Ricardo Ribeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ricardo Ribeiro
Informação geral
Nome completo Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro
Nascimento 19 de agosto de 1981 (37 anos)
Local de nascimento Lisboa
Portugal Portugal
Género(s) Fado, World Music
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1996-presente
Editora(s) World Connection, Companhia Nacional de Música, Difference, iPlay, Enja Records, EMI, Parlophone, Warner Music
Afiliação(ões) Rabih Abou-Khalil, Rão Kyao, Rui Veloso, Carlos do Carmo
Influência(s) Fernando Maurício
Prémios Prémio Amália (2005) Revelação
Troféu Revelação (2005) Casa da Imprensa
Prémio Amália (2011) Melhor Intérprete
Página oficial ricardoribeiro.pt
fb.com/ricardoribeiromusic

Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro ComIH, mais conhecido como Ricardo Ribeiro (Lisboa, 19 de Agosto de 1981), é um fadista português. Com vários prémios alcançados e um reportório assente num repertório de fado tradicional (tendo como maior referência fadista Fernando Maurício) Ricardo Ribeiro é reconhecido no universo da World Music, quer pela colaboração com o libanês Rabih Abou-Khalil, quer pelos trabalhos em nome próprio.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro nasceu em 19 de Agosto de 1981, em Lisboa. [1][2][3][4] Foi criado no Bairro da Ajuda, tendo começado a cantar aos 9 anos de idade para os amigos.[2][3][4]

Impulsionado por uma tia, a sua estreia aconteceu aos 12 anos, no Grupo Desportivo "A Académica da Ajuda", sendo acompanhado à guitarra por Carlos Gonçalves e à viola José Inácio, que se tornaria um dos seus mestres.[2][3][4]

Participa na Grande Noite do Fado de 1996, em Lisboa, arrecadando o 2.º lugar. Vence esta iniciativa da Casa da Imprensa no ano seguinte e já em 1998 volta a vencer, agora na categoria de seniores masculinos.[2][3][4]

Ao mesmo tempo que estuda no Colégio Diocesano Andrade Corvo, em Torres Novas, com 15 anos, passa a integrar o elenco do Restaurante Típico "Os Ferreiras", na freguesia da Pena, ao lado de nomes como Fernando Maurício (que considera seu mestre) e Adelino dos Santos, guitarrista de quem diz ter recebido muitos ensinamentos.[2][3][4]

Passa mais tarde para o Bairro Alto, actuando no Restaurante Típico "Nô-Nô", O Faia ou Café Luso. Faz parte do elenco da Casa de Fado Marquês da Sé e aos sábados canta na Mesa de Frades, ambos em Alfama.[2][4][5]

Em 2001 representa Portugal, a convite do Ministério da Cultura francês, num festival de culturas realizado na casa doada pela actriz Maria Casarès à localidade de Alloue, Charente, França.[2][3][4]

Em 2004 participa com o tema "Rosas e Harpejo" na compilação Fado, a Canção de Lisboa: Para uma História do Fado editada tem setembro e incluída na colecção O Fado do Público.[6][7]

Já em 6 de Outubro sai A Tribute To Amália Rodrigues, uma compilação de homenagem à fadista portuguesa, editada pela World Connection.[2][4][8][9] Creditado apenas como"Ricardo", aperenta o tema escolhido "Quando se Gosta de Alguém", neste lançamento em que participam também nomes do fado como Ana Moura, Argentina Santos, Cristina Branco ou Joana Amendoeira mas também doutras áreas como Vozes da Rádio, Dany Silva ou Raul Marques e os Amigos da Salsa.[10][8]

O álbum Ricardo Ribeiro sai ainda em 2004 pela editora Companhia Nacional de Música. Este trabalho está marcado por composições do fado tradicional mas com quatro excepções trazidas por Jorge Fernando, Paco González e Manuel Mendes. Há ainda a notar as letras escritas para si de José Luís Gordo e Rui Manuel.[2][4][11][12] Na produção estão as assinaturas de Jorge Fernando e Ricardo Ribeiro que é acompanhado neste álbum por Jorge Fernando (viola), José Manuel Neto (guitarra portuguesa) e Marino de Freitas (viola baixo).[11][5] Deste trabalho a canção "A Lua e o Corpo" seria escolhida para integrar a compilação Álbum Vermelho do Fado (2006), editada pela CNM,[13][14] e a compilação Fado Sempre! Ontem, Hoje e Amanhã comemorativa dos 150 anos de fado, editado pela Difference e iPlay e que reúne 80 fados interpretados por "nomes incontornáveis do panorama do fado".[15][16] Nota ainda para o tema "Rezando Pedi por Ti" que viria a ser integrado na compilação Fado Presente: A Nova Geração do Fado (2008) com chancela da Farol Música.[17]

