Richard Dawkins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Richard Dawkins
Etólogo e biólogo evolutivo
Richard Dawkins em Nova Iorque, 2010
Dados gerais
Nome de nascimento Clinton Richard Dawkins
Nacionalidade Reino Unido britânico
Residência Oxford,
 Inglaterra
Nascimento 26 de março de 1941 (75 anos)
Local Nairóbi,
Flag of British East Africa.svg Colônia Britânica do Quênia
Cônjuge Marian Stamp Dawkins
(1967–1984)
Eve Barham (1984–?)
Lalla Ward (1992–2016)[1]
Atividade
Campo(s) Etólogo e biólogo evolutivo
Instituições Universidade da Califórnia em Berkeley
Universidade de Oxford
New College, Oxford
Alma mater Balliol College
Conhecido(a) por Publicar o O Gene Egoísta
Introduzir o conceito de meme
Defender o ateísmo, o racionalismo e o secularismo
Críticas à religião
Influência(s) Charles Darwin, Ronald Fisher, George C. Williams, W. D. Hamilton, Daniel Dennett, Bertrand Russell, Nikolaas Tinbergen, John Maynard Smith, Robert Trivers
Prêmio(s) Medalha de prata da Sociedade Zoológica de Londres (1989), Prêmio Michael Faraday (1990), Prêmio Internacional Cosmos (1997), Prêmio Kistler (2001)
Assinatura
Richard Dawkins signature.svg

Clinton Richard Dawkins FRS (Nairóbi, 26 de março de 1941) é um etólogo, biólogo evolutivo[2] e escritor britânico. É fellow emérito do New College, da Universidade de Oxford[3] e também foi Professor para a Compreensão Pública da Ciência, na mesma instituição, entre 1995 e 2008. Ademais, desde 2002, lidera a equipe de pesquisas da universidade.[4]

Dawkins ganhou destaque com o seu livro O Gene Egoísta, de 1976, que popularizou a visão da evolução centrada nos genes e introduziu o termo meme. Em 1982, ele introduziu à biologia evolutiva o influente conceito de que os efeitos fenotípicos de um gene não são necessariamente limitados ao corpo de um organismo, mas podem ampliar-se também ao meio ambiente, incluindo os corpos de outros organismos; este conceito é apresentado em seu livro O Fenótipo Estendido.[5]

Dawkins é ateu declarado, vice-presidente da Associação Humanista Britânica e defensor do movimento bright.[6] Ele é bem conhecido por suas críticas ao criacionismo e ao design inteligente. Em seu livro O Relojoeiro Cego, de 1986, critica a analogia do relojoeiro, um argumento para a existência de um criador sobrenatural baseado na complexidade dos organismos vivos. Em vez disso, ele descreve os processos evolutivos como análogos a um "relojoeiro cego".

Ele já escreveu vários livros de divulgação científica e faz aparições regulares na televisão e no rádio, principalmente para discutir esses temas. Em seu livro The God Delusion (Deus, um Delírio no Brasil e A Desilusão de Deus em Portugal), de 2006, Dawkins afirma que um criador sobrenatural quase certamente não existe e que a religiosa é uma ilusão — "uma crença falsa e fixa".[7] Até janeiro de 2010, a versão em inglês do livro havia vendido mais de dois milhões de cópias e havia sido traduzida para 31 idiomas.[8]

Biografia

Seu pai, Clinton John Dawkins (1915-2010),[9] era um funcionário civil agricultor do serviço colonial britânico na Niassalândia (o atual Malawi). Com o início da Segunda Guerra Mundial, John foi convocado a servir com o King's African Rifles no Quênia, para onde levou secretamente a esposa.[10][11] Richard Dawkins nasce em Nairobi em 1941.[12] Após o final da guerra, a família voltou à Niassalândia onde permaneceu até 1949, quando Dawkins tinha oito anos. John havia herdado de um primo distante uma propriedade rural na Inglaterra, a Over Norton Park, que mais tarde John transformou em uma fazenda comercial.[9] Dawkins tem uma irmã mais nova.[13]

Embora Dawkins tenha recebido uma educação religiosa, que ele que descreve como "uma criação anglicana normal",[14] seus pais eram entusiastas das ciências naturais e respondiam às suas perguntas em termos científicos, nunca míticos.[15] Ele seguiu a doutrina cristã e chegou a ser crismado. Na adolescência concluiu que a teoria da evolução é uma explicação melhor para a complexidade da vida e a partir de então deixou de acreditar em um deus.[13] Dawkins afirma: "eu creio que, naquela época, a principal razão residual para que eu fosse religioso era por ser tão impressionado pela complexidade da vida e pelo sentimento de que isso tinha de ter um criador, e eu acho que foi perceber que a explicação darwinista era muito superior que puxou o tapete do argumento do design. E isso me deixou sem nada".[13]

Entre 1954 e 1959, ele frequentou a Oundle School,[16] uma escola pública inglesa com notória tendência para a Igreja da Inglaterra,[17][18] Estudou zoologia no Balliol College, Oxford, graduando-se em 1962. Durante a graduação foi orientado pelo etólogo ganhador do Prêmio Nobel Nikolaas Tinbergen. Continuando sob a supervisão de Tinbergen, recebeu os graus de M.A. e Ph.D.[19] em 1966 e depois disso manteve-se como assistente de pesquisa por mais um ano.[12] Tinbergen foi pioneiro no estudo do comportamento animal, especialmente nas áreas de aprendizagem, instinto e escolha.[20] A pesquisa de Dawkins neste período concebia modelos sobre a tomada de decisões por animais.[21]

Richard Dawkins durante uma conferência em Reykjavík, Islândia, em 24 de junho de 2006.

De 1967 a 1969, foi professor assistente de zoologia na Universidade da Califórnia, em Berkeley, Estados Unidos. Durante este período, os alunos e professores da universidade eram, em sua maioria, contrários à Guerra do Vietnã, que estava em curso, e Dawkins envolveu-se profundamente nas manifestações e atividades antiguerra.[22] Ele voltou para a Universidade de Oxford em 1970, assumindo um cargo como professor. Em 1990, tornou-se um reader (grau acadêmico) em zoologia. No ano de 1995, foi nomeado para a Cátedra Simonyi para a Compreensão Pública da Ciência na Universidade de Oxford, uma posição que tinha sido criada por Charles Simonyi com a intenção expressa de que o premiado deveria "fazer importantes contribuições para a compreensão pública de algum campo científico".[23] Simonyi também expressou o desejo de que o primeiro titular da cátedra fosse Richard Dawkins.[24]

Desde 1970, é fellow do New College, de Oxford.[25] Ele fez uma série de palestras inaugurais e de outros tipos, incluindo a homenagem póstuma para Henry Sidgwick (1989), a primeira homenagem póstuma de Erasmus Darwin (1990), a palestra Michael Faraday (1991), a palestra em memória de T. H. Huxley (1992), a palestra em memória de Irvine (1997), a palestra Sheldon Doyle (1999), a palestra Tinbergen (2004) e as palestras Tanner (2003).[12] Em 1991, ministrou a Royal Institution Christmas Lectures (Conferência de natal da Royal Institution) na série Growing Up in the Universe. Ele também atuou como editor de várias revistas e tem atuado como consultor editorial para a Enciclopédia Encarta e Enciclopédia da Evolução. É editor sênior do Conselho para o Humanismo Secular da revista Free Inquiry, para a qual também escreve uma coluna. Também é membro do conselho editorial da revista Skeptic desde a sua fundação.[26]

