Época (revista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Revista Época)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Época
Equipe editorial Diego Escosteguy (Editor-Chefe)
Frequência Semanal
Editora Editora Globo
Circulação 350 mil por semana (abril 2016)
Categoria Notícias
País  Brasil
Idioma português
Fundação 1998
ISSN 14155494
revistaepoca.globo.com/

Época é uma revista semanal publicada no Brasil, pela Editora Globo. De acordo com a ANER (Associação Nacional de Editores de Revistas), a revista tem circulação média estimada em aproximadamente 350 mil exemplares[carece de fontes?]. Foi lançada em 25 de maio de 1998.[1]

Seu estilo é baseado na revista alemã Focus, que valoriza o padrão de imagem e gráfico da apresentação das reportagens.

Entre seu corpo de colunistas, estão (ou estiveram): Roberto DaMatta (Sociedade), Alberto Almeida (Tendências), Paulo Guedes (Economia), Fernando Abrucio (Política), Fareed Zakaria (Finanças), Guilherme Fiuza (Política), Eugênio Bucci (Política), Felipe Patury (Política, negócios e poder), Bruno Astuto (Moda, comportamento e celebridades), Walcyr Carrasco (Sociedade), Marcio Atalla (Bem-estar), Gustavo Cerbasi (Finanças), Jairo Bouer (Saúde), Vilfredo Schürmann (Desafios e aventura) e Ruth de Aquino (Atualidades).

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Caso Francenildo[editar | editar código-fonte]

Em março de 2006 a revista Época envolveu-se no escândalo político da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, que culminou com a queda do ministro da Fazenda, Antônio Palocci.

Caso Carlinhos Cachoeira[editar | editar código-fonte]

Reportagem publicada pela revista CartaCapital em maio de 2012 acusa Eumano Silva, diretor da revista Época na sucursal de Brasília, de associação com a organização criminosa comandada por Carlinhos Cachoeira, visando simultaneamente fragilizar adversários do bicheiro e sedimentar interesses do grupo. Segundo CartaCapital, o araponga Idalberto Matias Araújo, alcunhado Dadá, "braço direito de Cachoeira", negociou com o jornalista a publicação de informações que visavam prejudicar a empresa Warre Engenharia, concorrente da empreiteira Delta em Goiás, na qual Cachoeira possuía participação. A reportagem "O ministro entrou na festa" publicada por Época resultou na Operação Voucher da Polícia Federal, ocasionando a queda do então Ministro do Turismo Pedro Novais. A empresa Warre, entretanto, foi posteriormente inocentada.[2]

A negociação entre Dadá e Eumano Silva foi flagrada em interceptações telefônicas da Polícia Federal, cinco das quais foram disponibilizadas à CartaCapital. Segundo a revista, o diretor da sucursal de Época telefonou para Dadá para alertá-lo sobre a possibilidade da construtora Delta aparecer vinculada ao escândalo do Ministério do Turismo, o que comprovaria a cooperação consciente do jornalista com a organização criminosa. Em resposta às acusações, a direção da revista Época afirmou que não tinha conhecimento de que os emissários integravam a quadrilha de Carlinhos Cachoeira.[2] O Jornal da Record também exibiu reportagem sobre o tema.[3]

Ainda de acordo com CartaCapital o vice-presidente da República, Michel Temer, teria se tornado uma espécie de interlocutor entre as Organizações Globo, responsáveis pela publicação da revista Época, e o governo federal. CartaCapital afirma que em um espaço de três semanas, desde que as suspeitas de envolvimento de veículos de imprensa com o grupo criminoso de Carlinhos Cachoeira emergiram, Temer ofereceu dois jantares ao empresário João Roberto Marinho, um dos herdeiros da Globo, na residência-oficial do vice-presidente em Brasília, o Palácio do Jaburu. Marinho teria pedido a Temer durante esses jantares que controlasse uma suposta "sanha do PT" (Partido dos Trabalhadores) em investigar os veículos de imprensa envolvidos em denúncias. A revista afirma ainda que um assessor de Temer, Márcio Freitas, ligou para a redação de Época para sondar a veracidade das informações e alertar a publicação sobre a possibilidade dos grampos registrando contatos entre o diretor de Época e o araponga Dadá terem vazado para a CartaCapital.[4]

Também em maio de 2012, o tratamento dispensado por Época ao senador Demóstenes Torres, acusado de integrar o grupo criminoso de Carlinhos Cachoeira, foi citado em reportagem da semanal The Economist. A revista britânica ironizou o fato de que enquanto Época classificava o senador como "portador de princípios e convicções" e "não apenas mais um traficante de influência política", por ocasião da publicação da lista dos cem brasileiros mais influentes, a Polícia Federal interceptava ligações comprometedoras entre Torres e o bicheiro.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «1998: O ano em que o Brasil quebrou». Revista Época. Consultado em 7 de julho de 2010 
  2. a b «Cachoeira plantou notícias na revista Época». CartaCapital. Consultado em 25 de maio de 2012  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  3. «Gravações mostram que bicheiro também plantava notícias na revista Época». Jornal da Record. Consultado em 27 de maio de 2012  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  4. FORTES, Leandro. Temer, os Marinho e a CPI. Carta Capital. São Paulo: Confiança. Ano XVII, nº. 699, 30 de maio de 2012.
  5. «After the fall». The Economist. Consultado em 25 de maio de 2012  Verifique data em: |access-date= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.