Em 2005 Ricardo Ribeiro recebe o Prémio Amália, categoria Revelação Fadista, da Fundação Amália Rodrigues. Na secção feminina a distinguida seria Carminho.[18] A Casa da Imprensa atribui-lhe, durante a Grande Noite do Fado de 2005, o Troféu Revelação.[19][20]

Pisando outras artes, ainda em 2005, participa no filme "Rio Turvo" (2007) de Edgar Pêra onde interpreta um fado e uma canção de Fernando Girão.[2][4] No teatro, canta na peça "Cabelo Branco É Saudade", do encenador Ricardo Pais, ao lado de Celeste Rodrigues, Argentina Santos e Alcindo de Carvalho, no Teatro Nacional de São João.[21][22] O espectáculo passaria por outras importantes salas de espectáculo como a Cité de la musique de Paris, o Teatro de La Abadía de Madrid, a Casa de Ópera de Frankfurt (Opern und Schauspielhaus Frankfurt), o Teatro Mercadante de Nápoles ou a Casa da Música, no Porto.[2][4]

Ainda em 2006 interpreta uma versão fadista do Hino Nacional de Portugal, em apoio da selecção nacional de futebol, participante no Campeonato Mundial de Futebol desse ano, realizado na Alemanha.[23]

No ano seguinte Ricardo Ribeiro surge no filme documentário musical "Fados" (2007), de Carlos Saura. Ricardo Ribeiro participa numa cena final, onde se tenta "recriar a Tasca do Chico", ao Bairro Alto, cantando ao lado de Ana Sofia Varela, Carminho, Maria da Nazaré, Vicente da Câmara e Pedro Moutinho.[24][25][26] Esta cena serviria de base para um espectáculo, Casa de Fados, com estes artistas (excepto Carminho que seria substituída por Tânia Oleiro), estreado em Novembro, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.[27]

Na sequência dos concertos a Julho de 2007, no Teatro de São Luiz, em Lisboa e no Porto, no Teatro Nacional São João com o alaudista e compositor libanês Rabih Abou-Khalil, Ricardo é a voz do álbum Em Português do compositor e tocador de Oud, lançado em Maio de 2008 pela editora Enja Records. A letras originais são assinadas por Mário Rainho, Silva Tavares, José Luís Gordo, Tiago Torres da Silva, Rui Manuel e António Rocha. O disco foi eleito Top of the World Album atribuído pela revista inglesa Songlines.[2][4][28][29][30]

Em 2009, Ricardo Ribeiro participa no álbum Em Cantado de Rão Kyao, cantando dois temas "O Meu Amor" e "Fado do Alentejo".[31]

Em 2010 é editado o álbum "Porta do Coração", com selo EMI Music Portugal, produzido pelo Ricardo Ribeiro e pelos os dois músicos que o acompanhavam na altura Pedro Castro (guitarra portuguesa) e Jaime Santos (viola). No disco participaram ainda de José Luís Nobre Costa (guitarra portuguesa) e, aos 90 anos, Joel Pina (viola baixo). Dominado mais uma vez pelos fados tradicionais, entre os 15 temas apresentados, com poemas autores como de Maria de Lourdes Carvalho, Saudade dos Santos, Álvaro Duarte Simões, Carlos Conde ou Jorge Rosa, encontra-se um tema, de Fernando Girão, que não se pode fado.[32] O álbum, lançado em 19 de Abril, teve como single de apresentação "Moreninha da Travessa", com o teledisco a contar com realização do cineasta João Botelho.[33] O disco teve entrada directa para o quinto lugar do Top nacional de vendas, segundo a Associação Fonográfica Portuguesa (AFP).[34]

