Richard Cantillon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Richard Cantillon
Mercantilista
Nome completo Richard Cantillon
Data de nascimento: 1680s[1]
* Local: Reino da Irlanda
Data de falecimento 1734[2] (com cerca de 49 anos)
* Local: Londres, Grã-Bretanha
Principais interesses: Economia
Influenciado por: Jean Boisard  · Cícero  · Charles Davenant  · John Law  · Tito Lívio  · John Locke  · Antoine de Montchrestien  · William Petty  · Caio Plínio Segundo  · Edmond Halley  · Isaac Newton  · Caio Plínio Cecílio Segundo  · Antonio Serra  · Sébastien Le Prestre de Vauban[3]
Influências: Mirabeau  · Jean-Baptiste Say  · Adam Smith  · Anne Turgot  · François Quesnay
Portal Filosofia

Richard Cantillon (década de 1680 - maio de 1734) foi um economista franco-irlandês e autor de Essai sur la Nature du Commerce en Général (Ensaio sobre a Natureza do Comércio em Geral), um livro considerado por William Stanley Jevons como o "berço da economia política".[4] Apesar da pouca informação existente sobre a vida de Cantillon, sabe-se que ele tornou-se um banqueiro e mercador de sucesso em sua juventude. Seu sucesso derivou em grande parte das conexões políticas e empresariais que ele formou através de sua família e através de seu ex-empregador, James Brydges. Durante o final da década de 1710 e o começo da década de 1720, Cantillon especulou e mais tarde ajudou a fundar a Mississippi Company de John Law, com a qual ele obteve grande riqueza. No entanto, seu sucesso veio à custa de seus devedores, que o perseguiam com processos, acusações criminais e planos de assassinato até sua morte em 1734.

Essai permanece como a única contribuição existente de Cantillon para a economia. Ele foi escrito por volta de 1730 e circulou amplamente na forma de manuscrito, não sendo publicado até 1755. Apesar de ter tido muita influência no desenvolvimento inicial das escolas clássica e fisiocrata de pensamento, Essai foi deixado de lado até sua redescoberta por Jevons no final do século 19.[5] Cantillon foi influenciado por suas experiências como um banqueiro e especialmente pela bolha especulativa da Mississippi Company de John Law. Ele também foi muito influenficado por economistas anteriores, especialmente por William Petty.

Essai é considerado o primeiro tratado completo sobre economia, com inúmeras contribuições para a ciência. Essas contribuições incluem: sua metodologia causa e efeito, teorias monetárias, sua concepção de empreendedor como tomador de risco e o desenvolvimento da economia espacial. O Essai de Cantillon teve uma influência significativa do desenvolvimento inicial da economia política, incluindo as obras de Adam Smith, Anne Turgot e François Quesnay.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Embora os detalhes sobre a vida de Richard Cantillon sejam escassos,[6] sabe-se que ele nasceu durante a década de 1680, em Condado de Kerry, Irlanda.[1] Ele era o filho do proprietário de terras Richard Cantillon de Ballyheigue.[7] Por volta de meados da primeira década do século 18, Cantillon se mudou para a França, onde ele obteve cidadania francesa.[8] Em 1711, Cantillon foi nomeado pelo Paymaster General James Brydges, na Espanha, onde ele organizou pagamentos para os prisioneiros de guerra britânicos durante a Guerra da Sucessão Espanhola.[9] Cantillon permaneceu na Espanha até 1714, cultivando um grande número de conexões empresariais e políticas, antes de retornar para Paris.[10] Cantillon então passou a se envolver com a indústria bancária trabalhando para um primo, que na época era um correspondente do ramo parisiense de um banco familiar.[11] Dois anos mais tarde, graças em grande parte ao apoio financeiro de James Brydges, Cantillon comprou a parte de seu primo e obteve a propriedade do banco.[12] Dadas as conexões financeiras e políticas que Cantillon foi capaz de obter através de sua família[13] e de James Brydges, Cantillon provou ser um banqueiro de sucesso, especializando-se em transferências de dinheiro entre Paris e Londres.[14]

Nessa época, Cantillon passou a se envolver com o mercantilista inglês John Law, através da Mississippi Company.[15] Baseado na teoria monetária proposta por William Potter em seu tratado de 1650, The Key of Wealth,[16] John Law afirmou que os aumentos da oferta monetária levariam ao emprego de terra e trabalho não utilizados, levando a uma maior produtividade.[17] Em 1716, o governo francês lhe garantiu permissão para fundar o Banque Générale e um monopólio virtual sobre o direito de desenvolver territórios franceses na América do Norte, criando a Mississippi Company. Em troca, Law prometeu ao governo francês financiar sua dívida a taxas baixas de juros.[18] Law começou uma bolha financeira especulativa ao vender ações da Mississippi Company, usando o monopólio virtual do Banque Générale a fim de emitir notas bancárias para financiar seus investidores.[19]

