Guerra Civil Síria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra atual
Este artigo ou seção é sobre um conflito armado recente ou ainda em andamento.
A informação apresentada pode mudar rapidamente
Guerra Civil Síria
Parte da(o) Primavera Árabe, Inverno Árabe
Syrian Civil War map.svg
Situação atual da Síria:
Período 15 de março de 2011 - presente
Local Síria
Situação
Causas Ditadura;
Governo corrupto;[3]
Desemprego;
Inspiração em protestos da Primavera Árabe;
Conflito sectário;[4];
Queda na produção agrícola causada por secas[5];
Objetivos Renúncia de Bashar al-Assad;
Mudança de regime;[6]
Expansão dos direitos civis;[7]
Reconhecimento dos direitos dos curdos;
Participantes do conflito
Síria República Árabe da Síria


 Irão[8][9]

 Rússia (ver detalhes aqui)[11]


Hezbollah[12][13][14]
FPLP–CG[15]
Milícias xiitas iraquianas[16]
Diversos outros grupos/milícias


Apoio (armas):


(Para ler mais detalhes sobre apoio estrangeiro ao regime sírio, ver aqui)

Flag of Syria (1932-1958; 1961-1963).svg Coalizão Nacional Síria[20][21]

 Turquia (ver detalhes aqui)

(Para ler mais detalhes sobre apoio estrangeiro a oposição, ver aqui)


Emblem of the Jaish al-Fatah.svg Exército da Conquista


Apoio:



Flag of Syrian Kurdistan.svg Rojava[32]


Apoio:

(Para ler mais detalhes sobre a frente curda da guerra, ver aqui)


Seal of Combined Joint Task Force – Operation Inherent Resolve.svg Operação Determinação Inerente:

No god but God.jpg Estado Islâmico do Iraque e do Levante[1] (em guerra com todos os lados envolvidos no conflito)
Líderes
Síria Bashar al-Assad[40]

Síria Wael Nader al-Halqi[41]
Síria Ali Abdullah Ayyoub[42]
Síria Fahd Jassem al-Freij[43]
Síria Faruk al Shara[44]
Síria Dawoud Rajiha[45]
Síria Maher al-Assad[46]
Síria Assef Shawkat[47]
Síria Hisham Ikhtiyar[48]
Irã Qasem Soleimani
InfoboxHez.PNG Hassan Nasrallah
PFLP-GC Flag.svg Ahmed Jibril
Rússia Vladimir Putin

Ahmad Tu'mah
Anas al-Abdad
Abdullah al-Bashir[49]

Riad al-Asaad[50]
Salim Idris[51]
Jamal Maarouf[22][23]
Moaz al-Khatib[52]
Síria Mustafa al-Sheikh[53]
Ahmed Issa al-Sheikh[26]
Abu Abdullah al-Hamawi[54]
Flag of Jabhat al-Nusra.jpg Abu Mohammad al-Julani[25]


Salih Muslim Muhammad[55]
Sipan Hemo

No god but God.jpg Abu Bakr al-Baghdadi
No god but God.jpg Abu Mohammad al-Adnani
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Abu Suleiman al-Naser
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Abu Ala al-Afri
No god but God.jpg Abu Omar al-Shishani
No god but God.jpg Abu Ali al-Anbari
No god but God.jpg Abu Bakr al-Iraqi
Forças
Síria Forças Armadas:

178 000 militares[56] (2015)
Síria Diretório de Segurança Geral:
8 000 soldados
Síria milicanos de Shabiha:
10 000 combatentes
Síria Força de Defesa Nacional:
60 000 combatentes[57]
Síria Brigada al-Abbas:
10 000 combatentes[58]
Síria Jaysh al-Sha'bi:
50 000 combatentes[59]


InfoboxHez.PNG Hezbollah:
3 000 – 5 000 combatentes[60]
Shiism arabic blue.PNG 15 000 guerrilheiros xiitas estrangeiros[61]


Irã 15 000 militares[62]
Rússia 4 000 militares[63]

Exército Livre da Síria:
40 000 - 50 000 combatentes[64]
Brigada Ahfad al-Rasul:
10 000 - 15 000 combatentes[24]

Frente Revolucionária Síria:
10 000 - 15 000 combatentes[22][23]


Flag of Jabhat al-Nusra.jpg Jabhat Fateh al-Sham:
~ 15 000 milicianos[65]
Frente Islâmica:
40 000 - 70 000 combatentes[66]
Flag of Jihad.svg Exército dos Mujahedins:
12 000 combatentes[23]


(Diversos outros combatentes de grupos menores)


Flag of Syrian Kurdistan.svg 40 000 – 45 000 guerrilheiros curdos[67][68]

Flag of Islamic State of Iraq.svg Estado Islâmico do Iraque e do Levante: 50 000 - 100 000 combatentes[69][70]
Baixas
Síria Forças do Governo Sírio:

~ 94 006 soldados, milicianos ou policiais mortos (segundo o OSDH)[71]
~ 8 000 militares capturados[71]
~ 5 163 combatentes não sírios mortos (incluindo centenas de iranianos e pelo menos 20 soldados russos)[71]
Hezbollah:
+1 400 milicianos mortos[71]

Flag of Syria (1932-1958; 1961-1963).svg Flag of Jihad.svg Flag of Syrian Kurdistan.svg Rebeldes sírios, jihadistas e curdos:

~ 104 390 combatentes mortos[71]

+ 115 627 civis mortos[71]

+ 2 700 manifestantes mortos em protestos[72]
36 637 guerrilheiros ou manifestantes capturados[73]


Seal of Combined Joint Task Force – Operation Inherent Resolve.svg CJTF–OIR:
2 militares mortos[74][75]

Desconhecido (pelo menos + 45 000 mortos, incluindo perdas no Iraque)[76]

~ 470 000 sírios mortos no conflito[77][71]
(segundo o OSDH)
+ 250 000 mortos
(segundo a ONU)[78]
~ 2 996 civis estrangeiros mortos


+7,6 milhões de desalojados (internamente)[79]
+ de 4 milhões de refugiados[80]

A Guerra Civil Síria[81] (às vezes referida como Revolta Síria ou ainda Revolução Síria;[82] em árabe: الحرب الأهلية السورية) é um conflito interno em andamento na Síria, que começou como uma série de grandes protestos populares em 26 de janeiro de 2011 e progrediu para uma violenta revolta armada em 15 de março de 2011, influenciados por outros protestos simultâneos no mundo árabe.[83] Enquanto a oposição alega estar lutando para destituir o presidente Bashar al-Assad do poder para posteriormente instalar uma nova liderança mais democrática no país, o governo sírio diz estar apenas combatendo "terroristas armados que visam desestabilizar o país".[84] Com o passar do tempo, a guerra deixou de ser uma simples "luta por poder" e passou também a abranger aspectos de natureza sectária e religiosa, com diversas facções que formam a oposição combatendo tanto o governo quanto umas às outras. Assim, o conflito acabou espalhando-se para a região, atingindo também países como Iraque e o Líbano, atiçando, especialmente, a rivalidade entre xiitas e sunitas.[85]

Foi iniciada como uma mobilização social e midiática, exigindo maior liberdade de imprensa, direitos humanos e uma nova legislação.[86] A Síria tem estado em estado de emergência desde 1962, que efetivamente, suspendeu as proteções constitucionais para a maioria dos cidadãos. Hafez al-Assad esteve no poder por trinta anos, e seu filho, Bashar al-Assad, tem mantido o poder com mão firme nos últimos dez anos. As manifestações públicas começaram em frente ao parlamento sírio e a embaixadas estrangeiras em Damasco.[87]

Em resposta aos protestos, o governo sírio enviou suas tropas para as cidades revoltosas com o objetivo de encerrar a rebelião.[88] O resultado da repressão e do confronto com os manifestantes acabou sendo de centenas de mortes, a grande maioria de civis.[89] No fim de 2011, soldados desertores e civis armados da oposição formaram o chamado Exército Livre Sírio para iniciar uma luta convencional contra o Estado. Em 23 de agosto de 2011, a oposição finalmente se uniu em uma única organização representativa formando o chamado Conselho Nacional Sírio.[90] A luta armada então se intensificou, assim como as incursões das tropas do governo em áreas controladas por opositores.[91] Em 15 de julho de 2012, com grandes combates irrompendo por todo o país, a Cruz Vermelha Internacional decidiu classificar o conflito como guerra civil (o termo preciso foi "conflito armado não-internacional") abrindo caminho à aplicação do Direito Humanitário Internacional ao abrigo das convenções de Genebra e à investigação de crimes de guerra.[92]

A partir de 2013, aproveitando-se do caos da guerra civil na Síria e no Iraque, um grupo autoproclamado Estado Islâmico (EI, ou ad-Dawlah al-Islāmīyah) começou a reivindicar territórios na região. Lutando inicialmente ao lado da oposição síria, as forças desta organização passaram a atacar qualquer uma das facções (sejam apoiadoras ou contrárias a Assad) envolvidas no conflito, buscando hegemonia total. Em junho de 2014, militantes deste grupo proclamaram um Califado na região, com seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, como o califa. Eles rapidamente iniciaram uma grande expansão militar, sobrepujando rivais e impondo a sharia (lei islâmica) nos territórios que controlavam. Então, diversas nações ocidentais, como os Estados Unidos, as nações da OTAN na Europa, e países do mundo árabe, temendo que o fortalecimento do EI representasse uma ameaça a sua própria segurança e a estabilidade da região, iniciaram uma intervenção armada contra os extremistas.[93] Outras nações, como Rússia e Irã, também intervém militarmente no conflito, mas ao lado do regime de Assad.[94] Analistas políticos internacionais descrevem a participação das potências estrangeiras na Síria e o apoio dispensado as facções lutando no conflito como uma espécie de "guerra por procuração".[95]

Segundo informações de ativistas de direitos humanos dentro e fora da Síria, o número de mortos no conflito passa das 250 mil pessoas, sendo mais da metade de civis.[78] Outras 130 mil pessoas teriam sido detidas pelas forças de segurança do governo.[96] Mais de quatro milhões de sírios já teriam buscado refúgio no exterior para fugir dos combates, com a maioria destes tomando abrigo no vizinho Líbano.[80] O conflito também gerou uma enorme onda migratória de sírios e árabes em direção a Europa, sem paralelos na história do continente desde a Segunda Guerra Mundial.[97]

Segundo a ONU e outras organizações internacionais, crimes de guerra e contra a humanidade vêm sendo perpetrados pelo país por todos os lados de forma desenfreada.[98] Na fase inicial da guerra, as forças leais ao governo foram as principais alvos das denúncias, sendo condenadas internacionalmente por incontáveis massacres de civis.[99][100] Milícias leais ao presidente Assad e integrantes do exército sírio foram acusadas de perpetrarem vários assassinatos e cometerem inúmeros abusos contra a população.[101] Contudo, durante o decorrer das hostilidades, as forças opositoras também passaram a ser acusadas, por organizações de direitos humanos, de crimes de guerra.[102] O Estado Islâmico, desde 2013, passou então a chamar a atenção pelos requintes de violência e crueldade nas inúmeras atrocidades que cometiam pelo país.[103]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Primavera Árabe

No momento da revolta, a Síria se encontrava sob estado de emergência desde 1962, sendo assim suspensas as garantias constitucionais que protegiam a população síria. Então o regime instalou um estado policial, suprimindo qualquer manifestação pública que fosse contra o governo. Durante esses anos, revoltas de cunho islâmico[104] foram fortemente reprimidos, causando centenas de mortes, como no massacre de Hama.[105] O governo sírio justificou o estado de emergência, dizendo que a Síria estava em estado de guerra com Israel.

Desde 1963, após um golpe de estado, a Síria é governada pelo Partido Baath.[106] Apesar das mudanças de poder no golpe de estado de 1966 e no golpe de 1970, o Partido Baath continua mantendo-se como a única autoridade na Síria,[107] através do unipartidarismo.

Um manifestante anti-Assad grafitando na parede de um prédio a frase "Derrubem al-Assad", em maio de 2011.

No último golpe de estado, Hafez al-Assad tomou o poder como presidente, liderando o país por 30 anos e proibindo a criação de partidos de oposição e a participação de qualquer candidato de oposição em uma eleição.

Em 1982, durante um clima de insurgência islâmica em todo o país, que durou seis anos, Hafez al-Assad aplicou a tática da "terra arrasada", sufocando a revolta islâmica da comunidade sunita, incluindo a Irmandade Muçulmana, entre outros.[108] Durante essas operações, milhares de pessoas morreram no massacre de Hama.[109]

O presidente Bashar al-Assad se encontra no poder desde 17 de julho de 2000, sucedendo seu pai. Seu partido atualmente domina a política síria, incluindo o parlamento. A Frente Nacional Progressista é a única coalizão do parlamento, composto principalmente pelo Partido Baath (134 assentos) e outros nove membros, representando 35 partidos políticos.

Como vários outros países do Oriente Médio, a Síria sofria com retrações econômicas e altos índices de desemprego que chegava a 25% da população.[110] A situação socio-econômica, como a deterioração do padrão de vida, a redução do apoio do governo aos pobres como consequência da adaptação da economia para um mercado aberto, a erosão dos subsídios para bens e agricultura, sem uma indústria estável e índices de desemprego altos entre jovens incitaram o descontentamento popular.[111]

A situação dos direitos humanos na Síria também era considerada deplorável, conquistando várias críticas de organizações estrangeiras.[112] O país ficou sob estado de exceção de 1963 até 2011, o que dava as forças de segurança a autoridade de prender qualquer um que quisessem sem declarar um motivo.[113] Movimentos pró-democracia liderados, na maioria das vezes, pela Irmandade Muçulmana, foram mal recepcionados pelo governo que reprimia qualquer manifestação de oposição.[113] Todos os partidos políticos foram banidos da Síria, fazendo do partido do governo o único a concorrer nas eleições.[114]

Em entrevista feita em 31 de janeiro de 2011, al-Assad declarou que era tempo de fazer reformas, frente as revoltas de demanda popular que derrubaram governos no Egito, na Tunísia e no Iêmen, e que falou que uma "nova era" estava chegando ao Oriente Médio.[115][116] Segundo grupos de oposição, a lentidão ou não cumprimento das promessas de reformas incitaram a população a se manifestar contra o governo em massa. Os primeiros protestos começaram em janeiro e foram reprimidos duramente pelo governo.[117] Ainda no mesmo mês, uma manifestação em Ar-Raqqah terminou com dois mortos. Protestos em Al-Hasakah acabaram sendo dispersos pelas forças de segurança leais ao governo e centenas foram presos. A rede de televisão árabe Al Jazeera reportou a violência usada pelas forças de al-Assad na repressão e se disse preocupada com o risco de uma insurreição popular nos moldes da Líbia.[118] O presidente Assad então afirmou que seu país estaria imune a todos os tipos de protestos em massa como os que ocorreram no Cairo, Egito.[119]

Oposição síria[editar | editar código-fonte]

Os primeiros grupos de oposição na Síria foram formados em 2005, em protestos contra o regime de Assad. Em 2011, com a implantação de protestos antigovernamentais na Síria, começaram a consolidação de grupos numerosos de oposição. Na formação do Conselho Nacional da Síria (CNS), foi lançado oficialmente na Turquia, em 23 de agosto de 2011. Em outubro, foi formada uma coalizão dos sete principais grupos políticos, que tem 230 membros, alguns sendo sírios da diáspora na França e na Turquia. Em setembro de 2011, foi nomeado o presidente do CNS o analista político Burhan Ghalioun, que vive na França, que rejeita a proposta de intervenção militar estrangeira, mas também pede a "proteção internacional" para a oposição, ao contrário do que aconteceu na Líbia, onde uma zona de exclusão aérea foi implementada, mas em 2012 o CNS pediu um apoio maior das potências estrangeiras, sugerindo uma pequena zona de exclusão sobre o território sírio, proposta esta negada pelo Conselho de Segurança da ONU.[120][121] A Irmandade Muçulmana síria, alguns dissidentes curdos, vários independentes dissidentes sírios e os chamados "Comitês de Coordenação Locais" foram alguns dos principais grupos envolvidos que também se envolveram na organização e coordenação das manifestações contra o governo. Estes argumentam que representam aproximadamente 60% da oposição síria. O Exército Livre da Síria (ELS), comandado pelo coronel Riad al-Asaad, formado por centenas de soldados desertores do exército nacional, foi fundado em 29 de julho de 2011 e passou a ser um dos principais braços armados da oposição.[122][123]

Outro grupo de oposição notório é o Comitê Nacional de Coordenação para Mudança Democrática, que de início fazia oposição e rivalizava com o CNS e com a Irmandade Muçulmana e depois passou a pregar a unidade da oposição, embora segundo o periódico americano The New York Times, "em nenhum lugar na Síria controlado pelos rebeldes há uma força secular de combate".[124][125] Este grupo é constituído por socialistas, marxistas e partidos curdos. Formado em setembro, liderado por Hassan Abdul-Azim, tem o objetivo declarado de "derrubar o regime dos Assad." O Comitê Nacional se recusou a participar de negociações com o governo, alegando que as autoridades "estão apenas tentando ganhar tempo para a eliminação da insurreição." Um dos líderes do grupo, Haytham Manna, disse que quem pede a intervenção estrangeira na Síria é "traidor".[126] Os Conselhos Locais de Coordenação na Síria, fundado em agosto de 2011, argumentam que os rebeldes estão em toda a Síria e que se recusam a "intervenção estrangeira e ao sectarismo" e dizem não à violência.[127][128]

Em 15 de setembro de 2013, segundo um estudo feito pela Jane's Information Group, foi estimado que havia cerca de 100 mil combatentes contra o regime, fragmentados em cerca de mil grupos. Destes, cerca de 10 000 seriam jihadista ligados à Al-Qaeda, sendo parte deles não sírios; entre 30 000 a 35 000 seriam fundamentalistas não ligados à Al-Qaeda, focados exclusivamente na Síria, e não em um projeto pan-islâmico mais amplo; outros 30 000 seriam qualificados como militantes islâmicos moderados e apenas uma pequena minoria dos rebeldes teria uma agenda secular.[129] Em setembro, ao menos doze grupos islamitas, entre eles os fundamentalistas da Jabhat al-Nusra, organização aliada da Al-Qaeda, afirmaram ter se unido para formar a chamada "Aliança Islâmica", com o objetivo de criar um Estado na Síria sob a Sharia. Eles também afirmaram não reconhecer mais a autoridade da Coalizão Nacional da oposição e lutariam agora sob um comando próprio, com uma agenda política própria.[130]

