Rita Camata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rita Camata
Deputada federal do Espírito Santo
Período 1 de fevereiro de 1987
até 31 de janeiro de 2011
(5 mandatos consecutivos)
Primeira-dama pelo Espírito Santo
Período 31 de março de 1983
até 14 de maio de 1986
Secretária de Desenvolvimento, Infraestrutura e Transportes pelo Espírito Santo
Período 2003-2006
Dados pessoais
Nome completo Rita de Cássia Paste Camata
Nascimento 1 de janeiro de 1961 (58 anos)
Conceição do Castelo
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Federal do Espírito Santo
Esposo Gerson Camata (1981-2018)
Partido PMDB (1982-2009)
PSDB (2009-presente)
Religião Católica
Profissão Jornalista e política
linkWP:PPO#Brasil

Rita de Cássia Paste Camata (Conceição do Castelo, 1º de janeiro de 1961) é uma jornalista e política brasileira.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Filha de Antônio Paste e de Anidis Venturim Paste. Em 1981 ingressou na Universidade Federal do Espírito Santo e nesse mesmo ano casou-se com o deputado federal Gerson Camata tornando-se primeira-dama após a eleição do marido como governador do Espírito Santo em 1982 sendo empossado em 15 de março do ano seguinte. Graduada em 1985, Rita Camata dirigiu a Unidade Comunitária de Integração Social (UCIS) durante o governo do marido,[1] posição que lhe garantiu estatura política.[2]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Filiada ao PMDB desde 1982, foi eleita presidente do diretório municipal da legenda em Vitória em 1985 ao derrotar a também jornalista Rose de Freitas e nesse mesmo ano apoiou a candidatura vitoriosa de Hermes Laranja a prefeito da capital capixaba.[3] Eleita deputada federal em 1986, 1990, 1994 e 1998, participou da Assembleia Nacional Constituinte que elaborou a Constituição de 1988 e votou pelo impeachment do presidente Fernando Collor em 29 de setembro de 1992.

Em 2002 foi candidata a vice-presidente da República pela coligação Grande Aliança (PSDB-PMDB) sob a liderança do senador José Serra, foram derrotados em segundo turno pela chapa Lula-José Alencar (PT-PL-PCdoB-PCB-PMN). Secretária de Desenvolvimento, Infraestrutura e Transportes do governo Paulo Hartung, foi eleita para o quinto mandato de deputada federal em 2006.[4][5]

Filiou-se ao PSDB em 2009 e disputou, sem sucesso, um mandato de senadora pelo Espírito Santo em 2010.[4]

Seus feitos mais conhecidos no Brasil são o Estatuto da Criança e do Adolescente,[6] relatado por ela e sancionado pelo presidente Fernando Collor de Mello e a Lei de Responsabilidade Fiscal, relatada por ela e sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso.

Referências

  1. Governou de 15 de março de 1983 até 14 de maio de 1986 quando renunciou para disputar o mandato de senador.
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: Rita Camata». Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  3. Estas tentaram e perderam. Na próxima vez... (online). O Estado de S. Paulo, 23/08/1985. Página visitada em 16 de dezembro de 2012.
  4. a b «Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo: eleições anteriores». Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  5. Janeiro, Manuela Andreoni, iG Rio de (3 de outubro de 2010). «Rita Camata perde eleição e se retira de cena, desiludida - Eleições - iG». Último Segundo. Consultado em 18 de janeiro de 2019 
  6. «Atacada nas redes sociais, Rita Camata diz que também é a favor de maior rigor na punição a menores infratores». Gazeta online. Consultado em 18 de janeiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]