Richard Cantillon acumulou uma grande fortuna a partir de sua especulação, comprando as ações da Mississippi Company no início e as vendendo a preços inflacionados.[20] O sucesso financeiro e a influência crescente de Cantillon causaram atrito em seu relacionamento com John Law, e algum tempo depois Law ameaçou prender Cantillon se ele não deixasse a França dentro de vinte e quatro horas.[21] Cantillon respondeu: "Eu não vou embora, mas vou fazer seu sistema ter sucesso".[21] Ao final, em 1718, Law, Cantillon e o rico especulador Joseph Gage formaram uma companhia privada voltada ao financiamento da especulação nos imóveis da América do Norte.[22]

Em 1719, Cantillon deixou Paris e foi para Amsterdão, retornando brevemente no começo de 1720. Realizando empréstimos em Paris, Cantillon tinha dívidas sendo quitadas em Londres e Amsterdã.[23] Com o colapso da "bolha de Mississippi", Cantillon foi capaz de exigir altas taxas de juros.[24] A maior parte de seus devedores tinham sofrido prejuízos financeiros no colapso da bolha e culpavam Cantillon até sua morte. Cantillon envolveu-se em incontáveis processos movidos por seus devedores, levando a um grande número de planos de assassinatos e acusações criminais.[25]

Em 16 de fevereiro de 1722, Cantillon casou-se com Mary Mahony, filha do Conde Daniel O'Mahony - um rico mercador e ex-general irlandês - passando grande parte do restante da década de 1720 viajando pela Europa com sua esposa.[26] Cantillon e Mary tiveram dois filhos, um menino que morreu precocemente e uma filha, Henrietta, que mais tarde se casaria com William Howard, o Barão Stafford, em 1743.[27] Embora ele frequentemente retornasse a Paris entre 1729 e 1733, sua residência permanente situava-se em Londres.[28] Em maio de 1734, sua residência em Londres sofreu um incêndio devastador, e presume-se que Cantillon morreu no fogo.[2] Apesar das causas do incêndio serem desconhecidas, a teoria mais aceita é de que Cantillon foi assassinado.[29] Um dos biógrafos de Cantillon, Antoine Murphy, desenvolveu a teoria alternativa de que Cantillon forjou sua própria morte para escapar do assédio de seus devedores, surgindo em Suriname sob o nome de Chevalier de Louvigny.[30]

Contribuições para a economia[editar | editar código-fonte]

Apesar de haver evidência de que Richard Cantillon escreveu uma grande variedade de manuscritos, apenas seu Essai Sur La Nature Du Commerce En Général (abreviado como Essai) sobrevive.[31] Escrito em 1730,[32] ele foi publicado na França em 1755,[33] e foi traduzido para o inglês por Henry Higgs em 1932.[34] Embora haja evidência que sugere que o Essai teve tremenda influência no desenvolvimento inicial da ciência econômica, o tratado de Cantillon foi amplamente negligenciado durante o século 19.[5] Nofinal do século 19, ele foi "redescoberto" por William Stanley Jevons, que o considerou o "berço da economia política".[4] Desde então, o Essai de Cantillon recebeu atenção crescente, graças em grande parte a Henry Higgs, Joseph Schumpeter,[35] Friedrich Hayek[36] e Murray Rothbard,[37] sendo que todos eles escreveram sobre o assunto. O Essai é considerado o primeiro tratado completo sobre teoria econômica,[38] e Cantillon foi chamado de "pai da economia empresarial".[39]

William Petty é considerado uma das grandes influências de Richard Cantillon.[40]

Uma das grandes influências sobre os escritos de Cantillon foi o economista inglês William Petty e seu tratado de 1662, Tratado sobre Impostos.[41] Embora Petty tenha fornecido grande parte da estrutura do Essai de Cantillon,[40] Anthony Brewer argumenta que a influência de Petty foi exagerada.[42] Além de Petty, outras possíveis influências de Cantillon incluem John Locke,[43] Cícero, Tito Lívio, Caio Plínio Segundo, Caio Plínio Cecílio Segundo, Charles Davenant, Edmond Halley, Isaac Newton, Sébastien Le Prestre de Vauban, e Jean Boisard.[3] O envolvimento de Cantillon na bolha especulativa de John Law provou-se inestimável e provavelmente influenciou muito sua visão sobre a relação entre aumentos na oferta monetária, preço e produção.[44]

