Resposta sensorial autônoma do meridiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

ASMR [Autonomous Sensory Meridian Response] (em português: Resposta Autônoma do Meridiano Sensorial) é uma sigla que se refere a um fenômeno biológico caracterizado por uma agradável sensação de prazer e formigamento geralmente sentida na cabeça, couro cabeludo ou regiões periféricas do corpo em resposta a vários estímulos visuais, auditivos e cognitivos. O ASMR é, principalmente, transmitido através de vídeos.

Relatórios de experiências com o ASMR primeiramente apareceram em comunidades online em 2010; desde então, essas comunidades têm se expandido com grupos consistentes de mais de 100.000 membros através de blogs, videoblogs e, principalmente, sites de compartilhamento de vídeos, como o YouTube. Os vídeos são produzidos por usuários chamados de ASMRtists (fusão de ASMR + artista, em inglês).

Sigla[editar | editar código-fonte]

O termo "autonomous sensory meridian response" foi popularizado por Jennifer Allen, uma americana profissional de cibersegurança residente em Nova York na introdução a um Grupo do Facebook que ela fundou em fevereiro de 2015 intitulado Grup

ASMR.

Antes da adoção desse termo, outros nomes foram propostos e discutidos em vários locais, incluindo o fórum Steady Health, a Society of Sensationalists Yahoo! Group e o Unnamed Feeling Blog.

Os nomes formais propostos incluem "Attention Induced Head Orgasm" (Orgasmo na Cabeça Induzido por Atenção), ''Attention Induced Euphoria'' (Euforia Induzida por Atenção) e Attention Induced Observant Euphoria" (Euforia Observadora Induzida por Atenção), enquanto os termos coloquiais no uso incluíam "brain massage" (massagem cerebral), "head tingle" (formigamento na cabeça), "brain tingle" (formigamento no cérebro), "spine tingle'' (formigamento na espinha) e ''brain orgasm'' (orgasmo cerebral).[1][2][3][4][5][6]

Embora muitos termos coloquiais e formais utilizados e propostos entre 2007 e 2010 incluíam referência ao orgasmo, houve durante esse tempo uma objeção majoritária significativa ao seu uso entre aqueles que atuam em discussões on-line, muitos dos quais continuaram a persistir na diferenciação da euforia e relaxamento da natureza do ASMR da excitação sexual[7]. No entanto, até 2015, ocorreu uma divisão dentro da comunidade ASMR sobre o tema da excitação sexual, com alguns vídeos criados categorizados como ASMRotic (ASMR erótico), que são projetados deliberadamente para serem sexualmente estimulantes.[8][9]

O consenso inicial entre a comunidade ASMR foi que o nome não deveria representar um alto risco de o fenômeno ser percebido como sexual. Dado o consenso, foi proposto "Resposta Autônoma ao Meridiano Sensorial". Allen escolheu as palavras pretendendo ou assumindo que eles tenham os seguintes significados específicos[10]:

  • Autônomo - espontâneo, autônomo, dentro ou fora do controle
  • Sensorial - pertencente aos sentidos ou sensação
  • Meridiano - significando um pico, clímax ou ponto de maior desenvolvimento
  • Resposta - referente a uma experiência desencadeada por algo externo ou interno

Allen deixa claro em uma entrevista de 2016 que ela propositadamente selecionou esses termos porque eram mais objetivos, confortáveis e clínicos do que termos alternativos para a sensação[11] . Ela também explica que selecionou a palavra meridiano para substituir a palavra orgasmo por seu significado de ponto ou período de maior prosperidade.

O termo "resposta autônoma ao meridiano sensorial" ou ''resposta sensorial autônoma do meridiano'' e suas iniciais ASMR foram adotados pela comunidade de contribuintes em discussões on-line e aqueles que relatam e comentam o fenômeno.