Estreia em Setembro o filme "Filme do Desassossego" (2010), de João Botelho, que inclui participação musical de Ricardo Ribeiro.[35]

Em 2011 Ricardo Ribeiro recebe o "Prémio de Melhor Intérprete" atribuído pela Fundação Amália Rodrigues.[36]

Estreia em Junho o documentário "O Rei Sem Coroa" (2011), de Diogo Varela Silva, sobre a vida e obra de Fernando Maurício, que inclui participação de Ricardo Ribeiro.[37]

Em 2012 Ricardo Ribeiro colabora no disco Rui Veloso E Amigos, num dueto em "Nunca Me Esqueci De Ti" com Rui Veloso.[38]

Em 2013 chega o disco Largo da Memória tendo como tema de apresentação "Destino Marcado".[39] Editado em 14 de Outubro, este trabalho conta com a participação do músico libanês Rabih Abou-Khalil e dos guitarristas Joel Pina, Ricardo Rocha, Pedro Caldeira Cabral e Pedro Jóia. Entre as assinaturas dos poemas encontramos nomes como Pedro Homem de Melo, David Mourão-Ferreira, Maria do Rosário Pedreira ou Hasan Ibn Al-Missîsi.[40] Com este álbum editado pela Parlaphone, Ricardo Ribeiro foi um dos quatro finalistas, na categoria de "Melhor Artista" da edição de 2015 dos prémios musicais da revista britânica Songlines.[41] Na compilação que assinala estes prémios, Songlines Music Awards 2015 (2015), podemos encontrar o tema "Entrega".[42]

Ainda em 2013 colabora em dueto no tema "Pontas Soltas" do disco "Fado É Amor" de Carlos do Carmo.[43][44]

A 27 de Janeiro de 2015, Ricardo Ribeiro foi feito Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.[45]

Em julho de 2015 é editada a compilação Amália – As Vozes do Fado, um homenagem a Amália Rodrigues idealizada pelo realizador luso-francês Ruben Alves, em que Ricardo Ribeiro canta em "Grito" e "Maria La Portuguesa", em também participa o espanhol Javier Limón.[46]

O álbum Hoje é Assim, Amanhã Não Sei é editado em 1 de Abril de 2016. Este trabalho, que foi apresentado na noite anterior na estreia do fadista, em nome próprio, no lisboeta Coliseu dos Recreios, conta com o acompanhamento de José Manuel Neto (guitarra portuguesa), Carlos Manuel Proença (viola) e Daniel Pinto (viola baixo), e ainda com convidados como o pianista João Paulo Esteves da Silva, o acordeonista Ricardo Dias, o trompetista Diogo Duque ou os guitarristas clássicos Artur Caldeira e Daniel Paredes. Entre as surpresas deste álbum podemos encontrar, ao lado de temas de fado tradicional, uma letra de Bernardim Ribeiro (1482-1552), um tema em francês de Paul Verlaine ou outro em castelhano de Luís Demétrio. Nota ainda para a participação do Grupo Coral Ganhões de Castro Verde num tema assinado por Paulo de Carvalho.[47] Como single de apresentação surge "Nos Dias de Hoje", com letra e música de Tozé Brito.[48]

Hoje é Assim, Amanhã Não Sei, produzido por Carlos Manuel Proença, voltaria colocar Ricardo Ribeiro nos nomeados, na categoria de "Melhor Artista", para os prémios musicais da revista britânica Songlines de 2017 e a merecer ser galardoado com o Prémio Carlos Paredes (2017), da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, ex aequo com o Projeto Michel Giacometti do Quarteto ARTEMSAX & Lino Guerreiro.[49]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

  • No Reino do Fado (1998, CD, Metro-Som)[carece de fontes?]
  • Ricardo Ribeiro (2004, CD, Companhia Nacional de Música)[11][12]
  • Porta do Coração (2010, CD, EMI)[50]
  • Largo da Memória (2013, CD, Parlophone)[40][41]
  • Hoje É Assim, Amanhã Não Sei (2016, CD, Warner Music)[47]

Participações[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Bandas sonoras[editar | editar código-fonte]