Metodologia[editar | editar código-fonte]

O Essai de Cantillon foi escrito usando uma metodologia causal distintiva, separando Cantillon de seus antecessores mercantilistas.[45] O Essai é temperado com a palavra "natural", que no caso do tratado de Cantillon tenta implicar uma relação de causa e efeito entre as ações econômicas e os fenômenos.[46] O economista Murray Rothbard credita Cantillon como sendo um dos primeiros teóricos a isolar o fenômeno econômico com modelos simples, onde, de outra forma, variáveis incontroláveis podem ser fixadas.[47] O economista Jörg Guido Hülsmann compara alguns dos modelo apresentados em Essai, que assume um equilíbrio constante, ao conceito de Ludwig von Mises de "economia uniformemente rotativa".[48] Cantillon faz uso frequente do conceito de ceteris paribus por todo o Essai, em uma tentativa de neutralizar variáveis independentes.[49] Além disso, ele é creditado pelo emprego de uma metodologia semelhante ao individualismo metodológico de Carl Menger,[50] ao deduzir fenômenos complexos a partir de simples observações.[51]

Uma metodologia causa e efeito levou a uma abordagem à ciência econômica relativamente livre de valores, na qual Cantillon não estava interessado no mérito de qualquer ação ou fenômeno econômico particular, focando mas na explicação das relações.[52] Isto levou Cantillon a separar a ciência econômica da política e da ética para um nível mais alto do que os escritores mercantilistas anteriores.[47] Isto levou a disputas sobre se Cantillon pode ser considerado com justiça um mercantilista ou um dos primeiros anti-mercantilistas,[53] dado que Cantillon muitas vezes citou os excedentes comerciais e a acumulação de moeda como um estímulo econômico positivo.[54] Outros argumentam que pena-se que nos casos em que Cantillon apoiou certas políticas mercantilistas, ele na verdade forneceu uma análise mais neutra ao explicitamente definir limitações possíveis nas políticas mercantilistas.[55]

Teoria monetária[editar | editar código-fonte]

As diferenças entre os mercantilistas anteriores e Cantillon surgem cedo no Essai, a respeito das origens da riqueza e a formação de preços no mercado.[56] Cantillon distingue a riqueza do dinheiro, considerando a riqueza ela própria "nada além da comida, conveniências e prazeres da vida".[57] Embora Cantillon defendesse uma teoria "intrínseca" do valor, baseada nos insumos da terra e trabalho (custo de produção),[58] considera-se que ele tratou de uma teoria subjetiva do valor.[59] Cantillon defendia que os preços de mercado não são decididos imediatamente pelo valor intrínseco, mas são derivadas da oferta e demanda.[60] Acreditando que os preços de mercados tendem ao valor intrínseco de um bem, Cantillon pode ter originado o princípio da uniformidade-de-lucro - mudanças no preço de mercado de um bem podem levar a mudanças na oferta, refletindo um aumento ou queda no lucro.[61]

Modelo do fluxo circular de Cantillon[62]

No Essai, Richard Cantillon forneceu uma versão melhorada da teoria quantitativa da moeda de John Locke, focando na inflação relativa e na velocidade da moeda.[63] Cantillon sugeriu que a inflação ocorria gradativamente e que a nova oferta de moeda tinha um efeito localizado na inflação, efetivamente originando o conceito de moeda não-neutra.[64] Além disso, ele afirmou que os destinatários originais da nova moeda gozam de padrões de vida mais altos à custa dos indivíduos posteriores.[65] O conceito de inflação relativa, ou um aumento desproporcional nos preços dos diferentes bens em uma economia, é hoje conhecida como Efeito Cantillon.[66] Cantillon também considerou que as mudanças na velocidade da moeda (quantidade de trocas feitas durante um período específico de tempo) influenciam os preços, embora não no mesmo nível que as mudanças na quantidade de moeda.[67] Como ele acreditava que a oferta de moeda consistia apenas de dinheiro em espécie, ele admitiu que os aumentos nos substitutivos da moeda - ou notas bancárias - poderiam afetar os preços ao efetivamente aumentar a velocidade de circulação do dinheiro depositado.[68] Além de distinguir a moeda dos substitutos de moeda, ele também distinguiu as notas bancárias oferecidas como representativas dos depósitos em espécie das notas bancárias circulando além da quantidade em espécie - ou meio fiduciário - sugerindo que o volume de meio fiduciário é estritamente limitado pela confiança das pessoas em seu resgate.[69] Ele considerou o meio fiduciário uma ferramenta útil para diminuir a pressão negativa que a acumulação do dinheiro em espécie tem sobre a velocidade da moeda.[70]

