Rio Grande da Serra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rio Grande da Serra
  Município do Brasil  
Square (5313031920).jpg
Símbolos
Bandeira de Rio Grande da Serra
Bandeira
Brasão de armas de Rio Grande da Serra
Brasão de armas
Hino
Lema Cuidando da nossa gente
Gentílico rio-grandense-da-serra[1]
Localização
Localização de Rio Grande da Serra em São Paulo
Localização de Rio Grande da Serra em São Paulo
Mapa de Rio Grande da Serra
Coordenadas 23° 44' 38" S 46° 23' 52" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[2] São Paulo
Região imediata[2] São Paulo
Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes Norte/Oeste: Ribeirão Pires;
Leste: Suzano;
Sul/Sudeste: Santo André.[3]
Distância até a capital 49 km[4]
História
Fundação 3 de maio de 1964 (57 anos)
Aniversário 3 de maio
Administração
Prefeito(a) Claudio Manoel Melo (PODE, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [5] 36,671 km²
População total (Censo IBGE/2010[6]) 44 084 hab.
Densidade 1 202,1 hab./km²
Clima Subtropical (Cfb)
Altitude 780 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [7]) 0,749 alto
PIB (IBGE/2008[8]) R$ 351 817,070 mil
PIB per capita (IBGE/2008[8]) R$ 8 536,14

Rio Grande da Serra é um município do estado de São Paulo, localizado na região metropolitana e Região imediata do município de São Paulo. Pertence à Zona Sudeste da Grande São Paulo, em conformidade com a lei estadual nº 1.139, de 16 de junho de 2011[9] e, consequentemente, com o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo (PDUI)[10]. A população estimada em 2009 era de 41.602 habitantes e a área é de 37 km², o que resulta numa densidade demográfica de 1.123,9 hab/km².

História[editar | editar código-fonte]

Rio Grande da Serra teve origem com a divisão de terras nos campos de Jeribatiba, em 26 de maio de 1560, sendo a a terceira aldeia construída pelos jesuítas. Pelo decreto do Marquês de Alegretti, em 1640, a Vila de Jeribatiba passa a ser denominada Vila Rio Grande. No mesmo período, fundou-se a Vila de Mogi das Cruzes, que se tornou rapidamente uma das maiores povoações da região. Para lá, começaram a se dirigir tropeiros transportando cargas de sal, que utilizavam o Caminho do Mar passando pelo povoado do Alto da Serra, até a região conhecida por Zanzaláh.[11]

Um dos locais preferidos para as paradas das tropas era às margens do Rio Grande, por ser este um dos mais importantes rios da região. Em 1850, devido à fácil acessibilidade, o caminho dos tropeiros já era notado e muito procurado. Os primeiros imigrantes italianos, alemães e suíços chegaram em 1899, para trabalharem em Rio Grande. O primeiro açougue surgiu em 1909 e a indústria de grafite instalada nove anos mais tarde. Em 1920, o primeiro telefone é instalado. A instalação elétrica ocorreu em 1928.[11]

Administrativamente, Rio Grande da Serra era um distrito com a denominação de Icatuaçu, pela Lei n.º 2.456, de 30 de dezembro de 1953, subordinado ao município de Ribeirão Pires. Foi elevado à categoria de município com a denominação de Rio Grande da Serra, pela Lei Estadual n.º 8.092, de 28 de fevereiro 1964, desmembrado dos municípios de Ribeirão Pires e Santo André.[12]

Economia[editar | editar código-fonte]

Por ser um município com território de 100% em área de mananciais, a legislação não permite que a cidade tenha indústrias poluentes. As principais movimentadoras da economia são: a indústria norteamericana DURA Automotive Systems do Brasil (autopeças), a indústria brasileira Massa Leve (produtos alimentícios), a transportadora de produtos Anamar e no transporte coletivo a Viação Talismã, além de pequenas indústrias, empresas e o comércio local.

