Rio Grande (Bahia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Rio Grande, veja Rio Grande.
Rio Grande
Rio Grande em Barreiras
Mapa da bacia do Rio Grande, parte da bacia do rio São Francisco.
Mapa da bacia do Rio Grande, parte da bacia do rio São Francisco.
Comprimento 580 km
Posição: Nordeste
Nascente Serra Geral de Goiás em São Desidério
Foz Rio São Francisco em Barra
Área da bacia 75000 km²
Afluentes
principais
Rios Preto, Branco, de Ondas, das Fêmeas, Alto Rio Grande, São Desidério e Tamanduá
País(es)  Brasil

O rio Grande é um curso de água do estado da Bahia, Região Nordeste do Brasil, pertencente à bacia do rio São Francisco. Nasce na serra Geral de Goiás, no município de São Desidério, percorrendo 580 km até sua foz no rio São Francisco em Barra.[1][2] Sua bacia hidrográfica conta com área total de cerca de 75 mil km² e abrange 18 municípios, sendo os principais Barreiras e Luís Eduardo Magalhães.[3]

O rio Grande corre na direção sudoeste-nordeste, recebendo seus principais afluentes pela margem esquerda, como os rios das Fêmeas, de Ondas, Branco e Preto. Esses afluentes correm em direção geral oeste-leste, trazendo os deflúvios das cabeceiras ocidentais úmidas. O rio Preto ocupa quase toda a parte setentrional da bacia. Pela margem direita, o principal afluente é o rio São Desidério, além do rio Tamanduá, de menor porte.[4]

A nascente do rio Grande e seus afluentes da margem esquerda se encontram em região tropical contígua ao vale úmido do rio Tocantins, com chuvas favorecendo a perenidade dos rios. Já na parte média e oriental da bacia o predomínio é do clima semiárido, assim como típico do médio São Francisco, com chuvas irregulares que não contribuem com o abastecimento dos leitos. Cabe ressaltar que a maioria dos afluentes da bacia são intermitentes.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF). «CBH do Rio Grande – Bahia». Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  2. Maíra Brito (14 de janeiro de 2018). «Rio Grande sobrevive às secas e mantém lavouras no oeste da Bahia». Globo Rural. Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  3. Moreira e Silva 2010, p. 17–18
  4. a b Moreira e Silva 2010, p. 25

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.