Rita Lee: uma autobiografia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rita Lee: uma autobiografia
Autor(es) Rita Lee
Ilustrador Rita Lee
Arte de capa Rita Lee e Guilherme Samora
Editora Globo
Lançamento 16 de novembro de 2016
Páginas 352

Rita Lee: uma autobiografia é um livro de memórias escrito pela cantora e compositora brasileira Rita Lee e publicado originalmente em novembro de 2016.[1] O livro foi recebido positivamente pela crítica,[2][3] sendo considerado um "ensinamento à classe artística" por um jornalista.[4] Em fevereiro de 2017, após quatro meses no topo da lista de obras de não-ficção mais vendidas - mais de duzentos mil exemplares, no total - foi anunciado que a autobiografia seria publicada em Portugal em abril de 2017.[5][6] O livro ganhou o prêmio de melhor biografia da Associação Paulista de Críticos de Artes de 2016, sendo a cantora premiada na mesma cerimônia por seus trabalhos no campo da música popular.[7]

Referências

  1. Marco Aurélio Canônico (3 de novembro de 2016). «Em autobiografia 'terapêutica', Rita Lee faz as pazes com seus traumas». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de março de 2017 
  2. Camargo, Zeca (3 de novembro de 2016). «Em autobiografia, Rita Lee mostra que fez e fará muita gente feliz». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de março de 2017 
  3. Beirão, Nirlando (20 de dezembro de 2016). «A vida sem filtro de Rita Lee». Carta Capital. Consultado em 3 de março de 2017 
  4. Julio Maria (5 de novembro de 2016). «Narrativa impiedosa da autobiografia de Rita Lee pode ser ensinamento à classe artística». O Estado de São Paulo. Consultado em 3 de março de 2017 
  5. Lauro Jardim (26 de fevereiro de 2017). «Após vender 150 mil exemplares, autobiografia de Rita Lee será lançada em Portugal». O Globo. Consultado em 3 de março de 2017 
  6. Ferreira, Mauro (4 de maio de 2017). «Em 'Conversa com Bial', Rita Lee fala da vontade de fazer 'disco de demos'». G1. Consultado em 5 de maio de 2017 
  7. «'Aquarius', 'Velho Chico', Rita Lee e Montagner levam prêmios da APCA». Folha de S.Paulo. 30 de novembro de 2016. Consultado em 4 de março de 2017