Rio, 40 Graus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio, 40 Graus
 Brasil
1955 •  p&b •  100 min 
Direção Nelson Pereira dos Santos
Produção Mário Barroso
Ciro Freire Cúri
Louis-Henri Guitton
Pedro Kosinski
Nelson Pereira dos Santos
Roteiro Arnaldo de Farias
Nelson Pereira dos Santos
Elenco Roberto Batalin
Glauce Rocha
Jece Valadão
Género drama
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Rio, 40 graus é um filme brasileiro de 1955, com roteiro e direção de Nelson Pereira dos Santos. Em novembro de 2015 o filme entrou na lista feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.[1]

É considerada a obra inspiradora do cinema novo, movimento estético e cultural que pretendia mostrar a realidade brasileira. O filme foi censurado pelos militares, que o consideraram uma grande mentira. Segundo o censor e chefe de polícia da época, "a média da temperatura do Rio nunca passou dos 39,6°C".[carece de fontes?]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme é um semidocumentário sobre pessoas do Rio de Janeiro e acompanha um dia na vida de cinco garotos de uma favela que, num domingo tipicamente carioca e de sol escaldante, vendem amendoim em Copacabana, no Pão de Açúcar e no Maracanã.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. André Dib (27 de novembro de 2015). «Abraccine organiza ranking dos 100 melhores filmes brasileiros». Abraccine. abraccine.org. Consultado em 26 de outubro de 2016