Fim do estado de emergência e manifestações populares[editar | editar código-fonte]

Influenciados pela chamada Primavera Árabe, as primeiras grandes manifestações anti-governo na Síria começaram entre janeiro e março de 2011, acontecendo principalmente nas cidades de Damasco, Alepo e no sul de Daraa, município este onde seriam registrados os primeiros confrontos violentos entre forças de segurança do país e manifestantes.[131] Os protestos contra o regime de Bashar al-Assad se intensificaram em abril, forçando as autoridades sírias a enviar tropas do Exército e outras forças de segurança para as ruas do país. Água e eletricidade se tornaram escassas nas cidades sitiadas como Daraa, onde as forças do governo supostamente confiscavam os suprimentos da população.[132] Uma situação similar foi relatada na cidade de Homs.[133] Em maio, o Exército Sírio também iniciou o cerco as cidades de Baniyas, Hama, Talkalakh, Lataquia e Al-Midan, além de vários distritos de Damasco e dezenas de outras cidades pelo país que também foram ocupadas por manifestantes da oposição.[134][135]

Portando cartazes e bandeiras nacionais, o povo protesta contra o governo em Damasco, capital do país, em 08 de Abril de 2011.
Um comício em apoio ao presidente Bashar al-Assad em Lataquia em 20 de junho de 2010.
Em 23 de agosto, em Istambul na Turquia, nasce o Conselho Nacional Sírio, o primeiro grande grupo dissidente organizado da oposição síria.[136]

Os protestos em 18 e 19 de março de 2011 foram os maiores que ocorreram na Síria em décadas, tendo as autoridades sírias respondido com violência contra os manifestantes. O Secretário-Geral das Nações Unidas Ban Ki-moon, chamou o uso da força letal de "inaceitável".[137] Já a União Europeia, representada por Catherine Ashton, classificou a situação do país como "intolerável" e solicitou que reformas ocorressem na Síria.[138]

Falando à Assembleia do Povo, em abril, num discurso transmitido pela televisão, o presidente Bashar al-Assad declarou que esperava que o governo suspendesse a lei de emergência em vigor há décadas no país, reconhecendo que há um grande buraco entre o governo e o povo, e que o "governo tinha que atender às aspirações populares".[139] Em 19 de abril, o regime aprovou um decreto que suspendeu o estado de emergência pela primeira vez em 48 anos.[140] Em março de 2011, o governo sírio aumentou o salário mínimo e os salários do funcionalismo público, para combater a alta no custo de vida e ganhar mais apoio popular.[141] Em resposta ao decreto, a Anistia Internacional declarou que "as promessas do presidente Al-Assad soam falsas e que as medidas adotadas são muito fracas em relação às reformas políticas tão necessárias no país".[142]

Apesar das medidas, a continuação dos confrontos entre os manifestantes e as forças de segurança do governo em Homs, Damasco, Banias, Kiswah e Qamlishi, levou a um banho de sangue no país em 22 de abril, com mais de 70 mortos.[143] Segundo a Anistia Internacional, o número de mortos nas manifestações em março foi de 228 pessoas. A Human Rights Watch também exigiu do governo sírio, que permita que os cidadãos do país tenham direito à liberdade de reunião.[144]

O governo continuou a pressionar a população e em 26 de abril, tanques do exército foram enviados à Daraa, a cidade onde as manifestações começaram na Síria, e tropas abriram fogo contra manifestantes locais, causando pelo menos 35 mortes. Cerca de 500 ativistas foram presos no mesmo dia em todo o país.[145] Em maio, o governo dos Estados Unidos, através de uma ordem executiva do presidente Barack Obama, determinou o congelamento de todos os bens e ativos pessoais de Assad e mais seis integrantes do governo sírio no país, assim como a proibição de cidadãos e empresas norte-americanas de fazerem negócios com essas pessoas.[146]

Em 12 de novembro de 2011 a Liga Árabe decidiu, por 18 votos a favor, 3 contra (Síria, Líbano e Iémen) e uma abstenção (Iraque), suspender a Síria da organização, até que o governo de Damasco botasse um fim à violência contra os manifestantes anti-governamentais.[147]

Em outubro de 2011, a Rússia e a China usaram o veto para bloquear uma resolução do Conselho de Segurança contra o governo sírio. Em novembro uma agência de notícias síria disse que navios de guerra russos chegaram a águas territoriais da Síria, indicando ser uma mensagem de Moscou para o Ocidente contra qualquer intervenção,[148] anteriormente em 2010, de acordo com a agência de notícias russa RIA Novosti, a Rússia moveu seus primeiros navios de guerra para a base naval de Tartus, na Síria.[149]

Al-Assad declarou que há uma "conspiração estrangeira" contra o país. O apoio dos Estados Unidos à oposição, inclusive ocorrendo durante anos, foi revelado pelo Wikileaks em supostos telegramas e assumido pelo governo americano que fazia isto desde 2006.[150][151] O Washington Post divulgou parcialmente esses telegramas. Ainda segundo a mensagem, existe um envolvimento do Movimento pela Justiça e Desenvolvimento (MJD) de exilados em Londres, que teria ligação com a rede de televisão londrina Barada TV transmitida via satélite para a Oposição Síria. Acredita-se que esses financiamentos começaram em 2005.[152]

No fim de 2011, as forças do governo sírio continuaram a reprimir os manifestantes, prendendo centenas de pessoas e deixando milhares de vítimas. A oposição síria relatou casos de estupros, assassinatos e alegou que milhares de civis estavam sendo expulsos de suas casas pelas forças do regime. O governo, por sua vez, negou as acusações.[153] Em janeiro, uma pesquisa feita pela You Gov Siraj na Síria, encomendada pelo The Doha Debates, financiada pela Fundação Catar, chegou a conclusão que 55% do povo sírio queria a permanência de Assad no poder por medo de uma guerra civil ou de uma intervenção militar estrangeira no país. Porém, uma porcentagem similar da população demonstrou-se favorável a permanência do presidente no poder desde que ele convocasse eleições livres para o seu cargo. O governo então prometeu eleições, mas a transparência destas foi questionada pelas potências ocidentais e ativistas fora do país.[154]

No final de fevereiro de 2012, frente ao aumento considerável de protestos e da pressão internacional, o governo sírio anunciou uma nova Constituição (obtendo o pluripartidarismo e sem necessariamente diminuir a permanência no cargo ou o poder do Chefe de Estado). O governo central afirmou que a nova lei só entraria em efeito após as próximas eleições presidenciais marcadas para 2014. O novo artigo 88 determina que o Presidente pode ser eleito por dois mandatos consecutivos de sete anos cada, sem diminuição de sua autoridade. Se reeleito, Assad poderia se garantir no poder por mais 16 anos, no mínimo.[155] Aprovada num referendo, onde segundo dados do regime, 57% dos eleitores compareceram e, segundo o governo, o resultado concluiu que 90% foram a favor.[156][157] O regime sírio afirmou que o resultado da votação foi "um respaldo às reformas promovidas por Assad" desde o começo da rebelião popular. A oposição e os países ocidentais classificaram o resultado como sendo falso com objetivos de manter Assad no poder.[158] Líderes da oposição síria acusaram a votação de ter sido fraudulenta e alegaram que ela "em absoluto não representava o desejo do povo sírio". "A prova (desta falta de apoio) é o número de manifestações que houve ontem à noite, o número de greves e o número de mortos que foi registrado enquanto Bashar enganava seu povo", afirmou Rafif Jouejati, o então porta-voz da oposição.[157] Dias após a votação, o governo de Assad voltou a atacar manifestantes e cidades em controle de opositores, matando pelo menos 144 pessoas.[159] Segundo um porta-voz da ONU, a prioridade do governo de Assad deveria ser "por fim à violência e só nessas condições pode ter lugar um processo político que responda às aspirações dos cidadãos". A União Europeia também reforçou o pedido de rapidez na transição politica do país e lançou novas sanções contra a nação em resposta a escalada de violência perpetrada pelo governo.[155]

De acordo com grupos contrários ao regime e com o observatório de direitos humanos da ONU, nenhuma das reformas prometidas por Al-Assad foram implementadas, enquanto o governo prosseguia com a repressão politica.[160]

Guerra[editar | editar código-fonte]

Repressão e primeiros enfrentamentos[editar | editar código-fonte]

Protestos da oposição na cidade de Baniyas, 28 de abril de 2011.

Em resposta a maior intensidade dos protestos, o governo sírio mandou várias unidades do Exército e das Forças Armadas do país para por fim as manifestações e várias cidades foram cercadas e bombardeadas causando muitas mortes.[88][89][161] Homs, uma das maiores cidades do país e a maior sob controle da oposição, foi atacada e bombardeada por aviões e artilharia.[162] A comunidade internacional e ativistas dos direitos humanos denunciaram a matança indiscriminada de civis e pediram o fim da violência.[163] A Liga Árabe fez então uma proposta de paz que foi veementemente negado pelo governo central que alegou que estava lutando contra terroristas e não sufocando protestos.[164]

De acordo com várias testemunhas, soldados do governo que se recusavam a disparar contra civis eram sumariamente executados pelos próprios oficiais.[165] O governo sírio negou as deserções dos seus militares e culpou "grupos armados" pelos problemas.[166]

No fim de 2011, civis e soldados que desertaram o exército nacional se unificaram para iniciar uma campanha de insurgência organizada contra o Estado. Foi criado então o "Exército Livre da Síria" e os combates então se intensificaram.[167] Em fevereiro de 2012 o governo de Bashar al-Assad iniciou uma grande ofensiva contra as cidades controladas por opositores, em especial Homs, que foi bombardeada durante quase três semanas.[168]

Manifestantes da oposição em Homs.

Segundo grupos de ativistas de direitos humanos, no começo de 2012, mais de 11 mil pessoas já haviam morrido na Síria por causa da violência do governo contra os manifestantes e de outras ações armadas,[169] com isso mais de 7 mil refugiados teriam fugido para o Libano,[170] o governo deste país informou depois de uma reunião com o governo americano que pediu para que protegesse os refugiados da Síria, o então Ministro de Exteriores Adnan Mansour. "Nós não queremos um novo campo de Ashraf, no Líbano", disse Mansour, em uma alusão ao campo de dissidentes iranianos Mujahidin "El-Halk", localizado no Iraque.[171]

Em 23 de fevereiro, dois jornalistas estrangeiros (um francês e uma americana) foram mortos depois de o prédio onde estavam em Homs ter sido bombardeado por forças do governo.[170] A comunidade internacional rapidamente condenou o ocorrido. "Isto é um aviso triste sobre os riscos que os jornalistas correm para informar o mundo do que se passa e dos acontecimentos horríveis na Síria", afirmou o primeiro-ministro britânico David Cameron.[172] Pelo menos 24 civis morreram no mesmo episódio de violência.[170] O governo sírio negou a responsabilidade pelas mortes e afirmou que os jornalistas em questão entraram ilegalmente no país. O ministério de relações exteriores do país ainda afirmou que pelo menos 200 delegações da imprensa tiveram entrada permitida no país, mas não revelou de onde eram ou para quem trabalhavam.[173] Em 1 de março, o exército sírio anunciou a conquista do bairro rebelde de Baba Amr, em Homs, após dois dias de combates. Os rebeldes declaram que a retirada das suas posições na área foi um "recuo tático" e se declararam preocupados com um possível massacre na tomada de seu reduto em Homs. No mesmo dia o Conselho Nacional sírio anunciou a criação de um "Gabinete Militar" para unificar a estratégia de luta contra o governo.[174]

Na tarde do dia 6 de março de 2012, o Crescente Vermelho sírio finalmente conseguiu chegar ao bairro de Baba Amir, cujo acesso era impedido pelo governo, fornecendo ajuda humanitária e constatando que a maioria dos moradores se transferiram para outras regiões já visitadas pela sua equipe na cidade de Homs, afirmou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha. As autoridades sírias então se reuniram com a enviada da ONU, Valérie Amos, e afirmaram ter encontrado corpos de vários estrangeiros na região, inclusive um corpo de um europeu que teria ajudado os rebeldes, encontrado com documentos de um jornalista espanhol que alegou ter perdido durante o conflito. A agência estatal de notícias síria Sana informou que o Ministério de Relações Estrangeiro do país salientou que as lideranças do governo estavam apenas tentando satisfazer as necessidades dos civis, apesar das "injustas sanções" impostas por alguns países árabes e ocidentais.[175][176] Após anunciar estar no controle de Homs, informação esta negada pelos rebeldes e pela Comunidade Internacional, o governo de Damasco lançou novas ofensivas contra outras áreas tomadas por manifestantes opositores.[177][178]

Em 1 de fevereiro, Riad al-Asaad, comandante do Exército Livre Sírio, alegou que "metade do território do país não estava mais sob controle do regime" e que o acesso as áreas sob a mão do governo não eram mais acessíveis. Ele também afirmou que o moral das tropas de Assad estava baixo. "É por isso que eles estão bombardeando indiscriminadamente, matando homens, mulheres e crianças", disse ele.[179]

A onda de protestos rapidamente se espalharam pelo mundo, em especial em frente as embaixadas da Síria pelo mundo. Após a oposição síria ter alertado que mais de 200 pessoas teriam sido mortas em um massacre em Homs em 2 de fevereiro de 2012, sírios exilados e cidadãos comuns de outras nacionalidades protestaram no Cairo, cidade do Kuwait e em Londres.[180]

Tentativas de cessar-fogo e novos embates[editar | editar código-fonte]

Um prédio em Homs pegando fogo como resultado dos combates entre forças pró e contrárias ao regime.

Em 10 de fevereiro de 2012 foi reportado um ataque contra o prédio da inteligência militar síria em Alepo, sendo que 28 pessoas morreram no atentado e outras 235 ficaram feridas. O Exército Sírio Livre, através do coronel Arif Hamood, assumiu responsabilidade do ataque ao canal France 24, dizendo que eles usaram tiros de morteiro e de lança-granadas-foguete ao invés de carros bomba como havia sido reportado no início.[181] Contudo, outro lider da oposição armada, Riad al-Asaad, negou participação destes no ataque e falou em conspiração feita pelo governo de Assad que teria atacado ele mesmo o prédio para culpar a oposição de assassinato.[182] Um jornalista holandês do canal NOS as explicações da oposição para o ataque como improváveis, já que estes já haviam alertado a todos que a inteligência do exército sírio seria alvo de ataques, já que eles seriam alguns dos principais responsáveis pela repressão política no país.[183]

Em 12 de abril, ambos os lados, o Governo Sírio e os rebeldes armados da Oposição, entraram em um período de cessar-fogo mediado pela ONU.[184] Apesar dos planos iniciais de por fim as hostilidades em 10 de abril, o Exército Sírio continuou sua ofensiva em cidades controladas por opositores, em uma tentativa de ganhar mais terreno, e acabaram por acatar o armistício apenas no dia 12.[185] Em 15 de abril, ainda havia relatos de bombardeios e combates em Homs, e também foram reportadas várias mortes por toda a Síria, supostamente em repressões das forças do governo contra membros da oposição, apesar das promessas de fim das hostilidades feitas pelo presidente Bashar al-Assad. No dia 16, um grupo de observadores internacionais chegou à Síria para inspecionar como estava a situação do país.[186]

Em 1 de maio, Hervé Ladsous, Subsecretário-Geral para Operações de Paz das Nações Unidas, disse que ambos os lados estavam violando o acordo de cessar-fogo de 12 de abril. O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, alertou que governo e oposição deveriam cooperar com a proposta de paz.[187][188]

No dia 19 de maio, em Deir ez-Zor, explodiu uma bomba em um atentado suicida que matou 9 civis e feriu 100 gravemente. O atentado foi atribuído à Irmandade Muçulmana.[189]

Em detrimento do acordo de cessar-fogo, os combates no país se intensificaram em maio e no dia 25 desse mês mais de 100 pessoas foram executadas no "Massacre de Houla", perpetrado durante uma ofensiva militar do governo sírio.[190] Segundo a ONU, a maior parte das vítimas eram civis que teriam sido sumariamente executado pelas forças de Bashar al-Assad.[191] Estes eventos acabaram por colocar a já tensa paz em risco.[192] Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, disse que acredita "que menos de 20 dos 108 assassinatos podem ter sido provocados por disparos de artilharia e tanques. A maioria das vítimas foram executadas de forma sumária em dois incidentes diferentes que foram executados, segundo os moradores, por milicianos favoráveis ao regime".[193] O governo, por sua vez, negou responsabilidade e culpou "grupos terroristas" pelo incidente.[194] Em 29 de maio, Kofi Annan viajou até à Síria para apelar a ambos os lados e evitar o rompimento total do cessar-fogo.[195]

Em 30 de maio, o exército rebelde sírio anunciou que eles estavam dando ao presidente Assad 48 horas para se submeter ao plano de paz internacional e por fim a violência. "O prazo acaba na sexta, às 12h00 (hora local), e ai estamos livres de qualquer comprometimento anterior e voltaremos a proteger e defender os civis, suas aldeias e suas cidades", disse um porta-voz das forças militares da oposição.[196]

Escalada da violência e declarada guerra civil[editar | editar código-fonte]

Logo após o massacre em Houla e o subsequente ultimato rebelde ao governo sírio, o cessar-fogo praticamente entrou em colapso no fim de maio de 2012, com forças do Exército Livre da Síria (ESL) lançando vários ataques contra tropas do governo. Em 1 de junho, o presidente Bashar al-Assad alertou que o país iria "esmagar" a revolta rapidamente, depois de o exército rebelde anunciar que estavam retomando as "operações defensivas".[197] Assad então voltou à televisão e declarou que a Síria estava em completo "estado de guerra".[198]

Em 2 de junho, 57 soldados foram mortos na Síria, o maior número de perdas sofridas pelo governo em um só dia naquele ponto do conflito.[197] Entre 5 e 13 de junho, o Exército Sírio combateu e derrotou as milícias anti-governo na cidade de Lataquia, onde foram usados tanques e helicópteros para liquidar as forças opositoras.[199]

Em 6 de junho de 2012, 78 civis foram mortos no chamado "massacre de Al-Qubair". De acordo com ativistas de direitos humanos, as forças do governo começaram a bombardear o vilarejo com artilharia pesada antes que as milícias pró-Assad, a Shabiha, avançasse.[200] Observadores da ONU tentaram entrar no vilarejo para tentar investigar o que havia ocorrido de fato mas foram impedidos pelo governo e depois foram embora ao perceber que havia combates pela área com vários sons de diversos tiroteios acontecendo.[201] Enquanto isso, os conflitos avançaram até duas grandes cidades (Damasco e Alepo) que o governo alegava estar tranquila em suas mãos e que sua população era formado por partidários que apenas queriam a manutenção da estabilidade. Em ambas as cidades, intensos protestos de caráter mais pacífico estavam acontecendo. Lojistas da capital entraram então em greve e em Alepo os bairros comerciais também pararam de funcionar, mas em escala menor. Isso foi interpretado por especialistas como a indicação de que a histórica aliança nas grandes cidades entre os empresários e o governo tinha finalmente ruído.[202]

Prédios destruídos em Saadallah al-Jabiri, na cidade de Alepo, devido a um atentado à bomba, em outubro de 2012.