Vídeos[editar | editar código-fonte]

Embora o termo esteja atrelado a mais do que um estilo de vídeo, o ASMR foi popularizado graças à internet, principalmente na plataforma de vídeos Youtube, com vídeos feitos no intuito de causar formigamentos e/ou sensação de sono e relaxamento. O primeiro canal de ASMR do Youtube foi o WhisperingLife, criado em 2009[12]. Atualmente os maiores canais em número de seguidores são ASMR Darling, criado em 2016, que possui mais de 1 milhão e meio de inscritos, e Gentlewhispering ASMR, criado em 2011, com mais de 1 milhão e 200 mil inscritos. No Brasil, o canal de ASMR mais popular é o Sweet Carol, contando com aproximadamente 1 milhão de seguidores. Esse que ganhou ainda mais visibilidade nacional quando Carolina Rossi, criadora do canal, teve participações na maior rede de televisão da América Latina (Rede Globo)[13], além de ter concedido entrevista ao programa de talkshow The Noite [14], sendo um dos principais nomes a popularizar a técnica de ASMR no Brasil. Já o primeiro canal brasileiro do gênero foi Dan ASMR, que gravou o primeiro vídeo em Português no ano de 2013.

No que tange à comunidade portuguesa de ASMR, tem-se que ela ainda não é muito concreta ou expressiva, de modo que o maior canal do tipo, completamente em português de Portugal, é o Madame Butterfly. Esse último tem aproximadamente 20.000 seguidores, muito dos quais são brasileiros[15].

Em 2018, ASMR foi o segundo termo mais buscado pelo YouTube nos Estados Unidos e o sétimo mais buscado no mundo.

Glossário (termos)[editar | editar código-fonte]

Triggers[editar | editar código-fonte]

Triggers (em português: gatilhos) são variados sons produzidos - ou então reproduções, que induzem à sensação de formigamento - em vídeos que podem desencadear as sensações do ASMR. Com grande variedade, os triggers podem ser feitos com a voz, boca, mãos etc. Entre os mais populares estão:

  • Soft spoken (fala suave) - Estímulos feitos através de uma fala suave e gentil. [16]
  • Whispering (sussurros) - Sussurros suaves feitos próximos ao microfone. [17]
  • Tapping (toque) - De toques gentis a toques rápidos e agressivos, o tapping é feito com as unhas e dedos nos mais variados objetos. [18]
  • No talking (sem fala) - Vídeos sem fala, apenas com sons de respiração e outros triggers adicionais. [19]
  • Mouth sounds (sons com a boca) - Divergentes sons com a boca, podendo ser subclassificado em dry (seco) e wet (molhado). [20]
  • Eating sounds (sons de mastigação) - Não sendo pertencente à classificação de sons com a boca, eating sounds são sons feitos enquanto o vocalista (asmrtist) come algo. [21]
  • Inaudible (inaudível) - Fala rigorosamente baixa, de forma que se torna praticamente inaudível. [22]
  • Unnintelligible (ininteligível) - Uso de palavras que não existem, não inteligente, que não é possível compreender. [23]
  • Unnintentional (não intencional) - Mídias que são gravadas sem o intuito de serem ASMR, mas são consideradas relaxantes. [24]

Muitos triggers podem ser combinados em um único vídeo. [25][26] Eles também, muitas vezes, tem sua denominação confundida. Assim, por exemplo, vídeos intitulados "inaudible" são, na verdade, "unninteligible". [27]

Tingles[editar | editar código-fonte]

Tingles (em português: formigamento) é o termo usado para se referir à sensação de formigamento no corpo.

Roleplay[editar | editar código-fonte]

Roleplay (em português: encenação) é uma forma adotada em alguns vídeos de ASMR, na qual o artista usufrui de figurinos, utensílios, ambiente e atuação, para representar um indivíduo, fictício ou não, a fim de entreter o telespectador. Alguns exemplos de encenação podem ser: familiares (mãe, vó), personagens fictícios (sereia, princesa), profissões (dentista, cabeleireiro), consultas (limpeza de pele, maquiadora) e diversas outras. [28]

Gravação Binaural[editar | editar código-fonte]

Alguns criadores de vídeos de ASMR usam técnicas de gravação binaural para simular a acústica de um ambiente tridimensional a fim de despertar nos telespectadores e ouvintes a experiência de estar perto do vocalista.[29]

