Ricardo Izar Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde outubro de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ricardo Izar Júnior (São Paulo, 1º de agosto de 1968) é um empresário e político brasileiro.

Em 2010, foi eleito deputado federal pelo Partido Verde de São Paulo para o mandato de 2011 e 2014, obtendo quase 90.000 votos. Participa atualmente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, seguindo o caminho do pai, Ricardo Izar. Também é membro da Comissão de Viação e Transportes, presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Líbano e da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Vice-Presidente da Comissão de defesa do Consumidor, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais.

Graduado em Economia pela Fundação Armando Álvares Penteado, entrou para a vida pública após o falecimento do pai, em 2008.

Foi eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019), pelo PP. Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[1] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[1] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[1] [2] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[1][3]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  2. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  3. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017