Em 22 de junho, um caça turco F-4 foi derrubado por forças do governo sírio.[203] A Síria admitiu ter derrubado o avião, alegando que a aeronave turca voava sobre águas sírias a apenas 1 quilometro da costa quando foi atacado por artilharia antiaérea perto do vilarejo de Om al-Tuyour.[204] Em 24 de junho, destroços do jato foram encontrados em águas sírias, mas a tripulação permanecia desaparecida.[205] O ministro das relações exteriores da Turquia então declarou que o avião de seu país fora derrubado em águas internacionais logo após ter entrado momentaneamente em espaço sírio, durante um voo para testar o novo sistema de radar turco.[206] O presidente Bashar al-Assad mostrou pesar pela situação e alegou estar "arrependido" pela derrubada do avião.[207] O governo de Ancara emitiu uma nota oficial dizendo que o ataque não sairia impune e culpou as autoridades em Damasco pela incidente.[208] Logo depois, a União Europeia aprovou uma nova e mais dura rodada de sanções econômicas contra a Síria,[208] reiteradas pelo Conselho da Europa.[209]

No começo de julho de 2012, Manaf Tlass, um general de brigada da Guarda Republicana, desertou o governo, fazendo dele o mais graduado oficial de alta patente do Exército Sírio a renunciar devido a violência. Diplomatas ocidentais disseram que este foi o golpe mais duro contra Assad e seu círculo interno de ajudantes.[210] Nawaf al-Fares, o embaixador sírio no Iraque, que já havia anunciado simpatia pelos movimentos opositores ainda em maio de 2011, renunciou ao cargo e declarou fidelidade a oposição ainda em julho de 2012.[208]

Em meados de julho, os combates se espalharam pelo país de forma mais violenta. Frente a esses relatos, o Comitê da Cruz Vermelha internacional declarou o conflito uma "guerra civil".[92] A luta em Damasco, capital do país, se intensificou devido a uma grande ofensiva rebelde que pretendia dominar a cidade.[211]

Em 18 de julho, o ministro da defesa sírio, Dawoud Rajha, e o cunhado do presidente, o General Assef Shawkat, foram mortos em um atentado a bomba na capital.[212][213] O chefe da inteligência do governo, Hisham Bekhityar, também foi ferido na mesma explosão. Tanto o Exército Livre da Síria e o grupo Liwa al-Islam assumiram responsabilidade pelos ataques.[214] Já o ministro do interior, Mohammad Ibrahim al-Shaar, também foi ferido no atentado mas seu estado médico não foi confirmado.[215][216] Esses ataques foram os primeiros que conseguiram assassinar altos membros do governo de Assad em 17 meses de revolta.[213] Em 19 de julho, a cidade de Alepo foi palco de intensos combates entre forças do governo e da oposição, com ambos os lados lutando ferozmente para garantir o controle desta que é o maior centro comercial do país.[217]

Com a recente escalada na violência, em 19 de julho, o Conselho de Segurança da ONU, pressionado por Estados Unidos e União Europeia, votou uma resolução contra o Regime de Bashar Al-Assad. Contudo, como era esperado, Rússia e China vetaram a resolução e qualquer subsequente sanção contra o governo sírio, evidenciando ainda mais a divisão da comunidade internacional sobre o conflito.[218] Russos e chineses, que são os principais aliados da Síria, justificaram o veto alegando que querem ver uma resolução mais igual e que force ambos os lados a parar com a violência.[219] No mesmo dia, oficiais do governo iraquiano anunciaram que o Exército Livre da Síria haviam tomado o controle de todos os quatro postos de fronteira entre a Síria e o Iraque, aumentando a preocupação do governo local com seus cidadãos na região fugindo do conflito no país vizinho.[220] Nesse mesmo dia, por quase 40 minutos, todas as fronteiras da Síria foram fechadas.[221] No dia 21, foi relatado que cerca de 150 combatentes islâmicos supostamente procedentes de vários países árabes, incluindo Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Tunísia, armados com fuzis de assalto AK-47, lança-foguetes e bombas artesanais, ocuparam um posto de fronteira localizado entre a Síria e Turquia, segundo constatou um fotógrafo da Agence France-Presse (AFP) na região. O governo culpou extremista da Al-Qaeda pelo incidente e relatou a presença de combatentes estrangeiros no país, o que foi negado pela oposição.[222] Dois dias depois, a rede de televisão estatal síria mostrou imagens de cadáveres sendo supostamente de egípcios e jordanos, e anteriormente tinha sido de supostos líbios e tunisianos.[222]

Um soldado do governo sírio em um posto de controle na capital Damasco, em 2012.

Em 25 de julho, várias fontes denunciaram o uso de armamento pesado e até aeronaves de combate pelas forças de Assad contra áreas controladas por opositores armados em Alepo e Damasco, resultando em muitas mortes.[223] No começo de agosto, tropas sírias teriam expulsado os combatentes do Exército Livre do distrito de Salaheddin, em Alepo, e aumentaram a intensidade das ofensivas na parte noroeste da cidade de Idlib. A televisão estatal então reportou que soldados do governo haviam frustrado ataques de rebeldes armados contra o aeroporto e uma prisão localizada no centro de Alepo.[224] Em 29 de julho, a agência estatal SANA reportou que o governo estava no controle do distrito de Hajar al-Aswad, na capital do país. No mesmo dia, Assad declarou vitória e afirmou que suas tropas controlavam inteiramente a capital, apesar de na periferia, combates esporádicos ainda podiam ser ouvidos.[225] Em Alepo, os combates continuavam com as forças do exército sírio lançando vários contra-ataques encima dos rebeldes armados da oposição.[226]

Em 7 de agosto, vários residentes e trabalhadores de Yandar, uma área próxima a cidade de Homs, foram massacrados. O jornal SANA, aliada ao governo de Damasco, acusou o Exército Livre sírio pelo massacre, o que foi negado pela oposição. O número de mortos ainda é incerto. No dia seguinte, em Alepo, rebeldes atacaram um importante centro da polícia na cidade mas foram repelidos por militares leais a al-Assad.[227]

Em 25 de agosto, na cidade de Darayya, cerca de 400 pessoas foram mortas em um suposto ataque das forças do governo sírio.[228][229] A milícia Shabiha, leal ao presidente Bashar al-Assad, foi a principal acusada de ter cometido os assassinatos. Alguns civis, contudo, acusaram as forças do Exército Livre da Síria de algumas das mortes.[228][230] Desde a intensificação do conflito para uma guerra civil e do aumento das ofensivas militares da oposição, as forças rebeldes foram acusadas de perpetrarem abusos contra civis simpatizantes do governo e soldados que se renderam.[230][231] Em Damasco, valas comuns contendo pelo menos 270 corpos foram encontrados na periferia da cidade. Mais uma vez, as milícias Shabihas foram acusadas de serem os autores do massacre. Em meados de setembro, um parente do presidente Assad, que era um oficial da Força Aérea Síria, anunciou que havia mudado de lado para a oposição.[232] Esta foi a primeira deserção de um parente de al-Assad durante o conflito.[232]

Em 18 de setembro, forças rebeldes reportaram que estavam no controle do norte da região de Ar-Raqqah, na fronteira entre a Síria e a Turquia. Junto com outros postos de controle em poder da oposição com aquele país e também na fronteira com o Iraque, os rebeldes conquistaram uma importante vitória estratégica e logística, permitindo com mais facilidade a entrada de suprimentos ao país.[233]

Em 3 de outubro de 2012, tiros de artilharia pesada vindos da Síria atingiram a cidade de Akçakale na Turquia e cinco cidadãos daquele país foram mortos.[234] Em resposta, a Turquia bombardeou alvos militares em território sírio, marcando a primeira intervenção estrangeira direta no conflito.[235] O governo turco recorreu a OTAN, que por sua vez condenou a morte de civis no suposto ataque Sírio ao país vizinho.[236] Eles também pediram que o governo sírio cesse todas as operações militares agressivas contra seus vizinhos e contra a população.[236] Esta foi a ação militar mais violenta na fronteira durante toda a guerra civil e a primeira a provocar uma resposta letal estrangeira.[237] O regime sírio, por sua vez, respondeu que está investigando o incidente e expressou condolências as vítimas.[238] Nesse mesmo dia, foi registrado vários ataques suicidas em Alepo, onde uma batalha decisiva se desenrola, provocando dezenas de mortes e deixando mais de uma centena de civis feridos.[239] O grupo Jabhat al-Nusra, ligado a Al-Qaeda, assumiu a autoria dos ataques.[239]

Ofensivas rebeldes[editar | editar código-fonte]

Um soldado da oposição lutando nas ruas de Alepo.

Em 10 de outubro, forças rebeldes assumiram o controle de Maarat al-Numan, um local estratégico em Idlib, que contém estradas importantes que fazem ligação entre as cidades de Damasco e Alepo.[240] No fim do mês, fortes bombardeios de aviões do governo sírio forçaram o recuo das forças rebeldes.[241] Apesar do retrocesso, pesados combates continuam pelo distrito com o número de mortos crescendo em ambos os lados.[242][243] Neste meio tempo, as forças armadas da Síria iniciaram sua maior ofensiva militar para tomar por completo a cidade de Homs, um dos principais redutos da oposição.[244] A ofensiva acabou terminando em outro impasse estratégico com nenhum dos lados conseguindo dar o golpe decisivo no outro.[245]

No dia 25 de outubro, o governo sírio, a pedido da ONU, propôs um fim nas operações militares entre os dias 26 e 29, devido ao festival muçulmano do Eid al-Adha. Alguns grupos rebeldes, contudo, anunciaram que não respeitariam a proposta. Durante as festividades, combates irromperam por toda a Síria, e as Nações Unidas denunciaram que ambos os lados estavam violando o cessar-fogo proposto.[246][247] No dia 26 de outubro, cerca de 70 pessoas morreram em um atentado a bomba na capital Damasco.[247] A rede de televisão do governo acusou "grupos terroristas" ligados aos rebeldes pelo atentado, informação negada pelo Exército Livre da Síria, que está a frente da luta armada para derrubar Bashar al-Assad.[247] Ativistas da oposição afirmaram que o carro-bomba explodiu perto de um playground infantil construído para o feriado do Eid al-Adha, no distrito de Daf al-Shok, no sul da capital.[247] Em 31 de outubro, o general Abdullah Mahmud al-Khalidi, um oficial da força aérea síria descrito como um dos mais hábeis aviadores do país, foi assassinado em Damasco, no distrito de Rukn al-Din, por um grupo de opositores armados.[248]

Em 3 de novembro, numa continuação da contraofensiva rebelde em Idlib, uma base aérea e um aeroporto militar foram atacados por opositores ao regime sírio. Prédios do governo também foram atacados em Damasco, causando a morte de 21 soldados que faziam a segurança do local. Em Duma, próxima a capital, uma delegacia e um hospital também foram tomados por opositores.[249] A notícia destas vitórias também vieram acompanhadas de relatos de abuso de direitos humanos cometidos por parte da oposição.[250][251] Um vídeo divulgado na imprensa mundial mostra uma suposta execução de soldados leais ao governo cometido por combatentes rebeldes.[249] Ao grito de "cães shabihas de Assad", em referência aos milicianos partidários do regime do presidente Bashar al-Assad conhecidos por cometerem diversas atrocidades contra civis, os guerrilheiros executaram vários membros das forças de segurança do governo em uma base militar não identificada.[249] A ONU então exigiu que a denúncia fosse investigada e apelou para que ambos os lados respeitassem as leis internacionais humanitárias.[249] Nesse meio tempo, a liderança da oposição, reunida em Amã, capital da Jordânia, voltou a descartar qualquer proposta de paz que mantivesse o presidente Assad no poder e exigiu a renúncia do ditador como único meio de acabar com a violência.[252] O governo, por sua vez, em uma nota emitida por meio de um jornal estatal, anunciou que não negociará diretamente com o Conselho Nacional Sírio, definindo-os como "um grupo de mercenários".[252]

Um combatente rebelde andando por meio das ruínas de Alepo.

Em meio ao término das novas rodadas de negociações pela paz no país, os rebeldes conquistaram várias vitórias no norte da Síria. Eles assumiram o controle de Saraqeb, na província de Idlib, dando-lhes o controle de uma importante rodovia que leva a cidade de Alepo, que ainda é assolada por violentos combates.[253] Em 3 de novembro, rebeldes lançaram ataques a base aérea de Taftanaz, de onde partiam aeronaves militares do governo para bombardear posições sob domínio das forças opositoras ao regime.[254] No dia 6, sete generais sírios chegaram a Turquia para anunciar que estavam se juntando a oposição, segundo a mídia daquele país.[255]

Em 18 de novembro, as forças da oposição tomaram o controle de uma das maiores bases militares no norte da Síria, a Base 46, nos arredores de Alepo, após semanas de intensas lutas contra as forças do governo. O general desertor, Mohammed Ahmed al-Faj, que comandou as tropas rebeldes, saudou a tomada da base como "uma das nossas maiores vitórias desde o começo da “revolução” para derrubar o presidente Bashar al-Assad". A oposição alegou ter matado, pelo menos, 300 militares do governo e ter capturado outros 60 homens. Também foram apreendidos muitas armas e veículos de combate.[256]

Em dezembro, apesar do aumento da intensidade dos ataques do governo no sul do país, os rebeldes avançaram em diversas frentes, como na capital Damasco.[257][258] Em 16 de dezembro, a cidade de Hama foi atacada por militares da oposição, que alegaram ter tomado boa parte da cidade e expulsado as forças do governo da região.[259] No dia 19, um líder rebelde disse que "dois-terços da zona rural de Hama está sobre controle da oposição".[260] No dia 25 de dezembro, tropas rebeldes tomaram, após semanas de luta, o município de Harem, na província de Idlib, na fronteira turca. Nesse mesmo dia, o major-general Abdulaziz al-Sallal, chefe da polícia militar síria, desertou o governo. Al-Sallal foi o oficial de mais alta patente a desertar o regime desde a deserção do também major-general Adnan Sillue, que era chefe do departamento de armas químicas sírio.[261]

No começo de janeiro de 2013, milícias islâmicas, incluindo a Jabhat al-Nusra, tomaram a base aérea de Taftanaz, no norte de Idlib, após semanas de luta. A base militar, uma das maiores no norte do país, era usado pelas forças do governo como base para lançar ataques de helicópteros e entraga de suprimentos as linhas de frente na região.[262] Ainda em janeiro, rebeldes islâmicos e militantes curdos trocaram tiros na cidade de Ras al-Ain, intensificando as tensões étnicas na região.[263]

Guerra de atrito[editar | editar código-fonte]

No inicio de fevereiro, combates violentos continuaram a imperar no norte do país e na capital.[264] Forças rebeldes, formadas por islamitas, tomaram a cidade de Al-Thawrah, na província de Raqqa, perto de uma das maiores usinas hidrelétricas do país.[265][266] No dia seguinte, forças da oposição tomaram a base aérea de Jarrah, que fica a 60 km de Alepo.[267] Em 14 de fevereiro, foi a vez da cidade de Shadadeh cair em mãos das milícias da Jabhat al-Nusra, perto da fronteira com o Iraque.[268] O governo central sírio respondeu com pesadas ofensivas na região centro-norte da Síria.[269] Ao menos 30 rebeldes e mais de 100 soldados do governo teriam morrido nos ataques.[269] Em 14 de fevereiro, rebeldes anti-Assad afirmaram ter matado, em solo sírio, um alto comandante da Guarda Revolucionária iraniana.[270] O governo de Teerã é um dos principais aliados do ditador sírio.[270]

Em 3 de março de 2013, mais de 200 pessoas (incluindo pelo menos 120 soldados e policiais das forças de segurança do governo) foram mortos em combates no complexo de Khan al-Assal, fazendo deste um dos dias mais sangrentos da guerra.[271] Outros 34 soldados do regime teriam sido mortos em combate no mesmo dia, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.[271] O governo respondeu assumindo o controle de várias estradas importantes que fazem a conexão ao aeroporto internacional de Alepo.[272] A cidade de Raqqa, no nordeste do país, até então pacifica, também passou a ser palco de intensos tiroteios entre forças contrárias e leais ao governo Assad.[272] Em 6 de março, a cidade oficialmente caiu, fazendo de Raqqa a primeira capital de uma província na Síria a ser inteiramente tomada pela oposição.[273] Segundo informações de locais, a população da cidade saiu as ruas e, em êxtase, derrubaram um enorme pôster do presidente Assad e ainda derrubaram uma enorme estátua erguida em honra de seu pai, Hafez Assad, no centro da cidade. Dois oficiais de alta patente do governo também teriam sido capturados.[274]

Guerrilheiros do Exército Livre da Síria (ELS) se deslocando em um caminhão no interior do país.

