Riacho Fundo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Região Administrativa do Riacho Fundo
Bandeira do Riacho Fundo
Bandeira
Região Administrativa XVII
Fundação: 13 de março de 1990 (28 anos)
Lei de criação: 620 de 15 de dezembro de 1993

Mapa do Riacho Fundo

Limites: Riacho Fundo II, Samambaia, Taguatinga, Águas Claras, Núcleo Bandeirante e Park Way
Distância de Brasília: 18 km
Administrador(a): Heitor Mitsuaki Kanegae
Área  
 - Total 56,02 km²
População  
 - Total 30.809[1] habitantes '
IDH 0,826 elevado SEPLAN/2000[2]
Site governamental www.riachofundo.df.gov.br
Vista aérea da área central de Riacho Fundo

Riacho Fundo é uma região administrativa do Distrito Federal brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

Vista aérea de Riacho Fundo

O Riacho Fundo originou-se da Granja do mesmo nome, localizada às margens do ribeirão Riacho Fundo, criada logo após a inauguração de Brasília, onde havia uma vila residencial para os funcionários. O Governo loteou a Granja Riacho Fundo em 13 de março de 1990 (data do aniversário da cidade), transferindo para lá moradores do Bairro Telebrasília localizado na Asa Sul, dentre outras localidades do Distrito Federal. O assentamento transformou-se em região administrativa pela Lei nº 620/93 e o Decreto nº 15.514/94.

A Granja também sediou, por longa data, a Residência Oficial dos Governos Militares, criada logo após a inauguração de Brasília e, mais tarde, transformada em Instituto de Saúde Mental. Atualmente o local é considerado uma área de preservação ambiental (APA) devido a sua grande contribuição ecológica, por nele situarem-se nascentes de diversos córregos – incluindo o próprio Córrego Riacho Fundo, que inspirou o nome da cidade – e, sobretudo, pela diversidade da fauna e da flora nativos da região, ainda preservados.

Em fevereiro de 1994 foi criado o parcelamento do Riacho Fundo II, como parte integrante do Riacho Fundo, que no ano de 2003 passou a ser uma nova Região Administrativa.

A área rural é composta pela Colônia Agrícola, pelo Combinado Agrourbano – CAUB I e por áreas isoladas. Na área rural está localizada a Fundação Cidade da Paz, além da sede da Universidade Holística Internacional e o setor de Pesquisa de Produção de Sementes da Empresa Brasileira de Pesquisa – EMBRAPA

Demografia[editar | editar código-fonte]

Vista aérea do final de Riacho Fundo

Segundo Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) 2015/2016, a população do Riacho Fundo é de cerca de 40 mil habitantes.

Aspectos socioeconômicos[editar | editar código-fonte]

Cerca de 44% dos componentes das famílias do Riacho Fundo nasceram no Distrito Federal. Em seguida, apareceram os nascidos em Minas Gerais (11%), em Goiás (8%), no Piauí (6%), na Bahia (6%) e no Ceará (5%). Segundo uma pesquisa elaborada pela Companhia de Desenvolvimento do Planalto Central (Codeplan), realizada em 1997, as regiões administrativas do Riacho Fundo, Gama e Candangolândia apresentam níveis intermediários de escolaridade se comparadas as demais regiões do Distrito Federal. Na última pesquisa elaborada, em 2010, o Riacho Fundo, foi classificado como a 9ª melhor cidade do Distrito Federal para se viver, logo abaixo de regiões de maior poder aquisitivo como Brasília, Lago Sul, Lago Norte, Sudoeste/Octogonal, Jardim Botânico, Cruzeiro e Guará.

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

29ª Delegacia de Polícia Civil na QS 06; 28º BPM – Batalhão de Polícia Militar ; 21º CBMDF – Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal; São realizadas reuniões mensais com a presença dos principais representantes da PMDF, PCDF, CBMDF e Administração; 02 Posto Comunitário de Segurança (PCS) foram criados, para atender a parte Sul da cidade e a Colônia Agrícola Sucupira que foi queimado. Comparando-se os primeiros semestres de 2007 e 2008, houve um aumento significativo de apreensão de armas de fogo e de entorpecentes na cidade; Há uma maior atuação conjunta entre PMDF, Administração e Agência de Fiscalização do Governo do Distrito Federal, no sentido de coibir a atividade de bares que funcionam e horário impróprio e atraem a prática de atos delituosos; Efetivo + ou – 250,00 Posto Policial na QN 01 atrás do colégio CETELB que hoje está desativado.

Parque Ecológico Vivencial do Riacho Fundo[editar | editar código-fonte]

Criado em 1997 pelo decreto da Lei 1705/97 abrange uma área de 480 hectares e está classificado como Área de Preservação Ambiental (APA). Seus limites, ao norte pela Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), ao leste pelo Núcleo Bandeirante e Placa das Mercedes ao sul pelas rodovias DF-01 e DF-65 e ao oeste pelo Recanto das Emas, Samambaia e Taguatinga. Várias espécies de animais vivem nesse parque como a jaguatirica, macacos, peixes como os bagres e vários outros. Tem como objetivo garantir a diversidade biológica da fauna e flora locais, preservando o patrimônio genético das espécies e a qualidade dos recursos hídricos disponíveis; utilizar os componentes naturais locais para a educação ambiental; e proporcionar à população recreação e lazer, em contato direto com o meio ambiente, em harmonia com o ecossistema da região. Parte do Riacho Fundo, inclusive suas nascentes, situam-se no interior do parque. A área engloba grande extensão de mata, vegetação de Cerrado, pastos e bosques de espécies exóticas. A vegetação nativa está em bom estado de conservação.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios - 2010/2011» (PDF). Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). Agosto de 2012. Consultado em 25 de agosto de 2012. 
  2. «Ranking decrescente do IDH-M das Regiões Administrativas do Distrito Federal». Secretaria de Planejamento e Orçamento do Governo do Distrito Federal (Seplan). 2000. Consultado em 22 de julho de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Riacho Fundo