Entretanto, uma das novas formas de movimentação da economia é o potencial turístico que existe na cidade, atraindo a população da região para seus pontos turísticos e festas como o Festival Gastronômico e Cultural do Cambuci que acontece anualmente na época do aniversário do município, bem como a Festa de São Sebastião, que atrai romeiros e devotos do santo desde 1906. Nas festas do padroeiro são comuns pessoas de todo o Grande ABC e até da capital.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Além desse rio, o município apresenta uma grande quantidade de córregos, ribeirões e riachos, como o "Córrego da Figueira e o Piolzinho" situados na região do Parque América, Ribeirão da Estiva no Parque Pouso Alegre. (Fonte: Parque América seu povo sua história - Trabalho apresentado no Congresso de História do ABC).

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do município, como em toda a Região Metropolitana de SP, é o subtropical. Verão e pouco quente e chuvoso. Inverno ameno e subseco, sendo a neblina uma constante no clima local, entre maio e outubro. A média de temperatura anual gira em torno dos 17°C, sendo o mês mais frio julho (média de 13 °C) e o mais quente fevereiro (média de 20 °C). O índice pluviométrico anual fica em torno de 2 450 mm.

Dados climatológicos para Rio Grande da Serra
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 24,4 24,5 23,9 22,2 20,4 19,2 18,6 19,4 20,1 21 22,1 23,4 21,6
Temperatura média (°C) 20,1 20,3 19,6 17,7 15,6 14,2 13,5 14,4 15,3 16,6 17,7 19,1 17
Temperatura mínima média (°C) 15,9 16,1 16,3 13,2 10,9 9,2 8,5 9,4 10,6 12,2 13,4 14,8 12,5
Precipitação (mm) 314 300 290 182 127 95 93 106 162 252 227 303 2 451
Fonte: Climate-Data.org[13]

Demografia[editar | editar código-fonte]

-Dados do Censo - 2000

População total: 44.084

  • Urbana: 44.084
  • Rural: 0
  • Homens: 18.467
  • Mulheres: 18.624

Densidade demográfica (hab./km²): 1010,65

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 18,38

Expectativa de vida (anos): 69,93

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,40

Taxa de alfabetização: 91,58%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,764

  • IDH-M Renda: 5575576565
  • IDH-M Longevidade: 0,749
  • IDH-M Educação: 0,890

(Fonte: IPEA DATA)

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Telefonia[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica da Borda do Campo (CTBC)[14] até 1998, quando esta empresa foi privatizada e vendida juntamente com a Telecomunicações de São Paulo (TELESP) para a Telefônica[15], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[16] para suas operações de telefonia fixa.

Mobilidade[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Estação Rio Grande da Serra - Vista ao sul
Estação Rio Grande da Serra - Plataformas

O município é servido pelos trens da Linha 10-Turquesa da CPTM (BrásRio Grande da Serra), que faz integração gratuitas com as linhas 2-Verde (Vila MadalenaVila Prudente) na Estação Tamanduateí e 3-Vermelha (Palmeiras-Barra FundaCorinthians-Itaquera) na Estação Brás, além de linhas de ônibus municipais (operadas pela empresa particular Viação Talismã) e linhas intermunicipais (operadas por empresas particulares - Rigras e Viação Ribeirão Pires).

A Viação Talismã foi criada depois que a empresa "Rigras" que operava as linhas municipais abandonou o município e se transferiu para Ribeirão Pires.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Rio Grande da Serra conta com UBS - Unidades Básicas de Saúde, sendo a UBS Central também um pronto socorro, USF - Unidades de Saúde da Família, centros especializados de saúde como o CEME - Centro de Especialidade Médicas e Espaços de Atendimento, o UPA - Unidade de Pronto Atendimento, Prevenção e Ações da Saúde, porém não conta com hospital municipal, sendo encaminhados os casos para hospitais da região.