No dia 15 de março, quando a revolta armada na Síria fez dois anos, milhares de pessoas foram as ruas do país gritando slogans de apoio a oposição e pedindo a renúncia do presidente Bashar al-Assad.[275] Um dia antes, tinha sido registrado uma manifestação pró-governo no bairro de Midan, em Alepo, que fora tomado militarmente pelo regime sírio no final de 2012.[276][277] Enquanto isso, combates se intensificaram em todo o país, em especial nas cidades de Homs e Alepo.[275] Ainda no dia 15, o ministério sírio das relações exteriores divulgou uma nota afirmando que poderia lançar ataques contra o vizinho Líbano, mirando opositores que tomaram refúgio por lá. Segundo o ministério, "grupos armados" usam o território libanês para se infiltrar na Síria a fim de combater ao lado dos rebeldes.[278] Em 18 de março, três dias depois, a aviação síria bombardeou a fronteira libanesa.[279] Os ataques miraram posições rebeldes no vale de Wadi al-Khayl, na fronteira entre os dois países, e não houve mortes reportadas.[279] O governo sírio não assumiu a autoria do ataque.[280]

Ofensivas do governo sírio[editar | editar código-fonte]

Entre janeiro e março de 2013, uma série de atentados à bomba, muitos atribuídos a organização Jabhat al-Nusra, aconteceram por todo o território sírio. Em 21 de março, em mais um desses ataques, cerca de 41 pessoas foram mortas numa explosão em uma mesquita sunita na capital Damasco. Entre os mortos, encontrava-se o xeique Mohammed al-Buti, que era conhecido por seus discursos pró-Assad. O atentado, classificado como terrorista, recebeu condenações de dentro e fora do país.[281] Em março, rebeldes da Brigada do Amanhecer Islâmico tomaram a cidade de Dael no sul da Síria, estratégica por estar em uma rodovia de transporte de armamento que liga Damasco a Dara'a.[282] Em abril, os combates se intensificaram nos grandes centros urbanos do país, como na capital Damasco, onde 70 pessoas morraram em violentos tiroteios no dia 20.[283] Os rebeldes então tomaram de assalto a cidade de Da'el e também avançaram em Daraa. O governo respondeu com contraofensivas em Wadi al-Deif, na província de Idlib, e também em Alepo e Homs. No sul, as forças armadas do regime avançaram no vilarejo de Abel e também reconquistaram a cidade de Saqraja, flanqueando o município de Al-Qusair, uma importante cidade na fronteira libanesa, que estava em mãos de combatentes da oposição.[284] Em 21 de abril, a cidade de Yodeda al Fadl, situada na periferia de Damasco, foi tomada por militares sírios numa orperação que supostamente terminou com mais de 500 pessoas mortas (a maioria vítimas de bombardeios aéreos).[285] E em meados de abril, o governo tomou a cidade de Otaiba, cortando uma importante rota de suprimentos dos rebeldes.[286]

No dia 8 de maio, militares sírios tomaram a estratégica cidade de Khirbet Ghazaleh na fronteira com a Jordânia. Segundo informações, mais de mil militantes da oposição armada foram forçados à recuar da região devido a falta de munição, o que também os levou a se retirar de outras áreas nas proximidades. A tomada desta cidade permitiu ao governo reabrir uma rota de suprimentos para o município de Daraa.[287] No dia 19 de maio, tropas do exército sírio, com o apoio de guerrilheiros do Hezbollah, iniciaram uma grande ofensiva contra o município de Al-Qusair, que era uma importante base estratégica dos rebeldes, e capturaram vários vilarejos que cercam a cidade.[288] Segundo fontes da rede de televisão árabe Al Jazeera, forças leais ao regime já tinham tomado o controle de boa parte da cidade ao término do segundo dia de lutas.[289] No começo de junho, o governo já tinha feito progressos consideráveis em Al-Qusair, controlando mais de dois terços da cidade e boa parte das vilas vizinhas.[290] Contudo, a batalha continuava se arrastando enquanto forças rebeldes lutavam para manter o pouco terreno que ainda controlavam na região. A situação humanitária naquela parte do país foi descrita pela ONU como "deplorável".[291] Entre os dias 1 e 2 de junho, os combates se intensificaram no distrito de Hama e, após violentos tiroteios, as tropas do regime de Assad conseguiram recapturar alguns vilarejos, de maioria alauita, na região.[292] Em 3 de junho, o exército sírio assumiu o controle do distrito de Jobar, em Damasco, e conseguiu tomar boa parte da capital do país, encurralando os rebeldes em quatro bairros na periferia da cidade. Essa vitória comprometeu a principal ofensiva armada da oposição contra Damasco, que havia começado em fevereiro, sendo a terceira até aquele momento desde o início da guerra.[293]

Blindados do regime Assad destruídos na cidade de Azaz, no norte da Síria.

Em 5 de junho de 2013, o governo sírio anunciou que havia assumido o total controle da estratégica cidade de Al-Qusair, na fronteira com o Líbano, após duas semanas de violentos combates.[294] A luta continuava em regiões vizinhas mas, segundo analistas, esta poderia ser uma das mais importantes vitórias das forças do regime em toda a guerra.[294] Em 8 de junho, com a conquista dos distritos de Dabaa e Buwaydah por tropas do governo e por militantes do Hezbollah, toda a região de Al-Qusair e da fronteira sírio-libanesa passou a ser oficialmente controlada pelo regime, após os últimos combatentes rebeldes na área terem batido em retirada.[295]

Após a vitória em Al-Qusair, o exército sírio anunciou o início da chamada "Operação Tempestade do Norte", que seria uma grande operação militar com o objetivo de recuperar territórios no noroeste do país, em especial na região de Alepo, o maior centro comercial da Síria.[296][297] As forças do governo também teriam iniciado, no dia 12 de junho, uma nova ofensiva para conquistar os últimos bairros na cidade de Homs que ainda são controlados por militantes da oposição. Segundo ativistas do OSDH, violentos combates estavam sendo travados e a região estava sendo bombardeada incessantemente.[298] Em 17 de junho, uma enorme explosão foi registrada no centro de Damasco. O atentado, atribuído a militantes radicais da oposição, teria ocorrido perto de uma instalação militar e terminou com a morte de 10 soldados.[299] Enquanto isso, combates intensos continuavam a acontecer no norte do país, enquanto tropas do governo faziam uma pesada ofensiva na região.[299][300] A cidade de Alepo, em especial, voltou a ser alvo de diversos bombardeios da aviação militar síria, que conseguiu tomar o bairro de Al-Khamis e as regiões de Al-Salehin, Mayer e Bayanon,[301] embora outros bairros ainda estivessem sob cerco rebelde ao norte da cidade.[300] Em 25 de junho, forças do governo tomaram a cidade de Tal Kalakh, na fronteira sírio-libanesa, após pouca luta. Enquanto o regime concentrava suas tropas em ataques na região norte do país, ou no distrito de Damasco, onde a luta se intensificou novamente, a ofensiva na fronteira com o Líbano continuava, com o propósito de interromper o fluxo de contrabando de armas para a oposição na região.[302] Em 29 de junho, o governo lançou mais uma série de ofensivas terrestres na cidade de Homs, considerada a "capital da revolução", com o propósito de derrotar as forças rebeldes que ainda estavam entrincheiradas na região. Segundo informações de ativistas, o avanço era lento e boa parte do município estaria em ruínas devido aos combates e aos bombardeios.[303]

Intensificação dos combates[editar | editar código-fonte]

Ao fim de julho de 2013, militantes da oposição tentaram reagir frente a uma série de derrotas, focando esforços nas regiões ao norte do país, no distrito de Rif Dimashq (onde a capital Damasco fica) e também na região de Alepo, lançando vários contra-ataques contra posições e províncias ainda controladas por tropas do regime. Em uma dessas ofensivas, os rebeldes capturaram, no fim de julho, a estratégica cidade de Khan al-Assal.[304] Durante esta batalha, foi denunciado a morte de 220 pessoas, a maioria soldados que tinham acabado de se render.[305] As execuções foram condenadas Conselho Nacional Sírio.[306] Ainda na área de Alepo, mais próximo a fronteira com a Turquia, combatentes da oposição conquistaram o estratégico aeroporto militar de Menagh, após um cerco de dez meses.[307] Apesar das recentes vitórias do governo no distrito de Homs, os rebeldes também fizeram progressos, iniciando uma nova ofensiva na província de Lataquia, tomando vários vilarejos e flanqueando o município de Qardaha, cidade natal da família Assad.[308]

Ainda em julho, nos distritos de Ar-Raqqah e Al-Hasakah, foram reportados combates entre militantes islâmicos e soldados rebeldes de grupos curdos, militantes da Frente al-Nusra e do Exército Livre da Síria.[309][310] Segundo analistas, isso é resultado do maior racha dentro da oposição entre os fundamentalistas radicais e grupos moderados.[311] No dia 6 de agosto, islâmicos tomaram a cidade curda de Kobani em batalha contra o YPG.[312]

Soldados do Exército Livre da Síria reunidos durante a batalha de Alepo.

No dia 19 de agosto, o governo sírio afirmou ter reconquistado boa parte da província de Lataquia da mão dos rebeldes, região estratégica por se localizar o principal porto sírio e por ser a única região de maioria alauíta da Síria.[313] O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), contudo, falou que a luta pela região prosseguia, em especial na estratégica cidade de Salma, onde uma fonte ligada ao regime teria confirmado que não tinha sido conquistada.[314]

Em 21 de agosto de 2013, foi reportado que as forças de Assad lançaram pesados bombardeios contra os distritos de Jobar, Zamalka, Ain Tirma e Hazzah, na região ao leste de Ghouta, próximo a capital Damasco, na província de Rif Dimashq. Segundo ativistas de dentro e fora da Síria, o governo utilizou gás tóxico nestes ataques, que ocorreram em zonas controladas por simpatizantes da oposição ou que ainda estavam em disputa. O OSDH, organização sediada em Londres, informou que cerca de 635 civis foram mortos. Mais tarde, o número de mortos foi elevado para mais de 1 700, segundo algumas fontes. Vídeos divulgados na internet mostravam centenas de cadáveres e diversas pessoas em convulsão devido aos efeitos do gás venenoso, porém as imagens não puderam ser autenticadas de forma independente.[315] Lideranças da Oposição, governos ocidentais e a Rússia pediram para que o Conselho de Segurança das Nações Unidas investigassem o ocorrido.[316] O regime sírio, por sua vez, voltou a negar que usou armas químicas no conflito.[317] O ministro da informação do governo, Omran Zoabi, afirmou que as alegações eram "ilógicas e fabricadas".[316] A organização Médicos sem Fronteiras, que confirmou que muitos dos pacientes que atenderam em hospitais sírios na região do ataque sofriam com sintomas neurotóxicos, afirmou que não se conseguiu confirmar quem que foi de fato responsável pelo ocorrido até o momento.[318] Enquanto isso, os dois lados trocaram acusações sobre o uso de armamentos químicos na guerra.[319] No dia seguinte ao suposto ataque, tropas do governo avançaram na região bombardeada nos arredores da capital, mas fizeram pouco progresso. Em 26 de agosto, militantes rebeldes assumiram o controle do estratégico vilarejo de Khanasir, que era uma das mais importantes rotas de suprimento usadas pelas forças do regime sírio em suas ofensivas na província de Alepo.[320]

Em resposta ao ataque químico, os Estados Unidos, com apoio da França, do Reino Unido e de alguns outros países, ameaçaram usar força militar contra o regime de Bashar al-Assad. Rússia, China e Irã, aliados de Damasco, repudiaram a possibilidade de ataque a Síria.[321] Após semanas de negociações, os governos russo e americano firmaram um acordo para pressionar o governo sírio a entregar, em um prazo de uma semana, informação sobre seu arsenal de armas químicas. Isso, segundo o Secretário de Estado da Casa Branca, John Kerry, poderia evitar uma ação militar americana contra a Síria.[322] Em 16 de setembro, uma investigação independente da ONU afirmou que "inequivocamente e objetivamente, armas químicas foram utilizadas" no país, mas o relatório não apontou necessariamente um culpado.[323]

Entre setembro e novembro de 2013, o governo de Bashar al-Assad fez consideráveis avanços nos campos de batalha. Após um acordo feito com as potências ocidentais para destruir o arsenal químico sírio, evitando assim uma intervenção militar estrangeira no país, as forças do regime lançaram diversas de operações militares por todo o país, ganhando terreno em várias cidades chave e em diversas províncias, como Alepo, Homs, Daraa, Deir ez-Zor e Lataquia. Na província de Rif Dimashq, onde a capital Damasco fica, avanços consideráveis também foram feitos. Não contando apenas com sua superioridade bélica e numérica, Assad também contava com essencial apoio de milícias estrangeiras, como o grupo libanês Hezbollah. A oposição, ao fim de 2013, vinha perdendo terreno, tanto nos campos de batalha quanto no campo diplomático, devido a divisões internas cada vez maiores. Grupos seculares ou moderados e extremistas muçulmanos chegaram a se combater por controle de algumas regiões, como na cidade de Raqqa. Na região curda, militantes de grupos como as chamadas Unidades de Proteção Popular também vem conquistando espaço e terreno, lutando contra forças do governo e também contra fundamentalistas radicais. A guerra, que parecia estar em um impasse, começou, na segunda metade de 2013, a pender mais para o lado do regime novamente. Enquanto o número de mortos aumentava consideravelmente, assim como a crise humanitária (especialmente dos refugiados), no campo diplomático nenhum tipo de avanço parecia estar sendo feito até então para encerrar as hostilidades.[324]

Destruição em Alepo.

Impasse[editar | editar código-fonte]

O ano de 2013 acabou se encerrando como um dos mais sangrentos da guerra civil, com cerca de 73 mil pessoas (incluindo 22 mil civis) mortos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O começo do ano seguinte também seria violento. Os combates tornaram-se particularmente mais intensos na região norte e central do país, onde o governo sírio concentrava a maioria de suas ofensivas.[325] Porém a luta para depor o regime Assad e os conflitos sectários não se tornaram as únicas facetas da guerra. No começo de 2014, diversas facções rebeldes, encabeçadas pelo Exército Livre da Síria, pela Frente Islâmica e pela Jabhat al-Nusra,[326] lançaram uma ofensiva contra regiões controladas por grupos ligados a Al-Qaeda (como a milícia Dawlat al-ʾIslāmiyya) nas regiões de Alepo e Idlib, tornando assim generalizado o conflito dentro da própria oposição entre moderados e extremistas. Os rebeldes acusam os islamitas de brutalidade excessiva e de querer tentar assumir o controle da rebelião, em detrimento dos outros grupos.[327]

O governo tomou proveito das disputas internas dentro das facções rebeldes e intensificaram os bombardeios aéreos contra áreas controladas por opositores pelo país. O foco das ofensivas passaram a ser cidades estratégicas como Alepo e, principalmente, as regiões ao sul e norte de Damasco (como a área montanhosa de Qalamun), além de manter pressão contínua no oeste da Síria, especialmente na fronteira com o Líbano (que é uma importante rota de suprimentos para ambos os lados). Desde o início de 2013, a estratégia do regime não era simplesmente 'retomar o país' como um todo, mas sim assumir o controle de áreas estrategicamente mais importantes, como a região costeira, as grandes cidades e as estradas que interligam a nação. Em 2014, embora a oposição ocupasse mais território, os partidários do presidente Assad tinham sob seu controle as regiões com maior densidade populacional. As forças pró-governamentais também aumentaram seus números, com apoio cada vez mais crescente de combatentes estrangeiros, como os milicianos do movimento xiita libanês Hezbollah, assim como de xiitas iraquianos e militares iranianos. A Rússia, principal aliada do regime, também aumentou sua ajuda enviando quantidades maiores de armas e dinheiro.[328]

Em 2014, focando suas investidas nas grandes cidades e nas provinciais mais populosas, as tropas do regime lançaram-se em diversas novas ofensivas nos distritos de Idlib e Lataquia, fazendo vários progressos. Já em Alepo, apesar do aumento da violência, nenhum resultado expressivo foi alcançado por qualquer um dos dois lados. Em Homs, onde a batalha prosseguia fazia 32 meses, as forças de Assad não conseguiam quebrar os últimos bolsões de resistência da oposição. Então, em 2 de maio foi anunciado um cessar-fogo por ambas as partes. O governo então permitiu que os rebeldes remanescentes (entre 1 500 e 2 000 combatentes) fossem evacuados sem serem molestados. A retirada foi completada em 8 de maio e no mesmo dia a mídia estatal divulgou que o exército sírio controlava todo o município. Esta vitória teve um enorme valor simbólico e estratégico para o governo. Homs é uma das principais ligações entre a capital Damasco e a região norte da Síria, onde muitos alauítas (minoria étnica que controla a nação) vivem.[329]

Guerra contra o Estado Islâmico[editar | editar código-fonte]

Navios de guerra americanos USS Arleigh Burke (DDG-51) e USS Philippine Sea (CG-58) disparando mísseis BGM-109 Tomahawk contra posições do Estado Islâmico na Síria, em 23 de setembro de 2014.

Em junho de 2014, o conflito religioso e sectário se intensificou. As forças do Exército Livre da Síria e seus aliados perdiam terreno, mas o governo não conseguia conquistar muitas vitórias decisivas, fracassando, por exemplo, em quebrar as linhas do inimigo em Alepo. Enquanto isso o grupo extremista autoproclamado Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) lançou-se em grandes ofensivas, tanto em solo iraquiano quanto sírio, ameaçando desestabilizar toda a região e chamando a atenção da Comunidade internacional. Nascido no Iraque em 2004, militantes desta organização haviam se infiltrado na Síria em 2013, onde começaram a recrutar novos membros e adquirir mais armas. Em 2014, o EIIL, que combatia ao lado da oposição, começou a atacar todas as facções envolvidas no conflito sírio, buscando hegemonia total. Em junho, usando as armas e pessoal conquistados na Síria, o Estado Islâmico lançou várias ofensivas relâmpago no Iraque e tomaram diversas cidades do norte e oeste daquele país, ameaçando até Bagdá. Nestas conquistas, eles novamente capturaram enormes quantidades de armamentos e suprimentos. Melhor equipados, eles então lançaram-se novamente sobre o leste da Síria, especialmente nas províncias de Deir ez-Zor e Al-Raqqah, atacando de forma feroz, brutal e contínua tanto militantes da oposição, como do governo, e até os curdos, fazendo vários progressos. Em julho, nos campos de gás de Sha'ar, 90 soldados do regime e 21 militantes islamitas foram mortos em violentos combates. Na mesma ofensiva, na província de Homs, 270 soldados e milicianos ligados a Assad teriam ou morrido ou desaparecido.[330]

As ofensivas do Estado Islâmico continuaram em agosto, especialmente no norte da Síria. No dia 24, após intensos combates, a base militar de Tabqa, da força aérea síria, foi tomada pelos militantes jihadistas. Pelo menos 500 pessoas (incluindo 346 rebeldes e 170 soldados do governo) foram mortas. Com esta conquista, o EIIL impôs severas restrições a capacidade da aviação síria de realizar ataques na região noroeste do país.[331]

Temendo o fortalecimento do Estado Islâmico (EI) e dos movimentos jihadistas na região, os Estados Unidos e cerca de mais de dez países (incluindo Austrália, Reino Unido e Canadá) formaram uma coalizão para se opor aos extremistas. Os americanos lançaram várias incursões aéreas e bombardeios contra posições do EIIL pelo Iraque. Também foi aprovado mais dinheiro para armar e treinar combatentes de grupos rebeldes, ditos moderados, na Síria, como o chamado 'Exército Livre'.[332] No dia 22 de setembro de 2014, os Estados Unidos, apoiados por várias nações árabes, lançaram ataques aéreos e navais contra diversos alvos do EIIL dentro da Síria, marcando assim a primeira intervenção ocidental na Síria até então. Posteriormente, nações como França e Reino Unido se juntaram aos americanos em seus ataques em solo sírio.[333]

Um helicóptero MH-60S Seahawk voando sobre o porta-aviões americano USS George H.W. Bush, no Golfo Pérsico, em uma missão contra a Síria.

A virada do ano de 2014 para 2015 foi extremamente sangrento na guerra na Síria. Entre dezembro e janeiro mais de 10 mil pessoas morreram nos combates. Os ataques aéreos da Coalizão se intensificaram e se espalharam. Aviões americanos e árabes focavam seus ataques na região norte do país, em território controlado pelo Estado Islâmico. A luta continuava em múltiplos frontes, com os jihadistas, o governo e os rebeldes se degladiando em um longo e sangrento combate. O conflito na frente curda também ficava mais intenso, principalmente quando os islamitas atacaram a cidade de Kobanî. Depois de quatro meses de combate, os fundamentalistas recuaram. Centenas de pessoas morreram e milhares fugiram de suas casas. Organizações de direitos humanos voltaram a denunciar crimes de guerra perpetrados por todos os lados envolvidos, especialmente pelo EI.[334]

Em 2015, enquanto a luta contra o Estado Islâmico (EI) se arrastava em todas as frentes (contra o governo e contra os rebeldes), beirando um impasse, a oposição no sul se reorganizou, recebendo mais ajuda externa (especialmente dos países árabes da região). O Exército Livre da Síria, o principal grupo das facções rebeldes moderadas, lançou uma série de ofensivas no sul contra o regime do presidente Bashar al-Assad. Os ataques iniciais foram bem sucedidos, com vitórias sendo conquistadas nos distritos de Quneitra e Daraa (tomando a estratégica cidade de Bosra), além de avanços também terem sido reportados na fronteira com a Jordânia.[335][336] No norte, uma grande ofensiva de militantes islamitas e de grupos seculares anti-governo foi relançada nas províncias de Hama e Idlib (conquistando o importante município de Jisr al-Shughur).[337] O regime lançou, em março, um pesado contra-ataque nas regiões centro-sul e, apesar dos progressos iniciais, as ofensivas desaceleraram com os rebeldes esboçando feroz resistência. Com o apoio externo e os sucessos momentâneos no campo de batalha, esforços aumentaram para unir a oposição síria contra o governo e contra os fundamentalistas do EI.[338] Mesmo assim, foi reportado, em meados de 2015, que os extremistas do Estado Islâmico controlavam, naquela altura do conflito, metade do território sírio.[339]

Aeronaves Su-24, da força aérea russa, numa base militar em Lataquia, no oeste da Síria.

Em setembro de 2015, para ajudar o regime de Bashar al-Assad, que vinha perdendo terreno devido a múltiplas ofensivas do Estado Islâmico, as forças armadas russas concluíram a construção de uma base militar no país e logo iniciaram ataques aéreos contra alvos dos militantes extremistas na Síria. Isso marcou o primeiro envolvimento militar direto russo em território sírio. A ação foi criticada pelos Estados Unidos como "contra procedente". Os americanos defendem a saída de Assad da presidência como uma solução para o conflito, enquanto os russos afirmam que a manutenção do regime baathista no poder como importante para trazer a estabilidade de volta a Síria.[340] No começo de outubro, os bombardeios aéreos russos na Síria se intensificaram consideravelmente. O país então enviou mais aviões e tropas terrestres para o território sírio. No dia 7, forças navais russas lançaram seu primeiro ataque na Síria, atingindo alvos do EIIL e também bases de outros grupos rebeldes anti-Assad. Então, contando com apoio aéreo extenso da Rússia, tropas do regime sírio renovaram suas ofensivas militares nas regiões norte e central da Síria.[341]

Com a intervenção russa em andamento, parecia que o regime de Bashar al-Assad poderia reverter a maré da guerra. Contudo, mesmo o apoio de Moscou, Irã e do grupo libanês Hezbollah não se provou decisivo em mudar o quadro de impasse no conflito.[342] A comunidade internacional então começou a buscar meios de solucionar a guerra diplomaticamente. Em fevereiro de 2016, na cidade de Genebra, representantes das partes envolvidas começaram a negociar um cessar-fogo.[343] No dia 26 desse mês, o Conselho de Segurança das Nações Unidas votou unanimemente em favor da Resolução 2268 que exigia que todos os lados aceitassem[344] o acordo Russo-Americano que acertou um termo para "encerrar as hostilidades".[345] Tal cessar-fogo entrou em vigor oficialmente a 27 de fevereiro de 2016 (meia-noite no horário de Damasco).[346] Tal acordo, contudo, não impedia ações militares que visassem atingir organizações taxadas pela ONU como terrorista, como o Estado Islâmico (EIIL).[347][348] Apesar de combates entre militantes da oposição e soldados do governo terem sido reportados, foi constatado que o cessar-fogo parecia estar sendo respeitado em grande parte do território sírio.[349] Um dos objetivos dos movimentos feitos pelas potências para encerrar, ainda que temporariamente, as hostilidades tinham a ver com o agravamento sistemático da crise humanitária na Síria, que foi considerada uma das piores da história recente, que levou a uma onda de refugiados, muitos indo em direção a Europa.[350]

Enquanto isso, em 14 de março de 2016, o presidente russo Vladimir Putin anunciou que seu país retiraria "boa parte" dos seus equipamentos militares da Síria, incluindo os aviões de combate.[351] A base da força aérea em Lataquia e o porto da marinha na base de Tartus continuariam ocupados por militares russos, mas eles não tomariam mais parte nas hostilidades, até segunda ordem, em respeito ao acordo firmado entre as potências.[352] Ainda assim, as forças russas continuaram apoiando militarmente o governo Assad na sua ofensiva para tomar a cidade estratégica de Tadmor, na província de Homs. A região foi tomada, junto com o sítio arqueológico de Palmira, em março de 2016 após semanas de intensos combates contra o Estado Islâmico.[353] Ainda em meados de 2016, a luta contra os extremistas se intensificava no leste, com os curdos e governo sírio avançando rumo a capital da província de Raqqa, e no norte e também no sul com as tropas de Assad e da oposição lutando contra militantes do EI e, as vezes, um contra o outro.[354] Ao fim de agosto, foi a vez da Turquia se envolver diretamente na guerra, enviando forças terrestres para a fronteira e lançando ataques contra posições do Estado Islâmico e de milícias curdas na província de Alepo, região que por anos era palco de intensos combates e estava no caos.[355]

Envolvimento estrangeiro[editar | editar código-fonte]

Mapa dos países ao redor do território sírio com envolvimento militar no conflito.
  Síria
  Países que apoiam os rebeldes
  Países que apoiam o governo sírio
  Países que têm grupos que apoiam os rebeldes com forças militares
  Países que têm grupos que apoiam o governo sírio com forças militares
Lideranças da chamada Coalizão Nacional Síria da Oposição e das Forças Revolucionárias se reunindo em Doha, no Qatar, em novembro de 2012.

O conflito sírio é interpretado como parte de uma "guerra por procuração" entre Estados sunitas, como a Arábia Saudita, Turquia e Catar, apoiando a oposição de maioria sunita, e outros países como Irã e o movimento político xiita do Hezbollah no Líbano, que apoiam o governo alauita sírio.[356][357]

Apoio a oposição[editar | editar código-fonte]

O governo da Turquia é o que fornece maior apoio direto aos dissidentes sírios, sendo uma grande porcentagem dos mais de 2 milhões de refugiados gerados pelo conflito encontraram refúgio no território turco.[358] Muitos opositores sírios usaram a cidade de Istambul como centro para comandar a luta pela mudança de regime no seu país,[359] e a Turquia também refugiou o líder do Exército Livre da Síria, o coronel Riad al-Asaad.[360]

O principal apoio material e financeiro dispensado à oposição vem de Estados sunitas no Oriente Médio, principalmente o Catar, a Turquia e a Arábia Saudita, que enviavam enormes quantidades de armas, munição e outros mantimentos aos rebeldes. Nenhum desses países, contudo, chegou a enviar tropas terrestres para lutar na Síria, apesar de alguns conflitos bélicos na fronteira turca.[361] Militantes islâmicos jihadistas, vários ligados a al-Qaeda, vindos de diversos países (normalmente de maioria sunita), também foram a Síria para lutar pela oposição.[362][363]

No ocidente, boa parte do apoio à oposição vinha, principalmente, dos Estados Unidos, da França e do Reino Unido.[364][365][366][367]

Em 11 de novembro de 2012, em meio a escalada de violência, em Doha, o chamado Conselho Nacional e outros grupos de oposição se juntaram para formar a "Coalizão Nacional Síria da Oposição e das Forças Revolucionárias", unificando assim a maioria dos grupos anti-Assad.[368][369] Nos dias que se passaram, muitos Estados árabes do golfo e várias potências ocidentais reconheceram a nova coalizão como legítimos representantes do povo sírio.[99] Entre os delegados que compõem o novo conselho, estão mulheres e representantes de minorias étnicas e religiosas, como os alauitas. Já o conselho militar é formado por lideranças do Exército Livre da Síria.[370] Em 25 de março de 2013, a Coalizão Nacional Síria ganhou oficialmente um assento no plenário da Liga Árabe, organização que apoia os rebeldes sírios desde o início do conflito. A medida seria uma forma de legitimar, perante a comunidade internacional, a posição da Coalizão de Oposição.[371]

Ao fim de 2013, alguns países ocidentais, como os Estados Unidos e a Inglaterra, anunciaram cortes na ajuda à oposição síria, frente a radicalização cada vez mais crescente das diferentes facções rebeldes. Grupos moderados vem perdendo espaço no cenário político e militar do conflito, enquanto os extremistas e fundamentalistas crescem em poder e influência.[372]

Em julho de 2015, contudo, os Estados Unidos (apoiados por parceiros regionais do Golfo) começaram um projeto para armar e treinar membros de facções consideradas moderadas da oposição síria. O objetivo deste programa de apoio era preparar os rebeldes para enfrentar o avanço do Estado Islâmico em território sírio. A eficiência deste plano, porém, foi muito questionada.[373]

Apoio ao governo Assad[editar | editar código-fonte]

O regime do presidente Bashar al-Assad, por sua vez, recebe vasto apoio vindo de países e organizações xiitas, como o Irã e o Hezbollah, respectivamente. O líder supremo iraniano, Ali Khamenei, abertamente anunciou apoio ao governo sírio.[374] O jornal britânico The Guardian reportou que o Irã apoiava Assad com equipamentos, informações e treinamento.[375] Em 25 de maio de 2013, em um discurso, o líder da milícia Hezbollah, Hassan Nasrallah, afirmou que a organização estava "comprometida em ajudar Assad a se manter no poder".[376] Segundo fontes ocidentais, mais de 5 mil combatentes do grupo estão atualmente na Síria lutando ao lado das forças do governo.[377]

A Rússia é a maior aliada do regime sírio no conflito. Em janeiro de 2012, a Human Rights Watch criticou o governo russo por "repetir os mesmos erros dos países ocidentais" ao apoiar "disfarçadamente" o lado que simpatiza.[378] Um dos principais interesses da Rússia no conflito é a manutenção da base naval no porto de Tartus, que Moscou considera essencial para a manutenção da influência do país no mediterrâneo.[379][380] Em apoio ao regime sírio, o governo russo teria enviado enormes quantidades de armas pequenas e pesadas e até helicópteros de combate para suprir as forças do ditador Bashar al-Assad. Os russos também dariam apoio técnico, logístico e financeiro ao regime.[381]

Em setembro de 2015, foi reportado que as forças armadas russas estavam montando uma base militar na Síria, com pessoal e equipamento (incluindo veículos blindados e aeronaves), com o propósito de melhor apoiar e até lutar ao lado das forças do presidente Bashar al-Assad. Esta foi a primeira vez que havia sido confirmado a presença de militares da Rússia na frente de combate síria. O objetivo desta tropa seria apoiar o governo sírio na luta contra os militantes Estado Islâmico e da oposição, que vinham ganhando terreno até aquele momento.[11] Somente nos primeiros seis meses da campanha aérea e naval, mais de 4 500 pessoas morreram (a maioria combatentes islamitas).[382]

Reações internacionais[editar | editar código-fonte]

Soldados norte-americanos fazem a instalação de uma bateria de mísseis Patriot perto de Gaziantep, na Turquia, em fevereiro de 2013.

Em 23 de janeiro de 2012, a Síria anunciou que rejeitava proposta da Liga Árabe para que Al-Assad se afaste do cargo e que seja criado um governo de unidade nacional dentro de dois meses.[383] No dia seguinte, um ministro sírio chama o relatório referente ao documento emitido, no qual a Liga Árabe pediu a renúncia do presidente Bashar al-Assad, de "conspiração".[384] No relatório, feito entre 24 de dezembro de 2011 a 18 de janeiro de 2012 foi reportado que "não há nenhum tipo de repressão letal organizada pelo governo sírio contra manifestantes pacíficos". Em vez disso, o relatório denuncia as muitas gangues armadas como responsáveis pela morte de centenas de civis e de mais de mil soldados do exército sírio, em atentados organizados e letais (explosões de ônibus de transporte de civis, ataques a bomba contra trens carregados de óleo diesel, ataques a bomba contra ônibus de transporte de policiais e ataques a bomba contra pontes e oleodutos).[385] Esta conclusão foi amplamente criticada dentro e fora do mundo árabe. O Conselho Nacional sírio considerou o relatório sobre o trabalho dos observadores como "um passo atrás nos esforços da Liga e não reflete a realidade vista pelos observadores no terreno".[386] Segundo o governo sírio, os ataques no país são cometidos por terroristas.[387][388] Porém, observadores internacionais e analistas voltaram a denunciar a matança indiscriminada de civis por parte das forças do governo.[389]

Civis feridos na frente de um hospital de Alepo, outubro de 2012.

A Liga Árabe,[390] a União Europeia,[391] as Nações Unidas[392] e vários governos ocidentais condenaram a violência no país e a repressão do regime sírio, apoiando o direito de liberdade de expressão do povo.[393][394] Vários governos ocidentais, em especial os Estados Unidos e membros da União Europeia, impuseram pesadas sanções econômicas unilaterais contra a Síria em um esforço para enfraquecer o governo de Damasco.[395][396] O efeito deste embargo financeiro das potências é inconclusivo, com países como Irã doando bilhões de dólares ao governo sírio.[397] China e Rússia também demonstraram apoio financeiro ao governo de Bashar al-Assad e se posicionam oficialmente contra qualquer tipo de imposição de sanções internacionais ao país.[398] A Rússia, que tem uma base naval militar na Síria, condenou o uso de violência pela oposição e falou que há "terroristas" entre os manifestantes.[399]

Um dos principais apoios a Síria veio da Rússia. Segundo Mikhail Bogdanov, vice-ministro das Relações Exteriores, "o país, em contraste com os nossos parceiros ocidentais e árabes não vamos impor quaisquer sanções unilaterais, o que pode afetar adversamente a situação social e humanitária na Síria. (...) Nós não vamos estar envolvidos, no entanto, vamos continuar a desenvolver os laços econômicos com a Síria, incluindo no domínio do fornecimento de petróleo e outras necessidades essenciais".[400] O porta voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Alexander Lukashevich, contestou as informações que são obtidas pelo "Observatório sírio de Direitos Humanos" e classificou as informações como "não confiáveis" e "tendenciosas".[401]

Também em apoio ao governo sírio, a China acusou os países ocidentais de instigarem uma guerra civil na Síria. Pouco depois, dois navios de guerra iranianos aportaram na base naval de Tartus para uma missão de "formação" da marinha síria, mas eles posteriormente retornaram ao seu país de origem sem completar sua missão, de acordo com a cadeia de televisão iraniana Irinn, país aliado ao regime de Assad.[402][403]

No dia 9 de janeiro de 2013, o governo brasileiro retirou o seu embaixador da Síria em protesto contra o regime sírio.[404] No dia 16 de junho do mesmo ano, o governo egípcio, então sob a gestão de Mohamed Morsi, também rompeu relações com o país.[405]

Referências

  1. «What is Islamic State?». BBC. Consultado em 30 de setembro de 2014. 
  2. «Syria Weighs Its Tactics as Pillars of Its Economy Continue to Crumble» [S.l.: s.n.] The New York Times. Consultado em 18 de janeiro de 2014. 
  3. Christine Oliver. «Corruption index 2010: the most corrupt countries in the world» (em inglês). The Guardian. Consultado em 23 de outubro de 2011. 
  4. Cecília Araújo. «"Alauítas: a minoria síria que mata por temer ser aniquilada"». Revista Veja. Consultado em 16 de julho de 2012. 
  5. Três lições do conflito sírio para a agricultura Brasileira, por Daniel Meyer, acesso em 21 de março de 2016.
  6. Khaled Yacoub Oweis e Suleiman al-Khalidi. «Pro-democracy protests sweep Syria, 22 killed» (em inglês). Reuters. Consultado em 23 de outubro de 2011. 
  7. «Violence erupts in Syria, Jordan; anti-government protestors shot, stoned» (em inglês). Daily News. Consultado em 23 de outubro de 2011. 
  8. Saeed Kamali Dehghan. «Syrian army being aided by Iranian forces». The Guardian. Consultado em 18 de agosto de 2012. 
  9. Daftari, Lisa. «Iranian general admits 'fighting every aspect of a war' in defending Syria's Assad» Fox News [S.l.] Consultado em 6 de setembro de 2012. 
  10. «Iranian Forces on the Golan?». JCPA.org [S.l.: s.n.] Consultado em 14 de agosto de 2013. 
  11. a b Referências:
  12. «Hezbollah increases support for Syrian regime, U.S. and Lebanese officials say». Washington Post. Consultado em 26 de setembro de 2012. 
  13. «Syria rebels: Assad regime recruiting Iranian, Hezbollah mercenaries» (em inglês). Haaretz. Consultado em 11 de setembro de 2012. 
  14. «Hezbollah Commits to an All-Out Fight to Save Assad». Hindustan Times. Consultado em 27 de maio de 2013. 
  15. «Syria rebels 'clash with army, Palestinian fighters'» [S.l.: s.n.] Agence France-Presse. 30 de outubro de 2012. Consultado em 25 de janeiro de 2013. 
  16. Suadad al-Salhy. «Iraqi Shi'ite militants fight for Syria's Assad» [S.l.: s.n.] Reuters. Consultado em 25 de outubro de 2012. 
  17. "Lukashenka supplies weapons to Assad". Página acessada em 1 de outubro de 2015.
  18. «It looks like Iraq has joined Assad's side in the Syrian war». Business Insider. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  19. "Iran, North Korea Helping Syria Resume Building Missiles". Página acessada em 30 de novembro de 2014.
  20. «Q&A: Syrian opposition alliance» (em inglês). BBC. Consultado em 16 de novembro de 2011. 
  21. «Guide to the Syrian opposition» (em inglês). BBC. Consultado em 23 de abril de 2013. 
  22. a b c «'I am not fighting against al-Qa’ida… it’s not our problem', says West’s last hope in Syria». The Independent. 6 de abril de 2014. Consultado em 8 de abril de 2014. 
  23. a b c d «Al Qaida rebels leave mass grave behind as they desert base in Syria». McClatchy. 6 de janeiro de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2014. 
  24. a b «The Structure and Organization of the Syrian Opposition». Center for American Progress. Consultado em 15 de junho de 2013. 
  25. a b «"Profile: Syria's al-Nusra Front"» (em inglês). BBC. Consultado em 3 de maio de 2013. 
  26. a b «Leading Syrian rebel groups form new Islamic Front» (em inglês). BBC. Consultado em 22 de novembro de 2013. 
  27. "Syria: Army of the Mujahideen Challenges ISIS Gains". Página acessada em 25 de janeiro de 2014.
  28. «Foreign fighters fuel the sectarian flames in Syria» [S.l.: s.n.] The Independent. 20 de dezembro de 2012. Consultado em 22 de agosto de 2012. 
  29. Roula Khalaf and Abigail Fielding-Smith. «How Qatar seized control of the Syrian revolution». Financial Times [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de setembro de 2014. 
  30. El Deeb, Sarah. «Rivalries complicate arms pipeline to Syria rebels». San Jose Mercury News. Consultado em 18 de setembro de 2014. 
  31. Sherlock, Ruth. «Libya's new rulers offer weapons to Syrian rebels». The Telegraph. Consultado em 25 de maio de 2014. 
  32. «Kurdish Syria: From cultural to armed revolution». Egypt Independent. Consultado em 28 de julho de 2012. 
  33. "Syria's Kurds Try to Balance Security and Alliances". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  34. «U.S. weapons reaching Syrian rebels». Washington Post [S.l.: s.n.] 18 de setembro de 2014. 
  35. "Hollande confirms French delivery of arms to Syrian rebels". Página acessada em 27 de setembro de 2015.
  36. "Parlamento britânico aprova ataques contra Estado Islâmico na Síria". Página acessada em 3 de dezembro de 2015.
  37. "'Türkiye El Nusra'ya ağır silahlar gönderdi'". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  38. a b c «U.S. airstrikes hit ISIS inside Syria for first time». CNN. Consultado em 22 de setembro de 2014. 
  39. "Battle for Iraq and Syria in maps". Página acessada em 3 de dezembro de 2015.
  40. «The Assad Regime: From Counterinsurgency To Civil War» [S.l.: s.n.] Institute for Study of War. 8 de setembro de 2012. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  41. «Syria Conflict: President Bashar Assad Appoints Wael Nader Al-Halqi As New Prime Minister» [S.l.: s.n.] The Huffington Post. 8 de setembro de 2012. Consultado em 17 de junho de 2013. 
  42. «President Assad meets new chief of staff». Al Jazira. Consultado em 15 de julho de 2013. 
  43. «President al-Assad Appoints Gen. Fahd Jassem al-Freij Deputy Commander-in-Chief of the Army and the Armed Forces and Minister of Defense» [S.l.: s.n.] Sana. 18 de julho de 2012. Consultado em 2 de junho de 2013. 
  44. «Assad rejeitou apelo de líderes por solução pacífica, diz ex-premiê» [S.l.: s.n.] Reuters. 2 de outubro de 2012. Consultado em 3 de maio de 2013. 
  45. «Brother-in-law of Syrian President killed in bomb blast as rebels close in on Assad regime» [S.l.: s.n.] The Independent. 18 de julho de 2012. Consultado em 3 de maio de 2013. 
  46. «Bashar al-Assad's inner circle». BBC. Consultado em 17 de junho de 2013. 
  47. «Report: Assad's brother-in-law shot to death» [S.l.: s.n.] Y.Net News. 12 de novembro de 2011. Consultado em 3 de maio de 2013. 
  48. «Six die but Syrian Prime Minister Wael al-Halki survives bomb attack on convoy in Damascus» [S.l.: s.n.] The Independent. 29 de abril de 2013. Consultado em 17 de junho de 2013. 
  49. «Free Syrian Army sacks chief of staff». Anadolu. 17 de fevereiro de 2014. 
  50. Sen, Ashish. «U.N. veto called green light for Assad». Washington Times [S.l.: s.n.] Consultado em 6 de outubro de 2011. 
  51. «Syrian Free Army names Salim Idris new chief of staff». Al Arabiya News. 10 de dezembro de 2012. 
  52. «Profile: Syrian opposition's Ahmed Moaz al-Khatib». BBC [S.l.: s.n.] Consultado em 6 de outubro de 2011. 
  53. Mroue, Bassem; Suzan Fraser. «Syria Rebels Create New Unified Military Command» (em inglês) Huffington Post/AP [S.l.] p. 1. Arquivado desde o original em 8 de dezembro de 2012. Consultado em 8 de dezembro de 2012. 
  54. «Freedom fighters? Cannibals? The truth about Syria’s rebels». The Independent. Consultado em 18 de junho de 2013. 
  55. «More Kurdish Cities Liberated As Syrian Army Withdraws from Area». Rudaw. Consultado em 25 de julho de 2012. 
  56. "Syria Military Strength". Página acessada em 17 de julho de 2015.
  57. «Pro-regime militias may outlast Assad, threaten future state». The Daily Star. 19 de maio de 2014. 
  58. «Syrian war widens Sunni-Shia schism as foreign jihadis join fight for shrines» The Guardian [S.l.] 4 de julho de 2013. Consultado em 4 de julho de 2013. 
  59. Borger, Julian (14 de março de 2013). «Iran and Hezbollah 'have built 50,000-strong force to help Syrian regime'». The Guardian [S.l.: s.n.] 
  60. «From Qusair to Yabrud: Shiite foreign fighters in Syria». Al-monitor. Consultado em 22 de abril de 2014. 
  61. «Insight: By relying on Iran, Syria's Assad risks irrelevance». Reuters. Consultado em 21 de julho de 2013. 
  62. «Iran sends 15,000 fighters to Syria». The Daily Star. 4 de junho de 2015. 
  63. «Russia's Syria force has reportedly grown to 4,000 people». Business Insider. 18 de novembro de 2015. 
  64. «West suspends aid for Islamist rebels in Syria, underlining their disillusionment with those forces opposed to President Bashar al-Assad». The Independent. Consultado em 18 de abril de 2014. 
  65. «Syria interactive: the rebels, their weapons and funds». Channel4.com [S.l.: s.n.] Consultado em 29 de maio de 2013. 
  66. "The most powerful rebel alliance in Syria -- the Islamic Front -- is on the verge of collapse. Página acessada em 3 de julho de 2014.
  67. «Kurds Build Bridges At Last». IEDE.co.uk. Consultado em 19 de novembro de 2013. 
  68. «Die Saat geht auf». JungeWelt.com. Consultado em 19 de novembro de 2013. 
  69. "Islamic State 'has 50,000 fighters in Syria'". Página acessada em 31 de agosto de 2014.
  70. "ISIS has 100,000 fighters, growing fast - Iraqi govt adviser". Página acessada em 28 de janeiro de 2016.
  71. a b c d e f g «About 430 thousands were killed since the beginning of the Syrian revolution». Syriahr.com. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  72. «1269 Martyrs, may God's mercy be on them all». Syrianshuhada.com. Consultado em 22 de novembro de 2012. 
  73. «Violations Documenting Center». Violations Documenting Center. Consultado em 1 de janeiro de 2013. 
  74. «Marine is first US death in operations against Islamic State». The Times of India [S.l.: s.n.] Consultado em 25 de outubro de 2014. 
  75. "Jordan pilot murder: Islamic State deploys asymmetry of fear". Página acessada em 20 de setembro de 2016.
  76. "Coalizão matou 45 mil combatentes do EI nos últimos dois anos". Página acessada em 10 de agosto de 2016.
  77. "Report on Syria conflict finds 11.5% of population killed or injured". Página acessada em 22 de março de 2016.
  78. a b «Alarmed by Continuing Syria Crisis, Security Council Affirms Its Support for Special Envoy’s Approach in Moving Political Solution Forward». Nações Unidas. Consultado em 16 de janeiro de 2016. 
  79. «Syria - The Internal Displacement Monitoring Centre». IDMC. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  80. a b «Syrian Refugees Fleeing Strife and Civil War Pass 4 Million Mark, According to UN». ABC News. Consultado em 10 de julho de 2015. 
  81. «Exclusive: Syria now an "internal armed conflict" - Red Cross» [S.l.: s.n.] Reuters. Consultado em 16 de julho de 2012. 
  82. «Syria's uprising: From rocks to RPGs» CNN [S.l.] Consultado em 29 de novembro de 2012. 
  83. «"The country formerly known as Syria"» [S.l.: s.n.] The Economist. Consultado em 6 de abril de 2013. 
  84. «"Syria's civil war: key facts, important players"» [S.l.: s.n.] CBC. Consultado em 15 de fevereiro de 2013. 
  85. «Syria explained: How it became a religious war». CNN. Consultado em 17 de agosto de 2014. 
  86. «"Syrian Uprising Continues Despite Crackdown"». Spiegel.de. Consultado em 11 de agosto de 2012. 
  87. «Sírios exigem liberdade, direitos humanos e fim do estado de emergência» (em inglês). Al Jazira. 4 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  88. a b «Syrian army tanks 'moving towards Hama'». BBC News [S.l.: s.n.] 5 de maio de 2011. Consultado em 20 de janeiro de 2012. 
  89. a b «'Dozens killed' in Syrian border town». Al Jazeera [S.l.: s.n.] 17 de maio de 2011. Consultado em 12 de junho de 2011. 
  90. «Syria opposition launches national council in İstanbul». Todayszaman.com. Consultado em 19 de novembro de 2011. 
  91. Albayrak, Ayla (13 de março de 2012). «Turkey Plans Military Exercise on Syrian Border». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] Consultado em 4 de outubro de 2011. 
  92. a b «Syria in civil war, Red Cross says». BBC. 15 de julho de 2012. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  93. "Islamic State: what factors have fuelled the rise of the militants?". Página acessada em 28 de fevereiro de 2015.
  94. "Russia, Iran, and Syria Are Teaming Up to Break an Islamic State Siege". Página acessada em 16 de janeiro de 2016.
  95. "Syria: How Proxy Wars Work". Página acessada em 16 de janeiro de 2016.
  96. «Syria's Meltdown Requires a U.S.-Led Response» [S.l.: s.n.] Washington Institute. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  97. «What You Need to Know: Conflict in Syria, Children, and the Refugee Crisis». Worldvision.org. Consultado em 3 de outubro de 2015. 
  98. «Middle East: Widespread rights abuses alleged in Syria» [S.l.: s.n.] Al Jazeera. Consultado em 2 de dezembro de 2012. 
  99. a b Graça Andrade Ramos. «Human Rights Watch acusa Damasco de usar bombas incendiárias» RTP [S.l.] Consultado em 12 de dezembro de 2012. 
  100. «UN report accuses Syrian troops of torturing and executing children, and of using children as "human shields"». Al Jazeera. Consultado em 8 de julho de 2012. 
  101. «Syrian army behind majority of abuses: UN». News24 [S.l.: s.n.] 24 de maio de 2012. Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  102. «Syria: Armed Opposition Groups Committing Abuses». Human Rights Watch. Consultado em 20 de março de 2012. 
  103. "The Islamic State's atrocities". Página acessada em 28 de fevereiro de 2015.
  104. TOM BLANTON (21 de setembro de 2012). «History Repeats Itself as Tragedy» (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2013. 
  105. Thomas L. Friedman (21 de setembro de 2011). «Hama Rules» (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2011. 
  106. Scott Wilson (25 de abril de 2011). «Syria escalates attacks against demonstrators» (em inglês). Seattle Times. Consultado em 25 de outubro de 2011. 
  107. «Protests In Syria Pose Challenges For The U.S.» (em inglês). NPR. 13 de abril de 2011. Consultado em 25 de outubro de 2011. 
  108. Anthony Shadid (26 de abril de 2011). «International outcry grows over Syria violence, but response so far constrained» (em inglês). Yahoo! News. Consultado em 26 de outubro de 2011. 
  109. Anne Alexander (29 de março de 2011). «Syria protests: The forgotten decades of dissent» (em inglês). BBC News. Consultado em 26 de outubro de 2011. 
  110. Rozanne Larsen. «Youth Exclusion in Syria: Social, Economic, and Institutional Dimensions» (em inglês). Journalist's Resource. Consultado em 11 de agosto de 2011. 
  111. «Message to Communists of the World». Syrian Communist Party. 31 de maio de 2011. 
  112. «'World Report 2010 Human Rights Watch World Report 2010', p.555» [S.l.: s.n.] Human Rights Watch. Consultado em 2010. 
  113. a b «Q&A: Syrian activist Suhair Atassi». Al Jazeera [S.l.: s.n.] 9 de fevereiro de 2011. Consultado em 13 de fevereiro de 2011. 
  114. «Syria». Amnesty International. 2009. Consultado em 1 de fevereiro de 2012. 
  115. «Interview With Syrian President Bashar al-Assad». The Wall Street Journal [S.l.: s.n.] 31 de janeiro de 2011. Consultado em 13 de março de 2012. 
  116. Solomon, Jay (31 de janeiro de 2011). «Syria Strongman: Time for 'Reform'». The Wall Street Journal [S.l.: s.n.] Consultado em 13 de março de 2012. 
  117. «Syrian suicider is "Hasan Ali Akleh". Damascus has banned a demonstration in support of Egypt». Middle East Transparent [S.l.: s.n.] Consultado em 30 de janeiro de 2011. 
  118. «Syria: 'A kingdom of silence'». Al Jazeera [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de fevereiro de 2011. 
  119. «Middle East Protests -- Is Syria the Next Egypt?» (em inglês). FOX News. 2 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  120. «Syria opposition leader Burhan Ghalioun looks to future» (em inglês). BBC. Consultado em 5 de janeiro de 2012. 
  121. «Oposição síria pede reunião urgente e intervenção estrangeira». Terra Networks. Consultado em 5 de janeiro de 2012. 
  122. Landis, Joshua (29 de julho de 2011). «Free Syrian Army Founded by Seven Officers to Fight the Syrian Army». Syria Comment. Consultado em 7 de agosto de 2011. 
  123. «Syrian Army Colonel Defects forms Free Syrian Army» [S.l.: s.n.] Asharq Alawsat. 1 de agosto de 2011. Consultado em 7 de agosto de 2011. 
  124. BEN HUBBARD. «Islamist rebels pose dilemma for US policy on Syria». Telegram. Consultado em 27 de abril de 2013. 
  125. «National Coordinating Body for Democratic Change names Executive Committee_Syrian opposition must avoid splits» supportkurds.org [S.l.] 11 de outubro de 2011. Consultado em 13 de novembro de 2011. 
  126. «Syrie: un chef de l'opposition intérieure à Moscou le 14 décembre» (em francês). Ria Novosti. Consultado em 13 de dezembro de 2012. 
  127. Basheer al-Baker. «Hassan Abdul-Azim: Syria's Homegrown Dissident» (em inglês). MR Zine. Consultado em 21 de setembro de 2012. 
  128. «BBC Brasil - Notícias - Conheça os diferentes grupos políticos que lutam contra o governo na Síria». BBC Brasil. Consultado em 24 de fevereiro de 2012. 
  129. IHS Jane's. «Syria: nearly half rebel fighters are jihadists or hardline Islamists, says IHS Jane's report» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 26 de setembro de 2013. 
  130. «Syrian rebel groups form Islamic alliance». LA Times. Consultado em 9 de outubro de 2013. 
  131. «Mid-East unrest: Syrian protests in Damascus and Aleppo». BBC. 15 de março de 2011. Consultado em 16 de junho de 2013. 
  132. «Fresh Violence Hits Syrian Town». Al Jazeera [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de maio de 2011. 
  133. «Syria: Troops storm Damascus suburb, make arrests». Jerusalem Post [S.l.: s.n.] 5 de maio de 2011. Consultado em 8 de maio de 2011. 
  134. «Syrian Tanks Enter 'Protest Hub' Baniyas». Al Jazeera [S.l.: s.n.] Consultado em 8 de maio de 2011. 
  135. «Syrian army tanks 'moving towards Hama'». BBC News [S.l.: s.n.] 5 de maio de 2011. Consultado em 20 de janeiro de 2012. 