Foi membro de comissões julgadoras de diversas premiações, como o Prêmio Michael Faraday, da Royal Society, e o British Academy Television Awards,[12] além de ter sido presidente da seção de Ciências Biológicas da Associação Britânica para o Avanço da Ciência. Em 2004, o Balliol College, instituiu o Prêmio Dawkins, concedido pela "excelente pesquisa sobre a ecologia e o comportamento dos animais cujo bem-estar e sobrevivência pode estar ameaçada pelas atividades humanas".[27] Em setembro de 2008, se aposentou de sua cátedra, anunciando planos de "escrever um livro destinado a jovens para avisá-los sobre os perigos de acreditar em contos de fadas 'anti-científicos'".[28]

Vida pessoal

Em 1967, casou-se com a etóloga Marian Stamp Dawkins.[29] Eles se divorciaram em 1984 e em junho do mesmo ano ele se casou com Eva Barham (19 de agosto 1951[30] – 28 fevereiro de 1999), com quem teve uma filha, Juliet Emma Dawkins, nascida em 1984, em Oxford.[30] Dawkins e Barham também se divorciaram.[31] Em 1992, ele se casou com a atriz Lalla Ward[31] que lhe foi apresentada por Douglas Adams, um amigo em comum, que havia trabalhado com ela na série Doctor Who, da BBC.[32] Em julho de 2016 o casal anunciou publicamente o fim do seu casamento de 24 anos, numa separação amigável, continuando a trabalhar em conjunto.[1]

Trabalho

Biologia evolutiva

Dawkins na Universidade do Texas em Austin, em março de 2008.

Em seus trabalhos científicos, Dawkins é mais conhecido por popularizar o gene como a principal unidade de seleção na evolução; este ponto de vista é mais claramente definido nos seus livros:[33]

Dawkins tem se posicionado de maneira consistentemente cética em relação aos processos não adaptativos de evolução (tais como os descritos por Gould e Lewontin)[34] e sobre a seleção em níveis "acima" do gene.[35] Ele é particularmente cético sobre a possibilidade prática ou a importância da seleção de grupo como uma base para o entendimento do altruísmo.[36] Este comportamento parece, à primeira vista, um paradoxo evolutivo, visto que ajudar outro indivíduo custa preciosos recursos e diminui a própria aptidão de cada ser vivo. Anteriormente, muitos interpretaram isso como um aspecto da seleção de grupo: os indivíduos estão fazendo o que é melhor para a sobrevivência da população ou da sua espécie como um todo. O biólogo evolucionista britânico W. D. Hamilton tinha usado a visão genecêntrica para explicar o altruísmo em termos de aptidão inclusiva e de seleção de parentesco — os indivíduos se comportam de forma altruísta para com os seus parentes próximos, que compartilham muitos de seus próprios genes.[37][a] Da mesma forma, Robert Trivers, pensando nos termos do modelo genecêntrico, desenvolveu a teoria do altruísmo recíproco, pelo qual um organismo fornece um benefício a outro, na expectativa de uma reciprocidade futura.[38] Dawkins popularizou essas ideias na obra O Gene Egoísta e desenvolveu-as em seu próprio trabalho.[39]

Ele também tem sido um crítico expressivo da teoria filosófica de Gaia, criada pelo cientista independente James Lovelock.[40][41][42]

Em junho de 2012 Dawkins criticou incisivamente o livro A Conquista Social da Terra, de 2012, de autoria do biólogo Edward Osborne Wilson.[43]

Críticos da abordagem de Dawkins sugerem que interpretar o gene como uma unidade de seleção (um único evento em que um indivíduo teve sucesso ou fracasso na reprodução) é enganoso; o gene poderia ser melhor descrito, dizem eles, como uma unidade de evolução (mudanças de longo prazo nas frequências alélicas em uma população).[44] Em O Gene Egoísta, Dawkins explica que usa a definição de George C. Williams do gene, que define como "aquilo que segrega e recombina com frequência apreciável".[45] Outra crítica comum é a de que um gene não pode sobreviver sozinho, já que tem de cooperar com outros genes para construir um indivíduo, e, por conseguinte, não pode ser uma "unidade" independente. Em O Fenótipo Estendido, Dawkins sugere que, do ponto de vista de um gene individual, todos os outros genes são parte do ambiente ao qual estão adaptados.[46]

Defensores dos níveis mais elevados de seleção (como Richard Lewontin, Sloan David Wilson e Elliott Sober) sugerem que há muitos fenômenos (incluindo o altruísmo) que a seleção centrada nos genes não pode explicar satisfatoriamente. A filósofa Mary Midgley, com quem Dawkins debateu através da imprensa sobre a obra O Gene Egoísta,[47][48] criticou a seleção genética, a memética e a sociobiologia como sendo excessivamente reducionistas;[49] ela sugeriu que a popularidade da obra de Dawkins ocorre devido a fatores no zeitgeist, como o aumento do individualismo nas décadas de Thatcher/Reagan.[50]

No conjunto de controvérsias sobre os mecanismos e interpretações da evolução (o que tem sido chamado de "As Guerras de Darwin"),[51][52] um grupo é defendido por Dawkins, enquanto o outro pelo paleontólogo norte-americano Stephen Jay Gould, refletindo a proeminência de cada um como um popularizador das ideias pertinentes sobre o assunto.[53][54] Dawkins e Gould têm sido comentaristas particularmente destacados na controvérsia sobre a psicologia evolutiva e a sociobiologia, com Dawkins geralmente aprovando e Gould sendo crítico em relação a esses temas.[55] Um exemplo típico da posição de Dawkins é a sua crítica mordaz a Not in Our Genes, obra de Steven Rose, J. Leon Kamin e C. Richard Lewontin.[56] Dois outros pensadores que muitas vezes são considerados aliados de Dawkins nessa questão são Steven Pinker e Daniel Dennett; Dennett tem promovido uma visão genecêntrica da evolução e defende o reducionismo na biologia.[57] Apesar de suas divergências acadêmicas, Dawkins e Gould não tinham uma relação pessoal hostil. Dawkins dedicou uma grande parte de seu livro O Capelão do Diabo a Gould, que havia falecido no ano anterior. O lançamento do livro de Dawkins O Maior Espetáculo da Terra - As Evidências da Evolução expõe as evidências da evolução biológica[58] e coincidiu com o ano do bicentenário de Charles Darwin.[59]

Meme

Ver artigo principal: Meme
Dawkins durante a leitura do seu livro The God Delusion, em 24 de junho de 2006.

