Retórica (Aristóteles)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A primeira página da Retórica (em grego).

Retórica (em grego: Τέχνη ρητορική, transl. téchnē rhētorikḗ; em latim Ars Rhetorica) é um texto do filósofo grego Aristóteles de Estagira. É composto por três livros (I: 1354a - 1377b, II: 1377b - 1403a, III: 1403a - 1420a) e não existem dúvidas acerca da autenticidade da obra.

Ao que tudo indica, o objetivo de Aristóteles com sua Retórica é dar um tratamento eminentemente filosófico ao tema, em oposição ao tratamento descuidado dado pelos retores e sofistas. De modo mais específico, muitos acreditam que a reflexão aristotélica foi uma resposta à concepção de retórica do grande orador Isócrates de Atenas. Ao contrário de Platão, que, no diálogo Górgias, condena a retórica e, no diálogo Fedro, subordina a retórica à filosofia, a investigação aristotélica acerca da retórica — mesmo que eminentemente filosófica — procura conferir autonomia para a técnica retórica, desvinculando-a da vigilância da filosofia (coisa que Platão discordava por considerar a retórica eticamente perigosa).

Segundo o filósofo:

"A retórica é a outra face da dialética, pois ambas se ocupam de questões mais ou menos ligadas ao conhecimento comum e não correspondem a nenhuma ciência em particular. De facto, todas as pessoas de algum modo participam de uma e de outra, pois todas elas tentam, em certa medida, questionar e sustentar um argumento, defender-se ou acusar" (Rhet., I, 1354a).

No Livro I, Aristóteles analisa e fundamenta os três gêneros retóricos:

  • político ou deliberativo (que procura persuadir ou dissuadir)
  • judicial (que acusa ou defende)
  • demonstrativo ou epidítico (que elogia ou censura).

Além disso, apresenta argumentos em favor da utilidade da retórica, bem como uma análise da natureza da prova retórica que é o entimema, um silogismo derivado;

No Livro II, o plano emocional é analisado em sua relação com a recepção do discurso retórico. Uma série de elementos, como ira, amizade, confiança, vergonha e seus contrários são analisados, assim como o caráter dos homens (dos jovens, dos ricos, etc.). Nesse livro, Aristóteles também volta a analisar as formas de argumentação, sendo apresentada uma série de tópicos argumentativos, incluindo o uso de máximas na argumentação e o uso dos entimemas;

No Livro III, o estilo e a composição do discurso retórico são analisados. Além de elementos tais como clareza, correção gramatical e ritmo, o uso da metáfora e as partes que compõem um discurso também estão presentes neste livro.

Com esta obra, Aristóteles lança as bases da retórica ocidental. Teoricamente, a evolução da retórica ao longo dos séculos representou muito mais um aperfeiçoamento da reflexão aristotélica sobre o tema do que construções verdadeiramente originais.

Edições críticas e traduções[editar | editar código-fonte]

  • ARISTÓTELES. Ars rhetorica. Oxonii e Typographeo Clarendoniano, Oxford University Press, 1989. Recognovit brevique adnotatione critica instruxit W. D. Ross.
Em português:
  • ARISTÓTELES. Arte Retórica e Arte Poética. Introdução Goffredo Telles Junior. Tradução de Antônio Pinto de Carvalho. Rio de Janeiro: Ediouro - Tecnoprint, 1979.
___________. Retórica. Introdução de Manuel Alexandre Junior. Tradução do grego e notas de Manuel Alexandre Junior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. Lisboa: INCM, 1998. ISBN 9722709097. 2a. edição, revista: 2005. ISBN 9722713779.
___________. Retórica das paixões. Prefácio: Michael Meyer. Introdução, notas e tradução do grego: Isis Borges B. da Fonseca. São Paulo: Martins Fontes, 2000. Edição Bilíngue Grego-Português. ISBN 8533611463 (esta tradução contém apenas a primeira parte do livro II, que trata das paixões).
___________. Retórica. Tradução do grego, textos adicionais e notas de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2011. 272p. ISBN 9788572837460

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PERELMAN, Chaïm e OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1996. ISBN 8533604734.
  • RORTY, A. O. (ed.). Essays on Aristotle's Rhetoric. Berkeley: University of California Press, 1996.
  • RYAN, E. E. Aristotle's Theory of Rhetorical Argumentation. Montreal: Bellarmin, 1984.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]