Abordando a crença mercantilista de que a intervenção monetária poderia causar uma balança comercial perpetuamente favorável, Cantillon desenvolveu um mecanismo de fluxo de espécie, antecipando as futuras teorias de equilíbrio monetário internacional.[71] Ele sugeriu que em países com uma grande quantidade de moeda em circulação, os preços irão aumentar e então tornar-se-ão menos competitivos em relação aos países onde há uma relativa escassez de moeda.[72] Assim, Cantillon também defendia que aumentos na oferta de moeda, independente da fonte, causam aumentos no nível de preços e então reduzem a competitividade da indústria de uma nação em particular em relação a uma nação com preços menores.[73] Entretanto, Cantillon não acreditava que os mercados internacionais tendiam ao equilíbrio e, ao invés disso, sugeriu o governo acumula moeda em espécie para evitar o aumento de preços e a queda da competitividade.[71] Além disso, ele sugeriu que um balanço comercial favorável pode ser mantido oferecendo um melhor produto e mantendo a competitividade qualitativa.[74] A preferência de Cantillon por uma balança comercial favorável possivelmente se originou da crença mercantilista de o comércio ser um jogo de soma-zero, no qual uma parte ganha às custas de outra.[75]

Uma teoria relativamente avançada sobre juros também é apresentada.[76] Cantillon acreditava que os juros originam da necessidade dos tomadores de capital e do medo de perda dos emprestadores, o que significa que os tomadores têm de recompensar os emprestadores pelo risco da possível insolvência do devedor.[77] Por sua vez, os juros são pagos pelos lucros obtidos do retorno do capital investido.[78] Embora anteriormente acreditava-se que a taxa de juros variava inversamente à quantidade de moeda, Cantillon afirmou que a taxa de juros era determinada pela oferta e demanda no mercado de fundos emprestáveis[79] - uma visão normalmente atribuída ao filósofo escocês David Hume.[80] Assim, embora o dinheiro economizado impactasse a taxa de juros, a nova moeda que é usada para o consumo não impacta. A teoria sobre os juros de Cantillon é, então, semelhante à teoria da preferência pela liquidez de John Maynard Keynes.[81]

Outras contribuições[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente é Jean-Baptiste Say que é creditado por cunhar a palavra e avançar no conceito de empreendedor, mas na verdade foi Cantillon quem primeiro introduziu o termo em Essai.[82] Cantillon dividiu a sociedade em duas principais classes: recebedores de salários fixos e recebedores de renda não-fixa.[83] Os empreendedores, de acordo com Cantillon, não são recebedores de renda não-fixa que pagam custos de produção conhecidos, mas sim ganham rendas incertas,[84] devido à natureza especulativa de favorecer uma demanda desconhecida por seu produto.[85] Cantillon, embora tenha fornecido os fundamentos, não desenvolveu uma teoria dedicada para a incerteza - o tópico não foi revisto até o século 20, por Ludwig von Mises, Frank Knight, e John Maynard Keynes, dentre outros.[86] Além disso, ao contrário de teorias posteriores sobre empreendedorismo que viam o empreendedor como um força destrutiva, Cantillon antecipou a crença de que o empreendedor trouxe equilíbrio para um mercado ao prever corretamente as preferências do consumidor.[87]

A economia espacial lida com distâncias e áreas, e como elas podem afetar um mercado através de custos de transporte e limitações geográficas. O desenvolvimento da economia espacial é normalmente atribuída ao economista alemão Johann Heinrich von Thünen. No entanto, Cantillon abordou a economia espacial quase um século antes.[88] Cantillon integrou seus avanços na teoria econômica espacial em sua análise microeconômica do mercado, descrevendo como os custos de transporte influenciam a locação de fatores, mercados e centros populacionais - isto é, os indivíduos esforçam-se para reduzir os custos de transporte.[89] Conclusões na economia espacial foram derivadas de três premissas: custo de matérias-primas de igual qualidade será sempre mais alto perto da capital, devido aos custos de transporte; os custos de transporte variam do tipo de transporte (por exemplo, transporte aquático era considerado mais barato que o transporte por terra); e bens maiores que são mais difíceis de transportar serão sempre mais baratos perto de sua área de produção.[90] Por exemplo, Cantillon acreditava que os mercados foram projetados como eram a fim de diminuir os custos tanto dos comerciantes quanto dos moradores em termos de tempo e transporte.[91] De forma semelhante, Cantillon afirmou que as localidades das cidades eram resultado em grande parte da riqueza dos proprietários de terra e sua capacidade de pagar os custos de transporte - os proprietários mais ricos tendiam a viver mais longe de suas propriedades, pois eles poderiam pagar os custos de transporte.[92] No Essai, a teoria econômica espacial foi usada para derivar por que os mercados ocupavam uma região geográfica que eles ocupavam e por que os custos variavam nos diferentes mercados.[93]

