Ricardo Eletro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ricardo Eletro
Ricardo Eletro Ltda.
Slogan Aqui tem dono!
Tipo Privada
Indústria Varejista
Fundação 1989 (26 anos)
Fundador(es) Ricardo Nunes
Sede Belo Horizonte, Brasil
Proprietário(s) Máquina de Vendas
Faturamento R$ 2 bilhões (2009)[1]
Sítio oficial www.ricardoeletro.com.br

Ricardo Eletro, pertencente a varejista Máquina de Vendas, é uma rede brasileira de varejo especializada em eletrodomésticos. Com sede em Belo Horizonte, Minas Gerais, sua primeira loja foi fundada por Ricardo Nunes em 1989 na cidade de Divinópolis, MG.[1] Atualmente, a Ricardo Eletro possui 268 lojas,[2] presente em nove estados, e líder de vendas no estado onde está presente sua sede. Além disso, são cinco grandes centros de distribuição localizados estrategicamente para garantir a entrega de produtos em todo o país.[3]

A Ricardo Eletro cresceu com a disposição de cobrir qualquer oferta dos concorrentes.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e primeira loja[editar | editar código-fonte]

Ricardo Nunes, abriu em 1989, sua primeira Ricardo Eletro aos 18 anos na cidade de Divinópolis, Minas Gerais tendo apenas 20m². Em seus primórdios, a loja vendia somente eletrônicos e bichos de pelúcia. Segundo Nunes, ele abria seus pontos de venda em locais onde já havia concorrentes, para buscar estes clientes. Seu foco principal era a venda de produtos cobrindo qualquer oferta do Brasil, ferramenta usada até hoje.[1]

O projeto de expansão teve início em 2007, com a compra da rede de lojas Mig. Com isso, a Ricardo abriu novas lojas no estado de São Paulo e Goiás.[4]

Fusão com a Insinuante e criação da MV[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de março de 2010 a rede Ricardo Eletro se juntou a rede de varejo Insinuante[5] [6] Empresa que fora fundada em Vitoria da ConquistaBahia, começou a operar em 1959 e atualmente possui 268 lojas, em todos os estados do Nordeste mais o Rio de Janeiro e Espírito Santo. O modelo de negócios da Máquina de Vendas prevê a manutenção de ambas as bandeiras por acreditar que o forte da atuação é a marca, que atende as demandas e expectativas regionais de seus consumidores.[7]

Referências

  1. a b c d Mateus, Leopoldo (1 de abril de 2010). Ricardo Nunes: “Aprendi vendendo mexerica” Época Globo.com. Visitado em 13 de fevereiro de 2014.
  2. FERREIRA, Rosenildo Gomes; MACHADO, Ana Paula (11 de outubro de 2013). A máquina ajusta as engrenagens IstoÉ Dinheiro Editora Três. Visitado em 12 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2014.
  3. Ricardo Eletro e Insinuante criam nova gigante do varejo G1 Globo.com (29 de março de 2010). Visitado em 13 de dezembro de 2014.
  4. Sobral, Isabel (10 de outubro de 2007). Cade aprova compra das Lojas Mig pela Ricardo Eletro Estadão Grupo Estado. Visitado em 1 de abril de 2015.
  5. http://economia.ig.com.br/empresas/comercioservicos/insinuante+e+ricardo+eletro+anunciam+fusao/n1237565573638.html
  6. http://oglobo.globo.com/economia/fusao-de-ricardo-eletro-insinuante-bem-recebida-mas-analistas-dizem-que-gestao-sera-um-3032056
  7. Máquina de Vendas compra rede Eletro Shopping e retoma 2ºlugar no varejo Estadão (2 de julho de 2011). Visitado em 12 de dezembro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.