  • Fados (2007, CD, EMI/Capitol Records) no tema "Casa de Fados".[51][52]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • Fado, a Canção de Lisboa: Para uma História do Fado (2004, CD, EMI-Valentim de Carvalho / Corda Seca / Público) com o tema "Rosas e Harpejo".[6][7]
  • A Tribute To Amália Rodrigues (2004, CD, NL, World Connection) com o tema "Quando se Gosta de Alguém".[10][8]
  • Álbum Vermelho do Fado (2006, 2xCD, Companhia Nacional de Música) com o tema "A Lua e o Corpo".[13][14]
  • Fado Sempre! Ontem, Hoje e Amanhã (2008, 4xCD, Difference e iPlay) com o tema "A Lua e o Corpo".[15][16]
  • Fado Presente: A Nova Geração do Fado (2008, CD, Farol Música) com o tema "Rezando Pedi por Ti".[17]
  • Amália – As Vozes do Fado (2015, CD, Universal Music France) com os temas "Grito" e "Maria La Portuguesa"[46]
  • Songlines Music Awards 2015 (2015, CD, UK, Songlines) com o tema "Entrega"[42]

Referências

  1. IGAC/Ministério da Cultura (25 de julho de 2007). «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (PDF). Audiogest. Consultado em 17 de Janeiro de 2014. Arquivado do original (pdf) em 24 de dezembro de 2013 
  2. a b c d e f g h i j k l «Ricardo Ribeiro Fado». Indica erradamente "2006" como ano do Troféu Revelação da Casa da Imprensa. Palco Principal. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 6 de julho de 2008 
  3. a b c d e f «Ricardo Ribeiro (?)». Fado.com. Consultado em 5 de abril de 2009 [ligação inativa] 
  4. a b c d e f g h i j k l Museu do Fado. «Ricardo Ribeiro». Indica erradamente "2006" como ano do Troféu Revelação da Casa da Imprensa. Portal do Fado. Consultado em 5 de abril de 2009 
  5. a b Ah Fadista (28 de Janeiro de 2005). «Ricardo Ribeiro». Público. Consultado em 25 de outubro de 2018. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2005 
  6. a b «Catálogo - Detalhes do registo de "Fado, a Canção de Lisboa: Para uma História do Fado"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 5 de abril de 2009 
  7. a b «"Fado, A Canção de Lisboa" Amanhã com o Público». Público. 23 de Setembro de 2004. Consultado em 25 de outubro de 2018. Arquivado do original em 25 de setembro de 2004 
  8. a b c «A tribute to Amália Rodrigues». WorldCat. OCLC 859077603. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  9. Editora. «Various Artists - A Tribute to Amália Rodrigues». Editora World Connection. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 21 de setembro de 2007 
  10. a b ACT. «A tribute to Amália Rodrigues [sound recording]». ACT Public Library, Austrália. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 27 de novembro de 2012 
  11. a b c «Catálogo - Detalhes do registo de "Ricardo Ribeiro"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 5 de abril de 2009 
  12. a b Editora CNM. «Ricardo Ribeiro». Editora Companhia Nacional de Música. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 
  13. a b Editora CNM. «Álbum Vermelho do Fado 2CD». Editora Companhia Nacional de Música. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 
  14. a b «O álbum vermelho do fado». MusicBrainz. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  15. a b Editora CNM. «Álbum Vermelho do Fado 2CD». EditoraDifference. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  16. a b «Catálogo - Detalhes do registo de "Fado Sempre! Ontem, Hoje e Amanhã"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 5 de abril de 2009 
  17. a b «Catálogo - Detalhes do registo de "Fado presente : a nova geração do fado"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 5 de abril de 2009 
  18. DN (18 de outubro de 2005). «Prémios Amália entregues esta noite». Diário de Notícias. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  19. Agência Lusa (26 de novembro de 2005). «Troféus Casa da Imprensa». Correio da Manhã. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  20. CM (3 de dezembro de 2005). «Grande Noite do Fado hoje no Teatro S. Luiz». Correio da Manhã. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  21. «Ficha de Pessoa : Ricardo Ribeiro». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 27 de Abril de 2015. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  22. «Ficha de Espectáculo : Cabelo Branco É Saudade». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 8 de Maio de 2016. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  23. Elec3city. «Elec3city e Ricardo Ribeiro apoiam Selecção». Elec3city. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2009 
