Rito Escocês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Águia bicéfala, emblema do Supremo Conselho do Grau 33
Parte de uma série de artigos sobre
Maçonaria
Maçom
Artigos principais

Maçonaria · Loja Maçônica · Templo maçônico · Grande Loja · Grande Oriente · Venerável Mestre · Graus maçônicos · Loja de Perfeição

História

História da Maçonaria · Manuscritos Maçônicos · Constituição de Anderson ·CLIPSAS · SIMPA · União Maçónica Internacional CATENA · C.I.MA.S.

Escocês Antigo e Aceito · York · Moderno · Schröder · Escocês Retificado · Adonhiramita · Emulation · Brasileiro · Memphis-Misraim

O Rito Escocês Antigo e Aceito, REAA ou simplesmente Rito Escocês, é um dos vários Ritos Maçônicos. Um rito maçônico é um conjunto de especificações e preceitos utilizados para se praticar os rituais maçônicos. Eles descrevem a ritualista, procedimentos, listam os sinais, toques, palavras e demais isntruções secretas ao público geral.[1]

Os ensinamentos dos ritos são dados em série, divididos em graus. Cada grau trás ensinamentos e cerimonias proprias. O Rito Escocês tem trinta e três graus. Por ser o rito mais utilizado no Brasil o senso comum o vê como único modelo de maçonaria. Mas há outros ritos, mais de duzentos[2] , com quantidades diferentes de graus.[3] Os trinta e três graus do rito são alcançados em diferentes Corpos maçônicos. Os três primeiros graus nas Lojas Simbólicas, são os graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre que estão presentes em todos os ritos que são regulados pelos Grandes Orientes e Grandes Lojas. E os Graus Filosoficos, do quarto ao trigésimo terceiro, são alcançados nas Lojas de Perfeição, Capítulos e Areópagos que são jurisdicionados aos Supremos Conselhos.[2]

No geral é um rito ecumenico, com a finalidade inter-religiosa "semelhante ao sincretismo teísta mais independente a religião". Ligado ao Antigo Testamento e à lenda de Hiram, lenda base da Maçonaria simbólica, julga-se que alguns dos ritos descritos eram praticados por outras ordens "secretas" ou "esotéricas" existentes na França como os Martinistas, os Illuminati e os Rosa-Cruz na Alemanha, e na Escócia como a resistência dos Templários que ainda preservavam a sua ordem.

Historia[editar | editar código-fonte]

Os primeiros indícios do início do rito são de meados de 1733, registros que constam os graus chamados Mestres Escocêses. Lojas que funcionavam no Temple Bar, na Inglaterra, e outras Lojas Francesas guardam registros destes graus. As poucas referências encontradas indicam que estas eram sessões incomuns, realizadas em cerimônias especiais.

Existe muita controvérsia sobre a influência templária no REAA, mas os estudos brasileiros mais atuais, feitos por Nicola Aslan e José Castellani, alegam que o templarismo não influenciou o REAA propriamente dito, mas sim ao Rito de Perfeição ou de Heredom, sob a pena de Andrew Ramsay, cavaleiro escocês que protagonizou a criação deste rito em solo francês. O Rito de Perfeição ou de Heredom foi por esse motivo o ponto de partida para o REAA, mas este sofreu vastas modificações até se ter tornado no que é hoje.

Localidade[editar | editar código-fonte]

O rito não foi idealizado na Escócia, mas leva este nome por ter suas raízes lá. Ele começou a ser formulado na França com o nome de Rito de Heredom e possuía apenas vinte e cinco graus[4] . Foi nos EUA que ele passou a ser chamado de Rito Escocês Antigo e Aceito e mais oito graus foram adicionados, somando os atuais trinta e três graus. Em 1855 começou a ser revisado por Albert Pike passando a ser praticado por um contingente maior de maçons e em 1801 foi criado o Primeiro Supremo Conselho, ou "Mãe do Mundo", hoje conhecido como Supremo Conselho do Rito Escocês da Jurisdição Sul dos EUA.[5] [6]

O Rito chega aos EUA no final do século XVIII com vinte e dois graus apenas. Foi a influencia dos "11 cavalheiros de Charleston", na Carolina do Sulque adicionou mais sete graus filosóficos e um grau honorifico e em 1801 foi criado o primeiro Conselho Supremo para administrar os trinta graus do rito.

Origem do Nome[editar | editar código-fonte]

Maçons Antigos, Livres & Aceitos é um termo presente na maçonaria mesmo antes da criação do REAA. Pode aparecer informalmente após o nome de órgãos maçônicos, como potencias, ou fazer parte de nomes oficiais. É comum que algumas vezes retirem o termo Antigo utilizando apenas Livres e Aceitos. Foi este costume que influenciou a escolha do nome do Rito Escocês Antigo e Aceito.[7]

No século XVIII havia duas Grandes Lojas rivais na Inglaterra. Os membros da "Grande Loja dos Maçons Livres e Aceitos da Inglaterra", fundada em 1717, eram conhecidos como Modernos, já os membros da "Grande Loja dos Maçons Livres e Aceitos da Inglaterra de acordo com as Antigas Constituições", conhecida como "Antiga Grande Loja da Inglaterra", eram chamados de Antigos. Depois de mais de meio século de rivalidade, as duas potencias maçônicas resolveram se unir em 1813, com isso muitas lojas usavam "Maçons Livres e Aceitos" e outras usavam o "Antigo".[7]

Foi esta influencia inglesa que deu o nome ao Rito Escocês Antigo e Aceito. Diferente do termo "Livre e Aceito", também comum na maçonaria, que se refere respectivamente aos maçons operativos que tinham direito de viajar entre os feudos livremente e Aceitos se referindo aos maçons especulativos que passaram a ser aceitos na maçonaria.[7]

Albert Pike[editar | editar código-fonte]

Casa do Templo, sede do Supremo Conselho do Rito Escocês da Jurisdição Sul dos EUA, em Washington, D.C.
Ver artigo principal: Albert Pike

Albert Pike é o responsável pela mais importante revisão e estruturação que o REAA recebeu. Com dez anos de maçonaria, Pike foi convencido por Albert Mackey para ingressar no REAA. Viajou para Charleston, onde ficava o Supremo Conselho, e recebeu as instruções do 4º ao 32º grau e começou a ajudar o conselho a estruturar, revisar e consolidar o rito. Em 1870 a Guerra Civil Americana forçou o Supremo Conselho a se mudar para Washington, D.C.

Em dois anos Pike acabou o trabalho e recebeu o grau honorifico de Soberano Grande Comendador, o grau 33 do REAA, em 1859. Outras edições do trabalho foram feitas, mas a oficial foi publicada em 1884 com título Moral e Dogma do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria, ou simplesmente Moral e Dogma.[5]

Graus do Rito Escocês Antigo e Aceito[editar | editar código-fonte]

Quando os maçons atingem o 3º Grau, estão em pleno gozo de suas prerrogativas maçônicas, uma vez que originalmente a Grande Loja Unida da Inglaterra trabalhou sucessivamente com dois (Aprendiz e Companheiro) e depois com três graus que ensinavam a parte da filosofia base da simbólica maçônica.

Os graus referidos como Filosóficos, são graus elevados e em número de trinta, onde a filosofia e a moral são estudadas simbolicamente, em cada grau, com lendas ou mitos a estes associados.

Os graus elevados Filosóficos são geridos por vários Supremos Conselhos, que têm como objectivo manter a uniformidade mundial dos rituais e dos métodos utilizados.

Existe também o Rito Escocês Retificado, também chamado de Rito de Willermoz em alusão ao seu idealizador, Jean Baptiste Willemoz, que tencionava trazer de volta o rito às suas origens templárias com fortes ecos no Rito de Perfeição ou de Heredom, do qual deriva o Rito Escocês Antigo e Aceito.

 Simbólicos ou Tradicionais

Lojas da Perfeição ou Filosóficos

Capítulos
Areópagos
  • 19) Grande Pontífice ou Sublime Escocês de Jerusalém Celeste
  • 20) Soberano Príncipe da Maçonaria ou Mestre "ad Vitam" ou Venerável Grão-Mestre de todas as lojas
  • 21) Cavaleiro Prussiano ou Noaquita
  • 22) Cavaleiro Real Machado ou Príncipe do Líbano
  • 23) Chefe do Tabernáculo
  • 24) Príncipe do Tabernáculo
  • 25) Cavaleiro da Serpente De Bronze
  • 26) Príncipe da Mercê ou Escocês Trinitário
  • 27) Grande Comendador do Templo ou Soberano Comendador do Templo de Salomão
  • 28) Cavaleiro do Sol ou Príncipe Adepto
  • 29) Grande Cavaleiro Escocês de Santo André da Escócia ou Patriarca dos Cruzados ou Grão-Mestre da Luz
  • 30) Grande Inquisidor, Grande Eleito Cavaleiro Kadosh ou Cavaleiro da Águia Branca e Negra
Administrativos

Rito de Perfeição e Rito Escocês[editar | editar código-fonte]

O Rito de Perfeição ou de Heredom continha oito graus a menos, além de outras diferenças. Os nomes dos graus variam muito de um Supremo Conselho para outro.

