Coriorretinopatia serosa central

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Retinopatia serosa central)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coriorretinopatia serosa central
Especialidade oftalmologia
Classificação e recursos externos
CID-10 H35.7
CID-9 362.41
DiseasesDB 31277
MedlinePlus 001612
eMedicine 1227025
MeSH D056833
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A retinopatia serosa central (RSC), também conhecida como coriorretinopatia serosa central (CSC ou CSCR), é um líquido acumulado no espaço sub-retiniano. Ela é uma doença ocular que causa deficiência visual, geralmente temporária, geralmente em um olho.[1][2] A doença é considerada de causa desconhecida. Afeta principalmente homens brancos na faixa etária de 20 a 50 (proporção homem: mulher 6: 1)[3] e ocasionalmente outros grupos. Acredita-se que a condição seja exacerbada pelo estresse ou pelo uso de corticosteróide.[4]

Causas[editar | editar código-fonte]

A RSC é um destacamento fluido das camadas de mácula do tecido de suporte. Isso permite que o fluido coróide vaze sob a retina.[5]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico geralmente começa com um exame dilatado da retina, seguido de confirmação por tomografia de coerência óptica e angiografia com fluoresceína. O teste de angiografia geralmente mostra um ou mais pontos fluorescentes com vazamento de fluido.[6]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A maioria dos olhos com RSE sofre reabsorção espontânea do líquido sub-retiniano dentro de 3 a 4 meses. A recuperação da acuidade visual geralmente segue. O tratamento deve ser considerado se a reabsorção não ocorrer dentro de 3 a 4 meses, [16] espontaneamente ou como resultado do aconselhamento.[7]

Estudos anteriores sugeriram que o antagonista do receptor de mineralocorticóides, eplerenona, é eficaz no tratamento de CSCR.[8]

Referências

  1. Wang, Maria; Munch, Inger Christine; Hasler, Pascal W.; Prünte, Christian; Larsen, Michael (2008). «Central serous chorioretinopathy». Acta Ophthalmologica. 86 (2): 126–45. PMID 17662099. doi:10.1111/j.1600-0420.2007.00889.x 
  2. Quillen, DA; Gass, DM; Brod, RD; Gardner, TW; Blankenship, GW; Gottlieb, JL (1996). «Central serous chorioretinopathy in women». Ophthalmology. 103 (1): 72–9. PMID 8628563. doi:10.1016/s0161-6420(96)30730-6 
  3. https://www.nature.com/articles/s41433-019-0381-7
  4. André Maia (February 2010). «A New Treatment for Chronic Central Serous Retinopathy». Retina Today. Consultado em 11 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2012  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Garg, S P; Dada, T.; Talwar, D.; Biswas, N R (1997). «Endogenous cortisol profile in patients with central serous chorioretinopathy». British Journal of Ophthalmology. 81 (11): 962–4. PMC 1722041Acessível livremente. PMID 9505819. doi:10.1136/bjo.81.11.962 
  6. «Diagnosing and Managing Central Serous Chorioretinopathy». American Academy of Ophthalmology (em inglês). 1 de fevereiro de 2006. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  7. Abouammoh, Marwan A. (2015). «Advances in the treatment of central serous chorioretinopathy». Saudi Journal of Ophthalmology. 29 (4): 278–286. ISSN 1319-4534. PMC 4625218Acessível livremente. PMID 26586979. doi:10.1016/j.sjopt.2015.01.007 
  8. «A drug used widely to treat a common eye condition has no benefit, study». Tech Explorist (em inglês). 24 de janeiro de 2020. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.