  24. CM (25 de março de 2005). «Fados de Carlos Saura em Cannes». Correio da Manhã. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  25. Fados (em inglês) no Internet Movie Database. Consultado em 12 de dezembro de 2012.
  26. «Catálogo - Detalhes do registo de "Fados"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 5 de abril de 2009 
  27. Agência Lusa (28 de novembro de 2008). «Espectáculo inspirado no filme "Fados" de Saura estreia amanhã em Lisboa». Público. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  28. a b Editora ER. «Rabih Abou-Khalil : Em Português». Editora Enja Records. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 12 de julho de 2008 
  29. a b «Catálogo - Detalhes do registo de "Em português"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 5 de abril de 2009 
  30. a b Agência Lusa (12 de agosto de 2008). «Álbum de Ricardo Ribeiro com Abou-Khalil considerado pela "Songlines" um dos dez melhores do mundo». Público. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  31. a b «Catálogo - Detalhes do registo de "Em' cantado"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  32. Agência Lusa (27 de abril de 2010). «"Porta do coração" de Ricardo Ribeiro no mercado». Harmúsica. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  33. Redação / CS (16 de abril de 2010). «Fadista Ricardo Ribeiro lança videoclip realizado por cineasta João Botelho». TVI24. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  34. CM (27 de abril de 2010). «Mão Morta põem 'pesadelo' no terceiro lugar do Top». Correio da Manhã. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  35. L.S. (24 de setembro de 2010). «Desassossego no cinema por todo o país». SapoMag. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  36. CM (25 de novembro de 2011). «Fim-de-semana cheio para o fado». Correio da Manhã. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  37. Agência Lusa (30 de maio de 2011). «Documentário sobre Fernando Maurício estreia quinta-feira na Festa do Fado». SIC Notícias. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  38. a b Redação (25 de Novembro de 2012). «Rui Veloso edita álbum de duetos com amigos». Lux. Consultado em 16 de setembro de 2016 
  39. «"Largo da Memoria" é o novo disco do fadista Ricardo Ribeiro». SIC Notícias. 17 de outubro de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2016 
  40. a b Agência Lusa, Redação (24 de setembro de 2013). «Novo disco de Ricardo Ribeiro chega às lojas a 14 de outubro». TVI24. Consultado em 16 de setembro de 2016 
  41. a b Agência Lusa (18 de março de 2015). «Ricardo Ribeiro e Neuza finalistas dos prémios da revista britânica Songlines». Correio da Manhã. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  42. a b «Songlines Music Awards 2015». WorldCat. OCLC 951476621. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  43. a b «Fado é amor». WorldCat. OCLC 971689890. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  44. a b Nuno Morais (26 de setembro de 2013). «Disco A1: Carlos do Carmo "Fado é Amor"». Antena 1 (RTP). Consultado em 25 de outubro de 2018 
  45. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de abril de 2015 
  46. a b Sara Otto Coelho (26 de abril de 2016). «"Amália – As Vozes do Fado". A homenagem com cabeça, tronco e membros». Observador. Consultado em 17 de julho de 2015 
  47. a b Editora ER (4 de março de 2016). «Novo CD do fadista Ricardo Ribeiro, "Hoje é assim, amanhã não sei", chega em abril». Agência Lusa. Consultado em 7 de abril de 2016. Arquivado do original em 21 de agosto de 2016 
  48. Filipa Estrela (26 de abril de 2016). ««Hoje é Assim, Amanhã Não Sei», diz Ricardo Ribeiro». Destak. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  49. Agência Lusa (2 de outubro de 2017). «Fadista Ricardo Ribeiro e Quarteto ARTEMSAX & Lino Guerreiro vencem Prémio Carlos Paredes». Diário de Notícias. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  50. «Catálogo - Detalhes do registo de "Porta do Coração"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  51. «Fados : Carlos Saura». CD Go. Consultado em 5 de abril de 2009. Arquivado do original em 22 de julho de 2012 
  52. «Fados by Carlos Saura : the original soundtrack». WorldCat. OCLC 244493650. Consultado em 25 de outubro de 2018 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Guitarra e Viola Douradas.png Ricardo Ribeiro venceu a Grande Noite do Fado 1998 da Casa da Imprensa de Lisboa, na categoria de Seniores Masculinos
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.