  136. Ipek Yezdani McClatchy. «Syrian dissidents form national council» (em inglês). Edmound Sun. Consultado em 24 de agosto de 2011. 
  137. «UN chief slams Syria's crackdown on protests» (em inglês). Al Jazeera. 18 de março de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  138. «União Europeia pede reformas profundas na Síria». Folha de S.Paulo. 23 de abril de 2011. Consultado em 23 de abril de 2011. 
  139. «Syria to lift decades-old emergency law» (em inglês). Al Jazeera. Consultado em 23 de outubro de 2011. 
  140. «Síria decreta estado de emergência» (em inglês). Al Jazira. 19 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  141. «الرئيس السوري يصدر مرسوماً بزيادة الأجور» (em árabe). Al Manar. 24 de março de 2011. Consultado em 6 de agosto de 2013. 
  142. Agence France-Presse (20 de abril de 2011). «O presidente al-Assad está pronto para o estado de emergência» (em inglês). Google Notícias. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  143. «Obama condena o uso da força policial na Síria» (em inglês). BBC. 23 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  144. «Mais de quarenta mortos na Síria» (em inglês). CNN. 23 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  145. «Síria mantém repressão em Deraa, prende 500 ativistas e pressão internacional cresce». O Globo. 26 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  146. BBC (18 de maio de 2011). «Estados Unidos anunciam sanções contra presidente da Síria». BBC Brasil. Consultado em 18 de maio de 2011. 
  147. Agência Estado (12-11-2011). «Liga Árabe suspende Síria de suas reuniões». 12-11-2011. Consultado em 02-6-2013. 
  148. Jack Khoury. «Report: Russia warships to enter Syria waters in bid to stem foreign intervention» (em inglês). Haaretz. Consultado em 18 de novembro de 2011. 
  149. «Russian Navy to base warships at Syrian port after 2012» (em inglês). Ria Novosti. Consultado em 2 de setembro de 2010. 
  150. Revista Time. «Syria in Bush's Cross Hairs» (em inglês). 
  151. CBC News. «U.S. admits funding Syrian opposition» (em inglês). 
  152. washingtonpost.com. «MOVEMENT FOR JUSTICE AND DEVELOPMENT SEEKING TO EXPAND ROLE IN SYRIA» (em inglês). 
  153. «'Scores dead' as Syrian tanks storm Hama city». Al Jazeera [S.l.: s.n.] 31 de julho de 2011. Consultado em 20 de janeiro de 2012. 
  154. «Most Syrians back President Assad, but you'd never know from western media». theguardian. 17 de janeiro de 2012. 
  155. a b Graça Andrade Ramos. «Nova Constituição síria aprovada por 89% dos votos». RTP. Consultado em 1 de março de 2012. 
  156. «New Syria constitution won 89.4 percent approval: State TV». Reuters. Consultado em 28 de fevereiro de 2012. 
  157. a b «Apesar de divisão social, nova Constituição síria é aprovada em referendo». noticias.uol.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2012. 
  158. «Síria anuncia vitória do "Sim" para a nova Constituição». veja.abril.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2012. 
  159. «Syrian minister vows to defend 'independence' as deaths mount». CNN. Consultado em 28 de fevereiro de 2012. 
  160. «West calls Syrian referendum a 'sham'». The Hindu. Consultado em 27 de fevereiro de 2012. 
  161. Mroue, Bassem (19 de dezembro de 2011). «Syria to allow Arab monitors, 100 dead in violence». UT San Diego (Beirut [s.n.]). Associated Press. Consultado em 1 de fevereiro de 2012. 
  162. «'Hundreds of casaulties in Syria's Homs' in army assault on Syria's Homs». Aljazeera. 4 de outubro de 2011. Consultado em 6 de fevereiro de 2012. 
  163. «Syria Live Blog». Blogs.aljazeera.net. Consultado em 6 de fevereiro de 2012. 
  164. BASSEM MROUE & BEN HUBBARD. «Syria Rejects New Arab League Plan To End Violence» (em inglês). Fox News. Consultado em 26 de fevereiro de 2012. 
  165. «'Defected Syria security agent' speaks out». Al Jazeera [S.l.: s.n.] 8 de junho de 2011. Consultado em 21 de junho de 2011. 
  166. «Syrian army starts crackdown in northern town». Al Jazeera [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de junho de 2011. 
  167. Sengupta, Kim (20 de fevereiro de 2012). «Syria's sectarian war goes international as foreign fighters and arms pour into country». The Independent (Antakya [s.n.]). Consultado em 22 de fevereiro de 2012. 
  168. «"Rebeldes denunciam os bombardeios mais violentos em 14 dias na cidade síria de Homs"». Tocantins Hoje. Consultado em 17 de fevereiro de 2012. 
  169. Agence France-Presse. «Syria 'more than 11,000 killed in 13 months'». The Daily Telegraph. Consultado em 16 de abril de 2012. 
  170. a b c «Dois jornalistas ocidentais e 24 civis são mortos na cidade síria de Homs». G1. Consultado em 1 de março de 2012. 
  171. «Lebanon rejects US call to aid fleeing Syrian militants» (em inglês). Press TV. Consultado em 8 de março de 2012. 
  172. «Síria. Mais dois jornalistas estrangeiros foram mortos em Homs». Jornal I. Consultado em 1 de março de 2012. 
  173. «Síria nega responsabilidade na morte de jornalistas estrangeiros». R7. Consultado em 1 de março de 2012. 
  174. «"Exército sírio assume controle de reduto rebelde e oposição teme massacre"». Uol Notícias. Consultado em 2 de março de 2012. 
  175. «"Crescente Vermelho sírio consegue entrar em Baba Amr"». Reuters. Consultado em 7 de março de 2012. 
  176. «"Síria: corpos de estrangeiros são encontrados"». Rede Bandeirantes. Consultado em 7 de março de 2012. 
  177. «"Governo sírio retoma bairro rebelde de Homs após um mês de intensos confrontos"». Opera Mundi. Consultado em 1 de março de 2012. 
  178. «"Syrian government claims landmines preventing Red Cross from reaching Homs"» (em inglês). Daily Telegraph. Consultado em 3 de março de 2012. 
  179. «Russia, China oppose ‘forced regime change’ in Syria; Lavrov warns of ‘bigger drama’». Al Arabiya [S.l.: s.n.] 1 de fevereiro de 2012. Consultado em 6 de fevereiro de 2012. 
  180. «Syrian embassies in London and Cairo attacked over Homs massacre». The Guardian [S.l.: s.n.] 4 de fevereiro de 2012. 
  181. «Free Syrian Army claims responsibilty(sic) for twin Aleppo blasts». France 24 [S.l.: s.n.] 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de março de 2012. 
  182. Todd, Tony (10 de fevereiro de 2012). «Free Syrian Army blames Assad for Aleppo bombing». France 24 [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de abril de 2012. 
  183. «Wie pleegde aanslagen Aleppo?». Radio 1 (em holandês). 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de abril de 2012. 
  184. «Fear and defiance amid Syria ceasefire». BBC News. Consultado em 18 de abril de 2012. 
  185. «Push in Paris for More Pressure on Syria as Money Ebbs and Cease-Fire Wobbles». New York Times. Consultado em 18 de abril de 2012. 
  186. «Shelling continues as UN monitors arrive in Syria». The Independent. Consultado em 18 de abril de 2012. 
  187. «30 dead in Syria as UN calls for truce». Sky News [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de maio de 2012. 
  188. «UN accuses both sides of violating truce in Syria». CBS News [S.l.: s.n.] 1 de maio de 2012. Consultado em 10 de maio de 2012. 
  189. «Bomba na Síria mata nove e Damasco culpa conspiração estrangeira». Estado de São Paulo [S.l.: s.n.] Consultado em 19 de maio de 2012. 
  190. Chulov, Martin (26 de maio de 2012). «Massacre of the children as Syrian forces hit rebels». The Guardian [S.l.: s.n.] Arquivado desde o original em 28 de maio de 2012. Consultado em 30 de maio de 2012. 
  191. «Maioria das vítimas do massacre de Houla foi executada, diz ONU.». Noticias.UOL.com.br. Consultado em 30 de maio de 2012. 
  192. Nebehay, Stephanie (29 de maio de 2012). «Most Houla victims killed in summary executions: U.N.» [S.l.: s.n.] Reuters. Arquivado desde o original em 30 de maio de 2012. Consultado em 29 de maio de 2012. 
  193. «Síria: vítimas foram executadas em massacre em Houla, diz ONU». Noticias.Terra.com.br. Consultado em 31 de maio de 2012. 
  194. «Syrian president Bashar al-Assad denies responsibility for Houla». The Guardian. Consultado em 15 de março de 2013. 
  195. «Kofi Annan vai à Síria tentar salvar plano de paz». Veja.Abril.com.br. Consultado em 30 de maio de 2012. 
  196. Mariam Karouny. «Syria rebels give Assad 48-hour deadline to end violence» (em inglês). Reuters. Consultado em 30 de maio de 2012. 
  197. a b «"Deadly violence flares in Syria as EU-Russia seek solutions"» (em inglês). Al Alarabiya. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  198. Blair, David (26 de junho de 2012). «Bashar al-Assad: Syria is in 'a state of war'». Daily Telegraph [S.l.: s.n.] Consultado em 28 de junho de 2012. 
  199. «"Assad names new Syrian PM, army battles rebels"» (em inglês). AlertNet. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  200. «New 'massacre' reported in Syria's Hama province». BBC News. Consultado em 8 de agosto de 2013. 
  201. «Syria UN team 'shot at' near Qubair 'massacre site'». BBC News. 
  202. Ivan Watson, Omar al Muqdad e Shiyar Sayed Mohamed (12 de junho de 2012). «"Syria: Battle for the cities"» (em inglês). CNN. 
  203. «"Turkey confirms Syria shot down F-4 military jet, search for pilots ongoing"» (em inglês). A Promethean Post. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  204. «Military Spokesman: Anti-Air Defenses Intercepted a Target That Violated Syrian Airspace Over Territorial Waters, Shot It Down West of Lattakia» Syrian Arab News Agency [S.l.] 23 de junho de 2012. Consultado em 2 de junho de 2013. 
  205. «Turkey Locates Fighter Jet Shot Down By Syria» Yahoo! News [S.l.] 24 de junho de 2012. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  206. «Turkey goes to Nato over plane it says Syria downed in international airspace» The Guardian [S.l.] 24 de junho de 2012. Consultado em 24 de junho de 2012. 
  207. «"Syria-Turkey tension: Assad 'regrets' F-4 jet's downing"» (em inglês). BBC. Consultado em 3 de julho de 2012. 
  208. a b c «Turquia promete retaliar a Síria por derrube de caça». Opais.co.mz. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  209. Marcenaro e Santini. «The situation in Syria» (em inglês). Conselho da Europa. Consultado em 3 de setembro de 2013. 
  210. Dagher, Sam. «In Paris, Diplomats Cheer Syria General's Defection». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] Consultado em 7 de julho de 2012. 
  211. Ruth Sherlock e Adrian Blomfield (17 de julho de 2012). «Syrian rebels launch campaign to 'liberate' Damascus». Daily Telegraph. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  212. «"Bomba mata ministro da Defesa e autoridades militares sírias"». Portal Terra. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  213. a b Damien McElroy. «Assad's brother-in-law and top Syrian officials killed in Damascus suicide bomb». Daily Telegraph. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  214. «Two Syrian rebel groups claim Damascus attack» [S.l.: s.n.] Reuters. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  215. Damien McElroy. «Syrian interior minister injured but “stable,” state TV reports». Now Lebanon. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  216. Alexander Lukashevich. «Moscow condemns Damascus blast». The Voice of Russia. Consultado em 18 de julho de 2012. 
  217. «"A batalha por Alepo, a capital comercial da Síria"». Público (jornal). Consultado em 13 de setembro de 2012. 
  218. Gladstone, Rick (21 de julho de 2012). «Russia and China Veto Resolution on Syria». New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 19 de julho de 2012. 
  219. «Fighting embroils Syria; U.N. observers get more time». CNN News. Consultado em 20 de julho de 2012. 
  220. Arango, Tim (21 de julho de 2012). «Iraq Says Rebels in Syria Control Border Posts». Reuters [S.l.: s.n.] 
  221. Doug Madory. «Syria Briefly Disconnects». Renesys. Consultado em 21 de julho de 2012. 
  222. a b «"Grupo invade posto entre Síria e Turquia"». Band.com. Consultado em 21 de julho de 2012. 
  223. «Syria crisis: Assad strikes back with jets in Aleppo and Damascus - live updates». The Guardian. Consultado em 25 de julho de 2012. 
  224. «Syrian forces advance steadily in Aleppo». 12 de agosto de 2012. 
  225. ANNA EDWARDS (18 de agosto de 2012). «Syrian government declares victory over rebels in Damascus as onslaught continues in country's largest city». 
  226. «Syrian military launches fresh offensive in Aleppo». DW.de. Consultado em 14 de maio de 2013. 
  227. «Los Milicianos Sirios Cometen Otra Masacre en Yandar, cerca de Homs». 9 de agosto de 2012. 
  228. a b Oweis, Khaled Y. «Syria activists report "massacre" by army near Damascus» Reuters [S.l.] Consultado em 25 de agosto de 2012. 
  229. Mona Mahmood e Luke Harding (28 de agosto de 2012). «Syria's worst massacre: Daraya death toll reaches 400». 
  230. a b Robert Fisk. «Robert Fisk: Inside Daraya - how a failed prisoner swap turned into a massacre» The Independent [S.l.] Consultado em 2 de setembro de 2012. 
  231. Russia Today (20 de março de 2012). «HRW: Syrian opposition kidnapped, tortured, executed loyalists» (em inglês). Google Notícias. Consultado em 15 de maio de 2011. 
  232. a b Kais, Roy (15 de setembro de 2012). «Assad relative defects from regime». Ynet News [S.l.: s.n.] Consultado em 15-9-2012. 
  233. «Syria rebels seize Turkey border crossing». CBS News [S.l.: s.n.] 19 de setembro de 2012. 
  234. «Turkey hits targets inside Syria after border deaths» [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de outubro de 2012. 
  235. «Turquia bombardeia Síria após disparos». IG. Consultado em 3 de outubro de 2012. 
  236. a b Richard Spencer, Ruth Sherlock. «"Turkey launches retaliatory attack on Syrian targets"» Daily Telegraph [S.l.] Consultado em 3 de outubro de 2012. 
  237. «Turkey strikes back at Syria after mortar kills five» [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de outubro de 2012. 
  238. «"Síria diz estar apurando caso do morteiro que matou 5 civis na Turquia"». G1 [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de outubro de 2012. 
  239. a b «"Conselho de Segurança da ONU condena 'ataques terroristas' em Aleppo"». Reuters [S.l.: s.n.] Consultado em 5 de outubro de 2012. 
  240. «Syrian rebels claim control of strategic town». Al Jazeera [S.l.: s.n.] Consultado em 10 de outubro de 2012. 
  241. «Se Recrudece la Batalla en Maaref al Numan». Al-Manar em espanhol [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de outubro de 2012. 
  242. «"Syria rebels clash with army and Palestinian fighters"». Al Arabiya [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de novembro de 2012. 
  243. Khaled Yacoub Oweis. «Syrian air force on offensive after failed truce». Reuters [S.l.: s.n.] Consultado em 30 de outubro de 2012. 
  244. «ARMY PREPARES FINAL OFFENSIVE ON HOMS “THE REBEL”». Misna.org. Consultado em 10 de outubro de 2012. 
  245. «"Syria army, rebels in fierce battle for Homs"». The Arab Times [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de novembro de 2012. 
  246. Evans, Dominic. «Fighting ruptures ragged Syrian ceasefire». Reuters [S.l.: s.n.] Consultado em 26 de outubro de 2012. 
  247. a b c d «Carro-bomba em Damasco rompe trégua na Síria». Reuters. Consultado em 26 de outubro de 2012. 
  248. Gladstone, Rick (31 de outubro de 2012). «Syrian air force general 'killed by rebels'». BBC [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de novembro de 2012. 
  249. a b c d «Rebeldes atacam base aérea no noroeste da Síria». G1. Consultado em 3 de novembro de 2012. 
  250. «Syrian atrocity: Bodies of postal workers thrown from roof(GRAPHIC VIDEO)». Russia Today. Consultado em 3 de setembro de 2012. 
  251. «Execution video from Syria is apparent war crime, says United Nations». Metro. Consultado em 1 de dezembro de 2012. 
  252. a b «"Oposição síria descarta diálogo sem a saída de Bashar al-Assad"». G1 [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de novembro de 2012. 
  253. «Syria army quits base on strategic Aleppo road» [S.l.: s.n.] Reuters. 2 de novembro de 2012. Consultado em 6 de novembro de 2012. 
  254. «Rebels target air base in battle against aerial bombardment in Syria» CNN [S.l.] 22 de novembro de 2012. Consultado em 6 de novembro de 2012. 
  255. «British PM broaches 'safe passage' for al-Assad». CNN. Consultado em 14 de novembro de 2012. 
  256. «Syrian rebels set up camp on hilltop Base 46». Al Arabiya [S.l.: s.n.] Consultado em 22 de novembro de 2012. 
  257. «Syria rebels make further gains». BBC [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de dezembro de 2012. 
  258. Elad Benari. «Syria: PFLP Defectors Call to Arrest Group's Head». Israel National News [S.l.: s.n.] Consultado em 17 de dezembro de 2012. 
  259. «Syrian rebels launch major assault on army across Hama». The News International [S.l.: s.n.] 18 de dezembro de 2012. 
  260. «Rebels seize towns in central Syria». Reuters [S.l.: s.n.] Consultado em 19 de dezembro de 2012. 
  261. «Top Syrian general declares defection». Xinhua [S.l.: s.n.] Consultado em 26 de dezembro de 2012. 
  262. «Syrian rebels seize key air base, activists say». USA Today [S.l.: s.n.] AP. 11 de janeiro de 2013. Consultado em 15 de fevereiro de 2013. 
  263. «Kurd-jihadist clashes intensify near Turkey». Hürriyet Daily News [S.l.: s.n.] Consultado em 28 de janeiro de 2013. 
  264. SAM DAGHER. «"Attacks in Damascus Target Symbols of Assad Regime"». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] Consultado em 21 de fevereiro de 2013. 
  265. «Syrian Insurgents Claim to Control Large Hydropower Dam» Tampa Bay Times [S.l.] Consultado em 4 de setembro de 2013. 
  266. «Rebels overrun military airport in north Syria: NGO» Hurriyet [S.l.] Consultado em 12 de fevereiro de 2013. 
