Rima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Rima (desambiguação).

Rima é uma homofonia externa, em um sentido antigo, na tradição literária de língua portuguesa, constante da repetição da última vogal tônica do verso e dos fonemas que eventualmente a seguem. No entanto, a rima pode ser classificada segundo sua Posição no Verso, sua Posição na Estrofe, a sua Sonoridade, a Tonicidade e ainda o seu Valor, podendo-se rimar, pouco usualmente, consoantes, e, na tradição de língua inglesa, sílabas átonas. Ou seja, o uso e o conceito usual de rima pode variar de uma língua para outra. Existem ainda outras possibilidades de rima usadas ao longo da história, mas somente estudadas a partir do século XX.

Classificação usual das rimas na tradição da Língua Portuguesa[editar | editar código-fonte]

Posição no verso[editar | editar código-fonte]

  • Externa - Quando a rima aparece ao final do verso. É o tipo mais comum de rima.
  • Interna - Quando a semelhança fonética aparece no interior do verso.

Posição na estrofe[editar | editar código-fonte]

  • Cruzada ou alternada: O primeiro verso rima com o terceiro, e o segundo com o quarto .


  • Interpolada ou intercalada: Frequentemente usada em sonetos, o primeiro verso rima com o quarto, e o segundo com o terceiro .
  • Emparelhada: O primeiro verso rima com o segundo, e o terceiro com o quarto .
  • Encadeada ou internas: Quando rimam palavras que estão no fim do verso e no interior do verso seguinte:
  • Misturadas: Não tem ordem determinada entre as rimas.
  • Versos brancos ou soltos: São os versos que não tem rima

Categoria gramatical[editar | editar código-fonte]

  • Agudas ou masculinas: Quando a rima acontece entre palavras oxítonas ou monossilábicas.
    • Exemplo: Valor/Amor, és/viés
  • Graves ou femininas: Quando a rima acontece entre palavras paroxítonas.
    • Exemplo: Santa/planta, mala/sala, toque/choque.
  • Esdrúxulas: Quando a rima acontece entre palavras proparoxítonas.
    • Exemplo: Mágico/Trágico, Fábula/tábula.

Sonoridade[editar | editar código-fonte]

  • Perfeitas (consoantes, soantes, totais): Há uma perfeita identidade dos sons finais, assim como uma semelhança entre as últimas vogais e consoantes.
    • Exemplo: Fada/dourada, rosa/formosa, anil/Brasil.
  • Imperfeitas (assonantes, toantes, parciais): Quando, ou há identidade apenas entre as vogais finais, não havendo necessariamente identidade entre os sons finais, ou quando a sonoridade é semelhante, mas a grafia das palavras é diferente.
    • Exemplo: Estrela/vela, vertigem/virgem, mais/faz, seis/fez, boca/foca, viu/funil.

Valores[editar | editar código-fonte]

  • Pobres: Quando a rima acontece entre palavras da mesma classe gramatical.
    • Exemplo: Falar/amar, o calor/o sabor, bonito/bendito.
  • Ricas: Quando a rima acontece entre palavras de classes gramaticais diferentes.
    • Exemplo: Cantando/bando, mar/navegar, vagos/lagos e quem/tem
  • Raras: Quando a rima acontece entre palavras de difícil combinação melódica.
    • Exemplo: Cisne/tisne.
  • Preciosas: Rimas entre verbos na forma verbo-pronome com outras palavras.
    • Exemplo: Estrela/tê-la, Tranquilo/segui-lo, Amar/Aramar. rimas alternadas.

Conceito atual e amplo de rima[editar | editar código-fonte]

No século XX, a partir dos estudos dos formalistas russos, principalmente Roman Jakobson entre estes, surgiram novas definições e classificações para a rima na ciência Linguística. Além dos linguistas, muitos poetas como Wladimir Maiakovski perceberam a inadequação de alguns antigos conceitos sobre a rima.

Um exemplo clássico é o poema épico inglês antigo Beowulf, que usa a aliteração como forma principal de coesão dos versos entre si. Neste sentido, a aliteração se transformaria em rima.

Um exemplo de versos aliterativos atuais são os seguintes, do poeta W. H. Auden:

Observe-se que os versos se dividem por uma pausa, rimando uma consoante ou grupo de consoantes no início (ou próximo dele) de cada uma destas duas divisões. Neste caso vemos uma rima que não é feita por vogais e não está no fim do verso, não é externa.

Também relevante é o exemplo inquestionável de Emily Dickinson, poeta americana considerada de difícil tradução, posto que ela rimava, muitas vezes, somente as consoantes, não as vogais, nos finais dos versos. Não há diferença de função com a rima tradicional.

No livro "Como fazer versos", traduzido por Boris Schnaiderman, Maiakovski escreveu: “Pode-se rimar o início das linhas, pode-se rimar o fim da primeira linha com o princípio da seguinte. Pode-se rimar o fim da primeira linha e o fim da segunda e, ao mesmo tempo, com a última palavra, da terceira e quarta linhas. Etc. etc., indefinidamente.”

Em vista destas discrepâncias entre a rima tal qual ela é utilizada pelos poetas ao redor do mundo ao longo da história e as suas definições tradicionais é que os linguistas e poetas atuais tem proposto novas classificações e definições para a rima, sem chegar a um consenso.

Não há, no entanto, discordância quanto à função da rima. Mais uma vez, o poeta Maiakovski nos explica: “A rima faz voltar à linha precedente, força a pensar nela, obriga as linhas que formulam um pensamento a terem unidade.” Ou seja, é um mecanismo de coesão do texto poético.

Referência e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • COELHO, Nelly Novaes. Literatura e Linguagem: a obra literária e a expressão linguística, introdução aos cursos de Letras e de Ciências Humanas, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio, 1974

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]