Ricardo Aleixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ricardo José Aleixo de Brito (Belo Horizonte, 1960), é poeta, músico, produtor cultural, artista plastico e editor.[1][2][3][4][5][6][7][8][9][10][11]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ricardo José Aleixo de Brito, nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 1960. É autodidata atua em diversas áreas. Estreou em 1992, com o livro Festim. Em Belo Horizonte é curador do Festival de Arte Negra (FAN), coordenador de projetos culturais (30 Anos da Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, Tricentenário de Zumbi e a Bienal Internacional de Poesia). Faz curadoria de diversas exposições (Sebastião Nunes: 30 Anos de Guerrilha Cultural e Estética de Provocação. Com Adyr Assumpção (1958) montou vários espetáculos multimeios como Jogo de Guerra - Malês, em 1990, Desconcerto Grosso - Poemas de Gregório de Matos, em 1996, e Canudos, Sertão da Bahia, 1897, em 1997. Edita a revista Roda - Arte e Cultura do Atlântico Negro, pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Seus poemas revelam forte afinidade com o movimento concretista e com a etnopoesia. Com visão crítica da realidade, faz poesia social, mordaz, seca e irônica. Junta-se a isso seu trabalho de agitador cultural que leva a poesia à integração com outras formas de arte como o teatro, a música e a dança.[12][13]

Principais obras[editar | editar código-fonte]

  • Modelos vivos (2010)
  • Mundo palavreado (2013)
  • Pesado demais para a ventania (2018)

Referências

  1. «RICARDO ALEIXO – POESIA DOS BRASIS – MINAS GERAIS». www.antoniomiranda.com.br. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  2. Seixo), Ricardo Aleixo (imagem: Fabio. «Mínima antologia de Ricardo Aleixo». www.suplementopernambuco.com.br. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  3. «Poeta mineiro Ricardo Aleixo lança antologia poética: "Pesado demais para a ventania"». Diário Causa Operária. 19 de junho de 2018. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  4. «Crítica: Antologia temática reafirma força poética de Ricardo Aleixo». Folha de S.Paulo. 16 de junho de 2018. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  5. Bom Dia Minas | G1 no MG1: poeta mineiro Ricardo Aleixo é finalista do prêmio Oceanos | Globoplay, consultado em 19 de novembro de 2019 
  6. Duarte, Constância Lima (16 de abril de 2018). Dicionário biobibliográfico de escritores mineiros. [S.l.]: Autêntica. ISBN 9788582176412 
  7. «Poemas | Ricardo Aleixo - CÂNDIDO - Jornal da Biblioteca Pública do Paraná». www.candido.bpp.pr.gov.br. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  8. «https://todavialivros.com.br/autores/ricardo-aleixo». Editora Todavia. Consultado em 19 de novembro de 2019  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  9. «Rubem Valentim descortinou horizonte a minha frente, diz Ricardo Aleixo». Folha de S.Paulo. 3 de novembro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  10. «Ricardo Aleixo apresenta a perfomance "Antiboi" no Palácio das Artes». Feira Cultural. 16 de dezembro de 2018. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  11. Motta/Divulgação, Rafael. «Uma das grandes vozes líricas do Brasil, mineiro Ricardo Aleixo lança antologia poética». Home. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  12. Cultural, Instituto Itaú. «Ricardo Aleixo». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  13. «poesia.net 364 - Ricardo Aleixo». www.algumapoesia.com.br. Consultado em 19 de novembro de 2019