  267. «Syrian air base falls, Assad forces under pressure» Reuters [S.l.] Consultado em 12 de fevereiro de 2013. 
  268. «Jihadists seize Syria town on Iraq border». NOW News [S.l.: s.n.] 14 de fevereiro de 2013. 
  269. a b «Combates deixam 30 rebeldes e 100 soldados sírios em três dias». G1 [S.l.: s.n.] Consultado em 15 de fevereiro de 2013. 
  270. a b «"Rebeldes anti-Assad matam autoridade iraniana na saída da Síria"». G1. Consultado em 15 de fevereiro de 2013. 
  271. a b «"Rebels 'seize most of Syria police academy'"» (em inglês). BBC. Consultado em 3 de março de 2013. 
  272. a b «Syria army seizes key Aleppo airport road» (em inglês). Al Jazeera. Consultado em 2 de março de 2013. 
  273. Khaled Yacoub Oweis e Suleiman al-Khalidi. «"Rebeldes sírios expulsam tropas do governo de maior parte de Raqqa"». Estado de São Paulo. Consultado em 4 de março de 2013. 
  274. «Syrian activists say rebels seize security buildings in Raqqa, declare it 1st 'liberated' city». Fox News [S.l.: s.n.] 6 de março de 2013. 
  275. a b «"Revolta completa dois anos na Síria e opositores protestam"». Yahoo! Notícias. Consultado em 15 de março de 2013. 
  276. .Dmitry Ershov. «Краткая сводка о ситуации в Сирии за 15-е марта» (em russo). ANNA News. Consultado em 16 de março de 2013. 
  277. «Exército sírio retoma bairro de Midan, em Alepo». Estado de São Paulo. Consultado em 22 de março de 2013. 
  278. Ivan Watson. «Two years later, Syrian revolutionaries reflect on their cause, the costs» (em inglês). CNN. Consultado em 15 de março de 2013. 
  279. a b ANNE BARNARD. «Syrian Rebels Pick U.S. Citizen to Lead Interim Government» (em inglês). New Times. Consultado em 18 de março de 2013. 
  280. «Damascus Denies Lebanon Air Strikes» (em inglês). Ria Novosti. Consultado em 19 de março de 2013. 
  281. «Syria mosque blast: Pro-Assad cleric among dozens dead» (em inglês). BBC. Consultado em 21 de março de 2013. 
  282. «Insurgents in Syria said to seize southern town». The New York Times Express News. Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  283. «Combates em subúrbio de Damasco deixam quase 70 mortos». G1. Consultado em 21 de abril de 2013. 
  284. «Exército sírio avança rumo ao bastião rebelde de Quseir, próximo ao Líbano». G1. Consultado em 21 de abril de 2013. 
  285. Khaled Yacoub Oweis. «Up to 500 feared dead in Damascus suburb: activists» (em inglês). Reuters. Consultado em 22 de abril de 2013. 
  286. Khaled Yacoub Oweis. «Fighting reported near suspected chemical arms site in Syria» (em inglês). Reuters. Consultado em 29 de abril de 2013. 
  287. «Assad's forces capture strategic town in southern Syria». Reuters. Consultado em 8 de maio de 2013. 
  288. «Syrian army attacks rebel stronghold Qusayr». Al Jazira. Consultado em 19 de maio de 2013. 
  289. «Syrian offensive on Qusayr deepens». Al Jazira. Consultado em 21 de maio de 2013. 
  290. Erika Solomon. «Hundreds of Syrian rebels enter besieged Qusair: activists» (em inglês). Jerusalem Post. Consultado em 31 de maio de 2013. 
  291. «Syrian rebels plead for help as army pounds Qusair». Jpost.com. Consultado em 2 de junho de 2013. 
  292. «"Syrische leger herovert twee plaatsen in Hama"». hln.be. Consultado em 2 de junho de 2013. 
  293. «Battle for Damascus is over. Is Israel intelligence slow on Syrian war?». Debka. Consultado em 3 de junho de 2013. 
  294. a b «Syrian army captures strategic border town of Qusair». Reuters. Consultado em 5 de junho de 2013. 
  295. «Syrian army 'captures' final rebel stronghold near Qusair». BBC. Consultado em 9 de junho de 2013. 
  296. «Syria: Assad forces massing for major assault on Aleppo». The Daily Telegraph. Consultado em 9 de junho de 2013. 
  297. «Fighting intensifies in Syria's north after Assad gains». Reuters. Consultado em 9 de junho de 2013. 
  298. «Syria: Assad forces massing for major assault on Aleppo». The Daily Telegraph. Consultado em 9 de junho de 2013. 
  299. a b «Syria civil war: Car bomb rocks Damascus, killing 10 soldiers and wounding 10 others». The Independent. Consultado em 17 de junho de 2013. 
  300. a b «Syrian rebel blockade in Aleppo leaves thousands hungry: activists». Reuters. Consultado em 9 de julho de 2013. 
  301. «Syrian Army Continues Advance in Aleppo». Fars News. Consultado em 8 de julho de 2013. 
  302. «Tal Kalakh: Syria's rebel town that forged its own peace deal». The Independent. Consultado em 26 de junho de 2013. 
  303. «Syrian army, backed by jets, launches assault on Homs». Haaretz. Consultado em 29 de junho de 2013. 
  304. «"Syria rebels seize key northern town"». Fox News. Consultado em 29 de junho de 2013. 
  305. «220 Muertos en la Masacre de Jan al Assal, en Alepo». Al Manar em Espanhol. Consultado em 2 de agosto de 2013. 
  306. «Syrian opposition condemns soldier killings». The Times of Israel. Consultado em 2 de agosto de 2013. 
  307. «FSA takes control of Menagh air base near Aleppo» Al Arabiya [S.l.] Consultado em 8 de agosto de 2013. 
  308. Mroue, Bassam. «Syrian rebels take villages in regime's heartland» [S.l.: s.n.] The Daily Star. Consultado em 6 de setembro de 2013. 
  309. «Syrie: les Kurdes combattent les jihadistes pour imposer leur autonomie». L'orient Le Jour. Consultado em 29 de julho de 2013. 
  310. «Syrian Kurdish Forces Surround Border Crossing». Al-Monitor. Consultado em 5 de agosto de 2013. 
  311. «Syria Kurds expel jihadists, seize weapons». Fox News. Consultado em 29 de julho de 2013. 
  312. Wladimir van Wilgenburg. «Islamist Groups Besiege Revolutionary City of Kobani». Rudaw. Consultado em 9 de agosto de 2013. 
  313. Haytham Mouzahem. «Syrian Rebel Forces Set Sights on Latakia». Al-Monitor. Consultado em 19 de agosto de 2013. 
  314. «Syria army 'retakes all rebel positions in Latakia'». AFP [S.l.: s.n.] 19 de agosto de 2013. 
  315. «Syria: Up to 635 Reported Dead in Chemical Attack». Israel National News. Consultado em 21 de agosto de 2013. 
  316. a b «Conselho de Segurança se reúne após suposto ataque químico na Síria». G1. Consultado em 21 de agosto de 2013. 
  317. «Syria Denies Reports Of Chemical Weapons Attack Near Damascus: State TV». The Huffington Post. Consultado em 21 de agosto de 2013. 
  318. «Syria: Thousands Suffering Neurotoxic Symptoms Treated in Hospitals Supported by MSF». Médicos sem Fronteiras. Consultado em 26 de agosto de 2013. 
  319. «Syria gov't, opposition trade accusations over chemical weapons use». CBS News. Consultado em 28 de agosto de 2013. 
  320. «Syria rebels take control of strategic town». Al Jazeera [S.l.: s.n.] 26 de agosto de 2013. 
  321. «Iran to work with Russia to stop strike on Syria» Z News [S.l.] Consultado em 31 de agosto de 2013. 
  322. «EUA e Rússia fazem acordo sobre crise síria, diz John Kerry». G1. Consultado em 15 de setembro de 2013. 
  323. «Ban: relatório da ONU confirma que armas químicas foram usadas na Síria». Terra Networks. Consultado em 16 de setembro de 2013. 
  324. «Bashar Assad Gains Ground In Syrian Civil War». The Huffington Post. Consultado em 16 de novembro de 2013. 
  325. «2013 foi o ano mais sangrento na guerra civil da Síria, diz ONG». G1. Consultado em 5 de janeiro de 2014. 
  326. «ISIS losing ground in Syria to Jabhat al-Nusra». Al Monitor. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  327. «Syria rebels unite and launch new revolt, against jihadists». AFP. Consultado em 5 de janeiro de 2014. 
  328. «Assad tenta reconquistar terreno na Síria no início do 4º ano de conflito». G1. Consultado em 12 de março de 2014. 
  329. «Governo sírio anuncia retomada do centro antigo de Homs». G1. Consultado em 10 de maio de 2014. 
  330. "Ninety killed by Islamist attack on Syrian gas field -monitor". Página acessada em 20 de julho de 2014.
  331. «Hundreds dead as Islamic State seizes Syrian air base: monitor». Reuters. Consultado em 25 de agosto de 2014. 
  332. «Barack Obama authorises air strikes against Isis militants in Syria». The Guardian. Consultado em 12 de setembro de 2014. 
  333. «US launches airstrikes in Syria against ISIS targets». MSNBC. Consultado em 23 de setembro de 2014. 
  334. "Número de mortos na Síria já passa de 210 mil, diz ONG". Página acessada em 8 de fevereiro de 2015.
  335. Perry, Tom; Al-Khalidi, Suleiman (2 de abril de 2015). «As regional war rages, Syria's Assad faces setbacks». Reuters. Consultado em 7 de maio de 2015. 
  336. Solomon, Erika; Kerr, Simeon. «Syria's rebels heartened by healing of Sunni Arab rifts» Financial Times [S.l.] Consultado em 13 de abril de 2015. 
  337. "Syria conflict: Islamists capture Jisr al-Shughur". Página acessada em 7 de maio de 2015.
  338. Blanford, Nicholas. «Can Syria's Assad withstand latest battlefield setbacks?». Christian Science Monitor. Consultado em 22 de abril de 2015. 
  339. "Estado Islâmico já controla metade da Síria". Página acessada em 22 de maio de 2015.
  340. "Rússia já começou ataques aéreos na Síria, diz Moscou". Página acessada em 30 de setembro de 2015.
  341. "Russia launches missiles at 'Isil targets' from Caspian warships as Assad forces start ground offensive". Página acessada em 7 de outubro de 2015.
  342. «Hezbollah joins Russia, Iran, Syria and Iraq in ‘4+1 Alliance’». War in Context. Consultado em 18 de março de 2016. 
  343. «U.N. announces start of Syria peace talks as government troops advance» Reuters [S.l.] 1 de fevereiro de 2016. Consultado em 18 de março de 2016. 
  344. «Joint Statement of the United States and the Russian Federation, as Co-Chairs of the ISSG, on Cessation of Hostilities in Syria». U.S. Department of State. 22 de fevereiro de 2016. 
  345. «Temporary truce comes into effect». BBC News [S.l.: s.n.] 26 de fevereiro de 2016. Consultado em 18 de março de 2016. 
  346. «U.N. demands Syria parties halt fighting, peace talks set for March 7». Reuters [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de março de 2016. 
  347. "A Potential Cease-Fire in Syria". The Atlantic. Página acessada em 18 de março de 2016.
  348. "Landmark Syria ceasefire begins, with terrorist groups excluded". Scroll.in. Página acessada em 18 de março de 2016.
  349. «Syria conflict: UN steps up aid deliveries as truce holds». BBC [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de março de 2016. 
  350. "Crisis in Syria, refugees, and the impact on children". Página acessada em 18 de março de 2016.
  351. «Putin orders start of Russian military withdrawal from Syria, says ‘objectives achieved’». RT [S.l.: s.n.] 14 de março de 2016. Consultado em 18 de março de 2016. 
  352. «Syria conflict: Russia's Putin orders 'main part' of forces out». BBC [S.l.: s.n.] 14 March 2016. Consultado em 19 de março de 2016. 
  353. «Syrian army, with Russian air support, advances inside Palmyra» [S.l.: s.n.] Reuters. 26 de março de 2016. 
  354. «Syria: Kurdish-led forces advance in Raqqa offensive». Al Jazeera. Consultado em 13 de junho de 2016. 
  355. "Turkish tanks cross Syrian border to free IS-group held town". Página acessada em 23 de setembro de 2016.
  356. Kitfield, James. «The Global Dangers of Syria's Looming Civil War». The Atlantic [S.l.: s.n.] Consultado em 22 de fevereiro de 2012. 
  357. «Hezbollah fighters 'invading' Syria - rebel chief». BBC. Consultado em 30 de maio de 2013. 
  358. «Demographic Data of Registered Population». UNHCR. Consultado em 11 de agosto de 2012. 
  359. «Syrian dissidents convene in Turkey to discuss regime change». France 24 [S.l.: s.n.] Agence France-Presse. Consultado em 20 de outubro de 2011. 
  360. Karam, Zeina. «Syrian dissident colonel takes refuge in Turkey». The Guardian Notícias (Beirute [s.n.]). Associated Press. Consultado em 20 de outubro de 2011. 
  361. "Saudi edges Qatar to control Syrian rebel support". Página acessada em 12 de março de 2014.
  362. Al, Suleiman (30 de julho de 2012). «Arab Islamist fighters eager to join Syria rebels» [S.l.: s.n.] Reuters. Consultado em 3 de maio de 2013. 
  363. Landay, Jonathan S. «Top U.S. intelligence officials confirm al Qaida role in Syria». McClatchy Newspapers [S.l.: s.n.] Consultado em 22 de fevereiro de 2012. 
  364. Memmott, Mark. «As Talks Continue, CIA Gets Some Weapons To Syrian Rebels». National Public Radio [S.l.: s.n.] Consultado em 10 de dezembro de 2013. 
  365. Marcus, Jonathon (10 de agosto de 2012). «Syria conflict: UK to give extra £5m to opposition groups». BBC [S.l.: s.n.] 
  366. «France’s Hollande hints at arming Syrian rebels». France24 [S.l.: s.n.] 12 de março de 2013. Consultado em 10 de dezembro de 2013. 
  367. «West training Syrian rebels in Jordan». The Guardian. Consultado em 8 de março de 2013. 
  368. «Syrian opposition groups reach unity deal». USA Today. Consultado em 13 de dezembro de 2012. 
  369. «Syrian opposition groups sign coalition deal». Al Jazeera [S.l.: s.n.] Consultado em 13 de dezembro de 2012. 
  370. Jim Muir. «Syria crisis: Gulf states recognise Syria opposition». BBC [S.l.: s.n.] Consultado em 14 de novembro de 2012. 
  371. «Oposição consegue assento da Síria na Liga Árabe». G1. Consultado em 25 de março de 2013. 
  372. «US and UK suspend non-lethal aid for Syria rebels». BBC. Consultado em 26 de abril de 2014. 
  373. "U.S. Military Will Train, Arm Syrian Rebels". Página acessada em 19 de setembro de 2015.
  374. «How Iran Keeps Assad in Power in Syria». Foreing Affairs. Consultado em 6 de fevereiro de 2013. 
  375. Tisdall, Simon. «Iran helping Syrian regime crack down on protesters, say diplomats». The Guardian (Londres [s.n.]). Consultado em 22 de fevereiro de 2012. 
  376. «Hezbollah Commits to an All-Out Fight to Save Assad». The New York Times. 25 de maio de 2013. Consultado em 27 de maio de 2013. 
  377. «Hezbollah fighters 'invading' Syria - rebel chief» BBC News [S.l.] 29 de maio de 2013. Consultado em 9 de junho de 2013. 
  378. «Russia Repeats Western Mistakes in Arab Spring». Human Rights Watch. Consultado em 23 de janeiro de 2012. 
  379. «Wait and sea». The Economist [S.l.: s.n.] Consultado em 23 de junho de 2012. 
  380. «Syrian rebels threaten to attack Russian naval base». DNA. Consultado em 14 de agosto de 2012. 
  381. "Rusia seguirá suministrando armas a Siria". Página acessada em 12 de março de 2014.
  382. "Putin anuncia retirada das tropas russas da Síria". Página acessada em 18 de março de 2016.
  383. «"Syria regime and opposition both condemn Israeli strikes"» (em inglês). BBC. Consultado em 23 de janeiro de 2012. 
  384. «Ministro sírio chama relatório da Liga Árabe de "conspiração"». Al Jazeera e Al Arabiya. Consultado em 24 de janeiro de 2012. 
  385. Mustafa al-Dabi, Mohammed Ahmed (24 de dezembro de 2011). «League of Arab States Observer Mission to Syria Report of the Head of the League of Arab States Observer Mission to Syria for the period from 24 December 2011 to 18 January 2012» (PDF). Cairo (Cairo [s.n.]). Liga Árabe. Consultado em 1 de fevereiro de 2012. 
  386. «Oposição síria critica Liga Árabe por missão de observadores». Terra Notícias. Agence France-Presse. Consultado em 9 de janeiro de 2012. 
  387. «Síria diz que 'terroristas armados' atacaram refinaria de Homs». jb.com.br. Consultado em 8 de fevereiro de 2012. 
  388. «Síria denuncia 'ataque terrorista' em meio a choques em subúrbios da capital». ultimosegundo.ig.com.br. Consultado em 30 de janeiro de 2012. 
  389. Alistair Lyon and Erika Solomon (24 de dezembro de 2011). «26 de fevereiro de 2012.». Reuters (England [s.n.]). Reuters. Consultado em 1 de fevereiro de 2012. 
  390. «Saudi Arabia withdraws ambassador from Syria». BBC [S.l.: s.n.] 7 de agosto de 2011. Consultado em 12 de abril de 2012. 
  391. «EU condemns 'unacceptable' repression in Syria». Middle East Online [S.l.: s.n.] 22-3-2011. Consultado em 12 de abril de 2012. 
  392. «UN chief slams Syria's crackdown on protests». Al Jazeera [S.l.: s.n.] 12 de abril de 2012. 
  393. «Canada condemns violence in Yemen, Bahrain, Syria». Google News [S.l.: s.n.] Agence France-Presse. 21 de março de 2011. Consultado em 12 de abril de 2012. 
  394. «Obama Condemns 'Abhorrent Violence' of Syrian Gov't». Ynetnews [S.l.: s.n.] Reuters. 9 de abril de 2011. Consultado em 12 de abril de 2012. 
  395. «Syria Sanctions» (em inglês). US. Departament of the Treasure. Consultado em 18 de maio de 2013. 
  396. «U.S., partners to push for global sanctions on Syria» (em inglês). CBC. The Associated Press. Consultado em 5 de julho de 2012. 
  397. Patrick J. McDonnell e Ramin Mostaghim. «Iran reaffirms support for Syria's Assad; U.S. warns of proxy war» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 7 de agosto de 2012. 
  398. Gordts, Eline (5 de outubro de 2011). «Russia, China Veto Syria Sanctions». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de abril de 2012. 
  399. «Russia urges Syrian opposition to end violence». RIA Novosti [S.l.: s.n.] 3 de outubro de 2011. Consultado em 12 de abril de 2012. 
  400. «Rússia acusa Ocidente de armar rebeldes sírios». Tercera Información. Consultado em 10 de fevereiro de 2012. 
  401. David Blair. «Syria: Russia's Sergei Ryabkov accuses West of being "accomplices" in violence» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 10 de fevereiro de 2012. 
  402. «Navios de guerra do Irã retornam da Síria por Suez». NE10. Consultado em 21 de fevereiro de 2012. 
  403. «Navios do Irã alcançam a Síria e China alerta sobre guerra civil». Estado de São Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2012. 
  404. «Em ato contra Assad, Brasil ficará sem embaixador na Síria». Folha de S.Paulo. Consultado em 4 de julho de 2013. 
  405. «Egyptian president Morsi severs ties with Syria». ABC News. Consultado em 3 de setembro de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]