Responsabilidade social corporativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde novembro de 2017).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e direta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Estudar a responsabilidade social corporativa, no século XXI, obriga a recuar um século e começar por abordar as primeiras preocupações sociais das empresas. A sensibilidade para o tema teve o seu início nos Estados Unidos, a partir de meados do século XX, porém a Europa assumiu especial relevância tanto na implementação deste tipo de políticas, como na reflexão acadêmica sobre o tema.

E o tema nem sempre foi consensual. Se, por um lado, a grande maioria dos autores identifica as vantagens de as empresas (e outras organizações) implementarem as suas políticas de RSC, as empresas geralmente não apreciam alocar seus recursos a outros fins que não a busca pela maximização dos lucros. Milton Friedman, ganhador do Prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, defendeu, num artigo publicado no suplemento dominical do jornal The New York Times,[1] que o dever das empresas consiste em gerar lucros, e refuta a ideia de responsabilidade social das empresas, defendendo que apenas as pessoas podem praticar a responsabilidade social.

A sociedade tem-se organizado tendo em vista a adopção por parte das empresas de um conjunto cada vez maior de iniciativas que revelem preocupações sociais. Surgiram as normas e certificações, internacionais e nacionais, e sucede-se a criação de entidades supraempresariais que pretendem ser parceiros na implementação de políticas de RSC e veículo na transmissão de boas práticas.

A situação do Reino Unido mostra que há ainda um longo caminho a percorrer neste campo, na Europa. No ano 2000, o governo nomeou um ministro para a responsabilidade social das empresas, e o parlamento fundou um Grupo Interministerial para melhorar a coordenação entre as ações governamentais inseridas neste contexto.[2]

Evolução do Conceito de RSC[editar | editar código-fonte]

Da parte dos acadêmicos, também a discussão foi elevada para um nível diferente, mais abrangente, e que tem situado a reflexão no modo como a gestão das empresas pode desenrolar o seu papel nas preocupações sociais da forma mais eficiente.

Hoje em dia, já não se fala apenas em responsabilidade social corporativa, mas entrou-se já no domínio da filantropia estratégica.[3] Quer isto dizer que, o que antes se entendia por práticas de RSC, muitas delas são hoje simples procedimentos obrigatórios por lei, a que as organizações estão obrigadas.[4] Por isso, a RSC já não se confina apenas àquilo que é exigido por lei, ou a ações dispersas sem uma lógica e um plano por detrás, mas este âmbito é já uma parte integrante das estratégias centrais da maioria das organizações.[5]

Comunicação da RSC[editar | editar código-fonte]

Comunicar políticas de RSC requer um cuidado redobrado, devido ao risco de se gerar um efeito contrário ao pretendido. Este factor deve-se a uma tendência que marcou a área da responsabilidade social no passado, nomeadamente o conceito de greenwashing.[6] Por este motivo, é necessário garantir que as práticas comunicadas pelas organizações são verdadeiras e estão de acordo com a sua postura global,[7] uma vez que hoje existe um acesso privilegiado à informação por parte das populações, que são também cada vez mais críticas da informação que lhes é disponibilizada.

Referências

  1. «The Social Responsibility of Business is to Increase its Profits, by Milton Friedman». www.colorado.edu. Consultado em 14 de abril de 2016. Arquivado do original em 12 de março de 2008 
  2. «Livros Verdes - Comissão Europeia». ec.europa.eu. Consultado em 14 de abril de 2016 
  3. [http://www.guiarh.com.br/filantropia.htm «Filantropia Estrat�gica»]. www.guiarh.com.br. Consultado em 14 de abril de 2016  replacement character character in |titulo= at position 19 (ajuda)
  4. «The Keys to Rethinking Corporate Philanthropy». MIT Sloan Management Review. Consultado em 14 de abril de 2016 
  5. «Philanthropic Initiatives and the Value Proposition Equation - Vol. 3, Issue 2 - Summer/Fall 2010 - Journal of Values Based Leadership - Valparaiso University». www.valuesbasedleadershipjournal.com. Consultado em 14 de abril de 2016 
  6. «About Greenwashing | Greenwashing Index». greenwashingindex.com. Consultado em 19 de abril de 2016 
  7. Wagner, Tillmann; Richard J (1 de novembro de 2009). «Corporate Hypocrisy: Overcoming the Threat of Inconsistent Corporate Social Responsibility Perceptions». Journal of Marketing. 73 (6): 77–91. ISSN 0022-2429. doi:10.1509/jmkg.73.6.77 
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.