Dawkins cunhou a palavra meme (o equivalente comportamental de gene), como forma de incentivar os leitores a pensar sobre como princípios darwinianos podem ser estendidos para além do domínio de genes.[60] Na verdade, o termo foi concebido como uma extensão de seu argumentos dos "replicadores", mas ganhou vida própria nas mãos de outros autores, como Daniel Dennett e Susan Blackmore. Estas popularizações então levaram ao surgimento da memética, um campo do qual Dawkins se distanciou.[61]

O termo meme de Dawkins se refere a qualquer entidade cultural que um observador pode considerar um replicador de uma certa ideia ou complexo de ideias. Ele criou a hipótese de que as pessoas poderiam ver muitas entidades culturais capazes de tal replicação, geralmente através de exposição aos seres humanos, que evoluíram copiadoras de informação e comportamento tão eficientes (embora não sejam perfeitas). Visto que os memes não são sempre copiados perfeitamente, eles podem se tornar refinados, combinados ou modificados com outras ideias; isso resulta em novos memes, o que pode fazer surgir replicadores mais ou menos eficientes do que os seus antecessores, proporcionando assim um quadro para uma hipótese da evolução cultural com base em memes, uma noção que é análoga à teoria da evolução biológica com base nos genes.[62]

Embora Dawkins tenha inventado o termo específico meme independentemente, ele não afirmou que a ideia em si era inteiramente nova[63] e já houve outras expressões de ideias semelhantes no passado. John Laurent, por exemplo, sugeriu que o termo pode ter sido derivado do trabalho do pouco conhecido biólogo alemão Richard Semon.[64] Em 1904, Semon publicou Die mneme (que teve sua versão em inglês em 1924, como The mneme). Este livro discute a transmissão cultural de experiências, com insights parecidos aos de Dawkins. Laurent também encontrou o termo mneme em The Life of the White Ant (1926), de Maurice Maeterlinck, e destacou as semelhanças com o conceito de Dawkins.[64] O autor James Gleick descreve o conceito de meme, criado por Dawkins, como a "sua invenção mais famosa e memorável, de longe mais influente do que seus genes egoístas ou mais recentemente do seu proselitismo contra a religiosidade".[65]

Fundação

Em 2006, criou a Fundação Richard Dawkins para a Razão e a Ciência (RDFRS), uma organização sem fins lucrativos. A fundação está em fase de desenvolvimento e foi considerada uma instituição filantrópica no Reino Unido e nos Estados Unidos. A RDFRS planeja financiar pesquisas sobre a psicologia da crença e da religião, financiar materiais e programas de educação científica e divulgar e apoiar entidades filantrópicas seculares. A fundação também oferece materiais humanistas, racionalistas e científicos através do seu site.[66]

Dawkins disse que a "tendência para o pensamento teocrático nos Estados Unidos é um perigo não só para a América, mas para todo o mundo". Pensando nisso, convidou o político e escritor norte-americano Sean Faircloth para palestrar na abertura da turnê literária de Dawkins pelos Estados Unidos em 2011. Faircloth é o autor do livro Attack of the Theocrats, How the Religious Right Harms Us All and What We Can Do About It. O ramo norte-americano da Fundação Richard Dawkins depois contratou Faircloth, que tem dez anos de experiência como deputado estadual do Maine, como Diretor de Estratégia e Política.[67]

Outros trabalhos

Dawkins palestrando na loja Kepler's Books, em Menlo Park, Califórnia, em 29 de outubro de 2006.

Em seu papel como professor para a compreensão pública da ciência, Dawkins tem sido crítico da pseudociência e da medicina alternativa. Seu livro Unweaving the Rainbow, de 1998, critica a acusação de John Keats de que, ao explicar o arco-íris, Isaac Newton diminuiu a beleza do fenômeno; Dawkins defende a conclusão oposta. Ele sugere que o espaço profundo, os bilhões de anos de evolução da vida e os trabalhos microscópicos da biologia e da hereditariedade contêm mais beleza e maravilhas do que criar "mitos" e "pseudociência".[68] Para o livro Snake Oil, publicado postumamente por John Diamond e dedicado a desmascarar a medicina alternativa, Dawkins escreveu um prefácio no qual afirma que a medicina alternativa é prejudicial porque distrai os pacientes dos tratamentos convencionais mais bem-sucedidos e dá às pessoas falsas esperanças.[69] Dawkins afirma que "não há medicina alternativa. Apenas há medicina que funciona e medicina que não funciona."[70]

Dawkins manifestou preocupação com o crescimento populacional humano no planeta e com a questão da superpopulação.[71] Em O Gene Egoísta, ele menciona brevemente o crescimento da população, dando o exemplo da América Latina, cuja população, no momento em que o livro foi escrito, estava dobrando a cada 40 anos. Ele é crítico das atitudes católicas em relação ao planejamento familiar e ao controle de natalidade, afirmando que os líderes que proíbem a contracepção e "expressam preferência por métodos 'naturais' de limitação da população" só obterão um método desses na forma de inanição.[72]

Como apoiador do Projeto dos Grandes Primatas — movimento que busca estender certos direitos morais e legais a todos os grandes primatas — Dawkins contribuiu com o artigo "Lacunas na Mente" para o livro Projeto dos Grandes Primatas, editado por Paola Cavalieri e Peter Singer. Neste ensaio, ele critica as atitudes morais da sociedade contemporânea como sendo baseadas em um "imperativo especista e descontínuo".[73]

Em The Enemies of Reason, um documentário para a televisão de 2007,[74] Dawkins discute o que interpreta como os perigos de abandonar o pensamento crítico e o raciocínio baseado em evidências científicas, enquanto cita especificamente a astrologia, o espiritismo, a radiestesia, as religiões alternativas, a medicina alternativa e a homeopatia. Também discute sobre como a internet pode ser usada para espalhar o ódio religioso e teorias da conspiração, com pouca atenção ao raciocínio lógico.

Dando continuidade a uma parceria de longa data com o Channel 4, Dawkins participou da série de televisão Genius of Britain, junto com os colegas cientistas Stephen Hawking, James Dyson, Paul Nurse e Jim Al-Khalili. A série de cinco episódios foi ao ar em junho de 2010 e centrou-se em grandes conquistas científicas britânicas ao longo da história.[75] Em um documentário do canal britânico More4 intitulado Faith School Menace? e apresentado por Dawkins, ele pede que "nós reconsideremos as consequências da educação religiosa".[76][77]

Ativismo

Visão política

Dawkins regularmente faz comentários em jornais e blogs sobre questões políticas contemporâneas; entre as suas opiniões estão a oposição à invasão do Iraque em 2003,[78] à dissuasão nuclear do Reino Unido e às ações do ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.[79] Vários desses artigos foram incluídos em O Capelão do Diabo, uma antologia de textos sobre ciência, religião e política. Ele também é defensor da campanha que busca a substituição da monarquia britânica pela implantação de uma república com um presidente democraticamente eleito.[80]

Dawkins descreveu a si mesmo como um eleitor do Partido Trabalhista na década de 1970[81] e eleitor dos Liberais Democratas desde a criação do partido, em 1988. Em 2009, criticou na conferência do partido as leis de blasfêmia, a medicina alternativa e as escolas religiosas. Nas eleições gerais no Reino Unido em 2010, apoiou oficialmente os Liberais Democratas, dando suporte à campanha do partido de reforma eleitoral e por sua "recusa em agradar a 'fé'".[82]

Crítica ao criacionismo

Dawkins é um proeminente crítico do criacionismo (a crença religiosa de que a humanidade, a vida e o universo foram criados por uma divindade[83] sem recorrer à evolução[84]). Ele descreveu o ponto de vista defendido pelo criacionismo da Terra Jovem, que diz que a Terra tem apenas alguns milhares de anos, como "um absurdo, uma falsidade encolhedora de mentes",[85] e seu livro O Relojoeiro Cego, de 1986, contém uma crítica sustentada contra o argumento do design, um importante argumento criacionista. No livro, Dawkins argumenta contra a analogia do relojoeiro feita pelo famoso teólogo inglês do século XVIII William Paley no livro Teologia Natural, onde Paley argumenta que, assim como um relógio é algo muito complexo e funcional para ter simplesmente surgido para a existência meramente por acidente, então todos os seres vivos — com a sua complexidade muito maior — também devem ter sido concebidos propositalmente. Dawkins parte da opinião generalizada entre os cientistas de que a seleção natural é um processo suficiente para explicar a funcionalidade aparente e a complexidade não aleatória do mundo biológico e que pode-se dizer que a própria natureza desempenha o papel de um "relojoeiro", ainda que seja um relojoeiro automático, não inteligente e cego.[86]

Dawkins na 34ª conferência anual da American Atheists, em 2008.