Educação[editar | editar código-fonte]

Rio Grande da Serra possui:

  • Escolas Estaduais;
  • Municipais;
  • Particulares;
  • Escola técnica (Etec)

Festas Tradicionais[editar | editar código-fonte]

  • Festival Gastronômico e Cultural do Cambuci: Festa tradicional da cidade, é realizada anualmente, sendo um dos eventos mais importantes que integra também o mês de festejos do aniversário de Rio Grande da Serra, comemorado em 3 de maio. O Cambuci é um fruto nativo da região que integra a Rota do Cambuci, o Festival geralmente acontece no terceiro fim de semana do mês de maio e é realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turístico. Oferece feira de artesanato, shows com artistas da região, concurso para eleger a Rainha e Princesa do Cambuci, além da comercialização de bolos, tortas, sucos, molho, sushi, geleias e outros alimentos feitos com o fruto,
  • Festa de São Sebastião: a mais antiga e constante festa da cidade, realizada desde 1906 na sede da Paróquia São Sebastião. Teve origem na confecção da imagem do padroeiro por um andarilho anônimo que a fez para Francisco Pandolfi. Já passou por diversos formatos, e sempre no mês de janeiro compreende o Novenário (de 11 a 19), as celebrações do dia do padroeiro (20 de janeiro) e quermesses nos fins de semana. Em geral cada comunidade ou algumas delas (são 15 comunidades católicas na cidade) assumem os dias de novena, motivando e animando a missa. São Sebastião é o padroeiro e protetor contra a peste, a fome e a guerra;
  • Festa de São Francisco de Assis: o padroeiro do Jardim Santa Tereza é celebrado na capela de mesmo nome no mês de outubro, em geral com tríduo, missa e apresentações das crianças da catequese, a comunidade iniciou seus trabalhos em 1972 e as festas no decorrer desta década,
  • Festa da Primavera Poluída: Ato que acontece anualmente alertando a população e órgãos públicos sobre a necessidade de cuidar do meio ambiente.

Represa Billings: Rio Grande é responsável por abastecer 7% de toda água do estado de São Paulo com seus afluentes e nascentes, sendo um deles o Rio Grande, que passa pela cidade e dá origem ao nome do município, e o Rio Pequeno que apesar de ter acesso a parte suja da represa , produz a melhor água da represa, servindo a Represa Billings.[carece de fontes?] Sua área tem 97% do território inseridos na área de manancial.

Fonte:[17]

Administração Municipal[editar | editar código-fonte]

Prefeitos e Tempo de Gestão[editar | editar código-fonte]

  • Carlos José da Veiga Carlson - 1965 a 1969
  • Geraldino Lotti Filho - 1969 a 1972
  • Irinéia José Midolli - 1973 a 1977
  • Aarão Edmundo Jardim Teixeira - 1977 a 1982
  • Willian Valério Ramos - 1983 a 1988
  • Aparecido Benedito Franco - 1989 a 1992
  • José da Cruz Jardim Teixeira - 1993 a 1996
  • Aparecido Benedito Franco - 1997
  • José Carlos Arruda "Carlão" - 1997 a 1998
  • Expedito Antônio de Oliveira - 1998 (interinamente)
  • Danilo Franco - 1998 a 1999
  • Mario Carvalho da Silva - 1999
  • Ramon Álvaro Velasquez - Gestão Junho de 1999 a Dezembro de 2000
  • Ramon Álvaro Velasquez - 2001 a 2004
  • Adler Alfredo Jardim Teixeira "Kiko" - 2005 a 2008 e 2009 a 2012 (por reeleição)
  • Luis Gabriel Fernandes da Silveira "Maranhão" - 2013 a 2016 e 2017 a 2020 (por reeleição)
  • Claudio Manoel de Melo - 2021 - atual

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [[1]]
  2. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de setembro de 2009. Arquivado do original em 1 de agosto de 2012 
  4. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  5. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  6. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013 
  8. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  9. «Lei Complementar nº 1.139, de 16 de junho de 2011». Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  10. «Região Metropolitana de São Paulo». Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2017 
  11. a b «Rio Grande da Serra | HISTÓRIA». Prefeitura Municipal de Rio Grande da Serra. Consultado em 4 de julho de 2021 
  12. «Rio Grande da Serra | História & Fotos». IBGE Cidades. Consultado em 4 de julho de 2021 
  13. «CLIMA: RIO GRANDE DA SERRA». Climate-data.org. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  14. «História da CTBC». Companhia Telefônica da Borda do Campo 
  15. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  16. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  17. Municipal de Rio Grande da Serra[ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage