eufémia, Pisco, Laboreiro, Mourela, Peneda, Soajo, Amarela, Gerês e Pena – e atravessada pelos rios Lima, Salas, Caldo, Castro Laboreiro, Vez, Homem e Cávado.

As variações de relevo, altitude e habitats, associados aos microclimas que se formam na Reserva, permitem uma grande biodiversidade, tanto de fauna como de flora, tornando-se residência permanente ou periódica de 161 espécies de aves, e de várias espécies de plantas, tanto endémicas, como provenientes da Sibéria e dos Alpes.

Infraestruturas de Apoio[editar | editar código-fonte]

Porta do Mezio

A Reserva possui 11 portas de entrada, que estão associadas a edifícios onde é possível obter informações turísticas, participar em atividades, conhecer programas de sustentabilidade, comprar produtos locais, entre outras, sendo 5 em Portugal – Porta do Mezio[1], Porta de Lamas de Mouro[2], Porta do Lindoso[3], Porta de Campo do Gerês[4], e Porta de Montalegre[5] – e 6 em Espanha – Porta de Calvos[6], Porta de Lobios[7], Porta de Entrimo[8], Porta de Lobeira[9], Porta de Muiños[10], e Porta de Bande[11] –, uma por cada município que se integra na região, e cada uma com o seu tema.

Atividades e Pontos de Interesse[editar | editar código-fonte]

Cascata de Pitões das Júnias

Para conhecer a Reserva de forma mais dinâmica, é possível realizar diversas atividades, desde canyoning a hiking, sendo a mais conhecida o trekking pelos inúmeros trilhos devidamente identificados, que conduzem frequentemente a miradouros, como o da Pedra Bela e o da Vela, e a cascatas, nomeadamente às da Fecha de Barjas (Taiti), da Portela do Homem, do Arado, e de Pitões das Júnias.

Para além do que é possível visitar no território natural da Reserva, existem pontos de interesse cultural ao redor que merecem também uma visita, como:

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Porta do Mezio – Porta do Mezio do Parque Nacional da Peneda-Gerês». www.portadomezio.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  2. «Porta de Lamas de Mouro – Portal Municipal de Melgaço». www.cm-melgaco.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  3. «Município de Ponte da Barca». www.cmpb.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  4. CMTB. «Câmara Municipal de Terras de Bouro - PORTA DO PNPG». www.cm-terrasdebouro.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  5. «Porta de Montalegre | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  6. «Porta de Calvos | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  7. «Porta de Lobios | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  8. «Porta de Entrimo | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  9. «Porta de Lobeira | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  10. «Porta de Muiños | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018 
  11. «Porta de Bande | AderePG». adere-pg.pt. Consultado em 14 de novembro de 2018