Em 1986, ele e o biólogo John Maynard Smith participaram de um debate da Oxford Union contra A. E. Wilder-Smith (um criacionista da Terra Jovem) e Edgar Andrews (presidente da Biblical Creation Society).[b] Geralmente, no entanto, Dawkins tem seguido o conselho de seu falecido colega Stephen Jay Gould e recusa-se a participar de debates formais com criacionistas, porque, segundo ele, "o que eles procuram é o oxigênio da respeitabilidade" e isso iria "dar-lhes o oxigênio pelo simples ato de se envolver com eles, por menos que seja". Ele diz que esses criacionistas "não se importam de serem derrotados em uma discussão. O que importa é que nós lhes damos o reconhecimento por nos preocuparmos em discutir com eles em público."[87]

Em uma entrevista de dezembro de 2004 concedida ao jornalista norte-americano Bill Moyers, Dawkins disse que "entre as coisas que a ciência não sabe, a evolução é tão certa quanto qualquer coisa que conhecemos." Quando Moyers o questionou sobre o uso da palavra teoria, Dawkins afirmou que "a evolução tem sido observada. Só que isso não tem sido observado enquanto está acontecendo," e acrescentou que "é um pouco como quando um detetive vai a uma cena de assassinato ... o detetive não viu realmente o assassinato acontecer, é claro. Mas o que você vê são várias pistas ... quantidades enormes de provas circunstanciais."[88]

Dawkins se opôs ferozmente à inclusão do design inteligente no ensino de ciências, dizendo que o tema "não é de forma alguma um argumento científico, mas religioso".[89] Ele tem sido chamado na mídia de "Rottweiler de Darwin",[90] uma referência ao biólogo inglês T. H. Huxley, que era conhecido como o "Buldogue de Darwin" por defender as ideias evolucionistas de Charles Darwin. Dawkins tem sido um forte crítico da organização britânica Truth in Science, que promove o ensino do criacionismo nas escolas públicas. Dawkins descreve esse procedimento como um "escândalo educacional",[91] e pretende subsidiar a entrega, para essas mesmas escolas, de livros, DVDs e panfletos a fim de neutralizar o trabalho daquela organização, através da Fundação Richard Dawkins para a Razão e a Ciência.

Apoio ao ateísmo

Dawkins durante um protesto contra a visita do Papa ao Reino Unido em 2010.

Dawkins é ateu declarado[93][94] e defensor de várias organizações humanistas, seculares e ateias.[12][95][96][97][98][99][100] Embora tenha sido crismado na Igreja da Inglaterra aos 13 anos de idade, ele começou a perder a fé religiosa quando descobriu o trabalho de Charles Darwin.[101] Dawkins considera si mesmo como um "cristão cultural", já que reconhece a importância histórica do cristianismo no Reino Unido.[102] Ele revelou que a sua compreensão da evolução o levou ao ateísmo[103] e o deixou intrigado com a crença em Deus entre os indivíduos mais proeminentes da ciência.[104] Ele discorda do princípio de Stephen Jay Gould de magistérios não-interferentes[105] e considera a existência de Deus apenas uma hipótese científica como outra qualquer.[106]

Dawkins tornou-se um proeminente crítico da religião e declarou que a sua oposição ao tema é dupla: a religião é uma fonte de conflito e uma justificativa para a crença sem evidência.[107] Ele considera a fé/crença que não é baseada em evidências como um dos grandes males do mundo.[108] Ele ganhou destaque nos debates públicos relativos a ciência e a religião, depois que seu livro The God Delusion, publicado em 2006, se tornou um best-seller internacional.[109] Seu sucesso tem sido visto por muitos como um indicativo de uma mudança no zeitgeist cultural contemporâneo e também foi identificado com a ascensão do Novo Ateísmo.[110]

Dawkins vê a educação e a conscientização como as principais ferramentas contra o que ele considera serem dogmas religiosos e doutrinação.[22][111][112] Essas ferramentas incluem a luta contra certos estereótipos e a adoção do termo bright (brilhante) como uma maneira de associar conotações públicas positivas com aquelas que possuem uma visão naturalista do mundo.[112] Ele apoiou a ideia de uma escola de pensamento livre,[113] o que não seria doutrinar as crianças no ateísmo ou em qualquer religião, mas, em vez disso, ensinar as crianças a serem críticas e de mente aberta.[114][115] Inspirado pelo sucesso da conscientização do movimento feminista em despertar constrangimento generalizado no uso cotidiano de "ele" em vez de "ela", Dawkins sugere de forma semelhante que termos como "criança católica" e "criança muçulmana" devem ser considerados como socialmente absurdos, assim como, por exemplo, dizer "criança marxista", já que ele acredita que as crianças não devem ser classificadas com base em crenças ideológicas ou religiosas de seus pais.[112]

Dawkins com Ariane Sherine, no lançamento da Atheist Bus Campaign em Londres.

Dawkins sugere que os ateus devem ser orgulhosos e não apologéticos, salientando que o ateísmo é evidência de uma mente saudável e independente.[116] Ele espera que os ateus cada vez mais se identifiquem como tal, o que vai tornar o público cada vez mais ciente sobre quantas pessoas realmente mantêm estes pontos de vista, reduzindo assim o parecer negativo sobre o ateísmo entre a maioria religiosa da população em geral.[117] Inspirado pelo movimento LGBT, ele fundou a Campanha Out para encorajar os ateus ao redor do mundo a declarar a sua posição ideológica publicamente e com orgulho.[118] Ele apoiou a iniciativa da jornalista britânica Ariane Sherine de realizar a primeira campanha publicitária ateísta, a Atheist Bus Campaign em 2008, que teve como objetivo arrecadar fundos para colocar anúncios ateus em ônibus na região de Londres.[119]

A defesa do ateísmo por Dawkins tem causado controvérsia. O escritor Christopher Hitchens defendeu a perceptível estridência da postura de Dawkins em relação à religião, enquanto os laureados com o Prêmio Nobel Sir Harold Kroto e James D. Watson e o psicólogo Steven Pinker têm esbanjado elogios ao livro The God Delusion.[120][121] Em contraste, o crítico literário Terry Eagleton, o teólogo Alister McGrath e o filósofo cientista Michael Ruse[122][123] acusam Dawkins de ser ignorante em teologia e, portanto, incapaz de se envolver na religião e na fé inteligente. Os cientistas Martin Rees e Peter Higgs também criticaram Dawkins por sua postura de confronto com a religião como inútil, sendo que Higgs chega a rotulá-lo um "fundamentalista".[124][125][126][127][128] Em resposta a seus críticos, Dawkins defende que os teólogos não são melhores do que os cientistas na abordagem de questões cosmológicas profundas e que ele próprio não é um fundamentalista, já que está disposto a mudar de ideia em face de novas evidências.[129][130][131][132]

Prêmios

Dawkins recebe o Prêmio Deschner em Frankfurt, Alemanha, em 12 de outubro de 2007, de Karlheinz Deschner.

Dawkins foi agraciado com o título de Doctor of Science pela Universidade de Oxford em 1989. Possui título honoris causa em ciências pela Universidade de Huddersfield, Universidade de Westminster, Universidade de Durham,[133] Universidade de Hull, Universidade da Antuérpia e pela Universidade de Oslo, e doutorado honoris causa pela Universidade de Aberdeen,[134] The Open University, Vrije Universiteit Brussel[12] e pela Universidade de Valência.[135] Também tem doutorado honoris causa em letras pela Universidade de St Andrews e pela Universidade Nacional Australiana (HonLittD, 1996), e foi eleito fellow da Royal Society of Literature em 1997 e da Royal Society em 2001. É um dos patronos da Sociedade Científica da Universidade de Oxford.[12]

Em 1987 Dawkins recebeu um prêmio da Royal Society of Literature e o Prêmio Literário do Los Angeles Times por seu livro O Relojoeiro Cego. No mesmo ano, recebeu o Sci. Tech Prize for Best Television Documentary Science Programme of the Year por seu trabalho no episódio The Blind Watchmaker, da série Horizon da BBC.[12]

Seus outros prêmios incluem a Medalha de Prata da Sociedade Zoológica de Londres (1989), o Prêmio Finlay de Inovação (1990), o Prêmio Michael Faraday (1990), o Prêmio Nakayama (1994), o prêmio de Humanista do Ano da Associação Humanista Americana (1996), o quinto Prêmio International Cosmos (1997), o Prêmio Kistler (2001), a Medalha da Presidência da República Italiana (2001), a Medalha do Bicentenário de Kelvin da Sociedade Real Filosófica de Glasgow (2002)[12] e o Prêmio Nierenberg na categoria Ciência no Interesse Público (2009).[136]

Dawkins liderou a lista dos 100 maiores intelectuais britânicos de 2004, decidida pelos leitores da revista Prospect, e recebeu o dobro de votos em relação ao segundo colocado.[137][138] Em 2005, a Fundação Alfred Toepfer, com sede em Hamburgo, Alemanha, concedeu-lhe o Prêmio Shakespeare, em reconhecimento à "apresentação concisa e acessível do conhecimento científico". Ganhou o Prêmio Lewis Thomas por Escrever sobre a Ciência em 2006, além do Prêmio Galaxy British Book de Melhor Autor do Ano em 2007.[139] No mesmo ano, foi classificado pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes no mundo em 2007,[140] além de ficar na 20º posição na lista dos 100 maiores gênios vivos feita pelo The Daily Telegraph em 2007.[141] Foi agraciado com o Prêmio Deschner, em homenagem ao autor alemão anticlerical Karlheinz Deschner.[142]

Desde 2003, a Aliança Ateia Internacional tem premiado, durante sua conferência anual, um ateu cujo trabalho tem feito o máximo para sensibilizar o público sobre o ateísmo durante o ano; a premiação é conhecida como Prêmio Richard Dawkins, em homenagem aos esforços do próprio Dawkins.[143] Em fevereiro de 2010, foi nomeado membro honorário do conselho da fundação norte-americana Freedom From Religion.[144]

Em 2012, ictiólogos no Sri Lanka homenagearam Dawkins com o novo gênero Dawkinsia (separado do gênero Puntius). Explicando o raciocínio por trás do nome, o pesquisador Rohan Pethiyagoda afirmou:

"Richard Dawkins tem, através de suas publicações, nos ajudado a entender que o universo é muito mais bonito e imponente do que qualquer religião imaginou [...] Esperamos que Dawkinsia sirva como um lembrete da elegância e da simplicidade da evolução, a única explicação racional que existe para a inimaginável diversidade da vida na Terra."[145]

Mídia

Principais publicações

Dawkins durante uma noite de autógrafos em março de 2008, em Nova York.

Documentários

Outras aparições

Ver também

Notas

a. ^ W. D. Hamilton influenciou muito Dawkins e essa influência pode ser vista em todo o seu livro The Selfish Gene.[22] Eles se tornaram amigos em Oxford e após a morte de Hamilton, Dawkins escreveu seu obituário e organizou um memorial secular.[149]

b. ^ O debate terminou com a moção "que a doutrina da criação é mais válida do que a teoria da evolução" sendo derrotada.[150][151] O resultado exato desse debate é controverso. Embora não haja dúvida que o lado da teoria da evolução tenha recebido 198 votos, não se sabe ao certo se o lado do criacionismo recebeu 115 ou 150 votos. Como os registros escritos foram perdidos, o único documento do debate é uma gravação em que não se pode ouvir com muita clareza se a narradora diz "one hundred and fifteen" (115) ou "one hundred and fifty" (150).[152][153]

Referências

  1. a b «Britain's highest profile atheist Richard Dawkins announces end of his 24-year marriage to Dr Who actress Lalla Ward». Daily Mail (em inglês). Dailymail.co.uk. 17 de julho de 2016. Consultado em 21 de julho de 2016. 
  2. Ridley, Mark (2007). Richard Dawkins: How a Scientist Changed the Way We Think : Reflections by Scientists, Writers, and Philosophers Oxford University Press [S.l.] p. 228. ISBN 0-19-921466-2. , Extract of page 228
  3. Emeritus and Honorary Fellows of New College, Oxford
  4. «Previous holders of The Simonyi Professorship». The University of Oxford. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  5. «European Evolutionary Biologists Rally Behind Richard Dawkins's Extended Phenotype». Sciencedaily.com. 20 de janeiro de 2009. Consultado em 28 de julho de 2011. 
  6. «Richard Dawkins on militant atheism». TED Conferences, LLC. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  7. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion Transworld Publishers [S.l.] p. 5. ISBN 0-593-05548-9. 
  8. «The God Delusion – back on the Times extended list at #24». Richard Dawkins at RichardDawkins.net. 27 de janeiro de 2010. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  9. a b Dawkins, Richard (11 de dezembro de 2010). «Lives Remembered: John Dawkins». The Independent. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  10. Richard Dawkins (Outubro de 2004). [[The Ancestor's Tale]] Houghton Mifflin Harcourt [S.l.] p. 317. ISBN 978-0-618-00583-3.  |author1= e |author= redundantes (Ajuda); Ligação wiki dentro do título da URL (Ajuda)
  11. Dawkins, Richard. «Brief Scientific Autobiography». RichardDawkins.net. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  12. a b c d e f g h i «Curriculum vitae of Richard Dawkins». The University of Oxford. 23 de abril de 2008. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  13. a b c Hattenstone, Simon (10 de fevereiro de 2003). «Darwin's child» (Londres: The Guardian). Consultado em 1 de abril de 2013. 
  14. Pollard, Nick (1995-04). «High Profile». Third Way (Harrow, England: Hymns Ancient & Modern Ltd) 18 (3): 15. ISSN 0309-3492. 
  15. «Richard Dawkins: The foibles of faith» BBC News [S.l.] 12 de outubro de 2001. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  16. «The Oundle Lecture Series». Oundle School. 2012b. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  17. PrepReview.com (: ). «Oundle School». Consultado em 12 de março de 2013. 
  18. Oundle School (: ). «Patoral». Consultado em 12 de maio de 2013. 
  19. Dawkins, Richard (1966). Selective pecking in the domestic chick (Thesis D. Phil.) (em inglês). Oxford: University of Oxford. p. 235. Consultado em 24 de janeiro de 2016. 
  20. Schrage, Michael (1995). «Revolutionary Evolutionist» Wired [S.l.] Consultado em 1 de abril de 2013. 
  21. Dawkins, Richard. (1969). "A threshold model of choice behaviour". Animal Behaviour 17: 120–133. DOI:10.1016/0003-3472(69)90120-1.
  22. a b c «"Belief" interview». BBC. 5 de abril de 2004. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  23. Simonyi, Charles (15 de maio de 1995). «Manifesto for the Simonyi Professorship». The University of Oxford. Arquivado desde o original em 23 de abril de 2008. Consultado em 13 de março de 2008. 
  24. «Internet Archive Wayback Machine». Web.archive.org. 23 de abril de 2008. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  25. «The Current Simonyi Professor: Richard Dawkins». The University of Oxford. Arquivado desde o original em 23 de abril de 2008. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  26. «Editorial Board». The Skeptics' Society. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  27. «The Dawkins Prize for Animal Conservation and Welfare». Balliol College, Oxford. 9 de novembro de 2007. Arquivado desde o original em 12 de setembro de 2007. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  28. Martin Beckford and Urmee Khan (24 de outubro de 2008). «Harry Potter fails to cast spell over Professor Richard Dawkins» (London: The Daily Telegraph). Consultado em 1 de abril de 2013. 
  29. «Marriage». The Times (London [s.n.]): 8. 23 de agosto de 1967. 
  30. a b «Births, Marriages and Deaths, England and Wales 1984–2006». Findmypast.com. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  31. a b McKie, Robin (25 de julho de 2004). «Doctor Zoo» (Londres: The Guardian). Consultado em 1 de abril de 2013. 
  32. Simpson, M. J. (2005). Hitchhiker: A Biography of Douglas Adams Justin, Charles & Co [S.l.] p. 129. ISBN 1-932112-35-9. , Chapter 15, p. 129
  33. Lloyd, Elisabeth Anne (1994). The structure and confirmation of evolutionary theory Princeton University Press [S.l.] ISBN 978-0-691-00046-6. 
  34. Gould, Stephen Jay; Lewontin, Richard C. (1979). «The Spandrels of San Marco and the Panglossian Paradigm: A Critique of the Adaptationist Programme». Proceedings of the Royal Society of London. B (London [s.n.]) 205 (1161): 581–598. doi:10.1098/rspb.1979.0086. PMID 42062. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  35. Dawkins, Richard (1999). The Extended Phenotype. Oxfordshire: Oxford University Press. p. 4. ISBN 0-1....
  36. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion Transworld Publishers [S.l.] pp. 169–172. ISBN 0-593-05548-9. 
  37. Hamilton, W.D. (1964). «The genetical evolution of social behaviour I and II». Journal of Theoretical Biology [S.l.: s.n.] 7 (1): 1–16, 17–52. doi:10.1016/0022-5193(64)90038-4. PMID 5875341. 
  38. Trivers, Robert (1971). «The evolution of reciprocal altruism». Quarterly Review of Biology [S.l.: s.n.] 46 (1): 35–57. doi:10.1086/406755. 
  39. Dawkins, Richard (1979). «Twelve Misunderstandings of Kin Selection» (PDF). Zeitschrift fur Tierpsychologie [S.l.: s.n.] 51: 184–200. doi:10.1111/j.1439-0310.1979.tb00682.x. 
  40. Williams, George Ronald (1996). The molecular biology of Gaia Columbia University Press [S.l.] p. 178. ISBN 0-231-10512-6. , Extract of page 178
  41. Schneider, Stephen Henry (2004). Scientists debate gaia: the next century MIT Press [S.l.] p. 72. ISBN 0-262-19498-8. , Extract of page 72
  42. Dawkins, Richard (2000). Unweaving the Rainbow: Science, Delusion and the Appetite for Wonder Houghton Mifflin Harcourt [S.l.] p. 223. ISBN 0-618-05673-4. , Extract of page 223
  43. Thorpe, Vanessa (24 de junho de 2012). «Richard Dawkins in furious row with EO Wilson over theory of evolution. Book review sparks war of words between grand old man of biology and Oxford's most high-profile Darwinist». The Guardian [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de outubro de 2012. 
  44. Dover, Gabriel (2000). Dear Mr Darwin London: Weidenfeld & Nicolson [S.l.] ISBN 0-7538-1127-8. 
  45. Williams, George C. (1966). Adaptation and Natural Selection (United States: Princeton University Press). ISBN 0-691-02615-7. 
  46. Mayr, Ernst (2000). What Evolution Is Basic Books [S.l.] ISBN 0-465-04426-3. 
  47. Midgley, Mary (1979). «Gene Juggling». Philosophy 54 (210) [S.l.: s.n.] pp. 439–458. doi:10.1017/S0031819100063488. Consultado em 2 de abril de 2013. 
  48. Dawkins, Richard (1981). «In Defence of Selfish Genes». Philosophy 56 [S.l.: s.n.] pp. 556–573. doi:10.1017/S0031819100050580. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  49. Midgley, Mary (2000). Science and Poetry Routledge [S.l.] ISBN 0-415-27632-2. 
  50. Mary Midgley (9 de dezembro de 2010). The solitary self: Darwin and the selfish gene McGill-Queen's University Press [S.l.] ISBN 978-1-84465-253-2. 
  51. Brown, Andrew (1999). The Darwin Wars: How stupid genes became selfish genes London: Simon and Schuster [S.l.] ISBN 0-684-85144-X. 
