Resolução 68/262 da Assembleia Geral das Nações Unidas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Small Flag of the United Nations ZP.svg
Resolução 68/262
(Nações Unidas)
Data: 27 de Março de 2014
Reunião: 80º Plenário
Código: A/RES/68/262 (Documento)

Votos:
Prós Contras Abstenções Ausentes
100 11 58 24
Assunto: Integridade territorial da Ucrânia
Resultado: Resolução adotada

Composição do Conselho de Segurança em 2014:
Membros permanentes:

 República Popular da China
 França
 Rússia
 Reino Unido
 Estados Unidos

Membros não-permanentes:
 Argentina
 Austrália
 Chade
 Chile
 Jordânia
 Lituânia
 Luxemburgo
 Nigéria
 Ruanda
 Coréia do Sul
Resultados da votação da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a integridade territorial da Ucrânia.
  A favor
  Contra
  Abstenções
  Ausentes quando a votação ocorreu
  Não-membros da ONU

A Resolução A/RES/68/262 da Assembleia Geral da ONU foi adotada em 27 de Março 2014 como um resultado da consulta aberta na reunião plenária 80 da sessão 68 da Assembleia Geral da ONU. Esta sessão da Assembleia Geral da ONU foi convocada especificamente para tratar da questão da anexação da Criméia pela Rússia e adotou o título de «Integridade territorial da Ucrânia».

A resolução não obrigatória afirmou o compromisso da Assembleia Geral das Nações Unidas com à integridade territorial da Ucrânia dentro de suas fronteiras internacionalmente reconhecidas e sublinhou a nulidade do referendo da Criméia (2014). A resolução foi apoiada por 100 membros das Nações Unidas, contabilizando 59,17% dos votos e 33,80% da população mundial. Arménia, Bielorrússia, Bolívia, Cuba, Coreia do Norte, Nicarágua, Rússia, Sudão, Síria, Venezuela e Zimbábue votaram contra a resolução. Houve 58 abstenções, e outros 24 Estados não participaram da votação dada a ausência de seus representantes.

A resolução foi apresentada pelo Canadá, Costa Rica, Alemanha, Lituânia, Polónia e Ucrânia.[1] A resolução aprovada foi precedida de tentativas mal sucedidas do Conselho de Segurança das Nações Unidas que convocou sete reuniões para encontrar uma solução sobre a questão da Crise da Criméia mas que tiveram veto da Rússia.[2]

Reação russa[editar | editar código-fonte]

Em 28 de Março de 2014, a Federação Russa declarou que a resolução foi contraprodutiva e acusou Estados ocidentais de chantagem e ameaças para angariar votos de aprovação.[3][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «UN General Assembly adots resolution affirming Ukraine's territorial integrity». Xinhua. 28 de março de 2014. Consultado em 30 de março de 2014  (en)
  2. Section, United Nations News Service (27 de março de 2014). «UN News - Backing Ukraine's territorial integrity, UN Assembly declares Crimea referendum invalid». UN News Service Section (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  3. «Russia criticizes U.N. resolution condemning Crimea's secession». Reuters (em inglês). 28 de março de 2017 
  4. «Rússia critica resolução da ONU contra secessão da Crimeia». O Globo (em português do Brasil). 28 de março de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a ONU é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.