As gravações binaurais são feitas especificamente para serem ouvidas através de fones de ouvido em vez de caixas de som. Isso porque, ao ouvir o som pelas caixas de som, a orelha esquerda e direita podem ouvir o som proveniente de ambos os alto-falantes. Diferentemente, ao ouvir o som através de fones de ouvido, o som do fone esquerdo é audível apenas para o ouvido esquerdo, enquanto o som do fone direito é audível apenas para o ouvido direito. Assim, uma vez que em uma mídia binaural a fonte de som é gravada por dois microfones separados que são colocados a uma distância comparável a de duas orelhas e não são misturados, a percepção do áudio se torna completamente diferente do usual.[30][31] Em síntese, ouvir um áudio binaural por meio de fones de ouvido simula a audição real pela qual as pessoas ouvem sons ao vivo. Dessa forma, o ouvinte tem a impressão de estar próximo ao vocalista e consegue também ter uma noção da fonte sonora; se o vocalista se distancia, o som parece estar mais longe, se ele se aproxima, o som parece estar mais perto. Se ele se aproxima mais do lado direito (do gravador), o audio pode ser melhor percebido pelo ouvido direito, enquanto o som lado oposto se distancia - e vice-versa com o lado esquerdo.[32]

Pesquisas e estudos[editar | editar código-fonte]

Em 12 de março de 2012, Steven Novella, o Diretor de Neurologia Geral da Yale School of Medicine e um colaborador ativo de discussões e debates amplamente divulgados sobre a academia e temas relacionados à neurologia e ceticismo científico, fez uma publicação sobre o ASMR no Neurologica, um blog dedicado a seus escritos sobre neurociência, ceticismo e pensamento crítico. Nela, Novella diz que ele sempre inicia suas investigações de tais fenômenos perguntando-se se é algo real ou não. No que diz respeito à ASMR, Novella diz "neste caso, não acho que haja uma resposta definitiva, mas tendo a acreditar que é algo real. Existem várias pessoas que parecem ter experimentado e descrito de forma independente [...] com detalhes bastante específicos. Desta forma, é semelhante às dores de cabeça - sabemos que elas existem como uma síndrome principalmente porque muitas pessoas diferentes relatam a mesma série de sintomas". Novella postula tentativamente as possibilidades de que o ASMR seja um tipo de apreensão prazerosa ou outra maneira de ativar o que seria a nossa "resposta ao prazer". No entanto, ele chama atenção para a falta de investigação científica sobre o ASMR, sugerindo que as imagens por ressonância magnética funcional (FMRI) e de estimulação magnética transcraniana (EMT) devam ser usadas para estudar o cérebro de pessoas que experimentam ASMR em comparação com pessoas que não, como um maneira de começar a buscar entendimento científico e explicação do fenômeno. [33]

Posteriormente, quatro meses após a publicação do blog de Novella, Tom Stafford, professor de psicologia e ciências cognitivas da Universidade de Sheffield, teria dito que o ASMR "pode ​​ser uma coisa real, mas é intrinsecamente difícil de pesquisar [...] algo assim que você não pode ver ou sentir" e "não acontece com todos". Stafford compara o status atual do ASMR com o desenvolvimento de atitudes em relação à sinestesia, que ele diz que "há anos era um mito, e na década de 1990 as pessoas apresentavam uma forma confiável de medição".

Artigos sobre o fenômeno baseados em pequenos estudos identifica diversos gatilhos comuns usados para alcançar a sensação de ASMR, tais como sussurros, atenção pessoal, sons nítidos e movimentos delicados. Dados obtidos também demonstram temporária melhora em sintomas de depressão e dores crônicas naqueles que se envolvem com ASMR. Uma alta prevalência de sinestesia (6.9%) dentro da amostra sugere uma possível conexão entre ASMR e sinestesia. [34]