Capa da edição do Ludwig von Mises Institute do Essai de Cantillon

Além das teorias sobre empreendedorismo e economia espacial, Cantillon também forneceu uma teoria dedicada ao crescimento populacional. Ao contrário de William Petty, que acreditava que sempre há uma quantidade considerável de terra não usada e oportunidade econômica para apoiar o crescimento econômico, Cantillon teorizou que a população cresce apenas enquanto houver oportunidades econômicas.[94] Mais especificamente, Cantillon citou três variáveis determinantes para o tamanho da população: recursos naturais, tecnologia e cultura.[95] Portanto, as populações crescem apenas quando as três variáveis mencionadas permitem.[96] Além disso, a teoria populacional de Cantillon era mais moderna que aquela de Malthus, no sentido de que Cantillon reconheceu uma categoria muito mais ampla de fatores que afetam o crescimento da população, incluindo a tendência do crescimento populacional cair a zero na medida em que a sociedade torna-se mais industrializada.[97]

Influência[editar | editar código-fonte]

Embora o Essai não tenha sido publicado até 1755 como resultado de uma pesada censura na França, ele circulou livremente na forma de manuscrito não publicado entre a sua conclusão e sua publicação.[98] Ele notavelmente influenciou muitos precursores diretos da escola clássica de pensamento, incluindo Anne Robert Jacques Turgot e outros fisiocratas.[99] Cantillon exerceu uma grande influência no fisiocrata François Quesnay, que pode ter aprendido com a obra de Cantillon através de Victor Riqueti de Mirabeau.[100] Embora seja evidente que o Essai influenciou Quesnay, ainda permanece controverso a qual nível. Há evidência que Quesnay não entendeu completamente, ou não estava completamente ciente, as teorias de Cantillon.[101] Muitas das crenças econômicas de Quesnay foram elucidadas previamente no Essai,[102] mas Quesnay não rejeitou várias premissas de Cantillon, incluindo a escassez da terra e a teoria populacional de Cantillon.[103] Além disso, Quesnay reconheceu a escassez de capital e a acumulação de capital como um pré-requisito para o investimento.[101] No entanto, Cantillon foi considerado o "pai da fisiocracia" por Henry Higgs, devido a sua influência sobre Quesnay.[104] É também possível que Cantillon influenciou o economista escocês James Denham-Steuart, tanto diretamente quanto indiretamente.[105]

Cantillon é um dos poucos economistas citados por Adam Smith, que tomou emprestado diretamente a teoria dos salários.[106] Grandes partes da teoria econômica de Smith foram diretamente influenciadas por Cantillon, embora em muitos aspectos Adam Smith avançou muito além do escopo de Cantillon.[107] Alguns historiadores econômicos afirmaram que Adam Smith forneceu pouco do valor de seu próprio intelecto, notavelmente Schumpeter[108] e Rothbard.[109] Em qualquer caso, através de sua influência sobre Adam Smith e os fisiocratas, Cantillon foi possivelmente o economista pré-clássico que mais contribuiu com as ideias da escola clássica.[110] Um exemplo disso foi a influência de Cantillon sobre Say, que é observável na metodologia empregada em Treatise on Political Economy.[111]