  52. Brown, Andrew (2000). The Darwin Wars: The Scientific Battle for the Soul of Man (London: Touchstone). ISBN 0-684-85145-8. 
  53. Brockman, J. (1995). The Third Culture: Beyond the Scientific Revolution (New York: Simon & Schuster). ISBN 0-684-80359-3. 
  54. Sterelny, K. (2007). Dawkins vs. Gould: Survival of the Fittest (Cambridge, UK: Icon Books). ISBN 1-84046-780-0.  Also ISBN 978-1-84046-780-2
  55. Morris, Richard (2001). The Evolutionists W. H. Freeman [S.l.] ISBN 0-7167-4094-X. 
  56. Dawkins, Richard (24 de janeiro de 1985). «Sociobiology: the debate continues». New Scientist [S.l.: s.n.] Arquivado desde o original em 1 de maio de 2008. Consultado em 4 de março de 2008. 
  57. Dennett, Daniel (1995). Darwin's Dangerous Idea (United States: Simon & Schuster). ISBN 0-684-80290-2. 
  58. «Transworld signs new book from Dawkins» The Bookseller [S.l.] 15 de fevereiro de 2008. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  59. Dawkins, Richard (2009). The Greatest Show on Earth: The Evidence for Evolution (London: Transworld Publishers). pp. xii. ISBN 0-593-06173-X. 
  60. Dawkins, Richard (1989). The Selfish Gene 2nd ed. (United Kingdom: Oxford University Press). p. 11. ISBN 0-19-286092-5. 
  61. Burman, J. T. (2012). The misunderstanding of memes: Biography of an unscientific object, 1976–1999. Perspectives on Science, 20(1), 75-104. [1] doi:10.1162/POSC_a_00057 (This is an open access article, made freely available courtesy of MIT Press.)
  62. Kelly, Kevin (1994). Out of Control: The New Biology of Machines, Social Systems, and the Economic World (United States: Addison-Wesley). p. 360. ISBN 0-201-48340-8. 
  63. Shalizi, Cosma Rohilla. «Memes». Center for the Study of Complex Systems. University of Michigan. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  64. a b Laurent, John (1999). A Note on the Origin of 'Memes'/'Mnemes' 3 Journal of Memetics [S.l.] pp. 14–19. Consultado em 1 de abril de 2013. 
  65. James Gleick (15 de fevereiro de 2011). The Information: A History, a Theory, a Flood Pantheon [S.l.] p. 269. ISBN 978-0-375-42372-7. 
  66. «Our Mission». The Richard Dawkins Foundation for Reason and Science. Arquivado desde o original em 17 de novembro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2013. 
  67. «Sean Faircloth joins RDFRS (US) as Director of Strategy and Policy». The Richard Dawkins Foundation for Reason and Science. Consultado em 14 de abril de 2013. 
  68. Dawkins, Richard (1998). Unweaving The Rainbow (United Kingdom: Penguin). pp. 4–7. ISBN 0-618-05673-4. 
  69. Diamond, John (2001). Snake Oil and Other Preoccupations (United Kingdom: Vintage). ISBN 0-09-942833-4. 
  70. Dawkins, Richard (2003). A Devil's Chaplain (United States: Houghton Mifflin). p. 58. ISBN 0-618-33540-4. 
  71. «The Selfish Green». RichardDawkins.net. 2 de abril de 2007. Arquivado desde o original em 1 de maio de 2008. Consultado em 19 de abril de 2013. 
  72. Dawkins, Richard (1989). The Selfish Gene 2nd ed. (United Kingdom: Oxford University Press). p. 213. ISBN 0-19-286092-5. 
  73. edited by Paola Cavalieri and Peter Singer.; Paola Cavalieri, Peter Singer (1993). The Great Ape Project (United Kingdom: Fourth Estate). ISBN 0-312-11818-X. 
  74. «The Enemies of Reason». Channel 4. 2007. Consultado em 19 de abril de 2013. 
  75. «C4 lines up Genius science series». Broadcast. 2009. Consultado em 19 de abril de 2013. 
  76. «Faith School Menace? – Faith School Menace?». Channel 4. 18 de agosto de 2010. Consultado em 19 de abril de 2013. 
  77. Sutcliffe, Tom (19 de agosto de 2010). «Last Night's TV: Faith Schools Menace?/More 4 – Reviews, TV & Radio» (Londres: The Independent). Consultado em 19 de abril de 2013. 
  78. Dawkins, Richard (22 de março de 2003). «Bin Laden's victory» (Londres: The Guardian). Consultado em 19 de abril de 2013. 
  79. Dawkins, Richard (18 de novembro de 2003). «While we have your attention, Mr President...» (Londres: The Guardian). Consultado em 19 de abril de 2013. 
  80. «Our supporters». Republic. 24 de abril de 2010. Consultado em 19 de abril de 2013. 
  81. Dawkins, Richard (1989). «Endnotes. Chapter 1. Why are people?». The Selfish Gene (1st extra chapter) 2nd ed. (United Kingdom: Oxford University Press). ISBN 0-19-286092-5. 
  82. «Show your support – vote for the Liberal Democrats on May 6th. libdems.org.uk. Monday, 03 May 2010». Libdems.org.uk. Consultado em 19 de abril de 2013. 
  83. Ruse, Michael. «Creationism». Stanford Encyclopedia of Philosophy. Metaphysics Research Laboratory, Stanford University. Consultado em 1 de abril de 2013. «a Creationist is someone who believes in a god who is absolute creator of heaven and earth.» 
  84. Scott, Eugenie C (3 de agosto de 2009). «Creationism». Evolution vs. creationism: an introduction (Berkeley, CA: University of California Press). p. 51. ISBN 978-0-520-26187-7. «The term 'creationism' to many people connotes the theological doctrine of special creationism: that God created the universe essentially as we see it today, and that this universe has not changed appreciably since that creation event. Special creationism includes the idea that God created living things in their present forms...» 
  85. Dawkins, Richard (9 de março de 2002). «A scientist's view». The Guardian (London [s.n.]). Consultado em 2 de abril de 2013. 
  86. Catalano, John. «Book: The Blind Watchmaker». The University of Oxford. Arquivado desde o original em 15 de abril de 2008. Consultado em 2 de abril de 2013. 
  87. Dawkins, Richard (2004). A Devil's Chaplain: Reflections on Hope, Lies, Science, and Love Houghton Mifflin Harcourt [S.l.] p. 218. ISBN 0-618-48539-2. , Chapter 5, p 218
  88. Moyers, Bill (3 de dezembro de 2004). «Now with Bill Moyers». Public Broadcasting Service. Consultado em 2 de abril de 2013. 
  89. Dawkins, Richard and Coyne, Jerry (1 de setembro de 2005). «One side can be wrong» (Londres: The Guardian). Consultado em 2 de abril de 2013. 
  90. Hall, Stephen S. (9 de agosto de 2005). «Darwin's Rottweiler». Discover magazine. Consultado em 2 de abril de 2013. 
  91. Swinford, Steven (19 de novembro de 2006). «Godless Dawkins challenges schools» (Londres: The Times). Consultado em 2 de abril de 2013. 
  92. James van der Pool; BBC Horizon (16 de setembro de 2008). «The presidents' guide to science» (em inglês). Consultado em 19 de março de 2011. «In order not to believe in evolution you must either be ignorant, stupid or insane» 
  93. Bass, Thomas A. (1994). Reinventing the future: Conversations with the World's Leading Scientists Addison Wesley [S.l.] p. 118. ISBN 978-0-201-62642-1. 
  94. Giberson, Karl; Artigas, Mariano (2012). Oráculos de la ciencia: Científicos famosos contra Dios y la religión (em espanhol) (Madri: Encuentro). ISBN 9788499209920. 
  95. «Our Honorary Associates». National Secular Society. 2005. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  96. «The HSS Today». The Humanist Society of Scotland. 2007. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  97. «Secular Coalition for America Advisory Board Biography». Secular.org. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  98. «The International Academy Of Humanism — Humanist Laureates». Council for Secular Humanism. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  99. «The Committee for Skeptical Inquiry — Fellows». The Committee for Skeptical Inquiry. Arquivado desde o original em 15 de junho de 2008. Consultado em 2008-04-07. 