Rito de Perfeição[8] Rito Escocês[8]
1. Aprendiz 1. Aprendiz
2. Companheiro 2. Companheiro
3. Mestre 3. Mestre
4. Mestre Secreto 4. Mestre Secreto
5. Mestre Perfeito 5. Mestre Perfeito
6. Secretário Íntimo 6. Secretário Íntimo
7. Intendente dos Edifícios 7. Preboste e Juiz
8. Preboste e Juiz 8. Intendente dos Edifícios
9. Eleito dos Nove 9. Eleito dos Nove
10. Eleito dos Quinze 10. Ilustre Eleito dos Quinze
11. Ilustre Eleito Chefe das Doze Tribos 11. Sublime Cavaleiro Eleito
12. Grande Mestre Arquiteto 12. Grande Mestre Arquiteto
13. Real Arco de Salomão 13. Cavaleiro do Real Arco
14. Grande Eleito, Antigo e Perfeito Mestre 14. Grande Eleito, Perfeito e Sublime Maçom
15. Cavaleiro da Espada 15. Cavaleiro do Oriente ou da Espada
16. Príncipe de Jerusalém 16. Príncipe de Jerusalém
17. Cavaleiro do Oriente e do Ocidente 17. Cavaleiro do Oriente e do Ocidente
18. Cavaleiro Rosa-Cruz 18. Cavaleiro Rosa-Cruz
19. Grande Pontífice 19. Grande Pontífice ou Sublime Escocês
20. Noaquita ou Cavaleiro Prussiano 20. Soberano Príncipe da Maçonaria ou Mestre Ad-vitam
21. Grande Patriarca 21. Noaquita ou Cavaleiro Prussiano
22. Príncipe do Líbano 22. Cavaleiro do Real Machado ou Príncipe do Líbano
23. Chefe do Tabrnáculo
24. Príncipe do Tabarnáculo
25. Cavaleiro da Serpente de Bronze
26. Príncipe da Mercê ou Escocês Trinitário
27. Grande Comandante do Templo
23. Cavaleiro do Sol ou Sobero Príncipe Adepto 28. Cavaleiro do Sol ou Príncipe Adepto
24. Ilustre Cavaleiro Comandante da Águia Branca e Negra 29. Grande Cavaleiro Escocês de Santo André
25. Ilustre e Soberano Príncipe da Maçonaria, Grande Cavaleiro Comandante do Real Segredo 30 Cavaleiro Kadosh ou Cavaleiro da Águia Branca e Negra
31. Grande Inspetor Inquisidor
32. Sublime Príncipe do Real Segredo
33. Grande Inspetor Geral da Ordem

Referências

  1. DA CAMINO, Rizzardo (2013). Dicionário Maçônico (São Paulo: Mandras Editora). 
  2. a b DA CAMINO, Rizzardo (1999). Rito Escocês Antigo e Aceito Loja de Perfeição (São Paulo: Madras). ISBN 85-85505-65-6. 
  3. «Mistérios elucidados sobre os maçons». Super Interessante. 11/2008. Consultado em 16/05/2016. 
  4. Jackson, A.C.F. (1987). Rose Croix: A History of the Ancient & Accepted Rite for England and Wales rev. ed. (London: Lewis Masonic). p. 37. 
  5. a b ISMAIL, Kennyo. «Dilema do Rito Escocês Antigo e Aceito, O» (PDF). No Esquadro. 29/10/2012. Consultado em 16/05/2016. 
  6. ISMAIL, Kennyo. «Origem do REAA» (WEB). No Esquadro. 25/02/2011. Consultado em 16/05/2016. 
  7. a b c ISMAIL, Kennyo. «Entendendo o Termo "Maçons Antigos, Livres e Aceitos"» (WEB). No Esquadro. 05/03/2011. Consultado em 16/05/2016. 
  8. a b ISMAIL, Kennyo. «Rito de Perfeição x Rito Escocês» (PDF). No Esquadro. 04/04/2012. Consultado em 16/05/2016. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CAMINO, Rizzardo da, Rito Escocês Antigo e Aceito Loja de Perfeição (Graus 1.º ao 33.º), Madras Editora Ltda, 2.ª Edição, 1999, ISBN 85-85505-65-6
  • ARNAUT, António, Introdução à Maçonaria. 5.ª ed., Coimbra, Coimbra Editora, 2006. ISBN 978-972-32-1416-4
  • CAMINO, Rizzardo da. Os Graus Inefáveis 4.º ao 14.º - Rito Escocês Antigo e Aceito. Ed. Canto das Letras. Pg. 295. ISBN 85-370-0222-4.
  • QUEIROZ, Álvaro. A Maçonaria Simbólica - Rito Escocês, Antigo e Aceito. Ed. Madras. Pg. 25. ISBN 978-85-370-0273-5.
  • FIGUEIREDO, Joaquim Gervásio de. Dicionário de Maçonaria. Ed. Pensamento. Pg. 425. ISBN 85-315-0173-3.
  • COSTA, Wagner Veneziani. Maçonaria - Escola de Mistérios. Ed. Madras. Pg. 227. ISBN 85-370-0129-5.
  • KARG, Barb, YOUNG, John K. O Livro Completo dos Maçons. Ed. Madras. Pg. 225. ISBN 978-85-370-0262-9.
  • GUIMARÃES, João Francisco. Maçonaria, a Filosofia do Conhecimento. Ed. Madras. Pgs. 87, 122. ISBN 85-370-0091-4.
  • JURADO, José Martins. Maçonaria Adonhiramita. Ed. Madras. Pg. 136. ISBN 85-7374-808-7.
  • CAMINO, Rizzardo da. Rito Escocês Antigo e Aceito - 1.º ao 33.º. Ed. Madras. Pg. 149. ISBN 978-85-370-0222-3.
  • ANATALINO, João. Conhecendo a Arte Real - a Maçonaria e Suas Influências Históricas e Filosóficas. Ed. Madras. 2007. Pg. 267. ISBN 978-85-370-0158-5
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Maçonaria.