Referências

  1. a b Brewer 1992, p. 2; As notas de Brewer sugeriram datas de nascimento, mas coloca grande peso na validade da estimativa de Antoine Murphy, "Murphy acha que Cantillon provavelmente nasceu na década de 1680, em Ballyronan, no Condado de Kerry, Irlanda. Walsh diz que ele nasceu em 1697 (que é difícil de encaixar com o fato de que ele estava em uma posição de responsabilidade em 1711)". Spengler August 1954, p. 283; Spengler cita Hone e menciona a mesma incerteza sobre a data de nascimento de Cantillon, "Ele nasceu na Irlanda, em março de 1697, de acordo com Hone, e de sete a dezessete anos mais cedo, de acordo com outros".
  2. a b Rothbard 1995, p. 347; Hayek 1991, p. 246; Higgs 1891, p. 290
  3. a b Higgs 1892, p. 437
  4. a b Jevons 1881, p. 342; Jevons escreve que "O ensaio de Cantillon é, mas enfaticamente do que qualquer outra obra, 'o berço da economia política'." Cantillon 2010, p. 15; Os editores Mark Thornton e Chantal Saucier escrevem que "A influência do manuscrito de Cantillon foi desconhecida e o livro foi tão negligenciado que William Stanley Jevons disse tê-lo "redescoberto" no final do século 19".
  5. a b Cantillon 2010, p. 15
  6. Spengler August 1954, p. 283; Spengler escreve, "Grande parte da vida de Richard Cantillon, autor de Essai, permanece envolvida em mistério".
  7. Higgs 1891, p. 270; Higgs cita a conhecida Heraldic Illustrations, 1845, plate 51, de Burke.
  8. Brewer 1992, p. 2; Higgs 1891, pp. 271–272
  9. Brewer 1992, p. 2
  10. Finegold Setembro de 2010; "O General de Pagamentos James Brydges era um homem muito rico com muita influência, que permitiu Cantillon formar conexões políticas e empresariais antes de retornar para a França em 1714".
  11. Brewer 1992, p. 4; Finegold Setembro de 2010; Rothbard 1995, p. 345
  12. Brewer 1992, p. 4; Finegold September 2010
  13. Rothbard 1995, p. 345; Rothbard escreve, "Além disso, o tio da mãe de Richard, Sir Daniel Arthur, foi um banqueiro proeminente de Londres e Paris..."
  14. Brewer 1992, pp. 4–5
  15. Rothbard 1995, pp. 345–346; Brewer 1992, p. 5
  16. Potter, William (1650). The Key of Wealth. Johnson Reprint Corp.
  17. Rothbard 1995, pp. 327–330; Finegold Setembro de 2010
  18. Brewer 1992, pp. 5–6; Finegold Setembro de 2010
  19. Brewer 1992, p. 6; Finegold Setembro de 2010; Rothbard 1995, pp. 329, 345–346
  20. Brewer 1992, p. 6; Brewer escreve, "Ele foi introduzido a Law no início... Mais importante, ele comprou ações no começo e as vendeu com um grande lucro, pensando que o esquema era infundado e fadado ao fracasso". Brewer também nota que Cantillon estava agindo como o banqueiro pessoal de John Law na época.
  21. a b Higgs 1891, 276; A resposta de Cantillon, segundo Higgs, que registra Law como se segue: "Seu grande crédito durante a Regência aumentou a inveja de John Law, que usava uma linguagem direta com ele: 'Eu posso lhe enviar para a Bastilha à noite se você não me der sua palavra que deixará o reino em vinte e quatro horas!'"
  22. Finegold Setembro de 2010; Rothbard 1995, p. 346
  23. Brewer 1992, p. 7; Brewer sugere que Cantillon guardou sua riqueza em Londres para evitar as altas taxas francesas que recaíam sobre aqueles que lucravam com a bolha especulativa. Hyse 1971, p. 815; Hyse escreve que os lucros era remetidos tanto para Londres como para Amsterdã, "Os registros ingleses indicam que Cantillon remetia seus lucros especulativos de Paris para Amsterdã e Londres".
  24. Rothbard 1995, p. 346; Rothbard nota que essas altas taxas de juros incorporaram um adicional pela inflação.
  25. Brewer 1992, pp. 7–8; Rothbard 1995, pp. 346–347
  26. Higgs 1891, pp. 282–283; Rothbard 1995, pp. 346–347
  27. Higgs 1871, pp. 282, 288
  28. Higgs 1891, p. 286; Spengler Agosto de 1954, p. 284
  29. Brewer 1992, p. 8
  30. Brewer 1992, p. 8; Brewer reafirma o argumento de Murphy, em que Murphy cita o fato de que o célebre Chevalier de Louvigny possuía um grande número de documentos relacionados a Cantillon.
  31. Brewer 1992, p. 9
  32. Cantillon 2010, p. 13; Na introdução da edição de 2010 do Essai do Ludwig von Mises Institute, Mark Thornton e Chantal Saucier escrevem que "Baseado no próprio livro e outras evidências, nós agora estamos confiantes de que Cantillon completou o manuscrito em 1730". Brewer, p. 9
  33. Spengler Agosto de 1954, p. 61; O Essai foi publicado vinte e um ano depois da morte de Cantillon.
  34. Hone 1994, p. 96
  35. Schumpeter 1981, pp. 208–216
  36. Hayek 1991, pp. 245–294
  37. Rothbard 1995, pp. 345–362
  38. Jevons 1881, pp. 341–343; Jevons escreve que "O Essai é muito mais do que um mero ensaio ou mesmo uma coleção de ensaios desconexos como os de Hume. Ele é um tratado sistemático e conectado, tratando de forma concisa de quase todo o campo da economia, com a exceção da tributação". Rothbard 1995, p. 345; Cantillon 2010, p. 13; Brewer 1992, p. 11
  39. Cantillon 2010, p. 5
  40. a b Schumpeter 1954, p. 210; Schumpeter afirma que "O que Petty falhou em conseguir - mas para o que ele havia oferecido quase todas as ideias essenciais - foi conseguido pelo Essai de Cantillon".
  41. Jevons 1881, p. 343; Assim como Cantillon, Petty propôs que o valor de um objeto era o agregado de terra e trabalho envolvido em sua produção.
  42. Brewer 1992, p. 15; Brewer afirma que "Eu defendo que Cantillon se aproveitou de muito pouco de Petty, e que ele completamente refez o pouco do que se inspirou". Schumpeter 1954, p. 210; Schumpeter afirma que "É verdade, não foi algo ao estilo de um pupilo que a todo passo olha por trás dos ombros de seu mestre, mas sim ao estilo de um colega intelectual que avança com confiança de acordo com suas próprias ideias".
  43. Brewer 1992, p. 15
  44. Hyse 1971, p. 823
  45. Salerno 1985, p. 305
  46. Hayek 1991, pp. 259–260
  47. a b Rothbard 1995, p. 348
  48. Hülsmann 2002, p. 699
  49. Hayek 1991, pp. 260–261; Cantillon 2010, pp. 70–71; Um exemplo do uso de Cantillon do ceteris paribus pode ser encontrado no capítulo doze, parte um, do Essai, "A terra pertence aos proprietários mas seria inútil para eles se não fossem cultivadas. Quanto mais trabalho é empregado nela, mantendo as outras coisas iguais, maior é a produção..."
  50. Finegold June 2010; Carl Menger é considerado como a pessoa que forneceu a visão metodológica da escola austríaca que levaria ao desenvolvimento da praxeologia.
  51. Salerno 1985, p. 306
  52. Hayek 1991, p. 260
  53. Brewer 1988; Thornton Dezembro de 2007; Thornton 2007
  54. Brewer 1988, p. 447
  55. Thornton 2007, p. 4; Mark Thornton escreve que "Quando esse punhado de frases selecionadas é colocada no contexto histórico e textual apropriado, elas podem até mesmo assumir a possibilidade de serem argumentos contra o mercantilismo e e favor de uma economia de laissez faire".
  56. Finegold Setembro de 2010; Finegold escreve que "As visões de Cantillon sobre a origem da riqueza econômica também o colocaram a parte dos mercantilistas típicos que vieram antes dele".
  57. Cantillon 2010, p. 21; Os editores Mark Thornton e Chantal Saucier fornecem um sumário, afirmando que "Cantillon define a riqueza como os bens de consumo produzidos pela terra e trabalho. Isto contrastava com os mercantilistas que pensavam o dinheiro como riqueza".
  58. Rothbard 1995, pp. 349–350; Cantillon 2010, pp. 53–56
  59. Rothbard 1995, pp. 349–350; Cantillon 2010, pp. 55; Cantillon escreve que "Mas muitas vezes ocorre que muitas coisas, que na verdade têm um certo valor intrínseco, não são vendidas no mercado de acordo com aquele valor; isto dependerá dos desejos e das tendências do homem, e de seu consumo".
  60. Cantillon 2010, p. 119; "O preço da carne será determinado após alguma barganha, e um punhado de bife será valorado em prata [i.e., moeda] aproximadamente da mesma forma que todo bife oferecido à venda no mercado [i.e., oferta] está para toda a prata necessária para comprar o bufe [i.e., demanda]".
  61. Cantillon 2010, p. 119; Finegold Setembro de 2010; Tarascio 1985, p. 252
  62. Cantillon 2010, p. 66
  63. Cantillon 2010, p. 148; "O Sr. Locke estabelece como máxima fundamental que a quantidade de bens em proporção à quantidade de moeda é um regulador dos preços de mercado. Eu tentei elucidar esta ideia nos capítulos anteriores: ele viu claramente que a abundância de moeda torna tudo mais caro, mas ele não explicou como isto acontece. A grande dificuldade desta questão consiste em saber de que maneira e em que proporção o crescimento da moeda aumenta os preços das coisas".