Referências

  1. Simons, Hadlee (16 August 2012). 'An orgasm for your head?'. iAfrica. Retrieved 20 January 2016.
  2. Mitchell, Jennifer (2 September 2012). 'Latest social media craze: Autonomous Sensory Meridian Response'. The Maine Public Broadcasting Network. Retrieved 20 January 2016.
  3. Shropshall, Claire (6 September 2012). 'Braingasms and towel folding: the ASMR effect'. The Huffington Post. Retrieved 20 January 2016.
  4. Tufnell, Nicholas (27 February 2012). 'ASMR: orgasms for your brain'. The Huffington Post. Retrieved 20 January 2016.
  5. Lively, Daniel (19 April 2012). 'That tingling feeling: first international ASMR day'. The Corvallis Advocate. Retrieved 20 January 2016.
  6. 'asmr0921' Podcast (21 September 2011). KCRadioGod.com. Retrieved 20 January 2016.
  7. Overton, Emma (22 October 2012). 'That funny feeling'. The McGill Daily. Retrieved 20 January 2016.
  8. Lindsay, Kathryn (15 August 2015). 'Inside the Sensual World of ASMRotica'. Broadly (Vice). Retrieved 20 January 2016.
  9. Bronte, Georgia (17 December 2015). 'How ASMR purists got into a turf war over porn'. Vice. Retrieved 20 January 2016.
  10. MacMuiris, Andrew (15 March 2010). 'Taking names: what do we call these tingles, then?' The Unnamed Feeling. Retrieved 20 January 2016.
  11. Allen, Jennifer (17 May 2016). 'Interview with Jennifer Allen, the woman who coined the term, ‘Autonomous Sensory Meridian Response’ (ASMR)' ASMR University Website. Retrieved 19 December 2016.
  12. «History of ASMR». ASMR University (em inglês). 2 de julho de 2015 
  13. Encontro com Fátima Bernardes | Sweet Carol simula sons relaxantes para estimular o sono | Globo Play, consultado em 30 de dezembro de 2017 
  14. The Noite com Danilo Gentili (19 de maio de 2018), Entrevista com Sweet Carol | The Noite (18/05/18), consultado em 30 de julho de 2018 
  15. Madame Butterfly ASMR (23 de julho de 2018), ASMR BINAURAL PORTUGAL - Cabeleireiro Roleplay (sons de água, esponja, tesouras), consultado em 30 de julho de 2018 
  16. anutalucky (9 de novembro de 2016), ASMR em PORTUGUES com sotaque RUSSO leitura em voz baixa fala suave para dar sono, consultado em 30 de julho de 2018 
  17. Gibi ASMR (2 de dezembro de 2017), [Binaural ASMR] Close Whispering - Just Talking :), consultado em 30 de julho de 2018 
  18. asmr zeitgeist (10 de junho de 2017), ASMR LEGENDARY TAPPING | 1,5 hour no talking compilation, consultado em 30 de julho de 2018 
  19. MassageASMR (12 de abril de 2015), ASMR 10 Hours of Tapping, Crinkle & Trigger Sounds - No Talking Just Sounds, consultado em 30 de julho de 2018 
  20. ASMR Wally (25 de junho de 2018), ASMR Mouth Sound and Mic Brushing, consultado em 30 de julho de 2018 
  21. Binaural Eats ASMR (28 de julho de 2018), ASMR Five Guys Burger and Fries (Eating Sounds) No Talking~Ear To Ear, consultado em 30 de julho de 2018 
  22. Gaúcha ASMR (8 de janeiro de 2018), ASMR SONS INAUDÍVEIS PARA CAIR NO SONO OU RELAXAR, consultado em 30 de julho de 2018 
  23. Ephemeral Rift (10 de julho de 2018), The Unintelligible Doctor | ASMR, consultado em 30 de julho de 2018 
  24. Bob Ross (20 de abril de 2015), Bob Ross - Mystic Mountain (Season 20 Episode 1), consultado em 30 de julho de 2018 
  25. Batala's ASMR (27 de março de 2018), ASMR Inaudible/Unintelligible Whispering | Hand Movements ~, consultado em 30 de julho de 2018 
  26. asmr zeitgeist (2 de julho de 2017), 100 Mighty ASMR Triggers for Sleep, consultado em 30 de julho de 2018 
  27. Dr. T ASMR (14 de julho de 2017), 20 Minutes of Inaudible Greatest Hits ASMR, consultado em 30 de julho de 2018 
  28. Goodnight Moon (1 de novembro de 2017), All Hallow’s Eve Festival (ASMR), consultado em 30 de julho de 2018 
  29. Lalwani, Mona (12 February 2015). ' Surrounded by sound: how 3D audio hacks your brain. A century-old audio technology is making a comeback thanks to VR', theverge.com, 12 February 2015.
  30. Binaulab Audio 3D (1 de maio de 2016), Aprendendo a Voar - AUDIO 3D, consultado em 30 de julho de 2018 
  31. Binaural.com (April 1998) 'Binaural for beginners'. Binaural.com. Retrieved 20 January 2016. The Verge; retrieved 20 January 2016.
  32. Lalwani, Mona (12 February 2015). ' Surrounded by sound: how 3D audio hacks your brain. A century-old audio technology is making a comeback thanks to VR', theverge.com, 12 February 2015.
  33. «ASMR | NeuroLogica Blog». theness.com. Consultado em 30 de dezembro de 2017 
  34. http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/mdl-25834771