  100. «Humanism and Its Aspirations — Notable Signers». American Humanist Association. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  101. McNally, Terrence (2007). «Atheist Richard Dawkins on 'The God Delusion'». alternet.org. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  102. «Dawkins: I'm a cultural Christian» BBC News [S.l.] 10 de dezembro de 2007. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  103. Sheahen, Laura (2005). «The Problem with God: Interview with Richard Dawkins (2)». Beliefnet.com. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  104. «Interview with Richard Dawkins». PBS. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  105. Van Biema, David (5 de novembro de 2006). «God vs. Science (3)» Time [S.l.] Consultado em 5 de abril de 2013. 
  106. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion (Boston: Houghton Mifflin Co.). p. 50. ISBN 0-618-68000-4. 
  107. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion Transworld Publishers [S.l.] pp. 282–286. ISBN 0-593-05548-9. 
  108. Dawkins, Richard. «Is Science A Religion?». The Humanist. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  109. Powell, Michael. «A Knack for Bashing Orthodoxy». New York Times. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  110. Hooper, Simon. «The rise of the New Atheists». CNN. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  111. Smith, Alexandra (27 de novembro de 2006). «Dawkins campaigns to keep God out of classroom» (London: The Guardian). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  112. a b c Dawkins, Richard (21 de junho de 2003). «The future looks bright» (Londres: The Guardian). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  113. Powell, Michael (19 de setembro de 2011). «A Knack for Bashing Orthodoxy». The New York Times [S.l.: s.n.] p. 4. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  114. Beckford, Martin (24 de junho de 2010). «Richard Dawkins interested in setting up 'atheist free school'» (Londres: Telegraph). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  115. Garner, Richard (29 de julho de 2010). «Gove welcomes atheist schools – Education News, Education» (Londres: The Independent). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  116. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion (Boston: Houghton Mifflin Co.). p. 3. ISBN 0-618-68000-4. 
  117. Chittenden, Maurice; Waite, Roger (23 de dezembro de 2007). «Dawkins to preach atheism to US» (Londres: The Sunday Times). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  118. «The Out Campaign (original announcement)». RichardDawkins.net. 30 de julho de 2007. Arquivado desde o original em 30 de abril de 2008. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  119. James Ball (27 de outubro de 2008). «Lord, give us a sign» (em inglês). Guardian. Consultado em 10 de maio de 2011. 
  120. «The God Delusion — Reviews». RichardDawkins.net. Arquivado desde o original em 2 de julho de 2008. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  121. Hitchens, Christopher (3 de fevereiro de 2012). «In Defense of Richard Dawkins» (Londres: Free Inquiry). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  122. Michael Ruse (2 de novembro de 2009). The Guardian, : . «Dawkins et al bring us into disrepute». Consultado em 28 de abril de 2013. 
  123. Michael Ruse (2 de outubro de 2012). The Guardian, : . «Why Richard Dawkins' humanists remind me of a religion». Consultado em 28 de abril de 2013. 
  124. London Review of books, Vol. 28 No. 20 · 19 de outubro de 2006 páginas 32-34
  125. McGrath, Alister (2004). Dawkins' God: Genes, Memes, and the Meaning of Life (Oxford, England: Blackwell Publishing). p. 81. ISBN 1-4051-2538-1. 
  126. Dawkins, Richard (17 de setembro de 2007). «Do you have to read up on leprechology before disbelieving in them?». RichardDawkins.net. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  127. Jha, Alok (29 de maio de 2007). «Scientists divided over alliance with religion» (Londres: The Guardian). Consultado em 5 de abril de 2013. 
  128. Peter Higgs criticises Richard Dawkins over anti-religious 'fundamentalism' The Guardian 26 de dezembro de 2012
  129. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion (Boston: Houghton Mifflin Co.). p. 56. ISBN 0-618-68000-4. 
  130. Dawkins, Richard (2006). «When Religion Steps on Science's Turf». Free Inquiry magazine. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  131. Dawkins, Richard (2006). The God Delusion (Boston: Houghton Mifflin Co.). pp. 55–56. ISBN 0-618-68000-4. 
  132. Dawkins, Richard. «How dare you call me a fundamentalist». Richard Dawkins Foundation. Consultado em 5 de abril de 2013. 
  133. «Durham salutes science, Shakespeare and social inclusion» Durham News & Events Service [S.l.] 26 de agosto de 2005. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  134. Best-selling biologist and outspoken atheist among those honoured by University, University of Aberdeen.
  135. «Richard Dawkins, doctor 'honoris causa' per la Universitat de València» [S.l.: s.n.] 31 de março de 2009. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  136. Scripps Institution of Oceanography (7 April 2009). «Scripps Institution of Oceanography Honors Evolutionary Biologist, Richard Dawkins, in Public Ceremony and Lecture». Scripps Institution of Oceanography. Consultado em 2009-04-07. 
  137. «Q&A: Richard Dawkins» BBC News [S.l.] 29 de julho de 2004. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  138. Herman, David (2004). «Public Intellectuals Poll». Prospect magazine. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  139. «Galaxy British Book Awards — Winners & Shortlists 2007». Publishing News. 2007. Arquivado desde o original em 27 de setembro de 2007. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  140. Behe, Michael (3 de maio de 2007). «Time Top 100» TIME [S.l.] Consultado em 28 de abril de 2013. 
  141. «Top 100 living geniuses». The Daily Telegraph [S.l.: s.n.] 28 de outubro de 2007. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  142. Giordano Bruno Stiftung (28 de maio de 2007). «Deschner-Preis an Richard Dawkins». Humanistischer Pressedienst. Consultado em 2008-04-04. 
  143. Slack, Gordy (30 de abril de 2005). «The atheist». Salon. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  144. «Honorary FFRF Board Announced». Consultado em 28 de abril de 2013. 
  145. «Sri Lankans name new fish genus after atheist Dawkins». Google News. France-Presse. 15 de julho de 2012. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  146. «"The Magic of Reality - new book by Richard Dawkins this Fall" 10 May 2011». Richarddawkins.net. 10 de maio de 2011. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  147. «Sex, Death and the Meaning of Life». Channel 4. Consultado em 16 de outubro de 2012. 
  148. "Richard Dawkins Appears in Ned Flanders’ Nightmare on The Simpsons" Patheos.com, 10 de março de 2013 - Hemant Mehta
  149. Dawkins, Richard (3 de outubro de 2000). «Obituary by Richard Dawkins» The Independent [S.l.] Arquivado desde o original em 18 de março de 2008. Consultado em 28 de abril de 2013. 
  150. Critical-Historical Perspective on the Argument about Evolution and Creation, John Durant, in "From Evolution to Creation: A European Perspective (Eds. Sven Anderson, Arthus Peacocke), Aarhus Univ. Press, Aarhus, Denmark
  151. «1986 Oxford Union Debate: Richard Dawkins, John Maynard Smith». RichardDawkins.net. Consultado em 12 de maio de 2013. 
  152. «Oxford Union Debate: The Huxley Memórial Debate». Tongues Revisited. Consultado em 12 de maio de 2013. 
  153. Humber, Paul G. (julho/agosto de 2003). «Debating Dawkins» (PDF). Creation Matters. Consultado em 12 de maio de 2013. 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Em inglês

Páginas oficiais;

Em português