  64. Rothbard 1995, p. 355
  65. Rothbard 1995, p. 356
  66. Cantillon 2010, p. 155; Bordo 1983, p. 242
  67. Cantillon 2010, pp. 147–148
  68. Bordo 1983, p. 237
  69. Spengler Outubro de 1954, pp. 414–415
  70. Cantillon 2010, pp. 227–230
  71. a b Rothbard 1995, p. 359
  72. Spengler, p. 418; Rothbard 1995, pp. 358–359
  73. Bordo 1983, p. 244
  74. Brewer 1992, p. 114
  75. Brewer 1992, pp. 117–118
  76. Hayek 1991, p. 265; Hayek nota que a teoria sobre juros de Cantillon foi negligenciada por Eugen von Böhm-Bawerk, que escreveu Capital and Interest como uma crítica das teorias de juros existentes a fim de criar a introdução para sua própria teoria da preferência-tempo dos juros. Isso ilustra a obscuridade do Essai de Cantillon para a economia antes de sua "redescoberta" por Jevons.
  77. Cantillon 2010, pp. 169–170
  78. Cantillon 2010, pp. 170–171
  79. Bordo 1983, p. 247; Brewer 1992, p. 91
  80. Hayek 1991, pp. 265–266
  81. Bordo 1983, pp. 247–248, 253
  82. Brewer 1992, p. 51; Anthony Brewer, no entanto, distingue entre o uso de Say e Cantillon do termo "empreendedor", notando que enquanto Cantillon via o empreendedor como um tomador de risco, Say considerava o empreendedor mais um "planejador".
  83. Rothbard 1995, p. 351; Hülsmann 2002, p. 698. Hülsmann argumenta que Cantillon dividiu a sociedade em quatro classes: políticos, proprietários de terra, empreendedores e recebedores de salário.
  84. Tarascio 1985, p. 251
  85. Cantillon 2010, p. 74; "Eles [empreendedores] pagam um preço fixo por eles no lugar em que são comprados, a fim de revender a um preço incerto... Esses empreendedores nunca sabem quão grande a demanda será na cidade..."
  86. Tarascio 1985, pp. 251–252
  87. Rothbard 1995, p. 352
  88. Hébert 1981, p. 71
  89. Rothbard 1995, p. 354
  90. Hébert 1981, p. 72
  91. Cantillon 2010, pp. 31–32
  92. Cantillon 2010, pp. 35–36
  93. Hébert 1981, p. 75
  94. Brewer 1992, p. 36; Brewer nota que a teoria de Cantillon sobre a população era quase idêntica à aquela de Malthus, que apresentou sua própria teoria décadas após a morte de Cantillon.
  95. Tarascio 1985, pp. 249–250
  96. Rothbard 1995, p. 353
  97. Tarascio 1985, pp. 250–251
  98. Rothbard 1995, p. 360
  99. Rothbard 1995, pp. 360–361
  100. Schumpeter 1954, pp. 209–210; Schumpeter escreve que "a grande obra de Cantillon saiu-se melhor tanto por causa de sua forma sistemática e didática quanto por causa da sorte de ganhar, muito antes de sua verdadeira publicação, a aprovação entusiástica e o apoio efetivo de dois homens influentes, Gournay e Mirabeau". Além disso, Schumpeter afirma que "Uma analogia pode ser útil: Cantillon estava para Quesnay, e Petty estava Cantillon, assim como Ricardo estava para Marx".
  101. a b Brewer 1992, p. 168; Brewer cita uma conversa entre Quesnay e Mirabeau, como narrado por este último.
  102. Brewer 1992, pp. 174–175
  103. Brewer 1992, pp. 159–175
  104. Higgs 1892, p. 454
  105. Brewer 1992, p. 175; Brewer cita a referência de Steuart a um tratado de Phillip Cantillon, que por sua vez foi baseado em grande no Essau, e as muitas semelhanças entre o Inquiry into the Principles of Political Oeconomy de Steuart e o Essai de Cantillon.
  106. Smith 2009, p. 45; "O sr. Cantillon parece supor que as menores espécies de trabalhadores comuns precisam, em qualquer lugar, ganhar pelo menos o dobro de seu próprio sustento, a fim de eles poderem cuidar de duas crianças".Cantillon 2010, pp. 59–65; Marx 2007, p. 608, n. 1
  107. Brewer 1992, pp. 192–193
  108. Schumpeter 1954, p. 179; Schumpeter afirmou que "Mas não importando o que ele realmente aprendeu ou fracassou em aprender de seus antecessores, o fato é que a Riqueza das Nações não contém uma única ideia, princípio ou método analítico que foi inteiramente novo em 1776".
  109. Rothbard 1995, p. 435; Rothbard escreveu que "O problema é que ele não originou nada que fosse verdadeiro, e tudo que ele originou era falso; mesmo em uma época que havia menos citações e notas de rodapé do que a nossa, Adam Smith foi um plagiador descarado, creditando pouco ou nada e roubando grandes pedaços , por exemplo, de Cantillon".
  110. Hayek 1991, p. 246
  111. Salerno 1985, p. 312

Bibliografia[editar | editar código-fonte]